Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Dinastia Agilolfinga
Estado Ducado da Baviera

Reino Lombardo

Título
Origem
Fundador Garibaldo I da Baviera
Fundação 550
Casa originária Dinastia Sueva
Etnia Franco-Sueva
Atual soberano
Último soberano
Dissolução 788 (Baviera)

712 (Reino Lombardo)

Linhagem secundária
Dinastia Conradina
Teodolinda (c. 570–628), filha de Garibaldo I, afresco de Zavattari

Os Agilolfingos eram uma família nobre da baviera, talvez de origem franco-sueva que, historicamente, governou o Ducado da Baviera entre 550 e 788, de forma independente ou como vassalos dos reis francos. Entende-se que a família é descendente do príncipe Agilolfo, o Suevo, neto de Hermerico rei suevo da Galécia. O primeiro duque mencionado em documentos é Garibaldo I.

O termo "Agilolfingo" as vezes é usado pelos historiadores para indicar a dinastia que governou o Reino Lombardo e a Itália por quase todo o século VII, de 616 a 712 (mas não continuamente), com oito reis. Os Bávaros foram relacionados com os agilolfingos da Baviera: a mais antiga dinastia lombarda de Letingi continuou, mas através de uma série de sucessões femininas; Do lado masculino, a rainha Teodolinda, cujo casamento com o rei lombardo Autário traça o início da dinastia ao Reino Lombardo, foi em vez disso a filha de um Agilolfingio da Baviera, o mesmo Garibaldo I[1].

Índice

Agilolfingos na BavieraEditar

  • Garibaldo I, duque da Baviera 548-591.
  • Tassilão I, rei da Baviera 591-610, filho de Garibaldo I.
  • Garibaldo II, duque da Baviera 610-630, filho de Tassilão I.
  • Fara, duque da Baviera, 630-640, filho de Garibaldo II.
  • Teodão I, duque da Baviera, 640-680, filho de Tassilão I.
  • Lambert, duque da Baviera 680, filho de Teodão I.
  • Teodão II, duque da Baviera 680-716, filho de Teodobaldo (filho de Tassilão I).
  • Teodeberto, duque da Baviera, em Salzburgo 702-719, filho de Dietenheim II.
  • Teobaldo, duque da Baviera, provavelmente, em Regensburg 711-719, filho de Teodão II.
  • Tassilão II, duque da Baviera, em Passau 716-719, filho de Teodão II.
  • Grimualdo, duque da Baviera, em Freising, 716-719 e a partir de 719 a 725, duque da Baviera, filho de Teodão II.
  • Ugoberto, duque da Baviera 725-737, filho de Teodeberto.
  • Dom Odilo, duque da Baviera 737-748. Agilolfingio de um ramo colateral.
  • Griffin, o filho de Carlos martel e Swanachilde (filha de Tassilão II ou Teodeberto) 748 (usurpador)
  • Tassilão III, duque da Baviera 748-788, filho de dom Odilo
  • Teodão e Teodeberto, os filhos de Tassilão III, foram fechados em um mosteiro.

Agilolfingos na ItáliaEditar

  • Teodolinda, filha de Garibaldo I da Baviera, rainha dos Lombardos (a esposa de Autari e, em seguida, de Agilulf).
  • Adaloaldo, rei dos Lombardos, a partir de 616 em 625, filho de Agilulf e Theudelinda
  • Gundeperga, filha de Autari e Teodolinda, foi casada com o rei Arioaldo (626-636) e, em seguida, o rei Rotário (636-652) e foi a mãe de Rodoaldo (652-653)
  • Gundoaldo, duque de Asti, filho de Garibaldo I da Baviera, fundador da dinastia, a Baviera:
  • Ariberto I, rei dos Lombardos (653-661(filho de Gundoaldo
  • Duas torres simétricas, o filho mais velho de Ariperto, rei dos Lombardos (661-662 (com
  • Bertário, filho mais novo de Ariperto, rei dos Lombardos (661-662 e 671-688)
  • Teódata, filha de Ariberto, casado Grimualdo, duque de Benevento, e, em seguida, rei dos Lombardos (662-671), e foi a mãe de Garibaldo, o rei recém-nascido (671) para as três meses
  • Cuniberto, rei dos Lombardos (688-700), filho de Bertário
  • Liuberto, rei dos Lombardos (700-701 e 701-702), filho de Cuniberto
  • Regimberto, rei dos Lombardos (701), o filho de duas torres simétricas
  • Ariberto II, rei dos Lombardos (702-712), filho de Regimberto

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Jörg Jarnut: Agilolfingerstudien. Untersuchungen zur Geschichte einer adligen Familie im 6. und 7. Jahrhundert. Stuttgart 1986. Diese Ansicht wird weitgehend geteilt in: Wilhelm Störmer: Die Baiuwaren. Von der Völkerwanderung bis Tassilo III. München 2007.