Dingir (em sumério: 𒀭; romaniz.: DIĜIR, Dinguir) é o termo que traduz, na língua suméria, a palavra deus ou deusa. O seu sinal cuneiforme é mais comumente empregado como o determinante para nomes religiosos e conceitos relacionados, caso em que não é pronunciado e é convencionalmente transliterado como um sobrescrito "D" como, por exemplo, DInana.

O símbolo cuneiforme por si só era originalmente um ideograma para a palavra suméria am ("céu" ou "firmamento");[1] seu uso foi estendido a um logograma para a palavra dingir ("deus" ou "deusa")[2] e a suprema divindade do panteão sumério, Am, e um fonograma para a sílaba /an/. O acadiano assumiu todos esses usos e adicionou-lhes uma leitura logográfica para o "ilum" nativo e de que uma leitura silábica de /il/. Na ortografia hitita, o valor silábico do sinal era novamente apenas /an/.

O conceito de "divindade" em sumério está intimamente associado com o céu, como é evidente pelo fato de que o signo cuneiforme dobra como o ideograma para "céu", e que sua forma original é a imagem de uma estrela. A associação original de "divindade" é assim com hierofanias "brilhantes" no céu.[carece de fontes?]

Ver tambémEditar

Referências

BibliografiaEditar

  • Hayes, John L. (2000). A Manual of Sumerian Grammar and Texts. Col: Aids and Research Tools in Ancient Near Eastern Studies. Malibu: Undena Publications. ISBN 978-0890031971 
  • Edzard, Dietz Otto (2003). Sumerian Grammar. Col: Handbook of Oriental Studies. Atlanta: Society of Biblical Literature. ISBN 978-1589832527 
  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Dingir».
  Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.