Dionísio, o Areopagita

Padroeiro (orago) de Atenas

Dionísio, o Areopagita ( /ˌdəˈnɪsiəs/; em grego: Διονύσιος ὁ Ἀρεοπαγίτης, Dionysios ho Areopagitês; séc. I) atuou no Tribunal de Areópago e foi Bispo de Atenas. Convertido ao Cristianismo e batizado pelo próprio Apóstolo Paulo, Dionísio é venerado como santo pela Igreja Ortodoxa[2], entre outras denominações.

São Dionísio Areopagita
Nascimento  
Século I
Morte  
Século I
Veneração por Catolicismo
Igreja Ortodoxa
Igreja Apostólica Armênia
Festa litúrgica 3 de Outubro (Igreja Católica e Igreja Ortodoxa).[1]
9 de Outubro (Igreja Apostólica Armênia).
Padroeiro Atenas, Crotone, Jerez de la Frontera e Ojén
Gloriole.svg Portal dos Santos
Dionysiou Ta Sozomena Panta (1756)
Afresco de Dionísio no mosteiro Hosios Loukas

VidaEditar

Conforme relatado nos Atos dos Apóstolos,[3] ele foi convertido ao Cristianismo pela pregação do Apóstolo Paulo durante o sermão do Areópago, segundo Dionísio, Bispo de Corinto, citado por Eusébio de Cesareia. Foi um dos primeiros atenienses a acreditar em Cristo.

A tradição sustenta que, mais cedo, em tenra idade, ele se viu em Heliópolis do Egito (perto do Cairo), exatamente na época da crucificação de Cristo em Jerusalém. Naquela sexta-feira, na época da crucificação de Cristo, segundo o evangelho: "Do meio-dia às três da tarde, trevas vieram sobre toda a terra".[4] O jovem Dionísio ficou chocado com esse fenômeno paradoxal e exclamou: "Deus sofre ou está sempre desanimado" ("Deus sofre ou está perdido tudo"). Ele teve o cuidado de anotar o dia e a hora desse evento sobrenatural da escuridão do sol.

Quando Dionísio voltou a Atenas, ouviu a pregação do apóstolo Paulo no monte Areópago, em Atenas, falando sobre aquela escuridão sobrenatural durante a crucificação de Jesus, dissolvendo qualquer dúvida sobre a validade de sua nova fé. Ele foi batizado com sua família em 52 d.C.[5] Assim, quando Dionísio ouviu Paulo pregar sobre Cristo no Monte Areópago, em Atenas, recordou essa experiência que reforçou sua convicção de que Paulo estava falando a verdade sobre Jesus como o Messias e Salvador do Mundo há muito prometido.

Relatos históricos apontam que, quando soube que a Mãe de Cristo, Maria, morava em Jerusalém, viajou a Jerusalém para encontrá-la. A partir dessa reunião, ele disse: "Sua aparência, suas feições, toda sua aparência testemunham que ela é realmente Mãe de Deus". Em Jerusalém, ele também descobriu onde Maria dormiu e partiu deste mundo para se juntar ao seu Filho e ao seu Deus. Depois chorou, como os Apóstolos e outros líderes da Igreja, torrentes de lágrimas, e também assistiu ao funeral de Maria em Jerusalém.

Dionísio sofreu o fim de um mártir cristão ao ser queimado. A sua história foi preservada pelo historiador cristão primitivo, Eusébio de Cesareia, na sua História Eclesiástica.

Após sua conversão, Dionísio se tornou o primeiro bispo de Atenas.[6] Ele é venerado como santo nas igrejas católica e ortodoxa oriental. Ele é o santo padroeiro de Atenas, e é venerado como o protetor dos juízes e do judiciário. Sua memória é comemorada em 3 de outubro. Seu dia de nome na Igreja Ortodoxa Oriental é 3 de outubro[7] e na Igreja Católica é 9 de outubro.[8]

Em Atenas, existem duas grandes igrejas com esse nome: uma no bairro Kolonaki, na rua Skoufa; enquanto a outra é a Metrópole Católica de Atenas, na rua Panepistimiou. Seu nome também ostenta a passarela de pedestres ao redor da Acrópole de Atenas, que atravessa a rocha do Areópago.

Dionísio é o santo padroeiro de Gargalianoi da Messénia, bem como na vila de Dionysi, no sul da unidade regional de Heraclião. A vila recebeu o nome dele, e é a única da ilha de Creta com uma igreja em homenagem a são Dionísio Areopagita.

Confusões históricasEditar

No início do século VI, uma série de escritos de natureza mística, empregando linguagem neoplatônica para elucidar ideias teológicas e místicas cristãs, foi atribuída ao Areopagita.[9] Eles são reconhecidos há muito tempo como pseudepigrafia, e seu autor agora é chamado de " Pseudo-Dionísio, o Areopagita" pela maior parte da academia, mas a igreja ortodoxa continua a atribuir tais escritos a São Dionísio, o Aeropagita.

Dionísio foi identificado erroneamente com o mártir da Gália: Dionísio (Dênis ou Dinis), o primeiro bispo de Paris. No entanto, esse erro de um escritor do século IX é ignorado, e cada santo é comemorado em seu respectivo dia.[10]

Referências

FontesEditar

  • Corrigan, Kevin; Harrington, Michael. "Pseudo-Dionysius the Areopagite". In Zalta, Edward N. (ed.). Stanford Encyclopedia of Philosophy.

Ligações externasEditar