Tumulto

(Redirecionado de Disfunção)

Um tumulto (ou distúrbio [civil], ou ainda motim) pode ser definido como um conflito humano comumente caracterizado por um grupo de pessoas atacando autoridades, propriedades ou outras pessoas em uma perturbação pública violenta.

Registro de um tumulto em 1939.

CaracterísticasEditar

Os tumultos geralmente envolvem a destruição de propriedade, pública ou privada. A propriedade visada varia de acordo com o tumulto e as inclinações dos envolvidos. Os alvos podem incluir lojas, carros, restaurantes, instituições estatais e edifícios religiosos.[1]

Os distúrbios costumam ocorrer em reação a uma queixa ou por divergência. Historicamente, os distúrbios ocorreram devido à pobreza, desemprego, más condições de vida, opressão governamental, tributação ou recrutamento, conflitos entre grupos étnicos (tumulto racial) ou religiões (violência sectária), o resultado de um evento esportivo (tumulto esportivo) ou frustração com os canais legais pelos quais expor suas queixas.[2]

Embora os indivíduos possam tentar liderar ou controlar um tumulto, os motins normalmente consistem em grupos desorganizados que são frequentemente "caóticos e exibem comportamento de rebanho".[1] Há um crescente corpo de evidências que sugere que os distúrbios não são irracionais, comportamento de rebanho (às vezes chamada de mentalidade de turba), mas na verdade seguem normas sociais invertidas.[3]

Lidar com distúrbios costuma ser uma tarefa difícil para as forças policiais. Eles podem usar gás lacrimogêneo ou gás CS para controlar manifestantes. A polícia de choque pode usar métodos de controle menos que letais, como espingardas que disparam cassetetes flexíveis para ferir ou incapacitar os desordeiros para uma prisão mais fácil.[4]

Exemplos relevantesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Braha, D. (2012). «Global Civil Unrest: Contagion, Self-Organization, and Prediction». PLOS ONE. 7 (10): e48596. Bibcode:2012PLoSO...748596B. PMC 3485346 . PMID 23119067. doi:10.1371/journal.pone.0048596 
  2. Smead, Howard; Tager, Jack (Dezembro de 2001). «Boston Riots: Three Centuries of Social Violence». The New England Quarterly. 74 (4). 669 páginas. ISSN 0028-4866. JSTOR 3185445. doi:10.2307/3185445 
  3. «You won't prevent future riots by disregarding the psychology of crowds». The Guardian. 19 de agosto de 2011 
  4. Davison, Neil (2009), «The Early History of 'Non-Lethal' Weapons», ISBN 978-1-349-30656-5, Palgrave Macmillan UK, 'Non-Lethal' Weapons, pp. 12–39, doi:10.1057/9780230233980_2 

Leitura adicionalEditar

  • Bessel, Richard; Emsley, Clive (2000). Patterns of Provocation: Police and Public Disorder. [S.l.]: Berghahn Books. ISBN 1-57181-228-8 
  • Bloome, Clive (2003). Violent London: 2000 Years of Riots, Rebels and Revolts. London: Sidgwick & Jackson. ISBN 0-283-07310-1 
  • Bohstedt J. 1983. Riots and Community Politics in England and Wales, 1790–1810. Cambridge, MA: Harvard Univ. Press
  • Clover, Joshua (2016). Riot: The New Era of Uprisings. London: Verso. ISBN 978-1-78478-059-3 
  • Hernon, Ian (2006). Riot!: Civil Insurrection from Peterloo to the Present Day. [S.l.]: Pluto Press. ISBN 0-7453-2538-6 
  • Nagl, Dominik (2013). No Part of the Mother Country, but Distinct Dominions - Rechtstransfer, Staatsbildung und Governance in England, Massachusetts und South Carolina, 1630–1769. [S.l.]: LIT. ISBN 978-3-643-11817-2  Online pp. 594
  • Olzak S, Shanahan S, McEneaney EH. 1996. "Poverty, segregation and race riots: 1960 to 1993." Am. Sociol. Rev. 61(4):590–613
  • Waddington, P. A. J. (1991). The Strong Arm of the Law: Armed and Public Order Policing. [S.l.]: Clarendon Press. ISBN 0-19-827359-2 
  • Wilkinson, Steven. 2009. "Riots." Annual Review of Political Science.
  • Wilkinson S. 2004. Votes and Violence: Ethnic Competition and Ethnic Riots in India. New York: Cambridge Univ. Press

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Tumulto
  Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.