Abrir menu principal

Displasia de desenvolvimento da anca

(Redirecionado de Displasia coxofemoral)
Displasia de desenvolvimento da anca
Deslocação congénita da anca esquerda numa pessoa idosa. A seta fechada indica o acetábulo, a seta aberta a cabeça do fémur
Sinónimos Displasia da anca,[1] luxação congénita da anca[2] doença displásica da anca
Especialidade Pediatria, ortopedia
Sintomas Nenhum, uma perna mais curta, coxear[1]
Complicações Artrite[3]
Fatores de risco Antecedentes familiares, uso de cueiros, parto com apresentação pélvica[3]
Método de diagnóstico Exame físico, ecografia[3]
Tratamento Ortóteses, gesso, cirurgia[3]
Prognóstico Favorável, se detectada cedo[1]
Frequência 1 em 1000 (bebés a termo)[3]
Classificação e recursos externos
CID-10 Q65
CID-9 754.3
OMIM 142700
DiseasesDB 3056
MedlinePlus 000971
eMedicine 1248135
MeSH D006618
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Displasia de desenvolvimento da anca é uma malformação da articulação da anca em que o acetábulo não reveste completamente a cabeça do fémur, o que faz aumentar o risco de luxação.[1] A displasia da anca pode estar presente desde o nascimento ou desenvolver-se no início da vida.[1] No entanto, em crianças com menos de um ano de idade geralmente não se manifestam sintomas.[3] Em alguns casos, uma das pernas pode ser mais curta do que a outra.[1] A anca esquerda é afetada com maior frequência do que a anca direita.[3] Se não for tratada, é possível que mais tarde ocorram complicações como artrite, coxear e dores no fundo das costas.[3]

Entre os fatores de risco para displasia da anca estão antecedentes familiares da condição, o uso de cueiros e parto com apresentação pélvica.[3] Quando um gémeo verdadeiro é afetado, existe um risco de 40% de o outro também vir a ser afetado.[3] Está recomendado o rastreio de todos os bebés através de exame físico.[3] O diagnóstico pode ser auxiliado por ecografia.[3]

Muitos casos ligeiros resolvem-se sem tratamento específico.[3] Em casos mais significativos, quando a condição é detectada cedo pode ser corrigida apenas com recurso a ortóteses.[3] Nos casos em que é detectada mais tarde, pode ser necessária cirurgia ou aplicação de gesso ortopédico.[3] Cerca de 7,5% das próteses de anca são realizadas para tratar problemas com origem na displasia da anca.[3]

A displasia de desenvolvimento da anca afeta cerca de 1 em cada 1000 bebés.[3] A instabilidade da anca com significado clínico ocorre em 1 a 2% de todos os bebés nascidos a termo.[3] A condição é mais comum entre crianças do sexo feminino.[1] As descrições da displasia da anca remontam a pelo menos 300 a.C. por Hipócrates.[4]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g «Your Orthopaedic Connection: Developmental Dysplasia of the Hip». Outubro de 2013 
  2. «Definition: congenital dysplasia of the hip from Online Medical Dictionary» 
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Shaw, BA; Segal, LS; SECTION ON, ORTHOPAEDICS. (dezembro de 2016). «Evaluation and Referral for Developmental Dysplasia of the Hip in Infants.». Pediatrics. 138 (6): e20163107. PMID 27940740. doi:10.1542/peds.2016-3107 
  4. Bentley, George (2009). European Instructional Lectures: Volume 9, 2009; 10th EFORT Congress, Vienna, Austria (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 40. ISBN 9783642009662