Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Setembro de 2008). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Dispneia também chamada de falta de ar é um sintoma no qual a pessoa tem dificuldade em respirar, normalmente com a sensação de respiração incompleta, muitas vezes acompanhada de opressão torácica e mal estar.[1] É um sintoma comum a um grande número de doenças, em especial na área da cardiologia e pneumologia. Exemplos são as afecções pulmonares, as lesões no bulbo raquidiano ou as obstruções da laringe, etc.

Alguns termos técnicosEditar

  • Ortopneia: É a dificuldade respiratória (dispneia) que ocorre quando a pessoa está deitada.
  • Dispneia de decúbito: Dispneia que surge em decúbito dorsal e que melhora ao assumir a posição ortostática. Geralmente, a pessoa dorme com vários travesseiros. Ex. Insuficiência cardíaca congestiva.
  • Dispneia paroxística noturna: Dispneia que surge algum tempo após o adormecer, com a pessoa acordando bruscamente com forte sensação de sufocação.
  • Trepopneia: Dispneia com a pessoa deitada de lado.
  • Platipneia: Dispneia na posição ortostática, que alivia com o decúbito.
  • Apneia: Paragem temporária da respiração.
  • Hipopneia: Diminuição da frequência e profundidade da respiração, abaixo das necessidades do organismo.
  • Eupneia: É manutenção natural da frequência respiratória.

Parâmetros da eupneia:

Recém-nascido até 2 meses: Frequência respiratória normal até 60 ipm (incursões respiratórias por minuto)

De 2 meses até 1 ano: Frequência normal até 50 ipm

De 1 ano até 5 anos: Frequência normal até 40 ipm

De 5 anos até os 12 anos considera-se normal a frequência respiratória variando entre 20 a 30 ipm. Após isso, o ritmo regular da respiração varia entre 12 a 20 ipm.

MecanismosEditar

A falta de ar é percebida pelo cérebro. Qualquer situação que leve à diminuição de aporte de oxigénio às áreas responsáveis pelo controle da respiração gera este sintoma. Pode ser por:

  1. Diminuição do oxigénio do ar ambiente.
  2. Obstrução das vias aéreas.
  3. Diminuição da difusão do oxigénio das vias aéreas para o sangue.
  4. Diminuição da capacidade do sangue transportar oxigénio.
  5. Diminuição da circulação do sangue.

Referências

  1. «Dispneia». Dicionário de Termos Médicos da Porto Editora. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.