Abrir menu principal

A Dissolução ou Desintegração da Áustria-Hungria foi um processo que ocorreu após a derrota do país na Primeira Guerra Mundial e fez desaparecer como Estado em finais de 1918. De seus territórios surgiram a Primeira República da Áustria, a Primeira República da Checoslováquia, a República Democrática da Hungria, o Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, a Segunda República da Polônia; e; o Reino de Itália e o Reino da Romênia expandiram-se territorialmente.

A Áustria passou a ser considerada o estado sucessor da Áustria-Hungria.

Índice

AntecedentesEditar

 
O jovem imperador Carlos, que tentou, sem sucesso, manter a unidade do império.

As tensões que desde o século XIX estavam afetando o império foram agravadas pela guerra mundial com derrotas militares e dificuldades na retaguarda. A morte do imperador ancião, Francisco José I, em 21 de novembro de 1916 acelerou a crise.[1]

As diferentes nacionalidades que compunham o estado intensificaram seus esforços para alcançar a independência.[1] Na Frente Oriental com as tropas checas e eslovacas desertando em grande número, formando a chamada Legião Checoslovaca com cerca de 50.000 soldados que lutavam para a Tríplice Entente .[1]

Os gestos do novo e jovem Imperador Carlos como a nomeação de um novo ministro do exterior (o conde tcheco Ottokar von Czernin, 22 de dezembro de 1916 [2]), a assistência do Chefe de Gabinete ou a reabertura do Parlamento na Primavera de 1917, não conseguiram acalmar as tensões pela independência.[1]

O imperador, enquanto tentava conciliar os movimentos internos, procurou desde o início a paz com seus inimigos, usando os serviços de seu irmão, o príncipe Sixto de Bourbon-Parma (ver: Escândalo Sisto de Bourbon) . As negociações fracassaram e Carlos perdeu sua capacidade de agir politicamente independente do Império Alemão .[3]

Pouco depois do escândalo sobre as conversações secretas pelas costas dos alemães, Carlos tentou novamente agradar políticos da oposição anistiando presos políticos em 2 de julho de 1918. [3] A atitude, relativamente bem recebida pelos adversários, foi muito mal recebida pela maioria dos apoiantes da dinastia, especialmente os políticos conservadores alemães, que entenderam que recompensava os desleais.[3]

DissoluçãoEditar

 
A dissolução do Império Austro-Húngaro e as novas unidades políticas do pós-guerra.

Após a ruptura da Frente de Salônica no final de setembro de 1918 e do pedido de armistício da Bulgária em 29 de setembro de 1918, acelerou-se a derrota do Império Austro-Húngaro e com ela a desintegração do país .[4]

Em 4 de outubro de 1918, os austro-húngaros solicitam, em conjunto com os alemães, um armistício ao presidente dos EUA, Woodrow Wilson, baseado em seu famosos Quatorze Pontos.[4] A resposta a isto, em 21 de outubro de 1918, marcou o golpe final na unidade do Império: Wilson recusou-se a aceitar uma mera autonomia da Tchecoslováquia e da Iugoslávia .[4] O político checo, Tomáš Masaryk, temendo um acordo de última hora, proclamou a independência da Checoslováquia a partir de Washington D.C. no dia 18.[4]

Em 5 de outubro de 1918, os deputados eslavos do sul reuniram-se em Zagreb para formar um conselho nacional.[4]

No dia 7, representantes polacos em Varsóvia proclamaram o início da formação de um governo nacional e um Parlamento livre. No mesmo dia, rutenos reuniram-se em Lemberga para escolher o seu próprio conselho nacional.[4] No dia 15, deputados polacos declararam-se sujeitos e cidadãos de um novo estado polonês reconstituido. [5] Em 16 de janeiro de 1919, após muitas vicissitudes, Józef Pilsudski foi nomeado como chefe de Estado interino, Ignacy Jan Paderewski como primeiro-ministro, e Roman Dmowski como ministro das relações exteriores.[5]

Em 12 de outubro de 1918, os deputados social-democratas austríacos se reuniram para formar um parlamento provisório e anunciar a formação de um Estado austríaco, sendo os primeiros a deixar o Parlamento Imperial (Reichsrat).[4]

Em 16 de outubro de 1918, tentando salvar a unidade do império, o imperador lançou seu famoso Manifesto, que convidava as províncias à formação de comitês nacionais (como estava acontecendo) e propôs a transformação do Império em uma federação.[4] Solicitou novamente a Wilson a paz em separado.[4]

A proposta do Imperador foi mal recebida pelos políticos magiares, que consideraram o Ausgleich de 1867, que regia as relações entre as duas partes do império, anulado.[6] A ação por sua vez, levou aos políticos eslovacos e romenos para fazer valer os seus direito à autodeterminação.[6]

Em 21 de outubro de 1918, no mesmo dia em que recebeu a resposta do presidente estadunidense à exigência da paz austro-germânica, os deputados alemães do império se reuniram como parlamento interino e declararam independência.[6]

 
A tomada da administração da Boêmia e Morávia, pelos independentistas em 28 de outubro de 1918.

Em 28 de outubro de 1918, num golpe sem derramamento de sangue, os checos assumiram a administração da Boêmia e Morávia.[6] No dia seguinte, o Conselho Nacional Eslovaco se mostra favorável a união dos checos e eslovacos e formaram um conselho nacional conjunto em Praga.[6] Em 14 de novembro de 1918, a assembleia nacional elege Masaryk como presidente da nova república, Karel Kramář como primeiro-ministro e Edvard Benes como Ministro das Relações Exteriores.[5]

Em 29 de outubro de 1918, croatas e eslovenos declararam a independência e no dia 19, diante do avanço italiano, proclamam a união com os reinos da Sérvia e Montenegro .[5]

Em 11 de novembro de 1918, Carlos desistiu de seus direitos no território austríaco sem abdicar, no entanto, formalmente.[7] No mesmo dia abandonou Viena e se mudou para um pavilhão de caça em Eckartsau.[5] Dois dias depois fez o mesmo para a Hungria.[7] Em 12 de novembro, o parlamento austríaco proclamou a república e sua integração na nova república alemã.[6]

Em 13 de novembro de 1918, mesmo dia em que a delegação húngara consegue a renúncia dos direitos do imperador em seu refúgio em Eckartsau, o novo governo do Conde Mihály Károlyi assina um armistício em separado com a Entente, em Belgrado. [6] O Imperador aceita antecipadamente a forma de Estado que a Hungria decidir.[6] Em 16 de Novembro de 1918, o Conselho Nacional proclama a República Democrática da Hungria.[6]

No final de novembro, os romenos de Bucovina declararam a sua união com o Reino da Romênia e em 1 de dezembro de 1918 fez o mesmo a Transilvânia.[5]

ConsequênciasEditar

Apesar das tentativas do imperador para não abdicar formalmente e manter a possibilidade de recuperar o trono, tanto a nova República Austríaca, tal como a Checoslováquia, aprovaram uma legislação de nacionalização de suas propriedades e anulando seus privilégios políticos.[5]

O desmembramento do império, eliminando assim uma das grandes potências europeias, levou à criação de muitos novos estados com problemas econômicos e rivalidades nacionalistas que foram mantidas durante o período entre-guerras. A área passou a início do pós-guerra sob a influência da política francesa e, mais tarde, sob a influência econômica e política alemã.

Notas e referências

  1. a b c d Roucek (1982), p. 455
  2. Roucek (1982), p. 456
  3. a b c Roucek (1982), p. 457
  4. a b c d e f g h i Roucek (1982), p. 458
  5. a b c d e f g Roucek (1982), p. 460
  6. a b c d e f g h i Roucek (1982), p. 459
  7. a b Roucek (1982), p. 453

BibliografiaEditar

  • Roucek, Joseph S. (1982). «The Problems connected with the Departure of. Karl the Last from Central Europe». East European Quarterly. 15 (4). pp. 453–468 

Ver TambémEditar