Diva (livro)

romance de José de Alencar

Diva é um dos romances do escritor brasileiro José de Alencar. Foi publicado em 1864. Não é uma continuação da obra Lucíola, ao contrário do que muitos pensam. A história de Lucíola se encerra na própria obra. O que liga as duas obras é um detalhe curioso. O narrador de Lucíola, Paulo, se torna amigo do narrador de Diva, Amaral, como é possível depreender da epígrafe de Diva. Então, o livro Diva é composto por cartas que Amaral teria enviado a Paulo, como confissões a um amigo.

Diva
Autor(es) José de Alencar
Idioma português brasileiro
País  Brasil
Gênero Romance
Editora B. L. Garnier
Lançamento 1864 (1a. edição)
Páginas 164 (1864)
Cronologia
As Minas de Prata
Iracema
Wikisource
Wikisource
O Wikisource possui esta obra:
Diva (livro)

Enredo

editar

Diva narra a história de Emília Duarte. O narrador, em primeira pessoa, é o homem que a ama, Augusto Amaral. Emília é uma adolescente muito retraída e tem aversão a que estranhos a toquem. Uma enfermidade a leva quase à morte. É chamado um médico recém-formado, colega de seu irmão, Dr. Augusto Amaral. Augusto dedica-se a Emília, mas ela se recusa a ser tocada e não o deixa sequer entrar no quarto. Apesar de tudo, Augusto consegue salvar a moça, o que faz com que ela o odeie, temendo que ele exija sua amizade como recompensa. Seguem-se várias discussões e brigas entre os dois, onde se revela o caráter de Emília, extremamente instável e voluntariosa. Augusto acaba apaixonando-se por Emília, mas as atitudes dela são tão incertas que acabam por levá-lo ao desespero. Ao final tudo se reequilibra e termina bem, quando Emília revela seu amor pelo médico. No final do Capitulo III, a personagem Emília é comparada a uma Vênus moderna, a diva dos salões, explicando assim o título do livro: Diva.

Crítica de Machado de Assis

editar

Em sua "Correspondência" para a edição de estreia (em 17/4/1864) do jornal dos estudantes paulistas Imprensa Acadêmica, o então jovem poeta, jornalista e crítico literário Machado de Assis compara o recém-publicado Diva ao anteriormente publicado Lucíola, preferindo este último: “[...] não é precisamente um romance, é um estudo, é um perfil de mulher. Diva é a exaltação do pudor. [...] Emília [...] leva os seus sentimentos de pudor a um requinte pueril, a uma pieguice condenável”. Machado acredita que as decisões de Emília devem-se muitas vezes mais à altivez do que propriamente ao pudor.[1]

Referências

  1. Crônica "Correspondência" publicada na primeira página do No 1 do jornal Imprensa Acadêmica de 17/4/1864. Publicado pela primeira vez em livro em 1965 em Dispersos de Machado de Assis, coligidos e anotados por Jean-Michel Massa, pp. 178-9 (texto no 75).