Doc Comparato

roteirista brasileiro
Doc Comparato
Nome completo Luiz Felipe Loureiro Comparato
Nascimento 3 de novembro de 1949 (70 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Ocupação ator
escritor
roteirista
Parentesco Bianca Comparato (filha)
Lorena Comparato (filha)
Página oficial

Luiz Felipe Loureiro Comparato, conhecido como Doc Comparato (Rio de Janeiro, 3 de novembro de 1949),[1] é um ator, escritor de telenovelas, minisséries e seriados de televisão e roteirista de cinema brasileiro.[2][3] É pai das atrizes Bianca Comparato e Lorena Comparato. Filho de Antonino Comparato e de Maria de Lourdes Loureiro Comparato, nasceu na Casa de Saúde São Sebastião, no bairro do Catete, na capital fluminense.[1]

Comparato é considerado um dos principais roteiristas da televisão brasileira.[4] Realizou alguns trabalhos no exterior na década de 80 e também na Rede Globo, onde foi um dos fundadores da Casa de Criação. Entre outros trabalhos na emissora, é um dos criadores da série Plantão de Polícia, exibido de 1979 a 1981.[1]

BiografiaEditar

Luiz Felipe Loureiro Comparato nasceu em 3 de novembro 1949, na Casa de Saúde São Sebastião, no Rio de Janeiro, filho de Antonino Comparato e de Maria de Lourdes Comparato[1].

Em 1968 foi aprovado em primeiro lugar para a Faculdade de Medicina, da Universidade Federal Fluminense, UFF, curso que concluiu em 1972. Ainda na década de 1970, Luiz Felipe recebeu duas bolsas de estudos no exterior, México e Reino Unido, decidindo estudar pelo British Council. Morou por dois anos em Hampstead, um bairro de Londes, capital da Inglaterra, onde se especializou em cardiologia[1]. Foi nessa época que passou a ser chamado de Doc, abreviação de doctor (doutor em português). No Inglaterra também fez cursos de roteiro e escreveu suas primeiras peças e contos, assinando-os como Doc Felipe Comparato.

Em 1977 conheceu sua primeira esposa, Cecília Maria Neder Castro. No ano seguinte, de volta ao Brasil, estreou na televisão na Rede Globo, convidado pelo ator e diretor Ziembinski para escrever para o programa Caso Especial. O episódio "E agora, Marco?", teve a atriz Yoná Magalhães interpretando a protagonista. Em uma entrevista, Doc revelou que Ziembinski foi quem sugeriu que ele tirasse do nome artístico "Felipe", deixando a alcunha com a qual é conhecido em arte: Doc Comparato[5]. Ainda em 1978, Doc venceu o concurso de peças teatrais do antigo Serviço Nacional de Teatro e de Contos do Paraná, um dos mais importantes na época. No final da década de 1970 integrou a equipe de redação do jornal Pasquim. Colaborou ainda com as revistas Playboy e Ele e Ela, entre outras publicações.

Em 1980 casou-se com Cecilia. No mesmo ano nasceu sua primeira filha, Fabiana de Castro Comparato[1]. Na época Doc foi contratado da TV Globo, onde escreveu Plantão de polícia e Malu Mulher. Recebeu o Prêmio Leitura do Concurso de Peças O Testamento, no Serviço Nacional de Teatro.

1982 também foi um ano produtivo. Doc conquistou a Medalha de Ouro do New York Film Festival com Lampião e Maria Bonita, primeira minissérie exibida pela Globo, escrita em parceria com Aguinaldo Silva [6]. Ainda em 82 lançou o livro Roteiro – Arte e Técnica de Escrever para TV e Cinema, que foi o primeiro no gênero em língua portuguesa. A obra se tornou um bestseller. No mesmo ano, Comparato recebeu o Prêmio da Crítica de São Paulo como melhor autor na Associação Paulista de Críticos de Arte [6].

Com a intensidade cada vez maior do trabalho de roteirista, Doc deixou definitivamente de clinicar entre os anos de 1982 e 1983. Separado de Cecilia Neder, em 1984 conheceu a fonoaudióloga Leila de Souza Mendes, com quem mais tarde teve outras duas filhas. No mesmo ano, Doc Comparado lançou o livro Da Criação ao Roteiro, trabalho que virou referência no tema e que até hoje é reconhecido inclusive fora do Brasil. A imersão teórica e prática sobre o assunto fez de Doc professor de roteiros e ele começou a dar aulas em países da América Latina e da Europa. Em Portugal, ministrou um curso para funcionários da emissora RTP[6].

Em 1985, no Rio de Janeiro, nasceu Bianca Comparato, filha de Leila e Doc Comparato[1], que passam a viver juntos. Ele continuou trabalhando regularmente no exterior e na Rede Globo, onde se tornou um dos fundadores do departamento de formação de autores da Casa de Criação, dirigido por Dias Gomes[6].

Em 1986, com a minissérie O Tempo e o Vento, ganhou o Prêmio Coral Negro, no Festival de Havana em Cuba, e passou a trabalhar com Gabriel García Márquez, com quem escreveu a minissérie espanhola Me Alquilo para Soñar para a TVE, em Madri. A obra também virou um livro, publicado no Brasil e em outros países. Sua parceria com Gabo é contada no livro De la Creación al Guión[7], versão colombiana de Da Criação ao Roteiro. Em 1987 e 1988 Doc deixou a TV Globo e passou a realizar diversos trabalhos internacionais. Já no fim da década de 1980, Doc Comparato recebeu convite e foi contratado pela empresa Videoarte, passando a morar em Sintra, Portugal. Residiu na Casa das Minas, mesmo local onde o cineasta, ator e escritor brasileiro Glauber Rocha viveu. Foi em Portugal, em 1990, que nasceu Lorena Comparato, segunda filha do casal Leila e Doc[1]. Dali em diante, se tornou roteirista internacional e viveu longos períodos no exterior. Morou, além de Portugal, na Espanha, na Itália e no México. Foi um dos fundadores e coordenador do Máster de Roteiro da Universidade Autônoma de Barcelona[8]. Ganhou espaço como professor, consultor criativo de televisões e "script doctor".

Em 1996, Doc retornou ao Brasil e foi recontratado pela Rede Globo. Um ano depois publicou seu primeiro romance, A Guerra das Imaginações, obra traduzida para o inglês, espanhol, italiano e alemão. Também em 1997 foi um dos criadores, junto com Daniel Filho, Antonio Calmon e Aguinaldo Silva, do seriado policial A Justiceira [6]. Em 2001, Doc Comparato ministrou o curso de roteiro cinematográfico na Escola de Cinema e Televisão de Munique, na Alemanha, tornando-se tornou o primeiro sul-americano a ocupar essa função[9].

Em 2004, Doc Comparato foi para o SBT, onde atuou como consultor de teledramaturgia. Pouco depois se transferiu para a TV Record, integrando a equipe de colaboradores do autor Tiago Santiago nas novelas Caminhos do coração (2007) e Os Mutantes (2008).

Além da televisão, Doc Comparato assinou roteiros para Cinema[3] e criou diversas peças para teatro, que também foram publicadas em livros e ebooks. Em 2017, Doc fez parte da comissão de seleção da Academia Brasileira de Cinema que elegeu o longa metragem Bingo, de Daniel Rezende, como candidato brasileiro para a disputado dos indicados ao Oscar de melhor filme estrangeiro[10]. No mesmo ano, Doc Comparato foi semifinalista do concurso Toronto International Screenwriting Competition 2017, com o roteiro de longa-metragem Bending Light[11].

CarreiraEditar

TelevisãoEditar

PersonagensEditar

CinemaEditar

PremiaçõesEditar

Fonte: Projeto Encontro Marcado.[1]

BibliografiaEditar

No BrasilEditar

  • 1979 – Sangue, Papéis e Lágrimas[14]
  • 1981 – O Melhor da Crônica Brasileira 2 (coletânea que inclui textos de Aldir Blanc, João Saldanha e Manuel Bandeira)
  • 1982 – Roteiro[14]
  • 1984 – Da Criação ao Roteiro[14]
  • 1984 – Nadistas e Tudistas[15]
  • 1997 – A Guerra das Imaginações[16][17]
  • 2001 - Me Alugo para Sonhar (Oficina de Roteiro em colaboração com Gabriel García Márquez)
  • 2018 – Contos e crônicas: Publicados pelo Pasquim e premidos pelo Brasil
  • 2018 – Da Criação ao Roteiro - Teoria e Prática[18][19]. (Edição revista, atualizada e ampliada em comemoração aos 40 anos de profissão do autor)

No exteriorEditar

  • 1983 – El Guión. Art i Tècnica d'Escriure per al Cinema i la Televisió (Barcelona)
  • 1983 – El Guión (Madrid)
  • 1983 – El Guión (Buenos Aires)
  • 1988 – De la Criación al Guión (Barcelona)
  • 1992 – Da Criação ao Guião. A Arte de Escrever para Cinema e Televisão (Lisboa)
  • 1994 – Arnau, Els Dies Secrets, con Xesc Barceló (Barcelona)
  • 1995 – Me Alquilo para Soñar. Taller de Guión de Gabriel García Márquez con colaboración de Doc Comparato (Bogotá)
  • 1997 – Me Alquilo para Soñar. Taller de guión de Gabriel García Márquez com colaboración de Doc Comparato (Madrid)
  • 1997 – El guión – Arte y Técnica de la escritura para cine y televisión (Buenos Aires)
  • 1998 – A Guerra das Imaginações (Lisboa)
  • 1998 – La Guerra de las Imaginaciones (Barcelona)
  • 2002 – Scrivere um film (Roma)
  • 2016 – De la Creación al Guión: Arte y Técnica de Escribir para Cine y Televisión (Bogotá) [7]

Textos teatraisEditar

  • 1981 – As Tias: Tragicomédia em Dois Atos (com Aguinaldo Silva)[20][21]
  • 1984 – A Incrível Viagem[22]
  • 1977-1982 – Trilogia do Amanhã
  1. Plêiades (ou Pequenas Cirurgias para Aracnídeos)
  2. O Beijo da Louca[23]
  3. O Despertar dos Desatinados
  • 1985-2000 – Trilogia do Tempo
  1. Nostradamus[23] (O Prisioneiro do Futuro)
  2. Michelangelo[23] (O Prisioneiro do Presente)
  3. O Círculo das Luzes[23] (O Prisioneiro do Passado)
  • 2000-2012 – Trilogia da Imaginação
  1. Sempre (ou O Caso da Moça de Gargantilha; ou Na Intimidade das Coisas)
  2. Jamais (ou Calabar, Um Elogio à Traição; ou Na Posse das Coisas)
  3. Eterno (Os Dias Secretos de Orson Welles no Brasil; ou No Inalcançável das Coisas)

EbooksEditar

  • 2014
  1. Nostradamus (English Edition)
  2. Rainforest (English Edition)
  3. Prisioners of Paradise (English Edition)
  4. The secret days of Orson Welles in Brazil (English Edition)
  • 2018
  1. Prisioneiros de Paraísos
  2. Contos e Crônicas: Publicados pelo Pasquim e Premiados pelo Brasil

Críticas e mençõesEditar

A Guerra das Imaginações, apesar de estar ao alcance da compreensão do mais modesto leitor, é escrito num português tão puro quanto transparente, apoiado o tempo inteiro em imagens inesperadas de comovente poesia. Um livro tão bem escrito quanto imaginado e estruturado.
— Leonor Basséres, O Globo.[17]
O livro A Guerra das Imaginações é mistura bem temperada e irônica, construída de mistério, sensualidade, história e comédia. Um bom começo para um roteirista já consagrado pelo público nas minisséries de televisão. Pronto para virar filme.
— Telmo Wambier, Jornal do Brasil.[17]
Ele é um dos melhores roteiristas da sua geração. O seu talento pode ser comprovado em diversas minisséries de qualidade que escreveu para a Globo.
Doc Comparato, uno de los principales guionistas de televisión de Brasil ha creado series de éxito -como Malu Mulher y Lampião e Maria Bonita.
El País, 18 de setembro de 1990.[4]

Referências

  1. a b c d e f g h i «Doc Comparato». Projeto Encontro Marcado. Consultado em 10 de dezembro de 2019 
  2. «Doc Comparato». Teledramaturgia. Consultado em 29 de agosto de 2019 
  3. a b «"O streaming mexeu com os roteiros", diz Doc Comparato em entrevista». www.metropoles.com. Consultado em 29 de agosto de 2019 
  4. a b «Doc Comparato, un brasileño entusiasmado por la televisión» (em espanhol). El País. 18 de setembro de 1990. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  5. «Roteirista premiado Doc Comparato relembra momentos de sua carreira na tv». SRZD. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  6. a b c d e «Perfil completo Doc Comparato». Memória Globo. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  7. a b «Doc Comparato lança seu novo livro Da Criação ao Roteiro na Colômbia». Revista Época. Consultado em 29 de janeiro de 2020 
  8. «Doc Comparato lança primeiro romance». Folha de S. Paulo. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  9. {{Citar web|acessodata=2020-02-05|titulo=Doc Comparato vai à Alemanha dar curso de roteiro|jornal=Estadão |url= https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,doc-comparato-vai-a-alemanha-dar-curso-de-roteiro,20010619p7711
  10. «Bingo representa Brasil na escolha dos indicados ao Oscar 2018». O Globo. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  11. «Doc Comparato é semifinalista do Toronto International Screenwriting Competition». Abra. Consultado em 5 de fevereiro de 2020 
  12. Labirinto
  13. https://www.camara.leg.br/tv/562592-doc-comparato-e-aneida-fulsang/
  14. a b c «Perfil completo Doc Comparato». Memória Globo. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  15. «Nadistas e Tudistas traz temática da sustentabilidade para o palco». Rede Globo. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  16. «Doc Comparato lança primeiro romance». Folha de S. Paulo. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  17. a b c d «Doc Comparato». Projeto Encontro Marcado. Consultado em 9 de dezembro de 2019 
  18. «Doc Comparato lança livro Da Criação ao Roteiro Teoria e Prática». Tela Viva. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  19. «"O streaming mexeu com os roteiros, diz Doc Comparato em entrevista». Metrópoles. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  20. «Dira Paes e Marcos Caruso fazem leitura de peça de Aguinaldo Silva». O Fuxico. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  21. http://www.todoteatrocarioca.com.br/espetaculo/595/as-tias
  22. «Estreia de Doc Comparato com sua viagem». CBTIJ, replicada de O Globo. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
  23. a b c d «Doc Comparato». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 21 de janeiro de 2020 
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Doc Comparato