Abrir menu principal

Domingos Antônio Raiol

Domingos Antônio Raiol
Nome nativo Domingos Antônio Raiol
Nascimento 4 de março de 1830
Vigia
Morte 27 de outubro de 1912 (82 anos)
Cidadania Brasil
Alma mater Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pernambuco
Ocupação político, escritor
Título barão

Domingos Antônio Raiol, primeiro e único barão de Guajará, (Vigia, 4 de março de 183027 de outubro de 1912), foi um político brasileiro.[1][2]

BiografiaEditar

Filho de Pedro Antônio Raiol e de Arcângela Maria da Costa Raiol, casou-se com Maria Vitória de Chermont. Formado pela Faculdade de Direito do Recife, em 1854, foi procurador da Fazenda Nacional no Pará, além de deputado provincial várias vezes e deputado geral na 12ª legislatura, em 1864, pelo Pará,[3] em 1900 fundou a Academia Paraense de Letras.[4][5] Fundou também o Instituto Histórico e Geográfico do Pará, cuja sede atual, em Belém do Pará, ocupa a antiga residência de Domingos Antônio Raiol (localizada no Bairro da Cidade Velha, bem ao lado da Assembleia Legislativa do Estado do Pará).

Foi presidente das províncias de Alagoas, nomeado por carta imperial de 23 de junho de 1882, de 3 de setembro a 11 de dezembro de 1882, do Ceará, de 12 de dezembro de 1882 a 17 de maio de 1883, e de São Paulo,[6] nomeado por carta imperial de 30 de junho de 1883, de 18 de agosto de 1883 a 29 de março de 1884.[7][8]

Foi agraciado com o título de barão em 3 de março de 1883.

Domingos Antônio Raiol foi jurista, político e historiador; intelectual, deixou várias obras, destacando-se "Motins Políticos - Ou História dos Principais Acontecimentos Políticos da Província do Grão Pará Desde o Ano de 1821 até 1835. A obra original, em cinco volumes, foi reeditada pela Universidade Federal do Pará (UFPA), em meados dos anos 1970. No prefácio, o historiador Arthur Cezar Ferreira Reis diz que essa é a obra mais importante da historiografia paraense sobre aquele período agitado da Província do Grão Pará, por reunir um portentoso volume de documentos, republicados na íntegra. Raiol dedicou grande atenção à Cabanagem, reportando com profundo realismo, inclusive, o ataque dos cabanos à Vila de Vigia, em julho de 1835, onde mataram todos os vereadores locais - a maioria portugueses, entre eles Pedro Raiol, pai do historiador. Logo no início do Volume 1 da obra reeditada pela UFPA, Domingos Antônio Raiol revela seu espírito de idealista. Disse o Barão: “As grandes ideias, uma vez nascidas, apoderam-se dos espíritos, e nada há que possa impedir o alcance de suas conquistas. Os mesmos acontecimentos, que parecem contrariá-las, servem ordinariamente para mais enraizá-las e fazer realçar s seus triunfos...". No mesmo excerto, o Barão revela-se, ao mesmo tempo, um humanista com convicções sobre o rigor das leis e também das exceções : "... Os cárceres, as prisões, as torturas, todos esses meios preventivos, que lhe costumam opor, são novos recursos para atrair prosélitos e fortalecer crenças; são males, é certo, porém males que enobrecem as vítimas e vigoram as almas nos sofrimentos, mal, enfim, que recordando os erros passados, corrigem o presente,esclarecem e formam o futuro.”

Domingos Antônio Raiol – Barão de Guajará (Motins Políticos – 1º Vol. Pag. 24).


Referências

  1. Guajará), Domingos Antônio Raiol (barão do (1970). Obras de Domingos Antônio Raiol, barão de Guajará. [S.l.]: Conselho Estadual de Cultura 
  2. Diccionário bibliográphico portuguez: Suplemento, 1-15. [S.l.]: Imprensa Nacional. 1870 
  3. Annaes da Bibliotheca e archivo publico do Para. [S.l.]: Imprensa de Alfrdo Augusto Silva. 1902 
  4. Guajará), Domingos Antônio Raiol (barão do (1865). Motins politicos: ou, Historia dos principaes acontecimentos politicos da provincia do Para', 1821-1835. [S.l.]: S. Luiz do Maranhão 
  5. archivopublico, Belém (Brazil) Bibliotheca e (1902). Annaes da bibliotheca e archivo publico do Pará. [S.l.]: Imprensa de Alfredo Augusto Silva 
  6. Taunay, Afonso d'Escragnolle (10 de outubro de 2013). História da Cidade de São Paulo. [S.l.: s.n.] 
  7. RAIOL, Domingos Antonio (1867). Abertura do Amazonas. Extracto dos debates no Parlamento Brazileiro ácerca do projecto de lei sobre a abertura do Rio Amazonas á navegação e ao commercio do mundo. Reflexões sobre a colonisação, liberdade religiosa e varios outros assumptos por Domingos Antonio Raiol. [S.l.]: Typographia do “Jornal do Amazonas” 
  8. Tassinari, Antonella Maria Imperatriz (2003). No bom da festa: o processo de construção cultural das famílias karipuna do Amapá. [S.l.]: EdUSP. ISBN 9788531407222 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Precedido por
Eutíquio Carlos de Carvalho Gama
Presidente da Província de Alagoas
1882
Sucedido por
Eutíquio Carlos de Carvalho Gama
Precedido por
Antônio Teodorico da Costa
Presidente da Província do Ceará
1882 — 1883
Sucedido por
Antônio Teodorico da Costa
Precedido por
Antônio de Aguiar Barros
Presidente da Província de São Paulo
1883 — 1884
Sucedido por
Luís Carlos de Assunção