Abrir menu principal

Dornier Do 217

1940 Dornier
Dornier Do 217
Bombardeiro
A aeronave Dornier Do 217 da Luftwaffe.
Descrição
Tipo / Missão Bombardeiro
Reconhecimento aéreo
País de origem  Alemanha
Fabricante Dornier Flugzeugwerke
Quantidade produzida 1925[1]
Primeiro voo em 4 de outubro de 1938 (81 anos)[2]
Introduzido em 1941
Aposentado em 1945
Tripulação 4
Especificações
Dimensões
Comprimento 17 m (55,8 ft)
Altura 4,96 m (16,3 ft)
Peso(s)
Peso vazio 9 100 kg (20 100 lb)
Peso máx. de decolagem 16 700 kg (36 800 lb)
Propulsão
Motor(es) 2x Daimler-Benz DB 601[3]
Performance
Velocidade máxima 557 km/h (301 kn)
Alcance (MTOW) 2 145 km (1 330 mi)
Teto máximo 7 370 m (24 200 ft)
Razão de subida 210 m/s
Armamentos
Metralhadoras / Canhões 4 × 7.92 mm
2 × 13 mm
Bombas No máximo 4 toneladas de bombas

O Dornier Do 217 foi um bombardeiro usado pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial sendo uma versão mais poderosa do anterior Dornier Do 17, conhecido por Fliegender Bleistift ("lápis voador"). Desenvolvido entre 1937 e 1938 para ser um bombardeiro pesado porém sem autonomia para missões de longa distância, perdendo o lugar de bombardeiro pesado para o Heinkel He 177, o Do 217 sofreu uma ligeira transformação em 1939 e a sua produção começou em 1940. Entrou em serviço no início de 1941 e um ano depois já havia sido construído um número significativo de exemplares, estando espalhado por todo o teatro de guerra.

O Do 217 tinha uma capacidade muito maior do que o Do 17 para carregar bombas, tanto em peso como em quantidade. Nas suas variantes mais tardias, foi capacitado para ser um bombardeiro de mergulho, assim como capacidade para bombardear navios (onde teve bastante sucesso). Estas variantes chegaram a tornar-se mais poderosas que o Heinkel He 111 e o Junker Ju 88, conseguindo deslocar-se a uma maior velocidade, a uma maior distância e transportando uma quantidade maior de bombas.

Graças a isto foi designado como bombardeiro pesado e não como bombardeiro médio. O Do 217 serviu em todas as frentes, em todas as batalhas para as quais era requisitado. Na frente ocidental e na frente oriental operou como bombardeiro estratégico, bombardeiro de torpedos e aeronave de reconhecimento. Participou também em funções tácticas, como transporte e ataque a unidades aliadas na Batalha da Normandia. Este avião foi também convertido para se tornar num lutador ávido durante a noite, tendo contribuído consideravelmente para a defesa do Reich até ao último dia do conflito.

O último Dornier Do 217 deixou de ser usado em serviço em 1946, na Força Aérea Suíça.

Dos 1925 Do 217 construídos, nenhum chegou intacto até aos nossos dias. O maior "pedaço" desta aeronave de que se tem conhecimento hoje em dia pode ser encontrado no Museu da Força Aérea Italiana em Roma.[4] Duas aeronaves que se despenharam sobre os Pirenéus em Julho de 1944 estão actualmente a ser recuperadas.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. German military archive, Freiburg
  2. Griehl 1991, p. 21.
  3. Dressel & Griehl 1994, p. 54.
  4. http://www.preservedaxisaircraft.com
  5. http://www.bbc.co.uk/news/magazine-24159975
  Este artigo sobre um avião, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.