Abrir menu principal

Espiritismo

Filosofia espiritualista codificada no século XIX pelo educador francês Allan Kardec
(Redirecionado de Doutrina espírita)
Disambig grey.svg Nota: Para informações sobre outros significados atribuídos a esse termo, veja Espiritismo (termo).

Espiritismo, doutrina espírita, kardecismo ou espiritismo kardecista é uma doutrina religiosa, filosófica, mediúnica e moderno espiritualista codificada pelo pedagogo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail, que usava o pseudônimo Allan Kardec. Ele criou o termo "espiritismo" em 1857[1][2] e o definiu como "a doutrina fundada sobre a existência, as manifestações e o ensino dos espíritos". Mesmo não sendo reconhecido como ciência,[3] Kardec dizia que o espiritismo alia aspectos científicos, filosóficos e religiosos,[4][5] buscando uma melhor compreensão não apenas do universo tangível, mas também do universo a esse transcendente.[6][7][8]

Depois de observar e analisar as mesas girantes, o professor Rivail ficou intrigado com o fato de que como poderia a mesa se mover se ela não possui músculos ou formular respostas se ela não tem um cérebro. E foi o próprio agente causador do fenômeno que teria respondido: "Não é a mesa que pensa! Somos nós, as almas dos homens que viveram na Terra".[9] Rivail foi então estudar este e outros fenômenos, tal como a chamada "incorporação" e a mediunidade.[3]

A doutrina é baseada em cinco "obras básicas", chamadas de Codificação Espírita, publicada por Kardec entre 1857 e 1868. A codificação é composta por O Livro dos Espíritos, O Livro dos Médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese. Somam-se ainda as chamadas obras "complementares", como O Que é o Espiritismo?, Revista Espírita e Obras Póstumas. Seus seguidores consideram o espiritismo uma doutrina voltada para o aperfeiçoamento moral do homem e acreditam na existência de um Deus único, na possibilidade de comunicação útil com os espíritos através de médiuns e na reencarnação como processo de crescimento espiritual e justiça divina.[10]

De acordo com o Conselho Espírita Internacional, o espiritismo está representando em 36 países ao redor do mundo, sendo mais difundido no Brasil, onde conta com cerca de 3,8 milhões de adeptos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e mais de 30 milhões de simpatizantes, de acordo com a Federação Espírita Brasileira (FEB).[11][12] Os espíritas também são conhecidos por influenciar e promover um movimento de assistência social filantrópica.[13]

Etimologia e uso

 Ver artigo principal: Espiritismo (termo)

O termo espiritismo (do francês antigo "spiritisme", onde "spirit": espírito + "isme": doutrina) surgiu como um neologismo, mais precisamente uma palavra-valise, criada pelo pedagogo francês Hippolyte Léon Denizard Rivail (conhecido por Allan Kardec)[6][7][14] para nomear especificamente o corpo de ideias por ele sistematizadas em O Livro dos Espíritos (1857).[15]

Para se designarem coisas novas são precisos termos novos. Assim o exige a clareza da linguagem, para evitar a confusão inerente à variedade de sentidos das mesmas palavras. Os vocábulos; espiritual, espiritualista, espiritualismo têm acepção bem definida. Dar-lhes outra, para aplicá-los à doutrina dos Espíritos, fora multiplicar as causas já numerosas de anfibologia.(...) Quem quer que acredite haver em si alguma coisa mais do que matéria, é espiritualista. Não se segue daí, porém, que creia na existência dos Espíritos ou em suas comunicações com o mundo visível. Em vez das palavras espiritual, espiritualismo, empregamos, para indicar a crença a que vimos de referir-nos, os termos espírita e espiritismo, cuja forma lembra a origem e o sentido radical e que, por isso mesmo, apresentam a vantagem de ser perfeitamente inteligíveis, deixando ao vocábulo espiritualismo a acepção que lhe é própria.[16]
 
Fotografia de Allan Kardec.

Contudo, a utilização do termo, cuja raiz é comum a diversas nações ocidentais de origem latina[17][18] ou anglo-saxônica, fez com que ele fosse rapidamente incorporado ao uso cotidiano para designar tudo o que dizia respeito à alegada comunicação com os espíritos. Assim, por espiritismo, entendem-se hoje as várias doutrinas religiosas e/ou filosóficas que creem na sobrevivência dos espíritos à morte dos corpos, e, principalmente, na possibilidade de se comunicar com eles, casual ou deliberadamente, via evocações ou espontaneamente.[19]

O termo "kardecista" é repudiado por parte dos adeptos da doutrina que reservam a palavra "espiritismo" apenas para a doutrina tal qual codificada por Kardec, afirmando não haver diferentes vertentes dentro do espiritismo, e denominam correntes diversas de "espiritualistas".[20] Estes adeptos entendem que o espiritismo, como corpo doutrinário, é um só, o que tornaria redundante o uso do termo "espiritismo kardecista".[21][22][23][24] Assim, ao seguirem os ensinamentos codificados por Allan Kardec nas obras básicas (ainda que com uma tolerância maior ou menor a conceitos que não são estritamente doutrinários, como a apometria), denominam-se simplesmente "espíritas", sem o complemento "kardecista".[20] A própria obra desaprova o emprego de outras expressões como "kardecista", definindo que os ensinamentos codificados, em sua essência, não se ligam à figura única de um homem, como ocorre com o cristianismo ou o budismo, mas a uma coletividade de espíritos que eles acreditam que se manifestaram através de diversos médiuns naquele momento histórico, e que se esperava que continuassem a comunicar, fazendo com que aquele próprio corpo doutrinário se mantivesse em constante processo evolutivo. Outra parcela dos adeptos, no entanto, considera o uso do termo "kardecismo" apropriado.[25]

As expressões nasceram da necessidade de alguns em distinguir o "espiritismo" (como originalmente definido por Kardec) dos cultos afro-brasileiros, como a Umbanda. Estes últimos, discriminados e perseguidos em vários momentos da história recente do Brasil, passaram a se autointitular espíritas (em determinado momento com o apoio da Federação Espírita Brasileira), num anseio por legitimar e consolidar este movimento religioso, devido à proximidade existente entre certos conceitos e práticas destas doutrinas.[26]

História

Primeiras observações

 Ver artigo principal: Moderno espiritualismo
 
Sessões mediúnicas de Daniel Dunglas Home no século XIX.

Segundo seguidores e simpatizantes da Doutrina Espírita, os fenômenos mediúnicos seriam universais e teriam sempre existido, inclusive com fartos relatos na Bíblia[nota 1]. Entre outros, os espíritas citam como exemplos mediúnicos bíblicos a proibição de Moisés à prática da "consulta aos mortos", que seria uma evidência da crença judaica nessa possibilidade, já que não se interdita algo irrealizável;[27] a consulta de Saul, primeiro rei do antigo Reino de Israel, à Bruxa de Endor, em I Samuel 28:1-25, que vê e ouve o Espírito desencarnado de Samuel, o último dos juízes de Israel e o primeiro dos profetas registrados na história do seu povo; a comunicação de Jesus com Moisés e Elias no Monte Tabor na Transfiguração de Jesus (Mateus 17:1-9).[28]

Na filosofia antiga também há exemplos: nos Diálogos de Platão, este fala sobre o daimon ou gênio que acompanharia Sócrates.[29][30]

Muitos espíritas adotam a data de 31 de março de 1848 (início dos acontecimentos mediúnicos na residência das Irmãs Fox em Hydesville, EUA) como o marco inicial das modernas manifestações mediúnicas, alegadamente mais ostensivas e frequentes do que jamais ocorrera, o que levou muitos pesquisadores a se debruçarem sobre tais fenômenos.[31]

Allan Kardec

 Ver artigo principal: Allan Kardec
 
Busto de Allan Kardec, o codificador e sistematizador da Doutrina Espírita, em seu túmulo no Cemitério Père Lachaise em Paris.

Durante o século XIX houve uma grande onda de manifestações mediúnicas nos Estados Unidos e na Europa.[32][33] Estas manifestações consistiam principalmente de ruídos estranhos, pancadas em móveis e objetos que se moviam ou flutuavam sem nenhuma causa aparente, como no caso das "mesas girantes". No final dos anos 1840 destacou-se o suposto caso das Irmãs Fox, nos Estados Unidos[34][35].

O verdadeiro Espírita não é aquele que crê nas manifestações, mas aquele que aproveita o ensinamento dado pelos Espíritos. De nada serve crer, se a crença não o faz dar um passo à frente no caminho do progresso, e não o torna melhor para o seu próximo
— Allan Kardec; O Espiritismo na sua Mais Simples Expressão.[36]

Quanto à sua formação, foi discípulo de Pestalozzi e membro de diversas sociedades acadêmicas.[37] O seu principal intuito como espírita era dar algum suporte à espiritualidade humana numa época em que a ciência avançava a passos largos e as religiões perdiam cada vez mais adeptos. Kardec julgava ter encontrado um novo modo de pensar o real, que uniria, de forma ponderada, a ascendente ciência e a decadente religião. Analisou relatos de inúmeras ocorrências mediúnicas espalhadas pela Europa e Estados Unidos, unificando as informações que interpretou a fim de codificar esse tipo de prática e os ensinamentos transmitidos.[34]

Provemos-lhe que, graças aos ensinamentos dos que eles chamam demônios, compreendemos a moral sublime do Evangelho, que se resume no amor de Deus e dos nossos semelhantes, e na caridade universal. Abracemos a Humanidade inteira, sem distinção de culto, de raça, de origem e, com mais forte razão, de família, de fortuna e de condição social. Que saibam que nosso Deus, o Deus dos espíritas, não é um tirano cruel e vingativo,que pune um instante de desvario com torturas eternas, mas um pai bom e misericordioso, que vela por seus filhos extraviados com uma solicitude incessante, procurando atraí-los a si por uma série de provas destinadas a lavá-los de todas as máculas.
Allan Kardec, "Jornal de Estudos Psicológicos", Revista Espírita, pg. 18, janeiro de 1863[38]

As mesas girantes

 Ver artigo principal: Mesas girantes

As primeiras manifestações de mesas girantes observadas por Kardec aconteceram por meio de mesas se levantando e batendo, com um dos pés, um número determinado de pancadas e respondendo, desse modo, sim ou não, segundo fora convencionado, a uma questão proposta.[39][40]

 
Salão parisiense com as mesas girantes. (Revista "L'Illustration", 1853)

Apesar da crença que supostos espíritos ou gênios movimentavam as mesas, experimentos científicos de Michael Faraday publicados em 1853 mostraram que os movimentos eram causados pelo efeito ideomotor e descartaram as explicações paranormais para o fenômeno das mesas girantes.[41] O efeito ideomotor também causa os movimentos observados no chamado tabuleiro ouija e na "brincadeira do copo",[42] nos quais os participantes movimentam marcadores involuntariamente sobre letras e números e também atribuem os movimentos a supostos espíritos ou gênios.[43]

Kardec, analisando esses fenômenos, concluiu que não havia nada de convincente neste método para os céticos, porque se podia acreditar num efeito da eletricidade, cujas propriedades eram pouco conhecidas pela ciência de então. Foram então utilizados métodos para se obter respostas mais desenvolvidas por meio das letras do alfabeto: a mesa batendo um número de vezes corresponderia ao número de ordem de cada letra, chegando, assim, a formular palavras e frases respondendo às perguntas propostas.[44] Kardec concluiu que a precisão das respostas e sua correlação com a pergunta não poderiam ser atribuídas ao acaso.[29] Ele também questionou a possibilidade de uma hipótese muscular (como o efeito ideomotor) ser causa de todos os alegados movimentos e mensagens das mesas girantes ou de outras produções mecânicas.[45][46][47] O ser misterioso que assim respondia, quando interrogado sobre sua natureza, declarou que era um espírito ou gênio, deu o seu nome e forneceu diversas informações a seu respeito.Posteriormente o fenômeno diminuiu de popularidade e chegou a tornar-se anedótico.[48]

Victor Hugo, durante seu exílio na ilha de Jersey (1851-1855), participou de inúmeras sessões de mesas girantes com seu amigo Auguste Vacquerie e passou a acreditar que havia entrado em contato com espíritos de falecidos, inclusive sua filha Léopoldine (morta por afogamento) e grandes escritores como Shakespeare, Dante, Racine e Molière.[49][50] Diante de experiências com as mesas, Victor Hugo se converteu ao espiritismo e, em 1867, clamou que a ciência deveria dar atenção e seriedade para os fenômenos das mesas:

A mesa girante ou falante foi bastante ridicularizada. Falemos claro. Esta zombaria é injustificável. Substituir o exame pelo menosprezo é cômodo, mas pouco científico. Acreditamos que o dever elementar da Ciência é verificar todos os fenômenos, pois a Ciência, se os ignora, não tem o direito de rir deles. Um sábio que ri do possível está bem perto de ser um idiota. Sejamos reverentes diante do possível, cujo limite ninguém conhece, fiquemos atentos e sérios na presença do extra-humano, de onde viemos e para onde caminhamos.[29][51]

Dogmas

Princípios

 
"Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei", em francês no túmulo de Kardec.

Nascido no século XIX, no dia 18 de Abril de 1857, com a publicação de O Livro dos Espíritos, o espiritismo se estruturou a partir de pretensos diálogos estabelecidos com espíritos desencarnados que, se manifestando por meio de médiuns, discorreram sobre temas científicos, religiosos e filosóficos sob a ótica da moral cristã, ou seja, tendo por princípio o amor ao próximo, trazendo à luz novas perspectivas sobre diversos temas de grande relevância filosófica e teológica. Desta forma foi estabelecido um dos preceitos básicos do espiritismo que é a importância da caridade, (Lema: Fora da caridade não há salvação)[52] entendida como sendo a benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros e perdão das ofensas.[53]

A doutrina espírita se propõe a estabelecer um diálogo entre a ciência, a filosofia e a religião, visando à obtenção de uma forma original que, a um só tempo, fosse mais abrangente e mais profunda, para desta forma melhor compreender a realidade.[8][54] Kardec sintetiza o conceito com a célebre frase: "Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão em todas as épocas da humanidade".[55]

Segundo o filósofo espírita Herculano Pires, "Filosofia Espírita, como disse Kardec, pertence genericamente ao que costumamos chamar Filosofia Espiritualista, porque a sua visão do Universo não se prende à Matéria, mas vai até o Espírito, que considera como causa de tudo o que percebemos no plano material. Englobando na sua interpretação cosmológica a Ciência Espírita, e tendo como consequência a Religião Espírita, a Filosofia Espírita encerra em si mesma toda a doutrina."[36][54]

Fundamentos principais

 
Quadro retratando a Evolução espiritual, segundo a ótica da Doutrina Espírita.

A doutrina espírita, de modo geral, fundamenta-se nos seguintes pontos (princípios):[56]

  • Existência e unicidade de Deus, rejeitando o dogma da Santíssima Trindade (Conforme está na primeira questão de O Livro dos Espíritos - "Deus é a inteligência suprema, causa primária de todas as coisas".[57]);
  • O universo é criação de Deus, incluindo todos os seres racionais (Jesus, por exemplo) e irracionais, animados e inanimados, materiais e imateriais, que por sua vez, todos estão destinados a lei do progresso;
  • Existência e imortalidade do espírito, compreendido como individualidade inteligente da Criação Divina que atua sobre a matéria através de um conectivo "semimaterial" denominado de perispírito, e assim como o espírito, é indestrutível;
  • Volta do espírito à matéria (reencarnação), tantas vezes quanto necessário, como o mecanismo natural para se alcançar o aperfeiçoamento material e moral. No entanto, para a doutrina, a perfeição que a Humanidade é suscetível atingir é relativa pois apenas Deus possui a perfeição absoluta, infinita em todas as coisas. Os espíritas rejeitam a crença na metempsicose;[58]
  • Conceito de "criação igualitária" de todos os espíritos, "simples e ignorantes" em sua origem, e destinados invariavelmente à perfeição, com aptidões idênticas para o bem ou para o mal, dado o livre-arbítrio[59];
  • Possibilidade de comunicação entre os espíritos encarnados ("vivos") e os espíritos desencarnados ("mortos"), por meio da mediunidade (também denominada comunicabilidade dos espíritos). Essa comunicação é realizada com o auxílio de pessoas com determinadas capacidades - os médiuns como, por exemplo, na chamada "escrita automática" (psicografia);[60]
  • Lei de causa e efeito, compreendida como mecanismo de retribuição ética universal a todos os espíritos, segundo a qual nossa condição atual é resultado de nossos atos passados e nossos pensamentos, palavras e atos constroem diariamente nosso futuro (Quem semeia o bem, colhe o bem. Quem semeia o mal, colhe o mal)[61]
  • Pluralidade dos mundos materiais habitados: a Terra não é o único planeta com vida inteligente no universo, sendo possível a reencarnação em outros orbes;
  • Jesus, criado por Deus, é o guia e modelo para toda a humanidade.[62] Segundo o espiritismo, a moral cristã contida nos evangelhos canônicos é o maior roteiro ético-moral de que o homem possui, e a sua prática é a solução para todos os problemas humanos e o objetivo a ser atingido pela humanidade.[63]
  • Fora da caridade não há salvação.[64] Para o espiritismo a caridade consiste em benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros e perdão das ofensas.[53]

Além disso, podem-se citar como características secundárias:[65]

  • A noção de continuidade da responsabilidade individual por toda a existência do espírito;
  • Progressividade do princípio espiritual dentro do processo evolutivo em todos os níveis da natureza;
  • Ausência total de hierarquia sacerdotal;
  • Abnegação na prática do bem, ou seja, não se deve cobrar pela prática da caridade, nem o fazer visando a segundas intenções. Toda a prática espírita é gratuita, como orienta o princípio moral do evangelho: “Dai de graça o que de graça recebestes”;
  • Uso de terminologia e conceitos próprios, como, por exemplo, perispírito, mediunidade, Centro Espírita[66];
  • Total ausência de exorcismos, fórmulas, palavras sacramentais, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais, amuletos, talismãs, culto ou oferenda a imagens ou altares, danças, procissões ou atos semelhantes, paramentos, andores, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso e fumo, práticas exteriores ou quaisquer sinais materiais;[67]
  • Ausência de rituais institucionalizados, a exemplo de batismo[68], culto ou cerimônia para oficializar casamento[69];
  • Incentivo ao respeito para com todas as religiões e opiniões.[70]
  • Ter uma fé raciocinada, rejeitando a fé cega que não utiliza o raciocínio lógico em suas crenças.[71]

Simbologia

 
Ramo de videira, uma das poucas imagens reconhecidas pelo espiritismo.

O espiritismo não possui um símbolo oficial e prioriza uma linguagem denotativa, no entanto, o ramo de videira presente em O Livro dos Espíritos - única gravura usada por Kardec na Codificação Espírita - é considerado pela doutrina como a imagem metafórica perfeita da relação entre o espírito e o corpo humano, devido a esse trecho:[72]

Porás no cabeçalho do livro a cepa que te desenhamos, porque é o emblema do trabalho do Criador. Aí se acham reunidos todos os princípios materiais que melhor podem representar o corpo e o espírito. O corpo é a cepa; o espírito é o licor; a alma ou espírito ligado à matéria é o bago. O homem quintessencia o espírito pelo trabalho e tu sabes que só mediante o trabalho do corpo o Espírito adquire conhecimentos.
— Prefácio de O Livro dos Espíritos.

Obras

Básicas

 Ver artigo principal: Obras básicas do espiritismo

A seguir são apresentadas algumas das principais obras publicadas por Allan Kardec:[73]

 
Publicação de O Livro dos Espíritos de 1860 em Paris.
 
Publicação do livro O Que é o Espiritismo? de 1868 em Paris.

A obra O Livro dos Espíritos foi publicado em 1857, nele estão contidos os princípios fundamentais da Doutrina Espírita.[74] O Livro dos Médiuns, ou Guia dos Médiuns e dos Evocadores, foi publicado em 1861 e versa sobre o caráter experimental e investigativo do espiritismo, visto como ferramenta teórico-metodológica para se compreender uma "nova ordem de fenômenos", até então jamais considerada pelo conhecimento científico: os fenômenos ditos espíritas ou mediúnicos, que teriam como causa a intervenção de espíritos na realidade física.[75]

O livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, publicado em 1864, avalia os evangelhos canônicos sob a óptica da doutrina espírita, tratando com atenção especial a aplicação dos princípios da moral cristã e de questões de ordem religiosa como a prática da adoração, da prece e da caridade.[76]

A obra O Céu e o Inferno, ou A Justiça Divina segundo o Espiritismo, foi publicado em 1865 e compõe-se de duas partes: na primeira, Kardec realiza um exame crítico, procurando apontar contradições filosóficas e incoerências com o conhecimento científico, superáveis, segundo ele, mediante o paradigma espírita da fé raciocinada.[77] Entre os assuntos estão: causas do temor da morte, porque os espíritas não temem a morte, o céu, o inferno, o inferno cristão imitado do pagão, os limbos, purgatório, doutrina das penas eternas, código penal da vida futura, os anjos, a origem da crença dos demônios.[78] Na segunda, constam dezenas de diálogos que teriam sido estabelecidos entre Kardec e diversos espíritos, nos quais estes narram as impressões que trazem do além-túmulo.[79]

O livro A Gênese, ou Milagres e as Predições segundo o Espiritismo, foi publicado em 1868 e aborda diversas questões de ordem filosófica e científica, como a criação do universo, a formação dos mundos, o surgimento do espírito e a natureza dos ditos milagres, segundo o paradigma espírita de compreensão da realidade.[80]

Complementares

O livro O Que é o Espiritismo?, publicado em 1859, é uma introdução didática sobre o espiritismo.[81]

O periódico Revue Spirite (em português Revista Espírita), voltado exclusivamente a assuntos relacionados ao Espiritismo, foi fundado por Kardec e dirigido por ele até a data de seu falecimento (1869). Já teve a participação de várias personalidades expoentes da doutrina e atualmente sua publicação é trimestral.[82]

A obra Obras Póstumas, publicado postumamente em janeiro de 1890, pelos dirigentes da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, trata-se de uma compilação de escritos inéditos do codificador da doutrina espírita, Allan Kardec, com anotações sobre os bastidores da criação da doutrina e que auxiliam a sua compreensão.[83]

Relação com outros segmentos da sociedade

Ciência

Método científico e "ciência espírita"

A investigação científica dos fatos e causas dos pretensos fenômenos mediúnicos é objeto de intenso estudo, principalmente pela pseudociência[84] da parapsicologia.[85][86] Investigações científicas sobre mediunidade e outros "fenômenos espirituais" defendidos pelo espiritismo ocorreram/ocorrem inclusive em âmbito universitário,[87][88][89] mas apesar de muitos cientistas, inclusive renomados,[90][91] já terem afirmado que evidenciaram a existência de fenômenos do tipo em suas pesquisas, através do método científico a existência de espíritos não encontra-se estabelecida, tampouco provada.

Existe certamente uma diversidade de alegadas práticas que vêm suscitando curiosidade dos pesquisadores de "fenômenos espirituais" em geral - a exemplo a psicografia, desdobramento espiritual, experiência de quase morte, fenómeno da voz eletrónica, retrocognição, premonição, incorporação, psicofonia, xenoglossia[92], obsessão espiritual, medicina espiritual, clarividência, clariaudiência, poltergeist, psicopictografia, fotografia espírita,[93] filmagem espírita, ectoplasmia,[94] telepatia, psicoquinesia, levitação, radiestesia, etc.

Frente a essa diversidade de fenômenos é que Kardec, no preâmbulo de O Que É o Espiritismo?, afirma que o espiritismo "é uma ciência que trata da natureza, origem e destino dos espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal", e é dentro dessa perspectiva é que define-se o que naquele momento se chamou de "ciência espírita"[nota 2], tendo esta por objeto central de estudo o espírito e por metodologia um conjunto de princípios teórico-metodológicos próprios que, ao menos em definição, far-se-iam sempre compatíveis com o estabelecido pela ciência propriamente dita - via método científico.[nota 3]

É diante do acima exposto que mostra-se importante frisar que o termo "ciência", quando associado ao espiritismo, transcende a "ciência" que se encontra atrelada a cadeiras como física, química, biologia ou qualquer das demais cadeiras que integram as ditas ciências naturais - ou mesmo as ciências sociais - áreas últimas também condizentes, ao menos em princípio, com a definição estrita de "ciência", onde um estudo científico - uma teoria científica - deve necessariamente obedecer a todas as delimitações e restrições definidas pelo método científico. Ressalta-se assim que os aludidos fatos defendidos pelos seguidores da doutrina como verídicos, embora tenha sobrevivido ao escrutínio de veracidade mediante testes definidos pela metodologia própria à doutrina, não sobrevivem os escrutínios condizentes apenas com o método científico, e nenhum deles implicou, até a presente data, fato científico propriamente dito. Mesmo esforçando-se para manter-se em consonância com essa, espiritismo não é, frente ao rigor da definição, ciência.[nota 4][95]

 
Jim Tucker, M.D. é um dos cientistas continuadores da famosa pesquisa de Ian Stevenson, que defende conceitos como reencarnação e mediunidade.

Mesmo não considerados ciência em sentido estrito, justamente por serem sustentados também por pilares filosófico-religiosos, os fenômenos espíritas foram e ainda são, contudo, objetos de estudos para um número bem expressivo de pesquisadores (mais notoriamente médicos e parapsicólogos)[90][96][97][98][99] ao redor do mundo; e dentre estes, muitos alegaram/alegam inclusive dispor de fortes evidências para corroborar de forma bem próxima à científica estrita vários dos princípios espíritas.[90][91][100][101] Por exemplo, há uma pesquisa efetuada mundialmente pelo falecido professor de psiquiatria canadense da Universidade da Virgínia, Ian Stevenson, desde os anos 1960 até 2007, com mais de três mil estudos de casos, que segundo ele, fornecem evidências que sugerem não apenas a existência de espíritos como também a mediunidade, o desdobramento espiritual e a reencarnação, nomeadamente com a publicação de Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação (1966).[102][103][104] Os médicos psiquiatras Jim Tucker e Bruce Greyson continuam o trabalho de Stevenson relacionado à espiritualidade.[105]

O norte-americano Dr. Raymond Moody é outro cientista muito aclamado por seus estudos que defendem conceitos espíritas, ele é autor do best seller Vida Depois da Vida e é considerado o principal responsável pelo surgimento do interesse popular nas experiências de quase morte.[106][107]

Mesmo que estudados por várias personalidades de renome que acabaram por contribuir de outras formas, significativas ou não, à ciência em sua acepção moderna, as metodologias utilizadas pelas correntes espíritas são até hoje diferentes ou transcendem o método científico, e por tal o espiritismo permanece, hoje mais do que outrora, notoriamente muito mais atrelado às religiões do que às academias científicas propriamente ditas.[108]

Muitos cientistas e intelectuais renomados empenharam-se em investigações sobre a mediunidade e suas implicações para as relações mente-cérebro, entre eles: Allan Kardec, Alfred Russel Wallace, Alexandre Aksakof, Cesare Lombroso, Camille Flammarion, Carl Jung, Cesare Lombroso, Charles Richet, Gabriel Delanne, Frederic Myers, Hans Eysenck, Henri Bergson, Ian Stevenson, J. J. Thomson, J. B. Rhine, James H. Hyslop, Johann K. F. Zöllner, Lord Rayleigh, Marie Curie, Oliver Lodge, Pierre Curie, Pierre Janet, Théodore Flournoy, William Crookes, William James e William McDougall.[109][110]

Medicina

 
Hospital Espírita "André Luiz", em Belo Horizonte, Minas Gerais.

Em termos de Medicina, indivíduos com sintomas como audição ou visão de espíritos já foram apontados como sendo portadores de transtornos mentais mas há muito, com as atualizações da Classificação internacional de doenças, a Medicina reconhece que esses sintomas não possuem necessariamente causas patológicas.[111] É importante também lembrar que a Organização Mundial de Saúde define "saúde" como o "estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas como a ausência de doença ou enfermidade",[112] definição que não sofreu emendas desde a fundação da Organização, em 1948.[113]

A Classificação internacional de doenças (CID) em sua décima atualização, a CID-10, prevê, em seu item F.44.3 os chamados "Estados de transe e de possessão", definidos como: "Transtornos caracterizados por uma perda transitória da consciência de sua própria identidade, associada a uma conservação perfeita da consciência do meio ambiente." Contudo, explicitamente descreve em alínea seguinte: "Devem aqui ser incluídos somente os estados de transe involuntários e não desejados, excluídos aqueles de situações admitidas no contexto cultural ou religioso do sujeito."[114]

Nesse sentido é feita a distinção entre o estado de transe normal - a exemplo a hipnose, não mais considerado doença - e o transtorno dissociativo psicótico, uma patologia psiquiátrica. Exclui-se desse item também, entre outros, a esquizofrenia. Evidencia-se também na CID que os estados de transes tidos por espiritualistas como oriundos de "possessões espirituais" - comuns em ambientes religiosos - não são acobertados pelo item F.44.3 citado, e não são considerados patológicos; e apesar da CID reconhecer tais estados de transe ao excluí-los explicitamente, também não aponta "espíritos" como causa de transe algum, mesmo que alguns adeptos espiritualistas insistam em dizer o contrário.[115]

A expressão "possessão" figura no referido item da CID com acepção que remete aos estados de agitação demasiada, de agressividade ou mesmo de fúria; e mediante tal acepção a leitura do item associado em íntegra implica, nitidamente, o não reconhecimento da tal causa "espiritual" (vide alínea). Argumento em favor da asserção inicial deriva também do fato de que o reconhecimento de tal causa pela Organização Mundial de Saúde implicaria a inserção compulsória dessa na CID bem como a necessidade de tratamento ou acompanhamento específicos visto serem tais estados de "possessão" prontamente reconhecidos, antes de mais nada pelos próprios espiritualistas, como situações muitas vezes prejudiciais à saúde do "possuído" e que requerem por tal tratamento ou mesmo acompanhamento "espiritual" imediato, tratamentos esses certamente fornecidos - segundo suas crenças - pelos referidos grupos ou autoridades religiosas capacitadas junto aos seus templos ou ambientes de reuniões; contudo não definidos, estabelecidos, tampouco cogitados pela Organização Mundial de Saúde.[115][116][117]

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, em sua quarta revisão (1994), incluiu advertência contra a interpretação equivocada de experiências espirituais ou religiosas como transtornos mentais e distinguiu dos transtornos mentais uma outra categoria de problemas classificados como “outras circunstâncias que podem ser foco de atenção clínica”, incluindo-se a isto uma subcategoria específica denominada “problemas espirituais ou religiosos”, para a orientação de profissionais da saúde no diagnóstico e tratamento de alguns possíveis problemas não-patológicos dos pacientes.[118]

Já reconhecendo a influência do estado de espírito na saúde e bem-estar,[119] notórias instituições científicas, como a The World Psychiatric Association, American Psychological Association, American Psychiatric Association e Royal College of Psychiatrists, possuem seções dedicadas à relação entre saúde e espiritualidade.[119]

A relação do espiritismo em si com a medicina é profunda, estando presente em muitos livros espíritas e havendo inclusive a Associação Médico-Espírita Internacional, que congrega associações médico-espírita de diversos países.[120] O espiritismo constitui um amplo movimento internacional de instituições de caridade e saúde, como se constata principalmente através da existência de tais associações, inúmeros hospitais e centros espíritas e uma notória promoção da psiquiatria e da homeopatia.[121][122]

O médico e político Dr. Bezerra de Menezes, espírita, escreveu o clássico livro A Loucura sob Novo Prisma, buscando principalmente relacionar a questão dos transtornos mentais com o espiritismo e assim promover a aplicação de meios mais eficazes de tratamento no campo da saúde mental.[123]

Atualmente o psiquiatra e parapsicólogo Dr. Alexander Moreira-Almeida, coordenador da Seção de Espiritualidade, Religiosidade e Psiquiatria da World Psychiatric Association, é um dos principais nomes no estudo científico da relação entre saúde e experiências espirituais, principalmente a mediunidade.[110][124][125]

Outras religiões

Não há consenso entre os espíritas sobre o espiritismo ser ou não uma religião, apesar da doutrina constar como religião em pesquisas demográficas. A causa disto é o tríplice aspecto do espiritismo que permite classificá-lo como uma doutrina que faz um alinhamento "ciência-filosofia-religião",[126][127] No preâmbulo do livro O Que É o Espiritismo?, Allan Kardec afirma que o espiritismo é, ao mesmo tempo uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os Espíritos; como filosofia, compreende todas as consequências morais que emanam essas mesmas relações. Há ainda quem conteste o aspecto religioso do espiritismo, contudo no livro publicado pelo codificador, intitulado O Espiritismo na sua mais simples expressão,[5] claramente ele assegura: Do ponto de vista religioso o espiritismo tem por base as verdades fundamentais de todas as religiões: Deus, a alma, a imortalidade, as penas e as recompensas futuras, sendo, porém, independente de qualquer culto em particular. Seu objetivo é provar àqueles que negam, ou que duvidam, que a alma existe, que ela sobrevive ao corpo e que sofre, após a morte, as consequências do bem e do mal que praticar durante a vida corpórea: o objetivo de todas as religiões..[36] Kardec ainda esclarece que o espiritismo é religião no Discurso de Abertura da Sessão Anual Comemorativa do dia dos Mortos (Sociedade de Paris, 1º de novembro de 1868), em que diz:

Se é assim, perguntarão, então o espiritismo é uma religião? Ora, sim, sem dúvida, senhores! No sentido filosófico, o espiritismo é uma religião, e nós nos vangloriamos por isto, porque é a doutrina que funda os vínculos da fraternidade e da comunhão de pensamentos, não sobre uma simples convenção, mas sobre bases mais sólidas: as próprias leis da Natureza.
— Kardec[128]

No Congresso Espírita Internacional realizado em Paris em 1925 foi proposto a retirada do aspecto religioso do espiritismo, mas o importante filósofo espírita francês Léon Denis se opôs a isso com tenacidade, mesmo com sua já fraca condição física de saúde.[29] Para Denis, o espiritismo não era a "religião do futuro", mas sim o "futuro da religiões".[129]

A Doutrina Espírita, por sua vez, afirma respeitar todas as religiões e doutrinas, e valorizar todos os esforços para a prática do bem e diz trabalhar pela confraternização e pela paz entre todos os povos e entre todos os homens,[130] embora rejeite firmemente, reitere-se, dogmas fundamentais das outras religiões monoteístas; no caso particular do cristianismo, destacam-se o da divindade de Cristo, o da Santíssima Trindade, o da salvação/justificação pela graça (mais que pelas obras/esforços individuais), e o da existência e importância da Igreja como entidade espiritual, não apenas humana,[131]

Cristianismo

 
Cristianismo e Espiritismo, livro de 1898 do filósofo Léon Denis, que liga a moral cristã e as leis morais do espiritismo.
 
Livro oficial católico de oposição ao espiritualismo (1921).

A doutrina espírita adota a moral cristã[nota 5], apesar de suas concepções teológicas diferenciadas. Para os espíritas, nome dado aos seguidores do espiritismo, Jesus Cristo se trata do espírito mais elevado a já ter encarnado na Terra.[62]

Os espiritistas (tradução muito usada durante as primeiras décadas do século XX para o neologismo francês spirite) ou espíritas, afirmam-se cristãos e atribuem à doutrina espírita o caráter de uma doutrina cristã, já que consideram seguir os ensinamentos morais de Jesus. Os espíritas fundamentam sua defesa do caráter cristão da doutrina espírita no fato de Allan Kardec defender que a moral cristã, isenta dos dogmas de fé a ela associados, seria o que de mais próximo a um código de ética divino e racional o homem possui. Os espíritas argumentam que os dogmas foram elaborados ao longo dos séculos pela Igreja Católica, não sendo, por isso, necessário segui-los para ser cristão. Além disso, o item 625 d'O Livro dos Espíritos afirma ser Jesus o maior exemplo moral de que dispõe a humanidade, apesar de o espiritismo negar a ele qualquer carácter efetivamente divino.[132]

Sermão da Montanha

As bem-aventuranças são 9 ensinamentos que Jesus proferiu no Sermão da Montanha, segundo o Novo Testamento (Mateus 5:1-12). Para o espiritismo estes ensinamentos são de grande importância, a seguir serão apresentados sobre a óptica espírita.

«"Bem aventurados os pobres de espírito, pois que deles é o reino dos céus"» (Mateus 5:3). No entender da doutrina espírita, Jesus promete o reino dos céus aos simples e humildes em referência as qualidades morais do indivíduo.[133]

«"Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados." "Bem-aventurados os famintos e os sequiosos de justiça, pois que serão saciados." "Bem aventurados os que sofrem perseguição pela justiça, pois que é deles o reino dos céus"» (Mateus 5:4-10). Segundo o espiritismo, somente na vida futura podem efetivar-se as compensações que Jesus promete aos aflitos da Terra. A fé no porvir pode consolar e infundir paciência no espírito que suporta as diversas anomalias terrestres com calma e resignação. Todavia não justifica as causas da diversidade dos males, das desigualdades entre o vício e a virtude, das deformidades e dos flagelos naturais. As vicissitudes da vida podem dividir-se em duas partes de acordo com a ótica espírita: umas tem suas explicações na vida presente, enquanto outras se encontram fora desta vida. Esta ultima causa na visão espírita é explicada pela pluralidade das existências em que o espírito encarnado paga os males que cometeu em vidas anteriores.[134]

«"Bem aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus"» (Mateus 5:8). A pureza do coração assemelha-se ao princípio da simplicidade e humildade, que exclui toda ideia de orgulho e de egoísmo. Segundo o espiritismo, o emblema de pureza que Jesus toma pela infância não deve ser tomado ao pé da letra, "Então lhe trouxeram algumas crianças para que as tocasse, mas os discípulos os repreendiam. Jesus, porém, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai que venham a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus. Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança, de maneira nenhuma entrará nele", Marcos 10:13-15. O espírito da criança não podendo ainda manifestar suas tendências para o mal, representa, momentaneamente, a imagem da inocência e da candura assemelhando-se aos espíritos puros. Contudo, as ações [boas ou más] tomadas pelo espírito antes de encarnar irão refletir, pouco a pouco, no seu comportamento como espírito encarnado. Portanto, na medida em que o espírito encarnado vai desenvolvendo sua estrutura física, desenvolve também sua estrutura psíquica que encontra as características comportamentais correspondentes a conduta real do próprio espírito.[135]

«"Bem aventurados os brandos, por que possuirão a Terra"» (Mateus 5:5). «"Bem-aventurados os pacíficos, por que serão chamados filhos de Deus"» (Mateus 5:9). Segundo o espiritismo, Jesus faz da brandura, da moderação, da mansuetude, da afabilidade e da paciência, uma lei.[136]

«"Bem aventurados os que são misericordiosos, por que obterão misericórdia"» (Mateus 5:7). A misericórdia consiste no perdão das ofensas, para a doutrina espírita o sacrifício que mais apraz a Deus é a reconciliação com os adversários, conforme está em Mateus 5:23-24.[137]

Segundo o espiritismo, toda a moral cristã se resume neste axioma:

Fora da caridade não há salvação.
Reencarnação

Para boa parte das religiões cristãs, a reencarnação está em desconformidade aos ensinamentos da Bíblia, a ressurreição, ao conceito de salvação e do eterno suplício.[138][139] Exemplificam a passagem do apostolo Paulo que determina o estado de toda a humanidade após a morte. "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo..."[140]

Para a doutrina espírita, entretanto, a reencarnação foi confundida pelo nome de ressurreição, que significa literalmente "voltar à vida", resultando as diversas causas de anfibologia. A crença de que o homem poderia reviver é antiga e fazia parte dos dogmas judeus, porém não era determinado de que maneira o fato iria ocorrer, pois apenas tinham vagas e incompletas noções acerca da alma e de sua ligação com o corpo.[141] Segundo alguns adeptos do espiritismo, o apostolo Paulo na citação anterior, desvenda a duvida referente à ressurreição e desfaz a crença da volta do espírito no corpo que já está morto para morrer segunda vez no mesmo, sobretudo quando os elementos da matéria orgânica já se acham dispersos e absorvidos pelo tempo, pois todos os homens morrem apenas uma vez a cada existência corpórea.[142][143] Afirmam ainda que o "juízo" refere-se ao estado individual (não coletivo) que sucede a morte do corpo (erraticidade).[144] Embora não resolva profundamente o problema da ambiguidade diversas passagens bíblicas enfatizam a reencarnação, segundo o espiritismo, em Jó 14:10-14[nota 8][145]

Lei do Progresso

O Juízo Final, representa, segundo a doutrina espírita, o processo de "Regeneração da Humanidade", no qual a Terra sofrerá uma lenta transformação físico-moral, em que se separarão os espíritos que desejam seguir o caminho do bem daqueles que permanecerem no mal — evento simbolizado na Parábola do Julgamento das Nações em Mateus 25:31-46,[146] e pela Parábola do Trigo e do Joio em Mateus 13:24-30.[147][148] Todavia, essa desagregação não fará com que os "espíritos imperfeitos" permaneçam eternamente no sofrimento situação semelhante encontrada em Lucas 15:1-32,[149][150] pois tudo que há no universo está destinado à lei do progresso.[151]

Mediunidade
 Ver artigo principal: Mediunidade

As religiões de matriz judaico-cristã entendem que, com a Lei dada a Moisés no Antigo Testamento, Deus teria interditado à antiga Israel as comunicações com o mundo dos espíritos e o uso de poderes "sobrenaturais" por eles concedidos. "… não haverá no meio de ti ninguém que faça passar pelo fogo seu filho ou sua filha, que interrogue os oráculos, pratique adivinhação, magia, encantamentos, enfeitiçamentos, recorra à adivinhação ou consulte os mortos (necromancia)".[152] Afirmam ainda que essa proibição teria sido confirmada no Novo Testamento, pelas referências contidas nos Evangelhos e no livro de Atos dos Apóstolos aos "espíritos impuros". A citação do apóstolo Paulo, afirma que quem pratica "feitiçaria" (ou bruxaria, pois o termo grego usado é farmakía) … não herdará o Reino de Deus".[153]

A postura da Doutrina Espírita propõe que se avaliem os textos bíblicos, quando verdadeiramente originais, de forma crítica, levando em conta o seu patamar simbólico, em função dos recursos vocabulares e figuras de linguagem disponíveis à época e nas posteriores traduções.[154]

Organizações

Federação Espírita Brasileira

 Ver artigo principal: Federação Espírita Brasileira

A Federação Espírita Brasileira é uma entidade de utilidade pública[155] que foi fundada em 2 de janeiro de 1884, no Rio de Janeiro. Constitui-se em uma sociedade civil, religiosa, educacional, cultural e filantrópica, que tem por objeto o estudo, a prática e a difusão do espiritismo em todos os seus aspectos, com base nas obras da codificação de Allan Kardec e nos Evangelhos canônicos.[156]

Conselho Espírita Internacional

 Ver artigo principal: Conselho Espírita Internacional

O Conselho Espírita Internacional (CEI) é um organismo resultante da união das associações representativas dos movimentos espíritas nacionais e atualmente possui 35 países associados. Foi constituído em 28 de novembro de 1992 em Madrid, na Espanha. Seus objetivos são: promoção da união solidária e fraterna das instituições espíritas de todos os países e a unificação do movimento espírita mundial; promoção do estudo e da difusão da Doutrina Espírita em seus três aspectos básicos, quais sejam o científico, o filosófico e o religioso; promoção da prática da caridade material e moral, conforme ensina a Doutrina Espírita. O principal evento organizado pelo CEI é o Congresso Espírita Mundial, realizado a cada três anos.[157]

Confederação Espírita Pan-Americana

A Confederação Espírita Pan-Americana, fundada em 5 de outubro de 1946 na Argentina, é uma instituição internacional, que congrega majoritariamente espíritas da América Latina. A CEPA possui instituições adesas e filiadas em diversos países, e defende uma visão laica a respeito do espiritismo. A organização assume posicionamentos polêmicos entre os espíritas, como a desvinculação entre a doutrina e o cristianismo e a necessidade de se atualizar o espiritismo em face da ciência. Desde o dia 13 de outubro de 2000, a sede da CEPA passou a ser Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. A atuação da CEPA no Brasil se dá, principalmente, através de eventos promovidos por instituições adesas, como o Fórum do Livre Pensar Espírita e o Simpósio Brasileiro do Pensamento Espírita.[158]

Associação Médico-Espírita Internacional

A Associação Médico-Espírita Internacional (AME – INTERNATIONAL) foi fundada a 4 de junho de 1999, em São Paulo, Brasil. A associação tem como missão congregar as Associações Médico-Espíritas dos diversos países e tem como finalidade o estudo da Doutrina Espírita e de sua fenomenologia, tendo em vista a sua relação e integração com os campos da Ciência, em particular da Medicina, da Filosofia e da Religião. Para cumprir essa missão, estimula ou apóia a realização de estudos, cursos, experiências e pesquisas científicas, visando a aplicação do paradigma médico-espírita. Atualmente a AME-INTERNATIONAL possui 9 países integrados e tem realizado inúmeros eventos em vários países dos continentes americano e europeu.[159]

Distribuição no mundo

 
Festival Allan Kardec em São Paulo.

De 1857, ano do lançamento do O Livro dos Espíritos, a 1869, ano do falecimento de Kardec, o espiritismo conseguiu 7 milhões de adeptos.[160] Segundo dados do ano 2005, o espiritismo possui cerca de 15 milhões de adeptos ao redor do mundo,[161] e segundo dados do ano 2010, o Brasil - país com mais adeptos[162] - conta com cerca de 3,8 milhões de espíritas.[163][164] O Conselho Espírita Internacional (CEI) tem 36 países membros, sendo eles: Alemanha, Angola, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Cuba, El Salvador, Espanha, Estados Unidos, França, Guatemala, Países Baixos, Honduras, Itália, Japão, Luxemburgo,[165] México, Moçambique,[166] Noruega, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido, Suécia, Suíça, Uruguai e Venezuela.[167] Outra organização espírita internacional, a Confederação Espírita Pan-americana, reúne instituições espíritas e delegados de 13 países como Argentina, Brasil, Colômbia, Cuba, Espanha, Estados Unidos, França, Guatemala, Honduras, México, Porto Rico, República Dominicana e Venezuela.[168][169][170]

Brasil

 
Primeiro Congresso Espírita Mundial, realizado no Brasil em 1948.
 
Sala de aula para iniciação de crianças no espiritismo em Boa Ventura, Paraíba.
 Ver artigo principal: História do espiritismo no Brasil

O espiritismo chegou ao Brasil em 1865 segundo a Federação Espírita Brasileira (FEB), porém há divergências desta opinião[171] conforme relatado abaixo:

Conquanto desde 1853 os jornais do país já registrassem reuniões familiares para a produção de fenômenos mediúnicos, o espiritismo codificado por Allan Kardec só desembarca no Brasil por volta de 1860 com os primeiros exemplares de O Livro dos Espíritos. É no ano de 1860 que surge o primeiro livro espírita publicado no Brasil: Os Tempos são chegados, do professor francês Casimir Lieutuad, obra pioneira que abre caminho para a introdução do espiritismo no Brasil.[172]
Anuário Espírita 2006

Teve através de Bezerra de Menezes[173] e Chico Xavier[174] a oportunidade de se popularizar pelo país, espalhando seus ensinamentos por grande parte do território brasileiro. O Brasil é o que reúne o maior número de espíritas em todo o mundo.[175] A Federação Espírita Brasileira – entidade de âmbito nacional do movimento espírita – congrega aproximadamente dez mil instituições espíritas,[176] espalhadas por todas as regiões do país. Há várias associações espíritas brasileiras de profissionais específicos, como a Associação Médico Espírita do Brasil, Associação Brasileira de Psicólogos Espíritas, Associação Brasileira de Magistrados Espíritas, Associação Brasileira de Artistas Espíritas, Cruzada dos Militares Espíritas, etc.[29]

De acordo com o Censo brasileiro de 2010, o Brasil possuía cerca de 3,8 milhões de espíritas.[177] As capitais estaduais com maior percentagem de espíritas são Florianópolis (7,3%), Porto Alegre (7,1%), Rio de Janeiro (5,9%), São Paulo (4,7%), Goiânia (4,3%), Belo Horizonte (4,0%), Campo Grande (3,6%), Recife (3,6%), Brasília (3,5%) e Cuiabá (3,5%).[178] O IBGE trata os termos kardecismo e espiritismo como equivalentes em sua classificação censitária.[179]

Terceiro maior grupo religioso brasileiro, os espíritas são, também, o segmento social que têm maior renda e escolaridade, segundo os dados do mesmo Censo. Os espíritas têm sua imagem fortemente associada à prática da caridade. Eles mantêm em todos os estados brasileiros asilos, orfanatos, escolas para pessoas carentes, creches e outras instituições de assistência e promoção social.[29] Allan Kardec é uma personalidade bastante conhecida e respeitada no Brasil].[180] É o autor francês mais lido no país, seus livros já venderam mais de 25 milhões de exemplares em todo o território brasileiro. Se forem contabilizados os demais livros espíritas, todos decorrentes das obras de Kardec, o mercado editorial brasileiro espírita ultrapassa 4.000 títulos já editados e mais de 100 milhões de exemplares vendidos.[181] A temática espírita constitui o mercado editorial literário de maior sucesso no Brasil, sendo que os livros espíritas lideram o ranking dos mais vendidos nas principais livrarias do país.[29][182] Segundo o censo de 2010, o espiritismo cresceu do ano de 2000 até 2010, com um expressivo aumento de mais de 60% de seguidores, passando de 2,3 milhões para 3,8 milhões de seguidores,[163] tendo a maioria destes, idades entre 50 e 59 anos (3,1%), e na comparação com as demais posições em relação à religião, tendo o maior número de pessoas com taxa de alfabetização (98,6%), ensino superior completo (31,5%) e rendimento acima de 5 salários mínimos (19,7%), além da menor percentagem de indivíduos sem instrução (1,8%) e com ensino fundamental incompleto (15,0%).[164]

Cuba

Após a legalização das religiões em Cuba, houve um renascimento do espiritismo, que vinha ocorrendo naquele país caribenho desde o século XIX.[183] Segundo dados do Ministério das Religiões, no ano de 2011 em Cuba havia 400 centros espíritas e mais 200 sendo registrados, tornando Cuba, o segundo país mais espírita do mundo por número de centros. A Associação Médico Espírita de Cuba contém o maior número de militantes na Associação Médico-Espírita Internacional.[184]

Impacto cultural

O espiritismo já foi tema de várias obras não literárias, como novelas, séries e filmes.[185]

Telenovelas

A telenovela brasileira Somos Todos Irmãos (1966), foi produzida pela extinta TV Tupi e é inspirada no romance espírita A Vingança do Judeu psicografado pela médium russa Vera Kryzhanovskaia.[186] A telenovela A Viagem (1975), produzida pela TV Tupi, foi inspirada nos romances espíritas Nosso Lar e E a Vida Continua... psicografados por Chico Xavier desenvolvendo uma trama complexa abordando os conceitos de mediunidade, morte, obsessão espiritual, reencarnação e outros. A Rede Globo concebeu um remake dela em 1994.[187] A telenovela O Profeta (1977), produzida pela extinta TV Tupi e também com um remake concebido em 2006 pela Rede Globo, mostra o personagem principal como um médium capaz inclusive de predizer o futuro.[188]

Mais recentemente, as produções Alma Gêmea,[188] Escrito nas Estrelas,[189] Amor Eterno Amor,[190] Além do Tempo[191][192] e Espelho da Vida também contaram histórias relacionadas ao espiritismo.[193]

Filmes

O filme brasileiro Joelma 23º Andar, de 1979, dirigido por Clery Cunha e protagonizado por Beth Goulart, foi baseado na obra Somos Seis psicografada por Chico Xavier e é o primeiro no país com temática espírita e o único que retratou o incêndio no Edifício Joelma, que deixou 179 mortos e mais de 300 feridos (1 de fevereiro de 1974). Vários outras obras cinematográficas se seguiram, como Bezerra de Menezes - O Diário de um Espírito (de 2006, visto por mais de 500 mil espectadores),[194] Chico Xavier (de 2010, visto por cerca de 3,5 milhões de espectadores nos cinemas),[194] Nosso Lar (também de 2010, visto por mais de 4 milhões de espectadores nos cinemas),[195] entre outros.

Séries

A série The Dead Zone (2001), produzida pela Lionsgate Television e pela CBS Paramount Network Television aborda fenômenos paranormais, experiência de quase-morte, psicometria, premonição e retrocognição. O seriado baseia-se no livro homônimo escrito por Stephen King e no filme homônimo dirigido por David Cronenberg;[196] A série Medium (2005), produzida pela NBC, tem uma protagonista que utiliza sua mediunidade como auxílio a um promotor público na resolução de crimes. O seriado baseia-se na vida da médium norte-americana Allison DuBois, sobretudo em sua obra Don't Kiss Them Good-Bye;[197] O microsseriado A Cura (2010), exibido e produzido pela Rede Globo, retrata o protagonista Selton Mello no papel de um médium de cura que exerce cirurgias espirituais;[198] A série A Gifted Man (2011), produzida pela CBS, aborda a história de um renomado médico cirurgião viúvo tenta mudar sua personalidade após passar a interagir com o espírito de sua falecida ex-esposa.[199]

Dissidências

Roustainguismo

 Ver artigo principal: Jean-Baptiste Roustaing
 
Fac-símile do registro de Jean-Baptiste Roustaing, 1805.

Desde o século XIX, mais notavelmente na França e no Brasil, existem conflitos de opinião entre os espíritas, ditos, equivocadamente, "kardecistas", e os denominados "roustainguistas", consoante a admissão ou não dos postulados da obra Os Quatro Evangelhos ou Revelação da Revelação, coordenada por Jean-Baptiste Roustaing, principalmente acerca da gênese do corpo de Jesus e da queda espiritual, que provocaria a primeira encarnação nos espíritos que faliram. Para os espíritas que aceitam o binômio Kardec-Roustaing, Jesus teve um corpo "fluídico" no orbe terrestre devido a ser um espírito puro e, portanto, a gênese desse corpo fora por sua vontade psico-magnética, caracterizando-o como agênere.[200]

Já os espíritas que não aceitam a obra Os Quatro Evangelhos, coordenada por Roustaing, acreditam que Jesus possuía um corpo material igual a de qualquer ser humano encarnado, tendo sua gênese, também, sido igual. Isto é, pela fusão de espermatozoide e óvulo.[201]

Além disso Os Quatro Evangelhos, de Roustaing, explica que os espíritos que faliram pelo ateísmo, pelo orgulho e pelo egoísmo encarnaram em mundos primitivos como "criptógamos carnudos" (animais rastejantes assemelhados a lesmas), o que representa a doutrina da metempsicose, que não é aceita pelo espiritismo, haja vista que a doutrina da reencarnação afirma que o Espírito somente reencarna no reino hominal (Humanidade).[202]

Racionalismo cristão

 Ver artigo principal: Racionalismo cristão
 
Casa Racionalista Cristã, Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

Na cidade brasileira de Santos, em 1910 surgiu uma dissidência do movimento espírita, que se denominou "Espiritismo Racional e Científico Cristão" e, posteriormente, Racionalismo cristão, sistematizada por Luís de Matos e Luís Alves Tomás.[203]

Ramatisismo

 Ver artigo principal: Ramatis

No Brasil, desde a segunda metade da década de 1950, alguns centros espíritas seguem a doutrina que teria sido ditada pelo espírito Ramatis (corporificada sobretudo nas obras psicografadas por Hercílio Maes). Distinguem-se dos centros espíritas tradicionais em função da maior ênfase ao universalismo (origem comum das religiões) e ao estudo comparado de religiões e filosofias espiritualistas ocidentais e orientais. Nota-se também a influência mais acentuada de correntes de pensamento orientais (tais como o budismo e o hinduísmo) e a proximidade com a cosmogonia do espiritualismo universalista.[204]

Conscienciologia

 Ver artigo principal: Conscienciologia
 
Waldo Vieira (1932–2015) foi fundador da conscienciologia

Após o fim da parceria com o médium Chico Xavier em 1968, o médium Waldo Vieira inicia pesquisa própria sobre o fenômeno denominado "projeção da consciência" (no espiritismo referido como "desdobramento espiritual"). Consequentemente, em 1987 sistematiza o movimento de cunho paracientífico chamado Conscienciologia.[205][206]

Renovação Cristã

 Ver artigo principal: Renovação Cristã

Surgida no Brasil, também como uma dissidência do movimento espírita, desde setembro de 2002. Sem deixar de seguir a Doutrina Espírita, afirma fazê-lo com maior seriedade do que o movimento brasileiro em si, argumento usado para o afastamento.[207]

Controvérsias

Uma série de críticas ao espiritismo contestam a sua caracterização como um movimento científico[208][209][210] ou cristão.[211][212] No século XIX, o código penal de 1890 chegou a proibir a prática do espiritismo no Brasil e punia com até 6 meses de prisão quem praticasse o "crime". Apesar de ser tolerada socialmente, especialmente após a atuação da Federação Espírita Brasileiria nas primeiras décadas do século XX, a prática só deixou de ser proibida oficialmente com a promulgação do código penal de 1940.[213][214]

Qualificação como "ciência"

Alexander Moreira de Almeida[215] ainda tenta essa legitimação,[216] chegando a denominar a abordagem de Kardec como "revolucionária".[217] No entanto, o consenso científico atual considera a parapsicologia uma pseudociência,[218] desconsiderando os supostos fenômenos paranormais que fundamentam o espiritismo, como mediunidade, reencarnação, obsessão, mesas girantes, sessão espírita, psicografia, psicopictografia, tiptologia, dentre outros. Os críticos das pseudociências chegam a definir a parapsicologia como "perversão", pois os parapsicólogos alegam que a ciência não pode ser a única privilegiada que está fora das explicações que eles defendem.[208]

Segundo Joseph McCabe, citando as alegações de Arthur Conan Doyle sobre a confirmação por cientistas dos supostos fenômenos espirituais durante 30 anos, os médiuns enganaram os pesquisadores. Ele considera que tais enganos resultaram na linguagem arrogante da literatura espiritualista.[219]

Declarações racistas de Allan Kardec

Allan Kardec já fez declarações controversas, etnocêntricas e racistas em várias de suas obras ainda no século XIX contra chineses e africanos,[220][221][222] sendo amplamente criticado no meio católico mais tradicionalista por conta disso.[223] Kardec, como um erudito de sua época, acreditava na suposta superioridade racial dos brancos europeus e na inferioridade de outros grupos étnico-raciais, tendo como base a frenologia, fundada pelo médico alemão Franz Joseph Gall (1758-1828) e atualmente considerada uma pseudociência. Kardec foi, inclusive, membro da Sociedade de Frenologia de Paris.[224]

Assim, como organização física, os negros serão sempre os mesmos; como Espíritos, trata-se, sem dúvida, de uma raça inferior, isto é, primitiva; são verdadeiras crianças às quais muito pouco se pode ensinar. Mas, por meio de cuidados inteligentes é sempre possível modificar certos hábitos, certas tendências, o que já constitui um progresso que levarão para outra existência e que lhes permitirá, mais tarde, tomar um envoltório em melhores condições
— Allan Kardec - "Perfectibilidade da raça negra", Revista Espírita, pg. 150-151, abril de 1862[225]

O escritor espírita brasileiro Paulo da Silva Sobrinho Neto, autor do e-book Racismo em Kardec?, argumenta que classificar as citações de Kardec como racistas de acordo com os valores morais contemporâneos seria anacronismo, visto que Kardec reproduzia aquilo que era dito como "verdade científica" na época em que viveu.[226] Ademais, Neto também cita vários trechos em que Kardec apoia o conceito de união "sem distinção de raças", como na obra O Evangelho Segundo o Espiritismo, de 1864.[227]

Ver também

Notas

  1. Deste tempos antigos, como em I Samuel 9:9 ("(Antigamente em Israel, indo alguém consultar a Deus, dizia assim: Vinde, e vamos ao vidente; porque ao profeta de hoje, antigamente se chamava vidente)."), e como prática corrente, como em I Samuel 10:6-24 ("E o Espírito do SENHOR se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e tornar-te-ás um outro homem. (...)". Conforme o contexto, constituía-se numa prática arriscada, como ilustrado em II Crônicas 16:7-10.
  2. Atualmente existem estudiosos espíritas no Brasil que preferem denominar como fenomenologia espírita o estudo e as pesquisas que se referem aos fenômenos do espírito e da mente humana.
  3. Existem várias e várias áreas do conhecimento em que os métodos científicos tradicionais não podem ser aplicados - ou cujos métodos transcendem os definidos pela metodologia científica - e como exemplo pode-se citar a própria Filosofia. Em ambos os casos tais áreas nunca se caracterizam como áreas de estudo científicas, e no caso particular da filosofia e correlatos, a ciência geralmente responde de forma enfática: "Ciência é o que você sabe. Filosofia é o que você não sabe" (Bertrand Russell); "A filosofia da ciência é tão útil para o cientista quanto a ornitologia para os pássaros" (Richard Feynman) - conforme relatado por Simon Singh - Big Bang (pág. 459. Vide referências).
  4. "A ciência só pode determinar o que é, não o que deve ser, e fora de seu domínio permanece a necessidade de juízos de valor de todos os tipos" (Albert Einstein); "O homem domina a natureza não pela força, mas pela compreensão. É por isto que a ciência teve sucesso onde a magia fracassou: porque ela não buscou um encantamento para lançar sobre a natureza" (Jacob Bronowski). Ambas as citações conforme relatado por SINGH, Simon - Big Bang - (pág. 459)
  5. Léon Denis escreveu: "O ideal que proclamam as vozes do mundo invisível não é diferente daquele do fundador do cristianismo". René Kopp também escreveu: "O espiritismo será cristão ou nada será". Mais detalhes sobre esta percepção podem ser obtidos em O Espiritismo Cristão.
  6. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap.15, Fora da Caridade não há salvação, O mandamento maior -Texto Bíblico- "Mas, os fariseus, tendo sabido que ele tapara a boca aos saduceus, se reuniram; e um deles, que era doutor da lei, foi propor-lhe esta questão, para o tentar: -Mestre, qual o grande mandamento da lei? - Jesus lhe respondeu: Amarás o Senhor teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu espírito. -Esse o maior e o primeiro mandamento. -E aqui está o segundo, que é semelhante ao primeiro: Amarás o teu próximo, como a ti mesmo. -Toda a lei e os profetas se acham contidos nesses dois mandamentos." (Mateus 22:34-40)
  7. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap.15, Fora da Caridade não há salvação, Necessidade da caridade, segundo Paulo (o apostolo) -Texto Bíblico- "Ainda quando eu falasse todas as línguas dos homens e a língua dos próprios anjos, se eu não tiver caridade, serei como o bronze que soa e um címbalo que retine; -Ainda quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse todos os mistérios, e tivesse perfeita ciência de todas as coisas; ainda quando tivesse a fé possível, até o ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou. -E, quando houver distribuído os meus bens para alimentar os pobres e houvesse entregado meu corpo para ser queimado, se não tivesse caridade, tudo isso de nada me serviria. A caridade é paciente; é branda e benfazeja; a caridade não é invejosa; não é temerária, nem precipitada; não se enche de orgulho; -não é desdenhosa; não cuida de seus interesses; não se agasta, nem se azeda com coisa alguma; não suspeita mal; não se rejubila com a injustiça, mas se rejubila com a verdade; tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre. Agora, estas três virtudes: a fé, a esperança e a caridade permanecem; mas, dentre elas, a mais excelente é a caridade." (I Coríntios 13:1-7 e 13)
  8. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Cap.4, Ninguém poderá ver o reino de Deus se não nascer de novo, Ressurreição e Reencanação -Texto Bíblico- "Quando o homem está morto, vive sempre; acabando os dias da minha existência terrestre, esperarei, porquanto a ela voltarei de novo." (JOB, cap. XIV, vv. 10,14) (ID. Versão da Igreja grega) -Texto Bíblico- "Mas, quando o homem há morrido uma vez, quando seu corpo, separado de seu espírito, foi consumido, que é feito dele? -Tendo morrido uma vez, poderia o homem reviver de novo? Nesta guerra em que me acho todos os dias da minha vida, espero que chegue a minha mutação." (Jó 14:10-14) (ID. Tradução de Le Maistre de Sacy) -Texto Bíblico- "Quando o homem morre, perde toda a sua força, expira. Depois, onde está ele? -Se o homem morre, viverá de novo? Esperarei todos os dias de meu combate, até que venha alguma mutação?"


Referências

  1. MFESP 2012.
  2. Larousse 2012.
  3. a b Pine 2008, pp. 13-37.
  4. Kardec 1859, p. 40.
  5. a b Kardec 1861a, p. 15.
  6. a b Lang 2008, p. 171.
  7. a b Neto 2007, p. 622.
  8. a b Vannuchi 2013, p. 250.
  9. Porto 2019.
  10. Lucchetti 2012, p. 125-126.
  11. Schröder 2016.
  12. Bernardo 2019.
  13. Calejo 2018.
  14. Lucchetti 2013, p. 746.
  15. Federação Espírita do Rio Grande do Norte (2014). «Diretriz doutrinária da Federação Espírita do RN». 2014. Consultado em 2 de maio de 2015 
  16. Kardec 1857, pp. 15-16.
  17. IBGE.Tabela 1.4.1 - População residente, por situação do domicílio e sexo, segundo os grupos de religião - Brasil - 2010.
  18. O Observatório da Cidade de Porto Alegre. «Rio Grande do Sul tem maior adesão a religiões afro no país». Consultado em 2 de maio de 2015 
  19. Núcleo Espírita Assistencial "Paz e Amor". «Diferenças entre o espiritismo e a umbanda». Consultado em 2 de maio de 2015 
  20. a b «Esclarecimentos sobre o que é o Espiritismo». ipepe.com.br. Consultado em 13 de abril de 2010 
  21. «Spiritism/Kardecism». Universidade de Cumbria. Consultado em 29 de junho de 2012 
  22. Nani Rubin (24 de novembro de 2013). «Livro Reconstitui a Gênese do Espiritismo». O Globo. Consultado em 22 de junho de 2014 
  23. Millecco, Luiz Antonio (s.d.). «Espiritismo ou Kardecismo?». Portal do Espírito. Consultado em 24 de abril de 2016. Arquivado do original em 4 de abril de 2015 
  24. Carvalho, Herivelto. «Breve Análise sobre os Termos Kardecismo e Kardecista, por Herivelto Carvalho». Associação dos Divulgadores do Espiritismo de São Paulo. Consultado em 24 de abril de 2016 
  25. «Kardecismo como Espiritismo: um Conceito». ceismael.com.br. Consultado em 13 de abril de 2010 
  26. Ver: Triste episódio ocorrido em 1953 Consultado em 14 de Junho de 2008.
  27. «Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoireiro, nem feiticeiro; / Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; / Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti.» (Deuteronômio 18:10-12)
  28. Abib, D.. CULTURA ESPÍRITA NO BRASIL/ SPIRITIST CULTURE IN BRASIL. Brazilian Cultural Studies, América do Norte, 224 07 2013.
  29. a b c d e f g Abib, D.. CULTURA ESPÍRITA NO BRASIL/ SPIRITIST CULTURE IN BRASIL. Brazilian Cultural Studies, América do Norte, 224 07 2013. p. 113.
  30. Valcicléia Pereira da Costa. «O "Daimon" de Sócrates: conselho divino ou reflexão?» (PDF). PUC - Rio de Janeiro. Consultado em 11 de fevereiro de 2015 
  31. «Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas - História do Espiritismo». sbee.org.br 
  32. Tyson 2011, p. 196.
  33. Podmore 1902, p. 188.
  34. a b Alvarado, C. S.; Machado, F. R.; Zingrone, N. & Zangari, W. (2007). Perspectivas históricas da influência da mediunidade na construção de ideias psicológicas e psiquiátricas. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 34, n. 1, p. 42- 53.
  35. DOYLE, Arthur Conan . (1926). A História do Espiritismo. Cassell And Company Ltd. pp. 56-85
  36. a b c Portal do Espírito: Objetivo do Espiritismo e seu tríplice aspecto - Celso Martins e Jayme Lobato Soares. Acessado em 2 de outubro de 2019.
  37. Eliane Garcia Rezende (2011). «A Educação: saber e sabor na relação entre sujeitos». Revistas Eletrônicas da PUC-SP: 283 
  38. Revista Espírita, ed. (janeiro de 1863). «Jornal de Estudos Psicológicos». p. 18. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  39. «CVDEE - Centro Virtual de Divulgação e Estudo do Espiritismo». www.cvdee.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  40. CUCHET, William , Vozes do túmulo. Gira, espiritismo e da sociedade no século XIX, ed. du Seuil, 2012, 458 p.
  41. Faraday, Michael (1853). Finally, I beg to direct attention to the discourse delivered by Dr. Carpenter at the Royal Institution on the 12th of March, 1852, entitled 'On the influence of Suggestion in modifying and directing Muscular Movement, independently of Volition':-which, especially in the latter part, should be considered in reference to table moving by all who are interested in the subject.. «Experimental Investigation of Table-Moving». Journal of the Franklin Institute. 56 (5): 328-33. doi:10.1016/S0016-0032(38)92173-8. Consultado em 6 de agosto de 2014 
  42. CARVALHO, VERA LUCIA MARINZECK DE; (ESPIRITO), ANTONIO CARLOS. Copos Que Andam. São Paulo: Petit Editora e Distribuidor. pp. 12–20. ISBN 9788572530187 
  43. Encyclopædia Britannica, ed. (1911). «Table-turning». Consultado em 10 de fevereiro de 2015. some simple apparatus which conclusively demonstrated that the movements were due to unconscious muscular action 
  44. BOUCHET, Christian, o Espiritismo, BA-BA coleção, Pardes, Puiseaux, 2004, página 107.
  45. Kardec 1861b, p. 48.
  46. Kardec 1857, p. 28.
  47. Pimental, Marcelo Gulão. (Fevereiro de 2014). O Método de Allan Kardec para Investigação dos Fenômenos Mediúnicos (1854-1869). Juiz de Fora-MG: Universidade Federal de Juiz de Fora, Dissertação de Mestrado ao Programa de Pós-Graduação em Saúde.
  48. Guia HEU. «As Mesas Girantes na França». guiaheu.com. Consultado em 2 de junho de 2015 
  49. Monroe, John (1999). «Making the Seance "Serious": "Tables Tournantes" and Second Empire Bourgeois Culture, 1853-1861». History of Religions. 38 (3): 219-246 
  50. Schneider, Maria do Carmo M (2002). «Victor Hugo: a face oculta de um gênio». Anais do Simpósio Internacional Victor Hugo, Gênio sem Fronteiras (Belo Horizonte, 2002). Universidade Federal de Minas Gerais. Consultado em 14 de abril de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 2002 
  51. Assouline, Pierre (5 de abril de 2012). «Même le guéridon de Victor Hugo vote Mélenchon». Le Monde des Livres (em francês). Consultado em 14 de Abril de 2015 
  52. KARDEC,Allan, Viagens Espíritas de 1862 Federação Espírita Brasileira. Editora - SP, 2011 páginas=32-35
  53. a b Kardec 1864, p. 375.
  54. a b Pires, José Herculano. Introdução à Filosofia Espírita (1ª edição). São Paulo: Ed. Paidéia, 1983; páginas=5-6, 9-11.
  55. Kardec 1864, p. 3.
  56. «O Espiritismo». www.oespiritismo.com.br 
  57. Kardec 1857, p. 73.
  58. Sônia Mendes (7 de janeiro de 2013). «A metempsicose faz parte do espiritismo?». Paracatu Notícias. Consultado em 2 de maio de 2015 
  59. XAVIER,Francisco Cândido – pelo espírito Emmanuel (1964). Livro da esperança. [S.l.]: CEC — Comunnhão Espírita Cristã. pp. 21–22 
  60. HELLERN, Victor; NOTAKER, Henry; GAARDER, Jostein. O Livro das Religiões. São Paulo: Companhia das Letras, 2000 ISBN 85-7164-994-4 p. 259.
  61. Federação Espírita Brasileira, ed. (2013). «Causa e efeito» (PDF). Consultado em 12 de outubro de 2019 
  62. a b Kardec 1857, pp. 380-381.
  63. Kardec 1864, pp. 17, 23-26.
  64. Kardec 1864, p. 210.
  65. O Espiritismo. Duvidas mais frequentes enviadas a FEB e suas respostas, embasadas na Doutrina Espírita.
  66. ZIMMERMANN, Zalmino (2011). Teoria da mediunidade. [S.l.]: Allan Kardec. pp. 7–8 
  67. Kardec 1865, pp. 105-120.
  68. XAVIERFrancisco Cândido – pelo espírito Emmanuel (1938). EMMANUEL - 5º livro de Francisco Cândido Xavier. [S.l.]: Federação Espírita Brasileira - 22ª edição. pp. 13–16 
  69. XAVIERFrancisco Cândido – pelo espírito Emmanuel (1940). O Consolador. [S.l.]: Federação Espírita Brasileira – 23a. edição. pp. 103–106 
  70. Kardec 1857, p. 386.
  71. Kardec 1864, p. 15.
  72. Kardec 1864, p. 66.
  73. Konrade. «Testamento Kardequiano». Biblia do caminho. Consultado em 2 de maio de 2015 
  74. Kardec 1857, p. 190.
  75. Kardec 1861b, pp. 13-17.
  76. Kardec 1864, pp. 25-36.
  77. Kardec 1865, pp. 11-14.
  78. Kardec 1865, pp. 7-8.
  79. Kardec 1865, pp. 166-174.
  80. Kardec 1868, p. 190.
  81. Konrade. «O Que é o Espiritismo?». Biblia do caminho. Consultado em 2 de maio de 2015 
  82. Konrade. «Revue Spirite». Biblia do caminho. Consultado em 2 de maio de 2015 
  83. Konrade. «Obras Póstumas». Biblia do caminho. Consultado em 2 de maio de 2015 
  84. Goode, 2013
  85. Cook, E. W. (1986). The survival question: impasse or crux?. Journal of the American Society for Psychical Research 81(2), 125-139.
  86. Beischel, J., & Rock, A. J. (2009). Addressing the survival vs. psi debate through process-focused mediumship research. Journal of Parapsychology, 73, 71-90.
  87. "The VERITAS Research Program | Laboratory for Advances in Consciousness and Health" Arquivado em 26 de março de 2011, no Wayback Machine.. Lach.web.arizona.edu.
  88. «Division of Personality Studies (DOPS), University of Virginia». virginia.edu 
  89. «Núcleo de Pesquisa em Espiritualidade e Saúde». www.ufjf.br 
  90. a b c Moreira-Almeida, Alexander; Santos, Franklin Santana (eds). Exploring Frontiers of the Mind-Brain Relationship. Springer, 2012. ISBN 9781461406471 páginas=191-202
  91. a b Melton, J. G. (2001). Encyclopedia of Occultism and Parapsychology, 5th ed. Gale Group, 2001.
  92. BOZZANO, Ernesto (1934). Medianità Poliglotta (Xenoglossia). [S.l.]: (italiana). pp. 5–7 
  93. «Incrível Experiência de Materialização Realizada no Início do Século XX». Grupo de Fraternidade Espírita Irmã Clotildes. Cópia arquivada em 25 de abril de 2003 |arquivourl= requer |url= (ajuda) 
  94. William Crookes. «Fatos Espíritas». Espíritas Clássicos. Consultado em 11 de fevereiro de 2015 
  95. Singh, Simon - Big Bang - Editora Record - Rio de Janeiro / São Paulo - 2006. ISBN 85-01-07213-3 - Capítulo "O que é ciência?" (páginas 459-462).
  96. «Society for Psychical Research». spr.ac.uk. Consultado em 17 de Fevereiro de 2010. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2010 
  97. «American Society for Psychical Research». www.aspr.com. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  98. «International Spiritist Medical Association». ameinternational.org. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  99. Caridade, Deus, Cristo e. «» Artigos CientíficosFederação Espírita Brasileira». www.febnet.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  100. Beauregard, Mario et al. Manifesto for a Post-Materialist Science. OpenSciences.org. Página visitada em 21/12/2014.
  101. «Department of Psychiatry and Neurobehavioral Sciences – University of Virginia School of Medicine». www.medicine.virginia.edu. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  102. Eduardo Araia (1 de agosto de 2007). Revistab Planeta, ed. «IAN STEVENSON – O caçador de vidas passadas». Consultado em 2 de outubro de 2019 
  103. The Daily Telegraph, 12 de fevereiro de 2007.
  104. Kelly, Emily Williams. Science, The Self, and Survival After Death: Selected Writings of Ian Stevenson. Rowman & Littlefield Publishers, 2013
  105. Shroder, Tom (11 de fevereiro de 2007). «Ian Stevenson; Sought To Document Memories Of Past Lives in Children». Consultado em 2 de outubro de 2019 – via www.washingtonpost.com 
  106. Duane S. Crowther (2005). Life Everlasting Cedar Fort, p. 19.
  107. Sharon Barbell, Play and the Paranormal: A Conversation with Dr. Raymond Moody, 14850 Magazine, November 1993. Archived on 2011-07-07.
  108. SINGH, Simon. Big Bang. Rio de Janeiro; São Paulo: Editora Record, 2006. ISBN 85-01-07213-3 Capítulo "O que é ciência?" (páginas 459-462).
  109. Moreira-Almeida, Alexander. Pesquisa em mediunidade e relação mente-cérebro: revisão das evidências. Rev. psiquiatr. clín. vol.40 no.6 São Paulo 2013.
  110. a b Parana, Denise. Os avanços da ciência da alma. Revista Época, 19/11/2012.
  111. Moreira-Almeida, Alexander; Cardeña, Etzel. Diagnóstico diferencial entre experiências espirituais e psicóticas não patológicas e transtornos mentais: uma contribuição de estudos latino-americanos para o CID-11. Rev. psiquiatr. clín. vol.40 no.3 São Paulo 2013.
  112. «Mental Health». World Health Organization 
  113. «Frequently asked questions». World Health Organization 
  114. «ICD-10 Version:2010». apps.who.int. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  115. a b José Reis Chaves (14 de janeiro de 2013). «A Organização Mundial de Saúde e sua coragem de dizer a verdade». O Tempo. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  116. «Desobsessão - Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira - Federação Espírita Brasileira - Departamento Editorial - Rua Souza Valente, 17 CEP: 20941-040 - Rio - RJ - Brasil» (PDF). autoresespiritasclassicos.com. pp. 2, 9–11 
  117. «International Classification of Health Interventions (ICHI)». Organização Mundial da Saúde. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  118. Greyson, Bruce (2007). «Experiências de quase-morte: implicações clínicas». Rev. psiquiatr. clín. 34 (suppl.1). ISSN 1806-938X 
  119. a b MOREIRA-ALMEIDA, Alexander; KOENIG, Harold G. and LUCCHETTI, Giancarlo. Clinical implications of spirituality to mental health: review of evidence and practical guidelines. Rev. Bras. Psiquiatr. [online]. 2014, vol.36, n.2 [cited 2014-12-18], pp. 176-182 . Available from: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462014000200176&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1516-4446. http://dx.doi.org/10.1590/1516-4446-2013-1255.
  120. Olívia de Cássia - tribunahoje.com (1 de fevereiro de 2015). «Legalização do aborto: 79% são contra, segundo pesquisa nacional do Ibope». Tribuna Hoje - R7. Consultado em 5 de fevereiro de 2015 
  121. André Ricardo de SOUZA. Traços e embaraços do trabalho assistencial cristão .Estud. sociol (UNESP). Araraquara v.18 n.34 p.182 jan.-jun. 2013
  122. Lucchetti 2012, pp. 124-135.
  123. Almeida 2005, pp. 570-595.
  124. Psiquiatra da ABP é eleito coordenador na Associação Mundial de Psiquiatria; 10/10/2014. Associação Brasileira de Psiquiatria. Página visitada em 21/10/2014.
  125. UFJF: Mediunidade não está atrelada à esquizofrenia, diz pesquisa; 10/05/2010. Universia - notícias. Página visitada em 25 de março de 2014.
  126. Alessandra Viana de Paiva. Espiritismo e cultura letrada: valorização do estudo pela doutrina Kardecista página=6. (Universidade Federal de Juiz de Fora, 2009).
  127. Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita - Cristianismo e Espiritismo. 2.edição. Brasília [DF]: Federação Espírita Brasileira, 2010. pp. 08-09.
  128. Allan Kardec (1868). Revista Espírita (PDF). [S.l.: s.n.] p. 491. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  129. Pedro Fagundes Azevedo. Espiritismo é Religião. Revista O Mensageiro. Página visitada em 3 de março de 2015.
  130. «Introdução ao Estudo da Doutrina Espírita». espirito.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  131. Bezerra de Menezes, Credo Espírita(1890).
  132. Obras Póstumas, 13.ª Edição, pág. 121
  133. Kardec 1864, pp. 111-122.
  134. Kardec 1864, p. 79-104.
  135. Kardec 1864, pp. 123-134.
  136. Kardec 1864, pp. 135-140.
  137. Kardec 1864, pp. 141-152.
  138. «A Bíblia e a Reencarnação». chamada.com.br 
  139. «O que a Bíblia diz sobre reencarnação?». suaescolha.com 
  140. Hebreus 9:27
  141. Kardec 1864, pp. 67-78.
  142. «Reencarnação na Bíblia». espirito.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  143. «Hebreus 9:27 nega a reencarnação ou a ressurreição?». recantodasletras.com.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  144. A reencarnação é confirmada pela Bíblia. Cap.9,2. Acessado em 2 de outubro de 2019.
  145. Jó 15:10-14), Marcos 6:14-16, Marcos 9:11-13 e João 3:1-12
  146. Kardec 1868, pp. 327-354.
  147. «Projeto Gestão». www.sistemas.febnet.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  148. «Parábola do Joio e do Trigo». espirito.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  149. «Parabola da Ovelha, da Dracma e do Filho Pródigo». espirito.org.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  150. «A Parábola do Filho Pródigo - Doutrina Espírita». www.doutrinaespirita.com.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  151. Kardec 1857, pp. 351-363.
  152. Deuteronômio 18:10-14
  153. Gálatas 5:20
  154. Fátima Farias (20 de março de 2015). Portal do Espírito, ed. «O Espiritismo na Bíblia». Consultado em 4 de outubro de 2019 
  155. «D47695impressao». www.planalto.gov.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  156. Correio Braziliense (31 de janeiro de 2014). «Espiritismo avança e atrai milhares de turistas ao médium João de Deus». Diário de Pernambuco. Consultado em 2 de maio de 2015 
  157. Conselho Espírita Internacional (2012). «International Spiritist Council». cei.spirite.org. Consultado em 2 de maio de 2015 
  158. «"O trigo e o joio" segundo o reformador da FEB». www.ofrancopaladino.pro.br. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  159. «Associação Médico-Espírita Internacional». www.ameinternational.org. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  160. IstoÉ, ed. (1 de novembro de 2013). «O papa dos espíritas». Consultado em 2 de outubro de 2019 
  161. Ranking na Adherents.com Acessado em 4 de janeiro de 2011
  162. O Brasil é a capital mundial do Espiritismo
  163. a b IBGE (29 de junho de 2012). «Censo 2010: número de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem religião» (web). Sala de Imprensa › Censo Demográfico 2010 - Características gerais da população, religião... (Comunicação Social). Consultado em 15 de dezembro de 2012. Entre os espíritas, que passaram de 1,3% da população (2,3 milhões) em 2000 para 2,0% em 2010 (3,8 milhões)... 
  164. a b iG São Paulo (29 de junho de 2012). «IBGE: com maior rendimento e instrução, espíritas crescem 65% no País em 10 anos». Último Segundo. Consultado em 15 de dezembro de 2012. (...)os adeptos do espiritismo possuem as maiores proporções de pessoas com nível superior completo (31,5%) e taxa de alfabetização (98,6%), além das menores percentagens de indivíduos sem instrução (1,8%) e com ensino fundamental incompleto (15,0%). O espiritismo também foi uma das religiões que apresentaram crescimento (65%) desde o Censo realizado em 2000: passaram de 1,3% da população (2,3 milhões) em 2000 para 2% em 2010 (3,8 milhões).(...)Também na posição mais alta quando se analisa rendimento, 19,7% dos espíritas se declararam no grupo das pessoas com rendimento acima de 5 salários mínimos. 
  165. «Groupe Spirite Allan Kardec de Luxembourg». www.groupespiriteallankardeclux.com. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  166. União Espírita de Moçambique— —Reformador— Federação Espírita Brasileira: O Espiritismo em Moçambique:. A União Espírita de Moçambique (UNEMO), recentemente unida ao Conselho Espírita Internacional, promoveu reuniões e palestras em Maputo, nos dias 24 a 26 de agosto de 2013, com atuação de Antonio Cesar Perri de Carvalho e João Pinto Rabelo, respectivamente presidente e diretor da Federação Espírita Brasileira.
  167. Países-Membros do Conselho Espírita Internacional. Acessado em 3 de fevereiro de 2013
  168. «Instituições Adessas». www.cepainfo.org. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  169. «Instituições Afiliadas». www.cepainfo.org. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  170. «Delegados Especiais». www.cepainfo.org. Consultado em 12 de novembro de 2015 
  171. MALDONADO, Elaine Cristina (2008). Machado de Assis e o Espiritismo: diálogos machadianos com a doutrina de Allan Kardec (1865 . 1896) (Tese de Mestrado em História). UNESP, Faculdade de Ciências e Letras de Assis. p. 39. Consultado em 11 de março de 2015 
  172. Anuário Espírita 2006, IDE Editora Ano XLIII N°43, Araras, São Paulo, 2006.
  173. Arribas 2008, p. 104.
  174. Langellier JP. Un homme insignifiant. Le Monde, 12/05/2010.
  175. iG (29 de junho de 2012). «IBGE: com maior rendimento e instrução, espíritas crescem 65% no País em 10 anos». Consultado em 2 de abril de 2015 
  176. Paulo Borges - Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. «Paulo Borges faz homenagem aos 150 anos da Doutrina Espírita no RS». 19/04/2007. Consultado em 2 de abril de 2015 
  177. IBGE.gov.br
  178. IBGE (2010). «censo2010». (clicar nas respectivas tabelas para visualizar os números). Consultado em 15 de dezembro de 2012 
  179. A classificação das religiões usadas pelo IBGE está disponível através do caminho Censo_Demografico_2000/Anexos/CD_1, neste link Arquivado em 6 de abril de 2010, no Wayback Machine.
  180. Câmara homenageia 200 anos do nascimento de Kardec; 28/10/2004. Agência Câmara Notícias. Página visita em 7 de abril de 2014.
  181. Missão da Federação Espírita Brasileira (FEB). «Allan Kardec». Consultado em 20 de julho de 2013 
  182. Revista Época, "Leitores de Fé", 26/06/2009
  183. Olmos e Paravisini-Gerbert
  184. SANTOS, Cláudia. «Cuba, o segundo país mais espírita do mundo». Associação Médico-Espírita Internacional. Consultado em 2 de outubro de 2019 
  185. CÁNEPA, Laura. Notas para pensar a onda dos filmes espíritas no Brasil - In Revista Online de Comunicação, Linguagem e Mídias (USP, 2013)
  186. A Vingança do Judeu (pdf) - Ed. Federação Espírita Brasileira
  187. RITO, Eloísa Sena. Representação do Céu e do Inferno no último capítulo da Novela A Viagem. (UNIBAN, 2010)
  188. a b RIBEIRO, Raphael Alberto. ALMAS ENCLAUSURADAS: práticas de intervenção médica, representações culturais e cotidiano no Sanatório Espírita de Uberlândia (1932-1970), pg. 3. (Associação Nacional de História, 2007)
  189. NASCIMENTO, Robéria Nádia Araújo. O “além” na Ficção Televisiva: a Midiatização Religiosa na Teledramaturgia da Rede Globo. (UFPB, 2013)
  190. CASTRO, Natalia. ‘Amor eterno amor’ aposta no espiritismo e nos laços eternos. In oglobo.globo.com, 05/03/2012. Visto em 26/11/2013.
  191. Pradella, Michele Vaz (29 de setembro de 2015). «Vitória será mãe de Emília na segunda fase de Além do Tempo». clicRBS. Diário Gaúcho. Consultado em 4 de novembro de 2015 
  192. «Veja o antes e depois e os novos personagens da segunda fase de 'Além do Tempo'». Pure People. 9 de outubro de 2015. Consultado em 4 de novembro de 2015 
  193. Zean Bravo (15 de julho de 2018). «'Espelho da vida': nova novela das 18h tem temática espírita e cenas em Mariana». O Globo. Consultado em 3 de outubro de 2018 
  194. a b "Um produtor de corpo e alma" in istoe.com.br, 5 abr 2012. Consultado em 10 jun 2012.
  195. Top 20, Potal Filme B Arquivado em 6 de julho de 2011, no Wayback Machine..
  196. Página oficial. «The dead zone tv show». usanetwork.com. Consultado em 2 de maio de 2010 
  197. MENDONÇA, Martha. O novo espiritismo. Revista Época (ed. 424), 03/07/2006. Visto em 26/11/2013.
  198. MATTOS, Laura. Globo investe no espiritismo em seriado com Selton Mello. In www1.folha.uol.com.br, 23/05/2010. Visto em 26/11/2013.
  199. Os Estados Unidos se rendem à temática espírita em 'A Gifted Man'. In ig.com.br
  200. Os Agêneres, Allan Kardec, Revista Espírita, fevereiro de 1859
  201. Anjos 2005, p. 111.
  202. Kardec 1857, p. 169.
  203. http://acordocoletivo.org. «Doutrina Espírita». Consultado em 2 de maio de 2015 
  204. http://acordocoletivo.org. «Doutrina Espírita». Consultado em 2 de maio de 2015 
  205. Y. Shimizu (1998). «"Literatura Espírita XLV" (Obras de Waldo Vieira)». Jornal "Mundo Espírita". página revisada 10/01/2010. FEP. Consultado em 25 de janeiro de 2013. Arquivado do original (htm) em 7 de outubro de 2013 
  206. Sandra Jacqueline Stoll (2002). «Religião, ciência ou auto-ajuda? trajetos do Espiritismo no Brasil». Rev. Antropol. v.45 n.2 São Paulo, doi:10.1590/S0034-77012002000200003, ISSN 0034-7701. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  207. Revista Brasileira de História das Religiões – Pedro Paulo Amorim (2009). «A renovação cristã e a complexidade do campo religioso brasileiro no último quartel do século xx» (PDF). Revista Brasileira de História das Religiões. Consultado em 2 de maio de 2015 
  208. a b Pigliucci 2013, pp. 145-163.
  209. Pracontal 2004, pp. 327-332.
  210. Costa, Antonio Luiz M. C. «Errar é científico, insistir no erro é esotérico». CartaCapital 
  211. Lewgoy 2006, pp. 151-167.
  212. Kloppenburg 1991, pp. 158-162.
  213. Giumbelli 2008.
  214. «Evolução histórica do Direito Penal». Consultado em 8 de setembro de 2015 
  215. Almeida, 2004
  216. Almeida 2005, pp. 570-95.
  217. Alexander Moreira-Almeida (2 de setembro de 2008). «Spiritism: The Work of Allan Kardec and Its Implications for Spiritual Transformation». Metanexus Institute (em inglês). Consultado em 6 de setembro de 2015. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2014. In his revolutionary approach to spirituality 
  218. Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2014
  219. McCabe, Joseph (12 de junho de 1920). «Scientific Men and Spiritualism: A Skeptic's Analysis». The Living Age: 652-657. Consultado em 14 de abril de 2015 
  220. Kardec 1857, pp. 188-190.
  221. Kardec 1859, p. 131.
  222. Kardec 1868, p. 195.
  223. Orlando Fedeli. montfort.org, ed. «Allan Kardec, um racista brutal e grosseiro». Consultado em 2 de outubro de 2019 
  224. Drut, Olivier. «CTHS - Société phrénologique de Paris - Paris». cths.fr (em francês). Consultado em 20 de dezembro de 2017 
  225. Allan Kardec (abril de 1862). Revista Espírita, ed. Frenologia Espiritualista e Espírita - Perfectibilidade da raça negra (PDF). [S.l.: s.n.] p. 149. Consultado em 16 de setembro de 2019 
  226. Neto 2010, p. 191.
  227. Kardec 1864, p. 233.

Bibliografia

Livros

  • Aksakof, Alexandre (1956). Animismo e Espiritismo. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Anjos, Luciano dos (2005). Para Entender Roustaing. Bragança Paulista: Ed. Lachâtre. ISBN 85-88877-39-2 
  • Aubrée, Marion; Laplantine, François (2009). A mesa, o livro e os espíritos: gênese, evolução e atualidade do movimento social espírita entre França e Brasil. Maceió: EDUFAL. ISBN 9788571775312 
  • Bezerra, Daniel; Carlos Orsi (2013). Pura Picaretagem. São Paulo: Leya. ISBN 978-85-8044-827-6 
  • Brandon, Ruth (1983). The Spiritualists: The Passion for the Occult in the Nineteenth and Twentieth Centuries (em inglês). Nova Iorque: Prometheus Books. ISBN 0-87975-269-6 
  • Camargo, Candido Procopio Ferreira de (1961). Kardecismo e Umbanda: Uma Interpretação Sociológica. São Paulo: Livraria Pioneira Editora 
  • Carneiro, Victor Ribas (1996). ABC do Espiritismo 5ª ed. Curitiba: Federação Espírita do Paraná. ISBN 85-7365-001-X 
  • Carrington, Hereward (1920). The physical phenomena of spiritualism, fraudulent and genuine: being a brief account of the most important historical phenomena, a criticism of their evidential value, and a complete exposition of the methods employed in fraudulently reproducing the same (PDF) (em inglês). Nova Iorque: Dodd, Mead & Company 
  • Castellan, Yvonne (1962). El Espiritismo. Cidade do México: Publicaciones Cruz O., S.A. ISBN 9682004055 
  • Castellan, Yvonne (1974). Le Spiritisme 5ª ed. Paris: Presses Universitaires de France 
  • Cavalcanti, Maria Laura Viveiros de Castro (2008). O mundo invisível: cosmologia, sistema ritual e noção de pessoa no espiritismo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social. ISBN 978-85-99662-27-4 
  • Colombo, Cleusa B. (1998). Ideias sociais espíritas. Bragança Paulista: Comenius 
  • Doyle, Sir Arthur Conan (2013). A História do Espiritualismo - De Swedenborg ao início do século XX. Brasília: Federação Espírita Brasileira 
  • Giumbelli, Emerson (1997). O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do espiritismo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. ISBN 9788570090225 
  • Giumbelli, Emerson (2004). Clarke, Peter B., ed. Kardecism. Londres: Routlege. ISBN 9781134499700 
  • Hess, David J. (2010). Spirits and Scientists: Ideology, Spiritism and Brazilian Culture. University Park: Pennsylvania State University Press. ISBN 0271040807 
  • Incontri, Dora (2004). Pedagogia Espírita, um Projeto Brasileiro e suas Raízes. Bragança Paulista: Comenius 
  • Isaia, Artur Cesar (2006). Orixás e espíritos: o debate interdisciplinar na pesquisa contemporânea. Uberlândia: EDUFU. ISBN 8570780915 
  1. Lewgoy, Bernardo. «O sincretismo invisível: um olhar sobre as relações entre catolicismo e espiritismo no Brasil. Páginas 209-224
  2. Silva, Eliana Moura da (2006). «Similaridades e diferenças entre estilos de espiritualidade metafísica: o caso do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento (1908-1943)». 225-239
  3. Silva, Raquel Marta da. «Chico Xavier: um bem simbólico nacional? Uma análise sobre a construção do imaginário espírita uberabense». 241-261
  4. Stoll, Sandra Jacqueline. «O espiritismo na encruzilhada: mediunidade com fins lucrativos?» 263-278
  • Isaia, Artur Cesar; Manoel, Ivan Aparecido (2011). Espiritismo & Religiões Afro-Brasileiras: História e Ciências Sociais. São Paulo: Editora da UNESP. ISBN 9788539302208 
  • Kardec, Allan (2017) [1857]. O Livro dos Espíritos. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira. ISBN 9788573288896 
  • Kardec, Allan (2013) [1859]. O que é o Espiritismo. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira. ISBN 978-85-7328-766-0 
  • Kardec, Allan (1861). O Espiritismo na sua expressão mais simples. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Kardec, Allan (2015) [1861]. O Livro dos Médiuns. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Kardec, Allan (2013) [1864]. O Evangelho Segundo o Espiritismo (PDF). Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Kardec, Allan (2017) [1865]. O Céu e o Inferno. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Kardec, Allan (1944) [1868]. A Gênese. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 
  • Kloppenburg, Carlos José Boaventura (1960). Por que a igreja condenou o espiritismo. Petrópolis: Editora Vozes. ISBN 8515004585 
  • Kloppenburg, Carlos José Boaventura (1991). Espiritismo: orientação para os católicos. São Paulo: Edições Loyola. ISBN 8515004585 
  • Lantier, Jacques (1980). O Espiritismo. Lisboa: Edições 70 
  • Laureys, Steven; Tononi, Giulio (2009). «23 - Leaving Body and Life Behind: Out-of-Body and Near-Death Experience». The Neurology of Consciousness (em inglês). San Diego: Academic Press. ISBN 9780080921020 
  • Maior, Marcel Souto (2013). Kardec - A Biografia 1ª ed. São Paulo: Record 
  • Monroe, John Warne (2008). Laboratories of faith: mesmerism, spiritism, and occultism in modern France (em inglês). Ithaca: Cornell University Press. ISBN 9780801445620 
  • Neto, Paulo da Silva Sobrinho (2010). Racismo em Kardec?: A propaganda antiespírita e a verdade doutrinária. Divinópolis: Grupo Educação Ética e Cidadania. ISBN 9788598107318 
  • Pesoli, Fabrizio (1999). Aspetti della ricerca scientifica sullo spiritismo in Italia (1870-1915). Milão: Università degli Studi di Milano 
  • Pigliucci, Massimo; Boudry, Maarten (2013). «Goode, Erich. Paranormalism and Pseudoscience as Deviance». Philosophy of pseudoscience: reconsidering the demarcation problem (em inglês) 1ª ed. Chicago: The University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-05182-6 
  • Pine, Frances; João de Pina-Cabral (2008). On the Margins of Religion (em inglês). Nova Iorque: Berghahn Books. ISBN 978-1-84545-409-8 
  • Podmore, Frank (2011) [1902]. Modern Spiritualism: A History and a Criticism. 1. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-1-108-07257-1 
  • Pracontal, Michel de (2004). A impostura científica em dez lições. São Paulo: UNESP. ISBN 8571395217 
  • Prandi, J. Reginaldo (2012). Os mortos e os vivos: uma introdução ao espiritismo. São Paulo: Três Estrelas 
  • Rizzini, Jorge (2000). Herculano Pires, o apóstolo de Kardec. São Paulo: Paideia. ISBN 0000035491 
  • Stoll, Sandra Jacqueline (1999). Entre Dois Mundos: o Espiritismo da França no Brasil. São Paulo: USP 
  • Stoll, Sandra Jacqueline (2003). Espiritismo à Brasileira. São Paulo: EDUSP. ISBN 9788531408076 
  • Tanner, Amy (1910). Studies in spiritism (em inglês). Nova Iorque: D. Appleton and Company 
  • Tyson, Philip; Jones, Dai; Elcock, Jonathan (2011). Psychology in Social Context: Issues and Debates. Nova Jérsei: Wiley-Blackwell. ISBN 978-1-4443-9623-2 
  • Wantuil, Zêus; Thiesen, Francisco (2004). Allan Kardec – o Educador e o Codificador. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira 

Periódicos

Sítio eletrônico

Ligações externas