Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura por planta do gênero Dracaena, veja Dracaena.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaJacuruxi
(Dracaena guianensis)
Fotografia de Dracaena guianensis (Jacuruxi).
Fotografia de Dracaena guianensis (Jacuruxi).
Fotografia de Dracaena guianensis (Jacuruxi).
Fotografia de Dracaena guianensis (Jacuruxi).
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Sub-reino: Metazoa
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Subordem: Sauria
Família: Teiidae[1]
Género: Dracaena
Espécie: D. guianensis
Nome binomial
Dracaena guianensis
(Daudin, 1801)[2]
Distribuição geográfica
A região da bacia do rio Amazonas e seu entorno é o habitat da espécie Dracaena guianensis.
A região da bacia do rio Amazonas e seu entorno é o habitat da espécie Dracaena guianensis.

Dracaena guianensis (nomeada, em inglês, Northern Caiman Lizard ou Guyana Caiman LIzard[1]; em espanhol, Lagarto Cabeza Roja[3]; ou Jacuruxi - BR -, em dialeto indígena)[4] é uma espécie de réptil Squamata da família Teiidae[1], endêmica da região do rio Amazonas e áreas próximas, com seu holótipo coletado em Caiena, Guiana Francesa, e indo deste país até a Colômbia, Equador e Peru; passando pelos estados brasileiros do Maranhão, Pará, Amapá e Amazonas.[5] Foi classificada em 1801 por François Marie Daudin, que baseou sua descrição em uma figura intitulada "La dragonne", com denominação de Lacerta dracæna (nome anteriormente usado por Linnæus, em 1758, para denominar uma uma espécie de Varanidae), publicada por Lacépède (1788).[2]

DescriçãoEditar

Trata-se de um animal de grande porte[4], com mais de 100 centímetros de comprimento[carece de fontes?], de coloração esverdeada e cabeça amarelada[4], um pouco alaranjada ou avermelhada[6][7], com grandes escamas ovoides (em forma de ovos), formando escudos, em sua face dorsal.[4]

Habitat, hábitos e alimentaçãoEditar

É um lagarto semi-aquático e diurno, que habita planícies inundadas sazonalmente, pântanos, pequenos riachos e lagos, onde é encontrado na água, no solo próximo à água ou em galhos de árvores baixas; também sendo encontrados em ambientes próximos ao homem (periantrópicos)[5]; caçando principalmente caramujos aquáticos de concha grossa (como os do gênero Pomacea) e usando suas enormes e poderosas mandíbulas para esmagá-los com suas dentições de formato molar.[1][6]

Ligações externasEditar

Referências

  1. a b c d «Dracaena guianensis — Northern Caiman Lizard» (em inglês). Wild Herps. 1 páginas. Consultado em 7 de outubro de 2018. Madre Selva Biological Station, Loreto, Peru. 
  2. a b Massary, J. C.; Hoogmoed, M. S.; Blanc, M. (janeiro de 2000). «Comments on the type specimen of Dracaena guianensis Daudin, 1801 (Reptilia: Sauria: Teiidae), and rediscovery of the species in French Guian» (em inglês). Zoologische Mededelingen, 74. (ResearchGate). 1 páginas. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  3. Exo Reptil (30 de agosto de 2016). «Exo Reptil - Dracaena Guianensis ( Lagarto Cabeza Roja )» (em espanhol). YouTube. 1 páginas. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  4. a b c d «jacuruxi». Michaelis - UOL. 1 páginas. Consultado em 7 de outubro de 2018. Lagarto de grande porte (Dracaena guianensis), da família dos teiídeos. 
  5. a b Ribeiro Junior, Marco Antonio; Amaral, Silvana (dezembro de 2016). «Catalogue of distribution of lizards (Reptilia: Squamata) from the Brazilian Amazonia. III. Anguidae, Scincidae, Teiidae» (em inglês). Zootaxa 4205 (5). (ResearchGate). p. 413. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  6. a b Kuijpers, Matthijs (1 de dezembro de 2013). «Caiman lizard / Dracaena guianensis» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 7 de outubro de 2018. Ucayali, Loreto, Peru. 
  7. Kearney, C. (27 de setembro de 2018). «Caiman lizard (Dracaena guianensis), London Zoo» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  8. PIANKA, Eric R.; VITT, Laurie J. (2006). Lizards. Windows to the Evolution of Diversity (em inglês). United States: University of California Press - Google Books. p. 104. 333 páginas. ISBN 0-520-24847-3. Consultado em 7 de outubro de 2018 
  Este artigo sobre Répteis, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.