Abrir menu principal



Herzogtum Pfalz-Sulzbach
Ducado do Palatinado-Sulzbach
Blank.png
1559 – 1742 Blank.png

Brasão de Sulzbach

Brasão

Localização de Sulzbach
Continente Europa
Capital �Sulzbach
Língua oficial Alemão (Austro-Bávaro)
Governo Monarquia
Conde Palatino e Duque do Palatinado-Sulzbach
 • 1559-1604 Otão Henrique II
História
 • 1559 Desmembrado do Palatinado-Neuburgo
 • 1742 Reunido ao Palatinado-Neuburgo
Membro de: Sacro-Império

O Ducado do Palatinado-Sulzbach (em alemão: Herzogtum Pfalz-Sulzbach), ou simplesmente Palatinado-Sulzbach (Pfalz-Sulzbach), foi o nome de um estado do Sacro Império Romano-Germânico, que existiu em dois momentos diferentes da história: no período de 1559–1604 e num segundo período 1614–1742.

O estado situava-se no Alto Palatinado bávaro, no atual distrito de Amberg-Sulzbach, e não no Palatinado Renano. A sua capital era Sulzbach e era governado por membros da Dinastia de Wittelsbach.

HistóriaEditar

O Palatinado-Sulzbach existiu, enquanto estado autónomo no seio do Sacro-Império, em dois períodos:

Palatinado-Sulzbach (1559–1604)Editar

Quando o duque Wolfgang, que acumulava o Palatinado-Zweibrücken e o Palatinado-Neuburgo, morre em 1559, os seus estados são partilhado pelos filhos:

  • Filipe Luís (1547-1614), fica com o Palatinado-Neuburgo;
  • João (1550-1604), morto sem descendência, fica com o Palatinado-Zweibrücken;
  • Otão Henrique (1556-1604), fica com o Palatinado-Sulzbach;
  • Frederico (1557-1597), morto sem descendência, fica com o Palatinado-Vohenstrauss-Parkstein; e
  • Carlos I (1560-1600), fica com o Palatinado-Zweibrücken-Birkenfeld.

Assim, Otão Henrique foi o primeiro soberano do Palatinado-Sulzbach[1], Quando morre, sem sucessão, o Palatinado-Sulzbach é reintegrado no Palatinado-Neuburgo.

Palatinado-Sulzbach (1614–1742)Editar

Em 1614, o Palatinado-Sulzbach foi de novo desagregado do Palatinado-Neuburgo, na sequência da morte de Filipe Luís do Palatinado-Neuburgo, para ser entregue ao seu segundo filho Augusto.

O sucessor de Augusto, Cristiano Augusto foi um soberano tolerante que permitiu aos seus súbditos escolherem a religião, introduzindo o simultaneum e permitiu até que, a partir de 1666, os judeus vivessem nos seus domínios. Estabeleceu ainda uma importante industria tipográfica.

No reinado dos seus sucessores, ficou claro que o Palatinado-Sulzbach voltaria a juntar-se ao Palatinado-Neuburgo desta vez pela falta de herdeiros da linha de Neuburgo. De facto, na sequência da morte de Carlos III Filipe[2], ocorrida em 1742, o soberano de Sulzbach, Carlos Teodoro, juntou ao seu estado (o Palatinado-Sulzbach) as possessões herdadas do seu primo de Neuburgo: o Eleitorado do Palatino e o ducado do Palatinado-Neuburgo.

TerritórioEditar

O Palatinado-Sulzbach consistia em dois territórios não contíguos separados pelo Eleitorado da Baviera. A oeste fazia fronteira com o território da cidade livre de Nuremberga e a leste pelo Reino da Boémia.

Árvore GenealógicaEditar

 (em construção)







Soberanos do Palatinado-SulzbachEditar

TítuloEditar

 
O castelo de Sulzbach, residência dos duques.

O título dos soberanos era Conde palatino no Reno e Duque de Sulzbach (em alemão: Pfalzgraf bei Rhein und Herzog von Sulzbach). Na sua qualidade de membros de um ramo colateral da família do Príncipe-Eleitor do Palatinado, os soberanos usavam o título Conde Palatino (no Reno[3]).

Lista de DuquesEditar

1º período
2º período

Nota: pela extinção do ramo bávaro dos Wittelsbach, Carlos Teodoro vem a herdar em 1777 o Eleitorado da Baviera.

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Otão Henrique é, muitas vezes designado com o numeral " II ". De facto, ele foi o segundo Otão Henrique a governar os territórios de Sulzbach, se bem que com o primeiro, Otão Henrique (I), Sulzbach ainda não fosse um ducado autónomo
  2. que herdara o Eleitorado do Palatinado e Ducado do Palatinado-Neuburgo
  3. onde se localizava o Eleitorado do Palatinado

BibliografiaEditar