Dulce II da Provença

Dulce II (1165 - 1172) era filha de Raimundo Berengário II da Provença e de Riquilda da Polônia, rainha viúva de Castela e Leão.

Após a morte de seu pai, em 1166, tentando conquistar Nice, Dulce herdou o condado da Provença.[1] Todavia, ela foi contestada por seu primo, Raimundo, conde de Barcelona, o qual reivindicou o condado da Provença, alegando que, uma vez que Raimundo Berengário morrera sem deixar herdeiros varões, o condado deveria passar para ele. Em 1167, ele tomou o controle da Provença, forçando Branca a se retirar do condado.

Em 1172, a avó paterna de Dulce, Beatriz de Melgueil, decidiu dividir o condado de Melgueil entre sua filha Ermesinda e sua neta Dulce, a qual fora prometida em casamento a Raimundo, filho do conde de Toulouse. Todavia, o noivado foi logo desfeito, no mesmo ano, Raimundo casou-se com Ermesinda, recentemente viúva do primeiro esposo. Dulce faleceu pouco depois, tendo deixado a sua parte de Melgueil para a tia.

Precedida por
Raimundo Berengário II
Condessa da Provença
Viscondessa de Rodez, de Gévaudan e de Carladet

1166 - 1167
Sucedida por
Raimundo Berengário III

Referências

  1. Víctor Balaguer, Historia de Cataluña y de la Corona de Aragon, vol. II (Barcelona: Salvador Manero, 1861), V, ii, 11–18.
  Este artigo sobre um nobre é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.