Dulce de Aragão

Dulce de Aragão[a][1][2][3] ou de Barcelona[4] (em catalão: Dolça d'Aragó; c.1160Coimbra, 1 de setembro de 1198) foi uma infanta aragonesa e a segunda rainha de Portugal, de 1185 até a sua morte, em 1198.

Dulce de Aragão
Infanta de Aragão
D. Dulce de Barcelona, Rainha de Portugal - The Portuguese Genealogy (Genealogia dos Reis de Portugal).png

Dulce de Aragão,
consorte de El-Rei D. Sancho I
Rainha consorte de Portugal
Reinado 6 de dezembro de 11851 de setembro de 1198
Antecessor(a) Mafalda de Saboia
Sucessor(a) Urraca de Castela
 
Cônjuge Sancho I de Portugal
Casa Aragão e Barcelona
Nascimento 1160
Morte 1 de setembro de 1198 (38 anos)
  Coimbra
Enterro Mosteiro de Santa Cruz
Filho(s) Ver descendência
Pai Raimundo Berengário IV de Barcelona
Mãe Petronila de Aragão

BiografiaEditar

 
D. Dulce na Genealogia dos Reis de Portugal.

A infanta Dulce era filha do conde Raimundo Berengário IV com a rainha Petronila de Aragão, com cujo casamento se juntaria a partir do final do século XIII o património que seria conhecido como a Coroa de Aragão, e irmã de Afonso II.[4]Seus esponsais com o infante Sancho, que subiu ao trono em 1185, como Sancho I, filho do primeiro rei de Portugal, Afonso I, realizaram-se quando ela tinha cerca de onze anos de idade e seu casamento mais tarde em 1174.[5][4] Pouco se sabe sobre sua vida antes de sua chegada ao Reino de Portugal ou o de seu dote ou arras, por ocasião do seu casamento.[6]

"Formosa e excellente senhora, tranquilla e modesta, condizente no carácter com o nome", segundo Luciano Cordeiro,[7] a infanta Dulce foi usada como moeda de troca para selar uma aliança que serviu para fortalecer o novo reino de Portugal e "constituía uma boa defesa contra a tendência expansiva do reino e Castela (...). Significava, ainda, que o fracasso inerente à ruptura do acordo conjugal da infanta Mafalda com o irmão de Dulce, o rei Afonso II de Aragão". A jovem Dulce cumpriu o papel esperado dela como esposa e mãe de uma vasta prole.[8] Sancho I, em seu primeiro testamento feito em 1188, doou os rendimentos de Alenquer, terras do Vouga, de Santa Maria e do Porto,[6] a sua esposa e ela ainda adquiriu outras propriedades no termo e sabe-se que foi, de facto, senhora de Alenquer.

Dulce não sobreviveu por muito tempo após o nascimento das suas últimas filhas, Branca e Berengária, que poderiam ser gêmeas. Faleceu em 1198, provavelmente por causa da peste e enfraquecida pelos partos sucessivos, tendo sido sepultada no Mosteiro de Santa Cruz, junto do marido.[9].

DescendênciaEditar

D. Dulce teve onze filhos de D. Sancho I, com quem casou em 1174. Estos foram os infantes:

 
Claustro do Mosteiro de Santa Cruz onde foi sepultada a rainha Dulce de Aragão

NotasEditar

[a] ^ «Dulce de Aragão, filha de Raimundo Berenguer IV...»[10]

Referências

  1. Rodrigues Oliveira 2010, p. 81.
  2. Carvalho Correia 2008, p. 180.
  3. a b Sotto Mayor Pizarro 1997, p. 165.
  4. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 83.
  5. Mattoso 2014, pp. 290 e 334.
  6. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 84.
  7. Rodríguez Oliveira 2010, p. 83.
  8. Rodríguez Oliveira 2010, pp. 83-84.
  9. Rodrigues Oliveira 2010, p. 55, 85 e 95.
  10. a b Mattoso 2014, p. 334.
  11. a b c d e f Sottomayor Pizarro 1997, p. 165, vol. I.
  12. a b c Carvalho Correia 2008, p. 187.
  13. Rodrigues Oliveira 2010, pp. 84 y 89.
  14. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 89.
  15. a b c d e Rodrigues Oliveira 2010, p. 85.
  16. Carvalho Correia 2008, pp. 78, 185-187.
  17. Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 92.
  18. Rodrigues Oliveira 2010, p. 85 e 93.

BibliografiaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dulce de Aragão
Precedida por:
Mafalda de Saboia
 
Rainha de Portugal

11851198
Sucedida por:
Urraca de Castela
  Este artigo sobre Rainhas de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.