Abrir menu principal

EMI-Odeon

Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2018). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

EMI-Odeon ou Odeon, no Brasil, foi uma gravadora que sobreviveu como uma subsidiária da EMI até o começo da década de 1990, quando acabou definitivamente.

A cantora Carmen Miranda foi uma contratada da gravadora em 1935.

A maioria dos lançamentos dos Beatles, incluindo os álbuns solo, apareceram pela Odeon em mercados como Alemanha, Espanha e França, Japão, Brasil e outros países da América do Sul; alguns destes demoraram para reconhecer a Apple Records e a Parlophone até 1971, mas voltaram a usar o selo da EMI-Odeon por volta de 1976.[carece de fontes?]

Apesar do fim da Odeon Records, no Brasil, a EMI continuou a usar o nome EMI-Odeon em sua razão social até 1996, quando adotou o nome EMI Music ou ainda EMI Brasil.

Em 2014 todo o catálogo e os futuros lançamentos da EMI no Brasil passaram a ser distribuídos pela Universal Music, em consequência da fusão entre as duas empresas, ocorrida em 2012.

Ver TambémEditar

Ligações externas.Editar

  Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.