Abrir menu principal

Echinopsis pachanoi


Como ler uma infocaixa de taxonomiaEchinopsis pachanoi
Echinopsis pachanoi florindo
Echinopsis pachanoi florindo
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Caryophyllales
Família: Cactaceae
Género: Echinopsis
Espécie: E. pachanoi
Nome binomial
Echinopsis pachanoi
(Britton e Rose) Friedrich e Rowley
Sinónimos
Trichocereus pachanoi

Echinopsis pachanoi, conhecida como Wachuma e Cactos São Pedro, é um cacto de crescimento rápido originário dos Andes. de 2000 a 3000 m de autitude.[1][2] E encontrado na Argentina, Bolívia, Chile, Equador e Peru,[3]e é cultivado em outras partes do mundo. Os usos para isso incluem medicina tradicional e medicina veterinária tradicional, e é amplamente cultivada como um cacto ornamental. Ele tem sido usado para cura e adivinhação religiosa na região dos Andes por mais de 3.000 anos.[4] É por vezes confundido com seu parente próximo Echinopsis peruviana (cacto de tocha peruana).

Wachuma significa, na língua Quíchua, "ébrio e consciente". O nome Cacto São Pedro tem origem no catolicismo, quando fala-se de morte, em alusão à transcendência que a planta proporciona com o papel de São Pedro do cristianismo. Estudos arqueológicos remetem a origem do seu uso a pelo menos 2.000 anos na cultura Chavin. Já foram identificadas algumas variedades ou adaptações as diversas regiões andinas no sul do Equador (Var. KK339 e KK591) e norte do Peru (Var. KK2150).

TaxonomiaEditar

Echinopsis pachanoi é conhecido por muitos nomes em toda a América do Sul como achuma, huachuma, wachuma, aguacolla, hahuacollay, ou giganton .

DescriçãoEditar

Echinopsis pachanoi é nativa do Equador e do Peru. Suas hastes são de verde-claras a verde-escuras, às vezes glaucosas, com um diâmetro de 6 a 15 cm e geralmente de 6 a 8 costelas. As areolas esbranquiçadas podem produzir até sete espinhos amarelos a castanhos, cada um com até 2 cm de comprimento; a planta é às vezes sem cólon. [2] As aréolas estão espaçadas uniformemente ao longo das costelas, com aproximadamente 2 cm de distância.[3] Echinopsis pachanoi é normalmente de 3 a 6 m de altura e tem vários ramos, geralmente se estendendo da base.[2] The tallest recorded specimen was 12,2 m tall.[3] Flores brancas são produzidas no final das hastes; Eles abrem à noite. As flores são grandes, com cerca de 19 a 24 cm de comprimento e um diâmetro de até 20 cm. Há pêlos pretos ao longo do comprimento do tubo que leva à flor. Frutas verdes escuras e oblongas são produzidas após a fertilização, com cerca de 3 cm de diâmetro e 5 - 6 cm de comprimento.[2]

Uso tradicionalEditar

 
Hordenina, um alcaloide encontrado no Echinopsis pachanoi
 
Echinopsis pachanoi, ou cacto de São Pedro, o cacto alto no meio do primeiro plano, em seu habitat natural no Peru

Echinopsis pachanoi tem uma longa história de uso na medicina tradicional andina. Estudos arqueológicos encontraram evidências de uso desde dois mil anos, até a cultura Moche no Peru.[5] Embora as autoridades da igreja Católica após a conquista espanhola terem tentado suprimir seu uso, isso falhou, como mostrado pelo elemento cristão no nome comum "cacto São Pedro" - São Pedro cacto. O nome é atribuído à crença de que, assim como São Pedro detém as chaves para o céu, os efeitos do cacto permitem que os usuários "alcancem o céu enquanto ainda estão na terra".[6]

AlcalóidesEditar

 
Fatias de São Pedro cactus para serem preparadas

O cacto de San Pedro contém vários alcalóides, incluindo o químico mescalina bem estudado (0,21-1,8%), e também3,4-dimetoxifenetilamina, 3-Metoxitiramina, 4-hidroxi-3-metoxifenetilamina, 4-hidroxi-3,5-dimetoxifenetilamina, anhalonidina, anhalinina, hordenina, and tiramina.[7]

Mescalina (3,4,5-trimetoxifenetilamina) é uma droga psicodélica e enteogênico, que também é encontrada em algumas outras espécies do gênero Echinopsis (i.e. Echinopsis lageniformis, Echinopsis peruviana, e Echinopsis scopulicola) e a espécie Lophophora williamsii (ou peiote).[8]

Evidências sugerem que a maior concentração de substâncias ativas é encontrada na camada de tecido fotossintético verde logo abaixo da pele.[3]

Existem várias técnicas de extração de mescalina, simples (fervendo em água 5 a 7 horas) e complexo (como uma extração ácido-base), a última técnica produzindo um material com uma concentração significativamente maior de mescalina.

EfeitosEditar

Segundo Trenary K. autor do livro "História da mescalina", o uso ritual desse cacto (Trichocereus pachanoi) foi documentado pela primeira vez, no Equador em 1945, identificando a mescalina como seu elemento ativo.

Os efeitos experimentados devem-se tanto ao contexto ritual em que é empregado como a uma substância chamada mescalina, presente nessa e em outras plantas, sendo a mais conhecida o peiote, também um cactus. A dose eficaz para a mescalina é de 300 a 500 mg e os efeitos duram aproximadamente de 10 a 12 horas.

CultivoEditar

 
Uma muda recentemente plantada de um corte de Echinopsis pachanoi (cacto São Pedro)

O cacto de San Pedro cresce em USDA zona de robustez s 8b a 10.[9]

O cacto de San Pedro é muito fácil de crescer na maioria das áreas e cresce melhor em um clima temperado. Por crescer naturalmente na Cordilheira dos Andes em altitudes elevadas e com alta pluviosidade, pode resistir a temperaturas muito inferiores às de muitos outros cactos. Requer solo fértil e de drenagem livre. Eles medem meio metro por ano de novo crescimento.[3] Eles são suscetíveis a doenças fúngicas se forem excessivamente regados, mas não são tão sensíveis quanto muitos outros cactos, especialmente em climas quentes.

Eles podem ser queimados pelo sol e exibir uma reação clorótica amarelada à superexposição à luz solar.No inverno, as plantas iram debilitar, ou tornam-se finas, devido aos baixos níveis de luz. Isso pode ser problemático se a zona estiolada não for forte o suficiente para suportar o crescimento futuro, já que o cacto pode quebrar em ventos fortes.

Propagação por cortesEditar

Como muitas outras plantas, Echinopsis pachanoi pode ser propagado a partir de estacas. O resultado é um clone genético da planta-mãe.[10] Uma longa coluna de cactos pode também ser deitada de lado no chão (como um tronco), e eventualmente raízes brotam dela e crescem no solo. Depois do tempo, os brotos se formarão e as colunas dos cactos crescerão para cima ao longo de seu comprimento.[10]

Por sementesEditar

Como muitos de seus parentes "Trichocereus pachanoi" como uma espécie é facilmente cultivada a partir de sementes, muitas vezes por um método que é chamado em inglês da "'Takeaway Tek"' '[11][12][13]. Este termo refere-se à prática da semeadura de sementes de Trichocereus (e algumas vezes outros tipos de cactos) em recipientes de plástico, tais como muitos alimentos são entregues(descartáveis ou de freezer com corpo e tampa transparentes) onde as sementes são distribuídas num substrato adequado e umedecido levemente e tampado, então posto em um local com iluminação indireta do sol. Isso cria uma câmara de ambiente de umidade semi-controlada por 6 meses a um ano, no qual a semente pode germinar e depois crescer relativamente livre da contaminação ambiental.

Ver tambémEditar

 
Echinopsis pachanoi
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Echinopsis pachanoi
O Wikispecies tem informações sobre: Echinopsis pachanoi

BibliografiaEditar

  • Calderon, Eduardo; Cowan, Richard; Sharon, Douglas; Sharon, F. Kaye. Eduardo el curandero: las palabras de un curador peruano. The words of a peruvian healer. Califórnia, Berkeley, North Atlantic Books (1988) 1999 Amazon preview, 2013
  • Heaven, Ross. Cactus of Mystery: The Shamanic Powers of the Peruvian San Pedro Cactus. Rochester, Vermont, Park Street Press, 2013 Scribd preview, 2013
  • Heaven, Ross. The Hummingbird's Journey to God: Perspectives on San Pedro, the Cactus of Vision & Andean Soul Healing Methods. UK. O Books / John Hunt Publishing, 2009 Google Books, 2013

Referências

  1. Rätsch, Christian (2002). Enzyklopädie der psychoaktiven Pflanzen. Botanik, Ethnopharmakologie und Anwendungen. Aarau: AT-Verlag. p. 15. ISBN 978-3-85502-570-1 
  2. a b c d Anderson 2001, p. 276.
  3. a b c d e Visionary Cactus Guide, Erowid.org, consultado em 24 de outubro de 2012 
  4. Bigwood, Jeremy; Stafford, Peter J. (1992). Psychedelics encyclopedia. Berkeley, CA: Ronin Pub. pp. 118–9. ISBN 978-0-914171-51-5 
  5. Bussmann RW, Sharon D (2006). «Traditional medicinal plant use in Northern Peru: tracking two thousand years of healing culture». J Ethnobiol Ethnomed. 2 (1): 47. PMC 1637095 . PMID 17090303. doi:10.1186/1746-4269-2-47 
  6. Anderson, Edward F. (2001). The Cactus Family. Pentland, Oregon: Timber Press. ISBN 978-0-88192-498-5  pp. 45–49.
  7. Crosby, D.M.; McLaughlin, J.L. (Dec 1973). «Cactus Alkaloids. XIX Crystallization of Mescaline HCl and 3-Methoxytyramine HCl from Trichocereus panchanoi» (PDF). Lloydia and the Journal of Natural Products. 36 (4): 416–418. PMID 4773270. Consultado em 13 December 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  8. Anderson 2001, pp. 44–49.
  9. «San Pedro Cactus (Echinopsis pachanoi)». desert-tropicals.com. Consultado em 23 de fevereiro de 2008 
  10. a b «What if the cut end doesn't dry properly and starts to mold» (PDF). Consultado em 7 de fevereiro de 2012 
  11. https://www.arkhamsbotanical.com/cultivation/grow-cacti-seed-enhanced-takeaway-tek/
  12. https://www.dissidentreality.com/tutorials/how-to-grow-trichocereus-cacti-from-seed/
  13. https://herbalistics.com.au/takeaway-tek-how-to-germinate-cacti-seeds/

Ligações externasEditar

GalleryEditar