Eclampsia

complicaçao da gravidez
Eclampsia
Especialidade Obstetrícia
Sintomas Convulsões, pressão arterial elevada[1]
Complicações Pneumonia por aspiração, hemorragia cerebral, insuficiência renal, parada cardíaca[1]
Início habitual Após as 20 semanas de gravidez[1]
Fatores de risco Pré-eclampsia[1]
Prevenção Aspirina, suplementos de cálcio, tratamento dos antecedentes de hipertensão[2][3]
Tratamento Sulfato de magnésio, hidralazina, parto de emergência[1][4]
Prognóstico Risco de morte: 1%[1]
Frequência 1,4% dos partos[5]
Mortes 46 900 por doenças hipertensivas da gravidez (2015)[6]
Classificação e recursos externos
CID-10 O15, O15.9
CID-9 642.64
DiseasesDB 4068
MedlinePlus 000899
eMedicine 253960, 1476919
MeSH D004461
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Eclampsia é o aparecimento de convulsões numa mulher com pré-eclampsia.[1] É uma complicação da gravidez em que se verifica hipertensão arterial, quantidade elevada de proteínas no sangue ou outras disfunções em órgãos.[7][8] A condição pode aparecer antes, durante ou após o parto. É mais comum durante o segundo trimestre da gravidez. As convulsões são do tipo tónico-clónico e duram em média um minuto. Na sequência das convulsões ocorre geralmente um período de confusão ou coma. As complicações incluem pneumonia por aspiração, hemorragia cerebral, insuficiência renal e paragem cardiorrespiratória. A pré-eclampsia e a eclampsia fazem parte de um grupo maior de condições denominado perturbações hipertensivas na gravidez.[1]

Mortalidade materna, em 2012, a cada milhão de gestações.
  0-0
  1-1
  2-5
  6-8
  9-26
  27-46
  47-90
  91-252
  253-381
  382-957

As recomendações de prevenção incluem a administração de aspirina em pessoas de risco elevado, suplementos de cálcio em regiões onde o consumo é baixo e tratamento da hipertensão anterior à gravidez com medicação.[2][3] O exercício físico durante a gravidez pode também ser benéfico.[1] A administração de sulfato de magnésio por via intravenosa ou muscular melhora o prognóstico em pessoas com eclampsia e é geralmente seguro, tanto em países desenvolvidos como em vias de desenvolvimento.[4][9] No entanto, o tratamento pode necessitar de respiração assistida. Entre outros possíveis tratamentos estão medicamentos para a hipertensão, como a hidralazina, e o parto de emergência do bebé, quer por via vaginal ou por cesariana.[1]

Estima-se que a pré-eclampsia afete 5 a 10% dos nascimentos e a eclampsia 1,4% dos nascimentos.[5] Nos países desenvolvidos, a prevalência é de 1 caso em cada 2000 nascimentos devido aos melhores cuidados de saúde.[1] As perturbações hipertensivas da gravidez são uma das causas mais comuns de morte durante a gravidez.[10] Em 2015 provocaram a morte a 46 900 pessoas, uma diminuição em relação às 37 000 em 1990.[6] Cerca de uma em cada cem mulheres com eclampsia morre.[1] A palavra eclampsia tem origem no termo grego para relâmpago. A primeira descrição conhecida da doença foi feita por Hipócrates no século V a.C.[11]

Sinais e sintomasEditar

Pré-eclampsiaEditar

Os sinais característicos da pré-eclampsia são[12]:

  • Pressão maior que 140/90 mmHg durante mais de 4h
  • Urina espumosa (por conter mais de 300 mg/dia de proteínas) ou outros sinais de problemas renais (como urinar pouco)
  • Inchaço das mãos, pés e face

A pré-eclampsia só é considerada como eclampsia depois de uma convulsão.

EclampsismoEditar

O eclampsismo é sinal de complicação da gestação. Mesmo sem problemas renais (proteinúria), pode ser diagnosticada quando há alguns dos seguintes sintomas[12]:

  • Dores de cabeça fortes
  • Alterações na visão (perda temporária da visão, visão turva ou sensibilidade à luz)
  • Dor abdominal, geralmente sob suas costelas do lado direito
  • Náuseas ou vômitos
  • Diminuição dos níveis de plaquetas no sangue (trombocitopenia)
  • Insuficiência hepática
  • Falta de ar, devido a líquido nos pulmões

Síndrome HELLPEditar

HELLP é uma sigla inglesa (Hemolysis, Elevated Enzymes Liver, Low Plaquets), em português um mnemônico equivalente seria PPEEHH, pois essa complicação da eclampsia é caracterizada por:

CausasEditar

Especialistas acreditam que o problema está no desenvolvimento anormal dos vasos sanguíneos que conectam a placenta com o útero. Quando o fluxo sanguíneo é insuficiente para o útero ou ocorrem danos aos vasos sanguíneos, eles podem responder inadequadamente a estímulos hormonais e causar a pré-eclampsia. Existe uma forte relação com diabetes millitus gestacional (DMG) e diabetes (principalmente tipo 1) pelo fato destas doenças já apresentarem alto índice glicêmico e proteinúria[13][14]. O aborto recorrente (AR) e pré-eclâmpsia (PE) compartilham muitos mecanismos semelhantes com rejeição do enxerto[15] demonstrando assim falhas no sistema imunológico de não rejeição do feto.

Fatores de riscoEditar

Dentre os factores que aumentam o risco de sofrer esse transtornos incluem[16][17]:

Prevenção e tratamentoEditar

As recomendações de prevenção incluem a administração de aspirina em pessoas de risco elevado, suplementos de cálcio em regiões onde o consumo é baixo e tratamento da hipertensão anterior à gravidez com medicação.[2][3] O exercício físico durante a gravidez pode também ser benéfico.[1] A administração de sulfato de magnésio por via intravenosa ou muscular melhora o prognóstico em pessoas com eclampsia e é geralmente seguro, tanto em países desenvolvidos como em vias de desenvolvimento.[4][18] No entanto, o tratamento pode necessitar de respiração assistida. Entre outros possíveis tratamentos estão medicamentos para a hipertensão, como a hidralazina, e o parto de emergência do bebé, quer por via vaginal ou por cesariana.[1]

AlimentaçãoEditar

O cuidado com a alimentação anti-inflamatoria[19] uma vez que o quadro de proteinúria, pressão alta , valores glicêmicos altos e alta de leucócitos (que indicam desencadeamento de inflamações produzidas pelo sistema imunógico[20]). Preferir os alimentos anti-inflamatorios[21][22][23] (alho, cebola, cebolinha, brocolis, escarola, repolho, espinafre...) e diminuir alimentos pró-inflamatorios (massas, gordura, leite, açucar) e estilo de vida pró-inflamatorio (sedentarianismo e stress).

Um estudo coorte publicado em 2014 encontrou uma associação entre o consumo de alimentos biológicos e a diminuição do risco de pré-eclâmpsia.[24]

Epidemiologia, prognóstico e históriaEditar

Estima-se que a pré-eclampsia afete 5 a 10% dos nascimentos e a eclampsia 1,4% dos nascimentos.[5] Nos países desenvolvidos, a prevalência é de 1 caso em cada 2000 nascimentos devido aos melhores cuidados de saúde.[1] As perturbações hipertensivas da gravidez são uma das causas mais comuns de morte durante a gravidez.[10] Em 2015 provocaram a morte a 46 900 pessoas, uma diminuição em relação às 37 000 em 1990.[6] Cerca de uma em cada cem mulheres com eclampsia morre.[1] A palavra eclampsia tem origem no termo grego para relâmpago. A primeira descrição conhecida da doença foi feita por Hipócrates no século V a.C.[11]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p «40». Williams obstetrics 24th ed. [S.l.]: McGraw-Hill Professional. 2014. ISBN 9780071798938 
  2. a b c WHO recommendations for prevention and treatment of pre-eclampsia and eclampsia. (PDF). [S.l.: s.n.] 2011. ISBN 978-92-4-154833-5 
  3. a b c Henderson, JT; Whitlock, EP; O'Connor, E; Senger, CA; Thompson, JH; Rowland, MG (20 de maio de 2014). «Low-dose aspirin for prevention of morbidity and mortality from preeclampsia: a systematic evidence review for the U.S. Preventive Services Task Force.». Annals of Internal Medicine. 160 (10): 695–703. PMID 24711050. doi:10.7326/M13-2844 
  4. a b c Smith, JM; Lowe, RF; Fullerton, J; Currie, SM; Harris, L; Felker-Kantor, E (5 de fevereiro de 2013). «An integrative review of the side effects related to the use of magnesium sulfate for pre-eclampsia and eclampsia management.». BMC pregnancy and childbirth. 13. 34 páginas. PMC 3570392 . PMID 23383864. doi:10.1186/1471-2393-13-34 
  5. a b c Abalos, E; Cuesta, C; Grosso, AL; Chou, D; Say, L (setembro de 2013). «Global and regional estimates of preeclampsia and eclampsia: a systematic review.». European journal of obstetrics, gynecology, and reproductive biology. 170 (1): 1–7. PMID 23746796. doi:10.1016/j.ejogrb.2013.05.005 
  6. a b c GBD 2015 Mortality and Causes of Death, Collaborators. (8 October 2016). «Global, regional, and national life expectancy, all-cause mortality, and cause-specific mortality for 249 causes of death, 1980-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015.». Lancet. 388 (10053): 1459–1544. PMC 5388903 . PMID 27733281. doi:10.1016/s0140-6736(16)31012-1  Verifique data em: |data= (ajuda)
  7. Lambert, G; Brichant, JF; Hartstein, G; Bonhomme, V; Dewandre, PY (2014). «Preeclampsia: an update.». Acta Anaesthesiologica Belgica. 65 (4): 137–49. PMID 25622379 
  8. «Hypertension in pregnancy. Report of the American College of Obstetricians and Gynecologists' Task Force on Hypertension in Pregnancy.» (PDF). Obstet Gynecol. 122 (5): 1122–31. Novembro de 2013. PMID 24150027. doi:10.1097/01.AOG.0000437382.03963.88 
  9. McDonald, SD; Lutsiv, O; Dzaja, N; Duley, L (agosto de 2012). «A systematic review of maternal and infant outcomes following magnesium sulfate for pre-eclampsia/eclampsia in real-world use.». International journal of gynaecology and obstetrics: the official organ of the International Federation of Gynaecology and Obstetrics. 118 (2): 90–6. PMID 22703834. doi:10.1016/j.ijgo.2012.01.028 
  10. a b Arulkumaran, N.; Lightstone, L. (dezembro de 2013). «Severe pre-eclampsia and hypertensive crises». Best Practice & Research Clinical Obstetrics & Gynaecology. 27 (6): 877–884. PMID 23962474. doi:10.1016/j.bpobgyn.2013.07.003 
  11. a b Emile R. Mohler (2006). Advanced Therapy in Hypertension and Vascular Disease. [S.l.]: PMPH-USA. pp. 407–408. ISBN 9781550093186 
  12. a b http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/symptoms/con-20031644
  13. Franco, Denise Reis (agosto de 2008). «A hipótese do pólo comum entre a pré-eclâmpsia e o diabetes gestacional». Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia (6): 929–930. ISSN 0004-2730. doi:10.1590/S0004-27302008000600003. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  14. Hanson, Ulf; Persson, Bengt (junho de 1998). «Epidemiology of pregnancy-induced hypertension and preeclampsia in Type 1 (insulin-dependent) diabetic pregnancies in Sweden». Acta Obstetricia et Gynecologica Scandinavica (6): 620–624. ISSN 0001-6349. doi:10.1034/j.1600-0412.1998.770608.x. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  15. Wilczyński, Jacek R. (1 de julho de 2006). «Immunological Analogy Between Allograft Rejection, Recurrent Abortion and Pre-Eclampsia – the Same Basic Mechanism?». Human Immunology (em inglês) (7): 492–511. ISSN 0198-8859. doi:10.1016/j.humimm.2006.04.007. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  16. http://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/preeclampsia/basics/risk-factors/con-20031644
  17. Al-Jameil, N; Aziz Khan, F; Fareed Khan, M; Tabassum, H (February 2014). "A brief overview of preeclampsia.". Journal of clinical medicine research 6 (1): 1–7. PMID 24400024.
  18. McDonald, SD; Lutsiv, O; Dzaja, N; Duley, L (agosto de 2012). «A systematic review of maternal and infant outcomes following magnesium sulfate for pre-eclampsia/eclampsia in real-world use.». International journal of gynaecology and obstetrics: the official organ of the International Federation of Gynaecology and Obstetrics. 118 (2): 90–6. PMID 22703834. doi:10.1016/j.ijgo.2012.01.028 
  19. Pérez-Pérez, Antonio; Vilariño-García, Teresa; Guadix, Pilar; Dueñas, José L.; Sánchez-Margalet, Víctor (julho de 2020). «Leptin and Nutrition in Gestational Diabetes». Nutrients (em inglês) (7). 1970 páginas. doi:10.3390/nu12071970. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  20. Wilczyński, Jacek R. (1 de julho de 2006). «Immunological Analogy Between Allograft Rejection, Recurrent Abortion and Pre-Eclampsia – the Same Basic Mechanism?». Human Immunology (em inglês) (7): 492–511. ISSN 0198-8859. doi:10.1016/j.humimm.2006.04.007. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  21. Achamrah, Najate; Ditisheim, Agnès (2018). «Nutritional approach to preeclampsia prevention». Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care (3): 168–173. ISSN 1473-6519. PMID 29465424. doi:10.1097/MCO.0000000000000462. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  22. Achamrah, Najate; Ditisheim, Agnès (maio de 2018). «Nutritional approach to preeclampsia prevention». Current Opinion in Clinical Nutrition and Metabolic Care (3): 168–173. ISSN 1473-6519. PMID 29465424. doi:10.1097/MCO.0000000000000462. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  23. Mie, Axel; Andersen, Helle Raun; Gunnarsson, Stefan; Kahl, Johannes; Kesse-Guyot, Emmanuelle; Rembiałkowska, Ewa; Quaglio, Gianluca; Grandjean, Philippe (27 de outubro de 2017). «Human health implications of organic food and organic agriculture: a comprehensive review». Environmental Health (em inglês) (1). 111 páginas. ISSN 1476-069X. PMC 5658984 . PMID 29073935. doi:10.1186/s12940-017-0315-4. Consultado em 5 de novembro de 2020 
  24. Torjusen, Hanne; Brantsæter, Anne Lise; Haugen, Margaretha; Alexander, Jan; Bakketeig, Leiv S; Lieblein, Geir; Stigum, Hein; Næs, Tormod; Swartz, Jackie (10 de setembro de 2014). «Reduced risk of pre-eclampsia with organic vegetable consumption: results from the prospective Norwegian Mother and Child Cohort Study». BMJ Open (9). ISSN 2044-6055. PMC 4160835 . PMID 25208850. doi:10.1136/bmjopen-2014-006143. Consultado em 5 de novembro de 2020