Eclipse lunar de 16 de julho de 2019

Eclipse Lunar Parcial
16 de julho de 2019
Máximo do Eclipse visto de Tilehurst, na Inglaterra - 21:30 UTC.

A Lua cruzando a fronteira sul do cone de sombra da Terra, de oeste para leste (da direita para a esquerda), com 60% do disco lunar coberto pela umbra.
Gamma -0.6430
Saros (e membro) 139 (22 de 81)
Sequência de eclipses lunares
Anterior 21 de janeiro de 2019
Próximo 10 de janeiro de 2020
Duração (hr:mn:sc)
Parcial 2:57:56
Penumbral 5:33:43
Fases e Horários do Eclipse (UTC)
P1 18:43:53
U1 20:01:43
Máximo 21:30:44
U4 22:59:39
P4 0:17:36 (17 de julho)

O eclipse lunar de 16 de julho de 2019 foi um eclipse lunar parcial, o segundo e último de dois eclipses do ano, e único como parcial. Foi visível na maior parte da Ásia, Austrália, África, Europa e na maior parte da América do Sul. Foi o eclipse número 22 da série Saros 139, com magnitude umbral de 0,6531[1].Cerca de 65% da superfície lunar ficou submersa no cone de sombra.

Visibilidade editar

Foi visível sobre a África, Europa, Oriente Médio, Antártica, os oceanos Atlântico e Índico, durante o nascer da Lua na América do Sul e no pôr lunar na Austrália, bem como na Oceania e em boa parte da Ásia.

 
Simulação da Terra vista da Lua durante o máximo da totalidade - 21:31 UTC.
A parte sudeste da África continental, próximo à Madagascar, obteve a melhor observação do meio do eclipse, de onde foi visível à meia-noite.
 
Mapa de visibilidade do eclipse

Série Saros editar

Eclipse pertencente ao ciclo lunar Saros da série 139, sendo de número 21, totalizando 79 eclipses na série. O eclipse anterior foi o eclipse parcial de 5 de julho de 2001, e o próximo será com o eclipse parcial de 27 de julho de 2037.


Galeria editar


Referências

  1. F. Espenak. «Partial Lunar Eclipse of 2019 Jul 16» (PDF). NASA Eclipse Website. Consultado em 30 de janeiro de 2017 



  Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.