Abrir menu principal

Educação física no Irã

História da Educação Física iranianaEditar

Chamavam-se povos iranianos os elamitas (primitivos), os Medas e os Persas, que habitavam o vasto Planalto do Irã, estableceram-se nessa região ao terminarem seu nomadismo; os Medas ao Norte e os Persas ao Sul; êstes ocupando uma extensa faixa ao longo do Golfo pérsico.

Elamitas: Na parte ocidental ficava Elam e seus habitantes, os elamitas, antecessores dos Persas, tinha, como capital, Susa. Um de seus reis, Kudur-Lagamer, estendeu o império elamita do Irã ao Mediterrâneo; êsse povo, que sempre lutou contra os cadeus, chegou a apoderar-se de uma parte da Caldeia; porém, mais tarde, foram expulsos por Hamurabi que, conquistando o Elam apoderou-se de Susa. Essa luta continuou, mesmo quando os assírios dominavam a Mesopotâmia; os elamitas fizeram aliança com os babilônios (seus antigos inimigos) contra os dominadores.

Medas: Foram os medas os primeiros que se reuniram sob a direção de um chefe para resistir aos ataques dos assírios. Seu primeiro rei, Dejocés, fundou Ecbátana, que se tornou a Capital da Média (710 ª C.).

Pérsia: Os persas, que, a maior parte do tempo viveram sob o domínio dos medas, revoltaram-se, sob o mando de Ciro, homem de caráter, hábil e valente, que conhecia a fundo a situação interna do reino; tomou Ecbátana, destronando Astiages, o último rei meda, o qual descuidou completamente dos assuntos de Estado; reuniu os dois povos debaixo de seu comínio (560 – 552 ª C.), com capital em Pasargada.

Sistema EducativoEditar

O que se conhece, sobre as atividades educativas do povo persa, foi descrito por Xenofonte e Heródoto, principalmente, em, fazê-los homens honrados e soldados aguerridos; com esse objetivo o plano foi organizado e a educação ministrada..

Compreendia o sitema educativo quatro divisões, segundo a classificação natural e fisiológica: juventude, púlberes, homens maduros e velhos. A instrução era comum a tôdas as categorias, ministrada em uma praça chamada Eleutera, onde estavam localizados os tribunais e o Palácio Real a qual achava-se dividida em quatro partes, cada divisão era destinada a cada uma das classes já mencionadas, e, todos os indivíduos assim classificados, eram obrigados a comparecer ao local da instrução. O sistema educativo era integral, muito embora pouco cuidadeo tivessem com a educação intelectual.

  • Educação intelectual (escolas de justiça);
  • Educação moral;
  • Educação física (educação superior)

Educação física (educação superior): Os medas e os persas dispensavam cuidados especiais à educação física, que era praticada em estabelecimentos superiores, onde recebiam uma cultura corporal com preparação rigorosa e resistência às intempéries, ao frio e ao calor, objetivando o manêjo e o emprêgo das armas; nesses estabelecimentos eram observada, particularmente, a atitude e a apresentação de cada um. A juventude se entrgava às corridas, ao tiro ao arco, ao lançamento do dardo e ao trabalho da terra. Esta parte de educação física constituía a educação guerreira, dos povos iranianos, abrangendo principalmente à classe dos Púlberes e dos homens maduros, com instrução específica à cada classe. A educação física era praticada entre os medas e persas, sob os aspectos militar, rítmico e médico.

  • Aspecto militar: Tinha por objetivo desenvolver os pendores militares, o sentimento de honra, amor, a glória. compreendia os caracteres guerreiros, administrativo, esportivo e econômico.

Caráter guerreiro: a) Treinamento individual, dos 16 aos 26 anos, todos os jovens prestavam serviço militar no Exército, sendo o ensino exlusivamente militar. Entregavam-se a uma vida de fadigas, resistência; praticavam, como exercício preparatório, levantar cedo e adestravam-se no manêjo das armas e sua aplicação, principalmente no arco e da flecha (tiro ao alvo), nos exercícios equestres, (equitação), montando cavalos bravios; marchavam e corriam a grandes distâncias, sob o sol e frio, para assim adaptar-se às mudanças de temperatura; [[Natação|nadar e transposição dos rios, carregando todo o equipamento de guerra, como armas, sem molhá-las. b) Treinamento coletivo, exercícios guerreiros de conjunto para a infantaria, eram constituídos de uma batalha simulada, executados por companhias, as quais eram divididas em dois grupos que se opunham, ambos usavam couraça, escudos e eram armados, um dêles com canas grossas e, o outro, de torrões, procurando atingir, em qualquer parte do corpo.

Caráter esportivo: Execução do jogo nacional do Polo que era considerado como ao mais alto símbolo de habilidade e cortezia, levado a efeito tendo em vista a utilização da azagala, para adquirir, com os golpes do taco, firmeza na execução dos golpes de batalha; concursos de emprêgo do arco e flecha, no Tiro ao alvo. Esportes mais praticados modernamente: Basquete, Futebol, Tênis, Boxe, Levantamento de pêso, Luta, Voleibol, Ginástica, Atletismo, Alpinismo, Sky, Tênis de mesa, Tiro, Natação, Lawn-tênis.

ConclusõesEditar

Desde os sete anos, as crianças eram, nos estabelecimentos especiais, confiadas a educadores experimentados que ministravam, com a mesma intensidade e paralelamente, a educação intelectual, a educação física, a educação moral; treinavam em todos os exercícios físicos (corridas, saltos, tiro ao arco, lançamento de dardo, trabalho da terra e resistência às imtempéries e como esporte favorito, praticavam a equitação desde a adolescência o que os tornavam capazes, perfeitos e famosos no mundo antigo).

O culto pregado por Zoroastro, o masdeismo, admitia a existência do bem e do mal a saúde e a doença. O trabalho físico e os cuidados corporais do indivíduo, participavam da luta em busca da luz, do bem e, consequentemente, da vitória das forças benfazejas. O princípio moral dessa religião teve influência profunda no sistema educativo dando, principalmente, uma notável eclosão à prática da educação física.