Abrir menu principal

Elói Mendes

município brasileiro do estado de Minas Gerais
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Elói Mendes, é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Pertence à Mesorregião do Sul e Sudoeste de Minas e à Microrregião de Varginha.

Município de Elói Mendes
"Mutuca"
Bandeira de Elói Mendes
Brasão de Elói Mendes
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 30 de agosto
Fundação 30 de agosto de 1911 (108 anos)
Gentílico eloiense, eloi-mendense
Lema Juntos somos mais
Padroeiro(a) Divino Espírito Santo[1]
CEP 37110-000 a 37114-999[2]
Prefeito(a) Paulo Roberto[3] (PV)
(2019 – 2020)
Localização
Localização de Elói Mendes
Localização de Elói Mendes em Minas Gerais
Elói Mendes está localizado em: Brasil
Elói Mendes
Localização de Elói Mendes no Brasil
21° 36' 36" S 45° 33' 54" O21° 36' 36" S 45° 33' 54" O
Unidade federativa Minas Gerais
Mesorregião Sul/Sudoeste de Minas IBGE/2008[4]
Microrregião Varginha IBGE/2008[4]
Municípios limítrofes Três Pontas, Paraguaçu, Cordislândia, Monsenhor Paulo, Varginha
Distância até a capital 328 km
Características geográficas
Área 499,537 km² [5]
População 27 730 hab. IBGE/2017[6]
Densidade 50 49 hab,/km²
Altitude 889 m
Clima tropical de altitude Cwb
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,685 médio PNUD/2010[7]
PIB R$ 456 899,94 mil IBGE/2015[8]
PIB per capita R$ 16,755 90 IBGE/2015[8]
Página oficial
Prefeitura www.eloimendes.mg.gov.br
Câmara www.camaraeloimendes.mg.gov.br

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sua população em julho de 2017 foi estimada em 27 730 habitantes.[6]

HistóriaEditar

 
Igreja matriz de Elói Mendes, 1963. Arquivo Nacional.

Os registros mais antigos da presença humana no atual território mineiro datam de cerca de 11.500 anos atrás. Trata-se de “Luzia”, restos humanos identificados no sítio arqueológico Lapa Vermelha IV, localizado no município de Lagoa Santa. De acordo com os estudos mais recentes, este e outros vestígios esqueletais encontrados na região indicam tanto um povoamento muito antigo do continente americano quanto uma diversidade genética maior do que se imaginava até então[9][10].

Até o presente momento, o município de Elói Mendes conta com apenas um sítio arqueológico conhecido. Trata-se do Sítio dos Olhos, um antigo assentamento indígena associado à Tradição Aratu-Sapucaí[11]. Identificado em 1970, quando os proprietários da Fazenda dos Óleos preparavam a terra de um morro de pequenas dimensões para plantio de café, o sítio contava com diversas urnas funerárias, instrumentos líticos e outros fragmentos de utensílios cerâmicos. Na época, a descoberta do sítio chegou a ser noticiado no Jornal do Brasil, sendo especulado (embora nunca confirmado) que os vestígios pertenceriam aos Cataguases[12]. Também conhecidos como Mandiboias[13], habitavam os vales dos rios Sapucaí e Dourado durante os primeiros séculos de colonização portuguesa, fato que levou boa parte do atual território mineiro a ser outrora conhecido como “Sertão dos Cataguases”[14].

Embora tenham restado poucas informações a respeito dos grupos indígenas que habitavam a região sul de Minas Gerais por volta do século XVI, quando teve início a colonização europeia, algumas fontes indicam a presença de Tamoios, Puris (também conhecidos como Coroados), Caiapós, Bororos e Lopos, além dos já mencionados Cataguases. Embora os Tamoios (termo originário "ta'mõi", que, em língua tupi, significa "avós"[15]) habitassem áreas próximas da atual divisa com o estado de São Paulo, junto à Serra da Mantiqueira[16], algumas fontes indicam que só teriam lá se estabelecido após a chegada dos portugueses no litoral. Tal ação teria caráter de fuga, tendo em vista a sistemática escravização imposta pelos lusitanos às populações ameríndias litorâneas[14]. Já os Puris, também chamados de Coroados, se estendiam por toda a região entre a margem direita do rio Doce e o vale setentrional do rio Paraíba do Sul[17]. Caiapós e Bororos, por sua vez, habitavam áreas próximas do rio das Velhas e rio Grande, sendo os primeiros frequentemente retratados pelos europeus como hostis, o que teria atrasado sobremaneira a consequente expansão portuguesa sobre seu território[18]. Por fim, também os Lopos habitavam as matas da Serra da Mantiqueira, a qual chegou a ser conhecida como Serra dos Lopos até o século XVIII, dada à quantidade de aldeias que lá existiam[19].

Embora falantes de idiomas diferentes, Puris, Caiapós e Bororos são geralmente classificados como pertencentes ao tronco Macro-Jê[17], sendo os Tamoios e Lopos associados ao tronco linguístico Tupi-Guarani. Semi-sedentários, todos estes grupos alteravam a localização de seus assentamentos conforme a disponibilidade de recursos, o que faz com que diversas rotas fluviais e terrestres tenham sido percorridas e habitadas ao longo do sul do atual estado de Minas Gerais. As residências eram relativamente pequenas, sendo variados os espaços de convívio e habitação conforme as práticas culturais de cada um dos grupos. Nessa região, sabe-se que os cultivares mais frequentemente plantados pelos ameríndios era o milho, algodão e tubérculos, sendo comum também o manejo de diversas árvores frutíferas, com destaque para a colheita de castanhas da sapucaia[20]. A presença portuguesa no território meridional mineiro se deu primeiro com as entradas e bandeiras durante o século XVII, quase todas partindo de vilas paulistas como São Vicente e São Paulo de Piratininga. O objetivo oficialmente declarado de tais empreitadas pelo interior brasileiro era a descoberta de metais preciosos, como ouro e prata, embora a escravização de indígenas para uso nas plantações de cana-de-açúcar com frequência foi o principal motivador[21]. Das diversas expedições que atravessaram a região, ficaram famosas as de João Botafogo (1596), André Leão (1601), Martim Correa de Sá, Padre João Farias, Matias Cardoso de Almeida (1664) e Fernão Dias Paes Leme (1674)[19][22]. De acordo com as fontes históricas, este último teria angariado cerca de 600 homens em busca de esmeraldas e indígenas para apresamento[23]. Em homenagem ao ocorrido, indubitavelmente um dos vários meios pelo qual se assegurou a posse portuguesa dessas terras, o nome do bandeirante segue eternizado na Rodovia BR-381, a qual liga os estados de Minas Gerais e São Paulo. Cabe citação também as incursões do bandeirante Lourenço Castanho Tacques, o Moço, pelo baixo vale do rio Sapucaí em fins do século XVII, sendo este responsável pela expulsão dos índios Cataguases daquela região[17].

As últimas décadas dos Seiscentos também marcam a descoberta de minas de ouro ao norte dos sertões mais conhecidos da Capitania de São Paulo, suscitando uma intensificação da presença de colonos na região. Com isso, fortalece-se a exploração de territórios em busca de novos veios de metais preciosos, bem como fundação de arraiais, povoados e fazendas (em especial, voltadas para o plantio da cana-de-açúcar) em algumas áreas do atual estado mineiro. Após numerosos conflitos entre os próprios colonos e também contra a administração colonial – como a famosa Guerra dos Emboabas e Revoltas de Pitangui e Vila Rica –, casos que evidenciaram a necessidade de estabelecer controle mais efetivo sobre a exploração aurífera regional, em 1720 a capitania de São Paulo e Minas de Ouro foi dividida. Com isso, em 12 de setembro daquele ano é criada a Capitania de Minas Gerais, sendo sua capital a já mencionada Vila Rica (atual Ouro Preto) e seu primeiro governador, Dom Lourenço de Almeida[23]. Conflitos seguidos, desvio da produção aurífera, escassez de alimentos e outros recursos também provocaram medidas administrativas especificamente voltadas para a regularização da ocupação territorial da capitania[24].

Segundo consta, o povoamento do vale do Sapucaí por pequenos arraiais teve início já nas primeiras décadas do século XVIII, caso do povoado de Campanha, embora as autoridades da Capitania tivessem declarado os sertões proibidos para ocupação em 1736[19]. Contudo, data de 1792 a primeira evidência de ocupação da região do ribeirão da Mutuca (atual município de Eloi Mendes), sendo proveniente de um termo de óbito feito em Campanha em 5 de março daquele ano[25]. Embora não seja bem conhecida a origem do chamado arraial da Mutuca, sabe-se que o povoado teria sido fundado em 1810, por ordem do Frei Cypriano de São José, o qual teria mandado erigir uma capela em honra ao Divino Espírito Santo no local[25]. Tal edificação religiosa teria sido uma reivindicação de Dona Francisca do Espírito Santo, viúva e herdeira da Fazenda do Morro Preto (justamente onde a capela foi erguida), tendo em vista a grande distância das igrejas dos centros populacionais mais desenvolvidos na época[26].

Em setembro de 1828, o povoado teria sido elevado à categoria de distrito de paz. Durante as décadas subsequentes, já sob administração imperial, o paulatino aumento demográfico proporcionou sua elevação à Paróquia em 1º de junho de 1850 e, seis anos após, pela Lei provincial n.º 769, de 02 de maio de 1856, foi elevado à categoria de distrito com a denominação de Espírito Santo da Mutuca[25]. Por volta de 1870, o distrito consistia em um agrupamento de casas no entorno da capela construída no início do século XIX, tendo esta já passada por ampliações e modificações arquitetônicas, sendo acrescidas duas torres ao corpo central[26].

Por conseguinte, o nome da localidade é modificado pelo Decreto n.º 194, de 22 de setembro de 1890, passando a se chamar Espírito Santo do Pontal. Finalmente, em 30 de agosto de 1911, a Lei n.º 556 eleva o então distrito à categoria de município, desmembrando-o do município de Varginha e nomeando-o Elói Mendes.

O nome provém do capitão Joaquim Elói Mendes, conhecido posteriormente como Barão de Varginha, sendo este – juntamente com seu irmão, João Pedro Mendes – responsável por diversas melhorias no povoado ao longo do século XIX, como a primeira escola pública em 1909[25][26]. Nascido em 1826 no povoado que posteriormente daria o nome, era filho de João José Mendes e de Bárbara Maria Rangel, recebendo o título de “Barão de Varginha” em 27 de junho de 1888. Tendo falecido em 1913, o barão chegou a ver seu povoado de origem tornar-se um município, reivindicação política da qual teria sido um dos principais defensores[26]. Sepultado na própria cidade, o túmulo do Barão de Varginha é considerado patrimônio histórico municipal[27].

Também do século XIX data a introdução da cafeicultura na região, o qual logo se tornou um dos principais produtos agrícolas de Eloi Mendes ao longo das décadas seguintes[19]. Nesse mesmo período são planejadas e construídas linhas ferroviárias pelo sul de Minas Gerais, como a Minas and Rio Railway Co. (1880), E. F. Muzambinho (1887) e Cia. E. F. Sapucaí (1887), as quais foram por várias décadas o principal eixo exportador da produção agropecuária de Eloi Mendes e região[19].

Por fim, Eloi Mendes conta com os seguintes bens materiais e imateriais, tombados e registrados, respectivamente, enquanto patrimônio histórico e cultural municipais. São eles[28]:


  • Caixa d'água;
  • Capela do Hospital Nossa. Senhora da Piedade
  • Capela do Pretório;
  • Colégio São Luís Gonzaga
  • Igreja Matriz do Divino Espírito Santo, construída na década de 1930 em estilo neo-românico;
  • Clube de Eloi Mendes;
  • Prédio Targino Nogueira;
  • Igreja Nossa Senhora do Rosário;
  • Praça da Bandeira (conjunto paisagístico);
  • Praça da Matriz (conjunto paisagístico);
  • Praça do Rosário (conjunto paisagístico);
  • Praça São Sebastião (conjunto paisagístico);
  • Praça do Pretório (conjunto paisagístico);
  • Imagem do Senhor Morto (bem móvel tombado).


GeografiaEditar

AltitudesEditar

  • altitude máxima: 1.084 m. Local: Cab. Córrego Pitangueira
  • altitude mínima: 793 m. Local: Represa de Furnas
  • altitude no centro da cidade: 889,36 m

TemperaturasEditar

RelevoEditar

Porcentagens da topografia: plano: 10%; ondulado: 65%; montanhoso: 25%

HidrografiaEditar

Fontes: Instituto de Geociências Aplicadas - IGA (CETEC), Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Informações rodoviáriasEditar

Municípios limítrofesEditar

Três Pontas, Paraguaçu, Cordislândia, Monsenhor Paulo e Varginha.

Fontes: Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de MG, Ferrovia Centro Atlântica - FCA, Estrada de Ferro Vitória Minas, Diretoria de Eletrônica e Proteção ao Vôo / Ministério da Aeronáutica.

AgropecuáriaEditar

Os principais produtos agrícolas desenvolvidos no município, são o café em sua relevante importância para o comércio e a economia local, o arroz que é comercializado em casca, amendoim em casca, a banana, a cana de açúcar, feijão, mamona, mandioca e o milho. Na pecuária eloiense encontramos a criação de diversos tipos de animais, como asisinos, bovinos, bubalinos, caprino, eqüinos, galínaceos, muares, ovinos e suínos.

TurismoEditar

A vocação turística do Município de Elói Mendes é enorme, vez que o mesmo é cortado por vários cursos de água, tendo como principais os rios Verde, Sapucaí e São Domingos, dentre outros, além de cachoeiras e o grande Lago de Furnas, cercado por muitos morros onde podem ser desenvolvidas várias atividades turísticas.

Um dos atrativos é o monumento do Cristo Redentor, uma estátua de 39 (trinta e nove) metros de altura, uma das maiores do país.

Referências

  1. Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Lista por santos padroeiros» (PDF). Descubra Minas. p. 10. Consultado em 14 de setembro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 14 de setembro de 2017 
  2. Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. «Busca Faixa CEP». Consultado em 1 de fevereiro de 2019 
  3. «Três cidades de Minas elegeram novos prefeitos neste domingo». Estado de Minas. 7 de julho de 2019. Consultado em 8 de julho de 2019 
  4. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  6. a b «População estimada 2017» 
  7. «Ranking IDHM Municípios 2010». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2013. Consultado em 15 de junho de 2015 
  8. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2015». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 21 de março de 2018 
  9. NEVES, Walter; PILÓ, Luís Beethoven (2008). O Povo de Luzia – em busca dos primeiros americanos. São Paulo: Globo 
  10. SALLES, Silvana (8 de novembro de 2018). «DNA antigo conta nova história sobre o povo de Luzia». Jornal da USP. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  11. «Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  12. Jornal do Brasil (27 de outubro de 1970). «"Cientistas veêm restos de cemitério indígena achado em fazenda ao Sul de Minas"». Biblioteca Nacional Digital. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  13. MEMÓRIA ARQUITETURA (2008). O Patrimônio Cultural de Paraguaçu/MG: acervo arquitetônico e urbanístico do distrito sede. Paraguaçu: Prefeitura de Paraguaçu 
  14. a b RIBEIRO, Núbia (2008). Os povos indígenas e os Sertões das Minas do Ouro no Século XVIII (PDF). São Paulo: Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas/USP 
  15. SILVEIRA BUENO, Francisco (1998). Vocabulário Tupi-Guarani-Português. São Paulo: Éfeta 
  16. Nimuendaju, Curt (2017). «Mapa etno-histórico de Curt Nimuendaju». Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  17. a b c OLIVEIRA, Ênio (2012). «O Paradigma da Extinção: Desaparecimento dos Índios Puris em Campo Alegre no Sul do Vale do Paraíba» (PDF). Anais do XV Encontro Regional da História da ANPUH. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  18. LOWIE, Robert (1946). STEWARD, Julian, ed. The Southern Cayapó. Handbook of South American Indians – vol. 3: The Tropical Forest tribe. Washington D.C.: United States Government Printing Office 
  19. a b c d e COSTA, Maria Lúcia (2007). «O Rio Sapucaí: Anotações Para Uma Narrativa Histórica». FUNDAMAR. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  20. METRÁUX, Alfred (1946). STEWARD, Julian, ed. The Purí-Coroado Linguistic Family. Handbook of South American Indians – vol. 3: The Tropical Forest tribes. Washington D.C.: United States Government Printing Office 
  21. MONTEIRO, John (2001). Tupis, Tapuias e os historiadores: Estudos de História Indígena e do Indigenismo (PDF). Campinas: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas/UNICAMP 
  22. HENRIQUES JÚNIOR, Gilmar (2006). Arqueologia regional da província cárstica do Alto São Francisco: um estudo das tradições ceramistas Una e Sapucaí (PDF). São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia/USP 
  23. a b VASCONCELLOS, Diogo (1904). História Antiga das Minas Geraes. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado das Minas Geraes 
  24. DEL PRIORE, Mary; VENÂNCIO, Renato (2001). O Livro de Ouro da História do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro 
  25. a b c d «Elói Mendes - História e Fotos». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2017. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  26. a b c d «Histórico da Cidade». Prefeitura Municipal de Elói Mendes. 8 de março de 2018. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  27. «Túmulo do Barão Joaquim Eloy Mendes». MinasGerais.com.br. Consultado em 14 de novembro de 2019 
  28. «Cultura». Prefeitura Municipal de Eloi Mendes. Consultado em 14 de novembro de 2019 

Ligações externasEditar