Elefante de guerra

Os elefantes de guerra formam armas usadas na história militar da Antiguidade. Os elefantes usados eram de ambos os sexos, com preferência para a utilização de machos nas frentes de batalha da espécie indiana (Elephas maximus) e de uma subespécie extinta (Loxodonta africana pharaoensis) do elefante-africano.[1]

Elefante de guerra do Império Khmer, baixo-relevo em Angkor, final do século XII ou início do XIII
Os elefantes de guerra de Aníbal

Os animais eram treinados a não temerem estrondos muito poderosos, tinhas as presas afiadas e levavam um punhal na tromba. Os animais levavam, ainda, argolas de bronze nas patas para evitar que seus tendões fossem cortados. Foram muito usados pelos exércitos indianos, cartagineses e persas.

HistóriaEditar

Antes dos macedônios invadirem a Ásia, poucos europeus haviam visto elefantes.[2] O primeiro europeu a usar elefantes de guerra foi Alexandre, o Grande, após derrotar Poro, da Índia. Dos reis que o sucederam, quem mais utilizou elefantes foi Antígono Monoftalmo. Pirro capturou os elefantes quando derrotou Demétrio Poliórcetes,[3] quando Pirro conquistou a Macedônia,[4] e utilizou estes elefantes na guerra contra os romanos, que entraram em pânico, não acreditando que eles eram animais.[3]

BibliografiaEditar

  • Kistler, John M. "Animals in the Military: From Hannibal's Elephants to the Dolphins of the U.S. Navy" (em inglês) ABC-CLIO, LLC 2011. ISBN 9781598843460
  • Kistler, John M. "War Elephants" (em inglês) Greenwood Publishing Group 2007. ISBN 9780803260047
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Elefante de guerra

NotasEditar

  Este artigo sobre História Militar é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.