Abrir menu principal

Eleição municipal do Rio de Janeiro em 2016

A eleição municipal do município do Rio de Janeiro em 2016 ocorreu em 2 de outubro (primeiro turno) e 30 de outubro (segundo turno), e elegeu um prefeito, um vice-prefeito, e 51 vereadores responsáveis pela administração da cidade.

2012 Brasil 2020
Eleição municipal do Rio de Janeiro em 2016
2 de outubro de 2016 (primeiro turno)
30 de outubro de 2016 (segundo turno)
Foto oficial de Marcelo Crivella.jpg Marcelo Freixo Perfil (28903087002).jpg
Candidato Marcelo Crivella Marcelo Freixo
Partido PRB PSOL
Natural de Rio de Janeiro, RJ Niterói, RJ
Vice Fernando Mac Dowell
(PR)
Luciana Boiteux
(PSOL)
Votos 1,700,030 1,163,662
Porcentagem 59,36% 40,64%


Brasão da cidade do Rio de Janeiro.svg
Prefeito do Rio de Janeiro

O então prefeito do Rio era Eduardo Paes, do PMDB, reeleito com 64% dos votos válidos no pleito de 2012. Foi o segundo prefeito da história da cidade a governá-la por dois mandatos consecutivos (o outro foi César Maia). Assim como Maia, Paes reelegeu-se no primeiro turno. Seu principal adversário fora o deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, que recebeu 28% dos votos, enquanto os 8% restantes foram distribuídos entre outros seis candidatos.[1] A votação de Freixo foi simbólica, uma vez que, no início da campanha, pesquisas de opinião pública indicavam que ele teria entre 7% e 8% dos votos, percentual bem atrás de seus concorrentes.[2] Porém, às vésperas do pleito, o deputado superou a barreira dos 20%, obtendo mais votos do que os candidatos de partidos tradicionais da política brasileira. Freixo obteve, inclusive, votação superior à de Fernando Gabeira, principal adversário de Paes no primeiro turno de 2008. Atribui-se o sucesso do psolista à alta participação de jovens na eleição de 2012, a maior em vinte anos.[3]

Paes não podia disputar a reeleição, uma vez que a Constituição brasileira permite apenas o cumprimento de dois mandatos consecutivos. Até fevereiro de 2016 havia oito pré-candidatos ao cargo de prefeito do Rio,[4] número que subiu para nove em março, quando Clarissa Garotinho decidiu retornar à disputa.[5]

As convenções partidárias para a escolha dos candidatos tiveram lugar entre os dias 20 de julho e 5 de agosto.[6] A propaganda eleitoral gratuita no Rio de janeiro começou a ser exibida em 26 de agosto e terminou em 29 de setembro.[6]

Segundo a lei eleitoral, o sistema de dois turnos – caso o candidato mais votado recebesse menos de 50%+1 dos votos – está disponível apenas em cidades com mais de 200 mil eleitores, como é o caso do município do Rio de Janeiro. Onde caso houver segundo turno, a propaganda eleitoral gratuita voltará a ser exibida em 10 de outubro e terminará em 28 de outubro.[7]

Com 59,36% dos votos válidos[8] – correspondente a 1 700 030 votos – Marcelo Crivella, (PRB) foi eleito em segundo turno prefeito do Rio de Janeiro em sua terceira tentativa de chegar ao Palácio da Cidade (as outras duas foram em 2004 e 2008). O oponente, Marcelo Freixo (PSOL) obteve 40,64% dos votos (1 163 662). O número de abstenções foi de 1 314 950 de eleitores, um total de 26,85%.[9] Esta é a primeira vez que o PRB conquista uma prefeitura em uma capital. Crivella foi eleito para um mandato de 4 anos que começa dia 1 de janeiro de 2017 e com término previsto para 31 de dezembro de 2020.

Freixo só conseguiu ir ao 2º turno porque a esquerda concentrou todos os seus votos nele, deixando Jandira Feghali com 3,34% no primeiro turno (ela possuía quase 10% da intenção de voto até a véspera da eleição);[10] em contrapartida, a direita fragmentou seus votos em Pedro Paulo, Flávio Bolsonaro, Índio da Costa e Carlos Osório (que ficaram com 47,73% dos votos válidos), não enviando nenhum dos 4 ao segundo turno. Freixo quase não conseguiu ir ao segundo turno, obtendo 18,26% dos votos válidos contra 16,12% de Pedro Paulo e 14% de Bolsonaro.[11] No segundo turno, as pessoas que votaram nestes 4 candidatos fizeram uma maciça transferência de votos para Crivella.[12]O total de abstenções foi maior que os votos recebidos por Freixo. Crivella obteve 1.700.030 votos, o total de abstenções foi de 1.314.950 (sem contar os 569.536 votos nulos e os 149.866 votos brancos) e o candidato do PSOL teve 1.163.662 votos.[13][14] Ou seja, de um total de 4.898.044 de eleitores da cidade do Rio de Janeiro, Freixo recebeu somente um pouco acima de 23% dos votos possíveis da população, perdendo para um candidato com alto índice de rejeição.

Alguns fatos políticos como o impeachment da então presidente Dilma Rousseff e a prisão dos ex-governadores Anthony Garotinho e de Sergio Cabral, ocorreram no desenrolar das eleições municipais cariocas de 2016.

Índice

ContextoEditar

As eleições municipais de 2016 em todo o Brasil serão marcadas pela crise política nos partidos tradicionais, relacionada ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.[15] No Rio de Janeiro,[16] especificamente, o cenário será marcado pela realização dos Jogos Olímpicos (entre os dias 5 e 21 de agosto de 2016) e Paralímpicos de Verão (entre 7 e 18 de setembro), que deverão ocorrer de maneira simultânea à campanha eleitoral. Além disso, verifica-se uma acentuada crise financeira no estado, o que levou ao atraso no pagamento dos salários de servidores estaduais.[17]

Em 17 junho de 2016 a crise que atinge o Rio de Janeiro levou o governador em exercício, Francisco Dornelles, a decretar estado de calamidade pública, a 49 dias do início da Olimpíada no RJ. Essa é a primeira vez na história que o estado toma medida semelhante na área financeira.[18]

A chamada esquerda politica está representada em três pré-candidaturas para o pleito de 2016 no Rio de Janeiro. No meio politico, começaram a haver especulações de que os candidatos da dita esquerda se 'acotovelariam', trocando ofensas durante a campanha. À medida em que essa informação era noticiada, Alessandro Molon (REDE), Marcelo Freixo (PSOL) e Jandira Feghali (PC do B/PT), se reuniram em ato político para firmar um acordo de não agressão durante o primeiro turno.[19][20]

A respeito do atraso em divulgações de pesquisas de opinião por parte dos principais institutos Datafolha, Ibope, entre outros, em artigo divulgado na imprensa, o presidente nacional do PSOL, Luiz Araújo, citou que a pré-candidatura de Freixo tem chances reais de ir para o segundo turno nas eleições de outubro: “Às duas pesquisas se somam as informações de que Marcelo Freixo desponta como o nome da esquerda para disputar o segundo turno no Rio de Janeiro, potencial que certamente estará presente quando os institutos tiverem coragem de divulgar as pesquisas internas que estão fazendo até o momento”.

Jogos Olímpicos e ParalímpicosEditar

Para algumas regiões da cidade a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Verão trouxe impactos negativos, conforme denúncias feitas pela relatoria do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas para o Direito à Moradia. Segundo as denúncias, em áreas da Zona Oeste (como as Vilas Recreio II, Harmonia e Restinga, localizadas no Recreio dos Bandeirantes), o epicentro dos Jogos, ocorreram remoções forçadas de moradores.[21] Além disso, o vice-presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), John Coates, teria reclamado de atrasos nas obras de construção e infraestrutura dos Jogos.[22] Cogitou-se, à época, que caso o Rio não estivesse pronto a tempo, Londres poderia sediar os Jogos de forma emergencial. No entanto, a ideia foi prontamente desmentida por uma porta-voz do COI, alegando que isso "nunca foi pensado e que era uma ideia falsa".[22][23]

 
Marina da Glória, local de competições de vela.

Também chamou a atenção da mídia internacional a poluição das águas marítimas do Rio. Em julho de 2015 a Associated Press encomendou quatro rodadas de testes sobre a qualidade da água nos três locais de competições aquáticas (Marina da Glória na Baía de Guanabara, praia de Copacabana e Lagoa Rodrigo de Freitas) e também na praia de Ipanema, ponto muito frequentado por turistas, mas onde não será realizado nenhum evento olímpico. Os resultados dos testes indicaram altas contagens de adenovírus, rotavírus, enterovírus e coliformes fecais em algumas amostras. Esses são vírus conhecidos por causar doenças estomacais, respiratórias e outras, incluindo diarreia aguda e vômitos. As concentrações dos vírus foram aproximadamente as mesmas que são encontradas em esgoto puro. A Lagoa Rodrigo de Freitas, que foi declarada segura para remadores e canoístas, apresentou as águas mais poluídas entre todos os locais de competições.[24] Ao apresentar a candidatura olímpica, as autoridades locais prometeram um programa de 4 bilhões de dólares para a expansão da infraestrutura de saneamento básico. Como parte do projeto olímpico, o estado do Rio de Janeiro prometeu construir unidades de tratamento de resíduos em oito rios para filtrar parte dos esgotos e impedir que toneladas de resíduos caseiros fluíssem para a Baía de Guanabara. Apenas uma unidade foi entregue. O governador do estado, Luiz Fernando Pezão, reconheceu que "para a Olimpíada não dá tempo" de terminar a limpeza da baía. Já o prefeito Eduardo Paes lamentou que as promessas olímpicas não tenham sido cumpridas, acrescentando que os Jogos estão se mostrando "uma oportunidade perdida" para a cidade no que diz respeito ao tratamento das águas.[24]

 
Trecho da Ciclovia Tim Maia que desabou em 21 de abril de 2016.

Desabamento de cicloviaEditar

O prefeito Eduardo Paes estava em Atenas, na Grécia, em 21 de abril de 2016, onde participaria de cerimônia de acendimento da tocha Olímpica, quando soube do desabamento de um trecho da ciclovia Tim Maia, que ruiu devido a uma ressaca marítima.[25] Construída pela administração de Paes, a ciclovia foi considerada "a mais bonita do mundo" devido à localização e à vista,[26] sendo inaugurada em janeiro de 2016. Após a tragédia, que ocorreu em ano eleitoral e causou a morte de dois ciclistas,[27] foi revelado que a construtora responsável pela obra pertencia à família do secretário municipal de turismo, Antônio Pedro Figueira de Mello.[28]

Pré-candidaturasEditar

  • Alessandro Molon (REDE): Deputado federal, mais conhecido por ter sido o relator do Marco Civil da Internet. A Rede Sustentabilidade confirmou em convenção partidária realizada no dia 31 de julho, no Casarão Ameno Resedá, no Catete, na Zona Sul do Rio, a candidatura de Alessandro Molon para a Prefeitura do Rio.[29] Molon conta com o apoio do Partido Verde (PV)[30]e do Partido Pátria Livre (PPL).Em 2015 ficou em 14° lugar no prêmio congresso em foco, que premia os melhores parlamentares.[31]
  • Carmen Migueles (NOVO): candidata pelo recém aprovado pelo Partido Novo. Seu vice será Tomas Pelosi.
  • Clarissa Garotinho (PR): após eleger-se deputada federal em 2014, foi cotada como candidata do PSDB à prefeitura. No final de 2015 anunciou que estava grávida do namorado, o empresário Marcos Altive. Poderia, mesmo assim, sair candidata pelo PR.[33]Em julho de 2016, Garotinho declara apoio a Marcelo Crivella (PRB).[34]
  • Hugo Leal (PSB): recém-filiado ao PSB, o deputado federal apresentou seu nome após a desistência do senador e ex-futebolista Romário de concorrer à prefeitura.[32] Segundo o jornal O Dia, deve encontrar resistência em seu partido e desistir da disputa.[4] Segundo a coluna Painel FC da Folha de S. Paulo, o PSB deve apoiar Pedro Paulo em troca do Ministério do Esporte, que seria assumido por Romário, num eventual governo de Michel Temer.[36] Na Convenção do partido, foi deliberado que Hugo seria o vice de Indio da Costa, naquele pleito.
  • Indio da Costa (PSD): candidato a vice-presidente na chapa encabeçada por José Serra na eleição de 2010, o deputado federal recebeu o aval do presidente nacional de seu partido Gilberto Kassab para concorrer à prefeitura.[32] Segundo o jornal O Dia, Costa enfrenta dificuldades para se viabilizar e pode vir a desistir da disputa.[4]Entretanto, em 30 de julho, foi confirmado como candidato a prefeito,[37] recebendo o apoio do PR, do PSB e do PMB.[38]
  • Jandira Feghali (PCdoB): deputada federal, obteve 9,8% dos votos na eleição municipal de 2008 e sua candidatura era defendida por uma ala minoritária do PT.[32] Vinha tendo dificuldades para viabilizar sua candidatura,[4] mas recebeu o apoio do PT após o rompimento da aliança nacional entre PT e PMDB, o que motivou o PT fluminense a entregar seus cargos na administração de Paes.[39] A presença do ex-presidente no lançamento da pré-candidatura da deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) à Prefeitura do Rio de Janeiro, pode significar um possível apoio de Lula à candidata do PCdoB[40] que na reta final da campanha, recebeu em seu palanque a presença de Lula e Dilma. Em 24 de julho, o PC do B aprova em convenção o nome de Jandira à Prefeitura com Edson Santos (PT) como candidato à vice.[41]
  • Marcelo Crivella (PRB): Em março de 2016, o senador teria confirmado sua saída do PRB e o ingresso no PSB.[42] Mais tarde desmentiu sua ida para o PSB, dizendo que havia recebido proposta do partido, porém optou por permanecer no PRB. Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, é alvo frequente de críticas.[43][44] Busca uma aliança com o também senador Romário (PSB) para ampliar sua votação para além dos setores evangélicos, o que teria limitado sua votação em 2004 e 2008..Em 31 de julho de 2016 a candidatura foi oficializada.[45] Recebeu o apoio do senador Romário, na reta final da disputa.
  • Marcelo Freixo (PSOL): Segundo colocado nas eleições anteriores, e deputado mais votado do Rio e do Brasil, o deputado estadual que lidera as pesquisas de intenção de voto, ao lado de Crivella, oficializou sua candidatura em 15 de dezembro de 2015, em convenção da qual participaram vários simpatizantes. O PSOL quis evitar as primárias fazendo a escolha por consenso. Freixo foi procurado por PT e PCdoB para possíveis alianças no pleito municipal carioca. Freixo, no entanto, condicionou qualquer tipo de aliança a um "conteúdo programático" e garantiu que se recusará a debater a sucessão de Paes em torno de trocar de cargos por tempo de TV no horário eleitoral gratuito.[46][47]Oficializou sua candidatura em 20 de julho, formando chapa com o PCB.[carece de fontes?] Também apoiou a candidatura de Freixo o grupo sem registro eleitoral Polo Comunista Luiz Carlos Prestes (PCLCP).[48]
  • Pedro Paulo Carvalho (PMDB): o atual secretário municipal de coordenação de governo é o candidato situacionista e terá que defender as realizações e os erros da administração Paes. Após ter lançado sua candidatura admitiu ter agredido fisicamente a ex-esposa.[49][50] Embora tenha tentado reduzir a dimensão do episódio, qualificando-o como descontrole provocado por ciúmes, não contestou os relatos apresentados à polícia em 2008 e 2010 pela companheira. Pela campanha deflagrada contra as atitudes do candidato e pelas mesmas potencialmente também atingirem alguns setores sociais da classe média, a pré-candidatura de Pedro Paulo sofreu uma considerável queda em sua popularidade. Apontado como um dos possíveis substitutos de Pedro Paulo, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio, aparece com 1,4%.[51][52] Apesar de contar com o apoio de vários partidos (dentre eles o DEM),[4] Após o Senado instaurar processo de impeachment contra Dilma em 16 de maio de 2016, perdeu o apoio do PT após ter votado de maneira favorável ao impeachment de Dilma Rousseff.[39] Oficializou sua candidatura em 20 de julho ao lado de diversas lideranças, entre elas o prefeito Eduardo Paes. No dia 25 de julho, o PDT anuncia apoio a Pedro Paulo e anuncia Cidinha Campos como pré-candidata a vice-prefeita.[53] De acordo com o site "O que fez seu deputado",[54] criado pela PUC-RJ, Pedro Paulo se absteve de diversas votações relevantes, como a PEC 37, PEC das Domésticas, Novo Código Florestal, Marco Civil da Internet, Fim do Voto Secreto, PEC do Trabalho Escravo, Tribunais Federais e Migração Partidária. Pedro Paulo participou de apenas uma votação relevante em seu mandato, a que tratava da Redistribuição dos Royalties do Petróleo.
  • Cyro Garcia (PSTU) O PSTU lançou o nome de Cyro Garcia a prefeitura do Rio de Janeiro e de Marília Macedo a vice-prefeita.
  • Rodrigo Amorim (PRP): Em 28 de junho de 2016, o presidente municipal do partido e secretário regional do PRP, Rodrigo Amorim, manifestou a vontade de lançar-se pré-candidato à prefeito do Rio.[55] Em agosto de 2016, o partido oficializa apoio a Flávio Bolsonaro e Amorim passa a ser vice na chapa.[56]
  • Romário (PSB): Romário vem sendo cogitado como candidato a prefeito do Rio desde que seu nome apareceu em segundo lugar numa pesquisa de intenção de voto realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas em meados de 2015.[57] Segundo a coluna Painel FC da Folha de S. Paulo, o ex-jogador está em dúvida entre se lançar candidato e apoiar Marcelo Crivella ou Pedro Paulo, sendo que esta última opção poderia lhe garantir a vaga de ministro do Esporte num eventual governo de Michel Temer.[36] Em abril de 2015, concedeu uma polêmica entrevista à revista Placar em que revelou pela primeira vez o desejo de um dia se tornar prefeito do Rio de Janeiro e disse uma frase emblemática sobre a política brasileira:

Em seguida à publicação, o senador pediu desculpas em sua conta no Facebook e disse que se empolgou durante a entrevista. Ele afirmou em nota que "existem ótimos políticos no Congresso Nacional”.[59] Em 21 de julho, Romário desiste da pré-candidatura.[60] Em setembro de 2016, declarou apoio ao candidato Marcelo Crivella.

CandidaturasEditar

Primeiro turnoEditar

Candidatos à prefeito Candidatos à vice Número
Eleitoral
Coligação Tempo de horário eleitoral
Alessandro Molon
(REDE)
Roberto Anderson
(PV)
18
0m 18s
Carlos Osorio
(PSDB)
Aspásia Camargo
(PSDB)
45
1m 16s
Carmen Migueles
(NOVO)
Tomas Pelosi
(NOVO)
30
Partido não coligado
0m 05s
Cyro Garcia
(PSTU)
Marília Macedo
(PSTU)
16
Partido não coligado
0m 05s
Flávio Bolsonaro
(PSC)
Rodrigo Amorim
(PRP)
20
0m 23s
Indio da Costa
(PSD)
Hugo Leal
(PSB)
55
1m 24s
Jandira Feghali
(PCdoB)
Edson Santos
(PT)
65
1m 27s
Marcelo Crivella
(PRB)
Fernando Mac Dowell
(PR)
10
1m 11s
Marcelo Freixo
(PSOL)
Luciana Boiteux
(PSOL)
50
0m 11s
Pedro Paulo
(PMDB)
Cidinha Campos
(PDT)
15
3m 30s
Thelma Bastos
(PCO)
Wagner Rolo
(PCO)
29
Partido não coligado
0m 05s

Segundo turnoEditar

Em 2 de outubro foi realizada a votação em primeiro turno. Como o Rio de Janeiro tem mais de 200 mil eleitores, segundo a lei eleitoral em vigor é adotado o sistema de dois turnos, que é iniciado caso o candidato mais votado receber menos de 50% +1 dos votos.

Candidato a prefeito Candidato a vice Número
eleitoral
Coligação
Marcelo Crivella
(PRB)
Fernando Mac Dowell
(PR)
10
Marcelo Freixo
(PSOL)
Luciana Boiteux
(PSOL)
50

Pesquisas de opiniãoEditar

Na pré-campanha, o Instituto Paraná Pesquisas realizou uma sondagem em dezembro de 2015, onde Romário liderava com Crivella em segundo e Freixo em terceiro. Em Abril daquele ano, o Instituto Gerp, ligado a Rede Record de Televisão, divulgou pesquisa apontando Crivella em primeiro e Freixo em segundo lugar. No mês de julho realizou novas abordagens com a mesma situação, de Crivella na liderança e Freixo na segunda posição. Pesquisa do Instituto Paraná, realizada em julho, apontou o bispo licenciado da Universal em primeiro, e o deputado do PSOL na segunda colocação. O Instituto IBPS também sondou entrevistados, em junho de 2016, com Crivella em primeiro e Freixo em segundo, apontando segundo turno entre ambos.

Pré-candidatosEditar

Período da
pesquisa
21/04/2016
24/04/2016
02/07/2016
06/07/2016
27/07/2016
31/07/2016
Instituto Instituto
Gerp
Instituto
Gerp
Paraná
Pesquisas
Margem de erro 5% 3% 3,5%
Marcelo Crivella (PRB) 35% 32% 33,3%
Marcelo Freixo (PSOL) 9% 6% 13,8%
Flávio Bolsonaro (PSC) 4% 6% 8,3%
Jandira Feghali (PCdoB) 3% 7,9%
Indio da Costa (PSD) 2% 4,8%
Pedro Paulo (PMDB) 3% 3% 4,6%
Carlos Osorio (PSDB) 2% 3% 4,2%
Alessandro Molon (REDE) 5% 1% 2,9%
Romário (PSB) 10%
Brancos ou Nulos 26% -- 12,6%
Indecisos 15% -- 7,7%

Candidatos (1º turno)Editar

Data 23/08/2016 25/08/2016 26/08/2016 06/09/2016 09/09/2016 14/09/2016 22/09/2016 24/09/2016 25/09/2016 26/09/2016 27/09/2016 28/09/2016 28/09/2016 01/10/2016 01/10/2016 01/10/2016
Instituto IBOPE Instituto
Gerp
DataFolha Paraná
Pesquisas
DataFolha IBOPE DataFolha IBPS Instituto
Gerp
IBOPE DataFolha Instituto
Gerp
IBOPE Instituto
Gerp
DataFolha IBOPE
Fonte [61] [62] [63] [64] [65] [66] [67] [68] [69] [70] [71] [72] [73] [74] [75] [76]
Marcelo Crivella (PRB) 27% 33% 28% 33,4% 29% 31% 31% 30% 33% 35% 29% 34% 34% 35% 27% 31%
Marcelo Freixo (PSOL) 12% 10% 11% 10,4% 11% 9% 10% 10% 10% 9% 10% 9% 10% 11% 13% 12%
Pedro Paulo (PMDB) 6% 6% 5% 8,6% 8% 9% 9% 10% 6% 11% 11% 7% 10% 9% 10% 9%
Flávio Bolsonaro (PSC) 11% 9% 9% 8,3% 6% 8% 7% 6% 8% 6% 7% 8% 7% 8% 7% 8%
Indio da Costa (PSD) 5% 3% 4% 5,7% 6% 7% 6% 6% 3% 8% 5% 4% 8% 4% 9% 8%
Jandira Feghali (PCdoB) 6% 7% 7% 7,7% 8% 8% 9% 7% 8% 6% 7% 6% 7% 4% 6% 5%
Carlos Osorio (PSDB) 4% 1% 3% 3,5% 4% 3% 4% 4% 2% 4% 6% 3% 4% 3% 8% 5%
Alessandro Molon (REDE) 3% 2% 2% 1,8% 1% 1% 2% 1% 2% 1% 1% 2% 1% 1% 2% 2%
Carmen Migueles (NOVO) 1% 0% 0% 0,4% 0% 0% 0% 1% 0% 1% 1% 0% 1% 0% 1% 1%
Cyro Garcia (PSTU) 1% 1% 1% 0,6% 0% 1% 1% 0% 0% 0% 1% 0% 0% 0% 0% 0%
Thelma Bastos (PCO) 0% 0,1% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0%
Brancos ou Nulos 20% 18% 20% 12,2% 19% 14% 15% 17% 19% 16% 15% 17% 14% 15% 12% 14%
Indecisos 5% 10% 9% 7,1% 7% 4% 6% 8% 9% 3% 7% 10% 4% 10% 5% 5%
Margem de erro 3% 3% 3,5% 3% 3% 3% 1,7% 3% 3% 3% 3,2% 3% 3% 2% 3%

Candidatos (2º turno)Editar

Data 06/10/2016 10/10/2016 14/10/2016 20/10/2016 26/10/2016 27/10/2016 29/10/2016 29/10/2016
Instituto DataFolha IBOPE DataFolha IBOPE DataFolha IBOPE Datafolha IBOPE
Fonte [77] [78] [79] [80] [81] [82] [83] [84]
Marcelo Crivella (PRB) 44% 51% 48% 46% 46% 46% 43% 43%
Marcelo Freixo (PSOL) 27% 25% 25% 29% 27% 29% 30% 32%
Brancos ou Nulos 18% 21% 19% 21% 19% 22% 19% 23%
Indecisos 10% 3% 8% 4% 8% 3% 8% 2%
Margem de erro 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 3%


Debates televisionadosEditar

Seguindo a tradição, o Grupo Bandeirantes de Comunicação realizou o primeiro debate entre os candidatos à prefeitura nas principais cidades do país. A Band confirmou que no dia 25 de agosto abriria o calendário de debates no 1º turno. E assim o fez. O primeiro debate do 2º turno foi agendado para 7 de outubro.[85] A Rede Record e a Rede Globo serão as últimas a promoverem debates: os do primeiro turno serão nos dias 25 e 29 de setembro, enquanto os do segundo turno serão nos dias 23 e 28 de outubro.[86]A RedeTV! realizou em 9 de setembro o debate do primeiro turno e confirmou para 18 de outubro o debate do segundo turno, também em parceria com UOL,Veja e Facebook[87]

No segundo bloco do debate da Band, Flávio Bolsonaro passou mal e teve que deixar o debate.

Impedido de participar deste mesmo debate, vetado por adversários na disputa, Freixo fez um debate á parte, na Cinelândia, no centro do Rio, o candidato procurou responder os concorrentes que debatiam ao vivo, bem como as perguntas dos telespectadores. A militância da campanha de Freixo acompanhou o debate na praça.

Houve especulações de que Marcelo Freixo não participaria dos debates televisivos. A justificativa dos que defendiam a tese era a de que a reforma feita pelo ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, excluiria partidos com menos de nove deputados. No entanto, graças a um entendimento do STF de que a mini reforma não possui efeito retroativo, Freixo poderá estar presente em todos os debates agendados pelas emissoras. Os deputados da atual legislatura foram eleitos em 2014, um ano antes da aprovação da tal lei, quando não se conhecia essa imposição. Portanto, a nova regra só poderia começar a ser aplicada, na visão dos juristas, a partir de 2018. Em 25 de agosto, o STF determina que as emissoras de TV convidem os candidatos nanicos.[88] A partir do debate da Rede TV! o candidato do PSOL Marcelo Freixo foi convidado.[89] O SBT não realizou debate entre os candidatos do Rio no Primeiro Turno, apenas na cidade vizinha (Niterói).

Já no Segundo Turno, logo após ao debate na TV Bandeirantes, os debates do SBT, jornal O Globo e da Record foram cancelados em virtude do candidato Marcelo Crivella afirmar que não poderia comparecer.[90][91][92]

Isso gerou uma incrível polêmica e revolta dos eleitores, já que o candidato do PSOL, Marcelo Freixo, alegou que ele estava agindo como um covarde fugindo do combate de ideias[93][94] e os eleitores alegaram que a posição do candidato era uma atitude antidemocrática. De acordo com Crivella, ele comparecerá normalmente aos debates da RedeTV! e Globo.[95]

1º TurnoEditar

Data Organizador(es) Carlos Osório
(PSDB)
Marcelo Crivella
(PRB)
Jandira Feghali
(PCdoB)
Flávio Bolsonaro
(PSC)
Pedro Paulo
(PMDB)
Alessandro Molon
(REDE)
Indio da Costa
(PSD)
Marcelo Freixo
(PSOL)
Cyro Garcia
(PSTU)
Thelma Bastos
(PCO)
Carmen Migueles
(NOVO)
25/08/2016 Band Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidado Não convidada Não convidada
09/09/2016 Rede TV!, Veja, UOL, Facebook[96] Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidada Não convidada
25/09/2016 Record[97] Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidada Não convidada
29/09/2016 Globo Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Presente Não convidado Não convidada Não convidada

2° turnoEditar

Data Organizador(es) Marcelo Crivella
(PRB)
Marcelo Freixo
(PSOL)
07/10/2016 Band[98] Presente Presente
18/10/2016 Rede TV!, Veja, UOL, Facebook[99] Presente Presente
28/10/2016 Globo[100] Presente Presente

ResultadosEditar

PrefeitoEditar

Candidato(a) Vice 1º turno
2 de outubro de 2016
2º turno
30 de outubro de 2016
Total Percentagem Total Percentagem
Marcelo Crivella (PRB) Fernando Mac Dowell (PR) 842.201 27,78% 1.700.030 59,36%
Marcelo Freixo (PSOL) Luciana Boiteux (PSOL) 553.424 18,26% 1.163.662 40,64%
Pedro Paulo (PMDB) Cidinha Campos (PDT) 488.775 16,12% Não participaram
Flávio Bolsonaro (PSC) Rodrigo Amorim (PRP) 424.307 14,00%
Indio da Costa (PSD) Hugo Leal (PSB) 272.500 8,99%
Carlos Osório (PSDB) Aspásia Camargo (PSDB) 261.286 8,62%
Jandira Feghali (PCdoB) Edson Santos (PT) 101.133 3,34%
Alessandro Molon (REDE) Roberto Anderson (PV) 43.426 1,43%
Carmen Migueles (NOVO) Tomas Pelosi (NOVO) 38.512 1,27%
Cyro Garcia (PSTU) Marília Macedo (PSTU) 5.759 0,19%
Thelma Bastos (PCO) [nota 1] Wagner Rolo (PCO) 1.463 0,05%
Total de votos válidos 3.031.323 81,73% 2.863.692 79,92%
→ Votos em branco 204.110 5,50% 149.866 4,18%
→ Votos nulos 473.324 12,76% 569.536 15,90%
Total 3.708.857 75,72% 3.583.094 73,15%
Abstenções 1.189.187 24,28% 1.314.950 26,85%
Total de inscritos 4.898.044 100% 4.898.044 100%
  Segundo Turno
  Eleito(a)


Eleição para prefeito do Rio de Janeiro em 2016
Primeiro turno
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PRB Crivella 842 201
 
27,78%
  PSOL Freixo 553 424
 
18,26%
  PMDB Pedro 488 775
 
16,12%
  PSC Bolsonaro 424 307
 
14%
  PSD Indio 272 500
 
8,99%
  PSDB Osorio 261 286
 
8,62%
  PCdoB Jandira 101 133
 
3,34%
  REDE Molon 43 426
 
1,43%
  NOVO Carmen 38 512
 
1,27%
  PSTU Garcia 5 759
 
0,19%
Totais 3 031 323  


Eleição para prefeito do Rio de Janeiro em 2016
Segundo turno
Partido Candidato Votos Votos (%)
  PRB Crivella 1 700 030
 
59,36%
  PSOL Freixo 1 163 662
 
40,64%
Totais 2 863 692  

VereadoresEditar

Candidato(a) Partido Coligação Votação[102]
Porcentagem Total
Carlos Bolsonaro PSC sem coligação 3,65% 106.657
Tarcísio Motta PSOL PSOL - PCB 3,10% 90.473
César Maia DEM sem coligação 2,45% 71.468
Rosa Fernandes PMDB sem coligação 1,98% 57.868
Marielle Franco PSOL PSOL - PCB 1,59% 46.502
Junior da Lucinha PMDB sem coligação 1,54% 45.124
Vera Lins PP sem coligação 1,24% 36.117
João Mendes de Jesus PRB sem coligação 1,08% 31.516
Teresa Bergher PSDB PSDB - PPS 1,05% 30.566
Leandro Lyra NOVO sem coligação 1,00% 29.217
Carlos Caiado DEM sem coligação 0,96% 28.122
Jorge Felippe PMDB sem coligação 28.104
Jairinho PMDB sem coligação 0,89% 26.047
Thiago K. Ribeiro PMDB sem coligação 0,85% 24.900
Alexandre Isquierdo DEM sem coligação 24.701
Marcelinho D'Almeida DEM sem coligação 0,83% 24.116
Chiquinho Brazão PMDB sem coligação 0,82% 23.923
Tânia Bastos PRB sem coligação 0,78% 22.930
Rafael Aloísio Freitas PMDB sem coligação 22.897
Bispo Inaldo Silva PRB sem coligação 22.753
Zico PTB sem coligação 0,74% 21.565
Willian Coelho PMDB sem coligação 0,71% 20.678
Verônica Costa PMDB sem coligação 0,68% 19.946
Dr. Carlos Eduardo SD SD - PSL 19.822
Reimont PT PT - PC do B 0,67% 19.626
Renato Cinco PSOL PSOL - PCB 0,59% 17.162
Luciana Novaes PT PT - PC do B 0,57% 16.679
Marcelo Arar PTB sem coligação 0,56% 16.230
Val PEN PRTB - PROS - PEN 0,53% 15.388
Paula Messina PROS PRTB - PROS - PEN 15.346
Rogério Rocal PTB sem coligação 0,52% 15.055
Dr. João Ricardo PMDB sem coligação 0,51% 14.994
Renato Moura PDT sem coligação 0,46% 13.572
Marcello Siciliano PHS sem coligação 13.553
Dr. Jorge Manaia SD SD - PSL 0,45% 13.249
Paulo Pinheiro PSOL PSOL - PCB 13.141
Jones Moura PSD sem coligação 0,44% 12.722
Dr. Gilberto PMN sem coligação 0,42% 12.165
Fernando William PDT sem coligação 0,41% 12.055
Leonel Brizola Neto PSOL PSOL - PCB 0,38% 11.087
Eliseu Kessler PSD sem coligação 0,37% 10.777
Felipe Michel PSDB PSDB - PPS 0,35% 10.300
Cláudio Castro PSC sem coligação 10.262
Professor Adalmir PSDB PSDB - PPS 0,30% 8.804
Professor Célio Lupparelli DEM sem coligação 8.692
Luiz Carlos Ramos Filho PTN sem coligação 0,29% 8.618
Jair da Mendes Gomes PMN sem coligação 0,28% 8.112
Zico Bacana PHS sem coligação 0,27% 7.932
Otoni de Paula JR. PSC sem coligação 7.801
David Miranda PSOL PSOL - PCB 0,24% 7.012
Italo Ciba PT do B PT do B - PTC 0,21% 6.023

Rendimento Financeiro-EleitoralEditar

Eleição para prefeito - Primeiro turnoEditar

Candidato a prefeito Candidato a vice Total de recursos recebidos[103] Rendimento Eleitoral Eficiência Eleitoral
Alessandro Molon
(REDE)
Roberto Anderson
(PV)
R$ 0 614 527,14 R$ 14,15/voto R$ 428 963 32
para atingir 1% de votos
Carlos Osório
(PSDB)
Aspásia Camargo
(PSDB)
R$ 1 448 114,00 R$ 05,54/voto R$ 168 002,42
para atingir 1% de votos
Carmen Migueles
(NOVO)
Tomas Pelosi
(NOVO)
R$ 0 041 270 98 R$ 01,07/voto R$ 032 484,61
para atingir 1% de votos
Cyro Garcia
(PSTU)
Marília Macedo
(PSTU)
R$ 0 020 137,01 R$ 03.50/voto R$ 105 992,91
para atingir 1% de votos
Flávio Bolsonaro
(PSC)
Rodrigo Amorim
(PRP)
R$ 0 871 698,13 R$ 02,05/voto R$ 062 275,16
para atingir 1% de votos
Indio da Costa
(PSD)
Hugo Leal
(PSB)
R$ 1 166 159,00 R$ 04,28/voto R$ 129 723,96
para atingir 1% de votos
Jandira Feghali
(PCdoB)
Edson Santos
(PT)
R$ 0 474 568,50 R$ 04,69/voto R$ 142 244,32
para atingir 1% de votos
Marcelo Crivella
(PRB)
Fernando Mac Dowell
(PR)
R$ 9 664 174,81 R$ 11,47/voto R$ 347 838,74
para atingir 1% de votos
Marcelo Freixo
(PSOL)
Luciana Boiteux
(PSOL)
R$ 2 342 778,75 R$ 04,23/voto R$ 128 322,31
para atingir 1% de votos
Pedro Paulo
(PMDB)
Cidinha Campos
(PDT)
R$ 9 223 254,27 R$ 18,87/voto R$ 572 010,65
para atingir 1% de votos
Total R$ 25 866 682,59 R$ 08,53/voto R$ 258 540,08
para atingir 1% de votos

Eleição para prefeito - Segundo TurnoEditar

Candidato a prefeito Candidato a vice Total de recursos recebidos[104] Rendimento Eleitoral Eficiência Eleitoral
Marcelo Crivella
(PRB)
Fernando Mac Dowell
(PR)
R$ 9 664 174,81 R$ 05,68/voto R$ 162 792,99
para atingir 1% de votos
Marcelo Freixo
(PSOL)
Luciana Boiteux
(PSOL)
R$ 2 342 778,75 R$ 02,01/voto R$ 057 654,33
para atingir 1% de votos
Total R$ 12 006 953,56 R$ 04,19/voto R$ 120 069,87
para atingir 1% de votos


Notas

  1. A candidata teve sua candidatura impugnada pelo TSE, portanto os votos recebidos não foram considerados.[101]

Referências

  1. «Resultados 1º turno: Rio de Janeiro». Terra. Consultado em 5 de abril de 2015 
  2. TERRA.COM (5 de outubro de 2012). «Freixo: 'pesquisas erraram muito, vamos esperar domingo para ver'». Consultado em 5 de outubro de 2012. Arquivado do original em 6 de outubro de 2012 
  3. Sidney Rezende - Eleição de 2008 no Rio tem menor participação dos jovens desde 1992
  4. a b c d e f «Oito pré-candidatos dão a largada para concorrer à sucessão de Eduardo Paes - Rio - O Dia». O Dia. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  5. «Clarissa Garotinho decide voltar a ser candidata à Prefeitura do Rio». Extra Online. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  6. a b «Eleições 2016: datas e regras». 5 de janeiro de 2016. Consultado em 25 de junho de 2016 
  7. «Calendário eleitoral 2016 - Tribunal Superior Eleitoral» 
  8. «UOL Eleições 2016, Apuração 2º turno». Consultado em 30 de outubro de 2016 
  9. «TSE - Divulgação de Resultados de Eleições». divulga.tse.jus.br. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  10. Datafolha: Crivella tem 31%, Freixo, 10%, e Jandira e Pedro Paulo, 9%
  11. Crivella e Freixo disputam o segundo turno para a Prefeitura do Rio
  12. Ibope: Crivella, 51%, Freixo, 25%, brancos/nulos, 21%, não sabem, 3%
  13. Marcelo Crivella é eleito prefeito do Rio e diz que venceu 'onda de preconceito'
  14. Apuração do Rio
  15. Mariana Schreiber (21 de outubro de 2015). «Qual seria o curso de um eventual processo de impeachment?». BBC. Consultado em 6 de dezembro de 2015 
  16. «Autoridades temem que greve e protesto prejudiquem Copa no Rio». O Globo. 13 de maio de 2014 
  17. http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/03/dornelles-admite-equivoco-em-impasse-do-rj-com-judiciario.html
  18. Cristina Boeckel, Daniel Silveira, Henrique Coelho, Káthia Mello (17 de junho de 2016). «Governo do RJ decreta estado de calamidade pública devido à crise». G1. Globo. Consultado em 18 de junho de 2016 
  19. FERNANDA KRAKOVICS (3 de junho de 2016). «No Rio, Freixo, Molon e Jandira fecham acordo de apoio mútuo em eventual segundo turno». OGLOBO. Consultado em 24 de junho de 2016 
  20. Rede Brasil Atual. «No Rio, Olimpíada esquentará debates. Candidatos de esquerda têm acordo». 14 de junho de 2016. Consultado em 30 de junho de 2016. (...) Jandira Feghali, Marcelo Freixo e Alessandro Molon disputam eleitorado do campo progressista e têm entendimento: o que chegar ao segundo turno deve ter o apoio dos outros dois 
  21. Olimpíadas Truculentas – artigo de Raquel Rolnik, Relatora da ONU para o Direito à Moradia Adequada
  22. a b Moore-Bridger, Benedict (9 de maio de 2014). «Could Rio games come to London? Olympic bosses make secret plea to use 2012 venues» (em inglês). London Evening Standard. Consultado em 2 de julho de 2014 
  23. «Comitê Rio 2016 e COI desmentem jornal inglês sobre Jogos em Londres». GloboEsporte.com. 9 de maio de 2014. Consultado em 2 de julho de 2014 
  24. a b Folha de S.Paulo, ed. (30 de julho de 2015). «Atletas olímpicos irão competir no Rio em água contaminada, mostra análise». Consultado em 1 de agosto de 2015 
  25. «Duas pessoas morrem após desabamento de ciclovia no Rio». Rio de Janeiro. Consultado em 21 de abril de 2016 
  26. População curte 'oficialmente' ciclovia da Niemeyer, no Rio
  27. «Duas pessoas morrem após desabamento de ciclovia no Rio». Rio de Janeiro. Consultado em 21 de abril de 2016 
  28. "Ligada a família do secretário de Turismo, ciclovia de R$ 44 mi cai e mata dois". O Dia. 21 de abril de 2016.
  29. «Rede confirma a candidatura de Alessandro Molon para prefeito do Rio». 31 de julho de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2016 
  30. «Coligação Rede. PV. PPL – Molon é candidato à prefeitura e vice é do Partido Verde - Partido Verde – 43». pv.org.br. Consultado em 13 de agosto de 2016. Arquivado do original em 8 de agosto de 2016 
  31. «Prêmio Congresso em Foco 2015». premio-congressoemfoco.partner.uol.com.br. Consultado em 13 de agosto de 2016 
  32. a b c d [1]
  33. «Clarissa Garotinho decide voltar a ser candidata à Prefeitura do Rio». Extra Online. Consultado em 29 de fevereiro de 2016 
  34. «Garotinho e Crivella juntos no Rio». O Globo. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  35. «Flávio Bolsonaro é confirmado como candidato do PSC a prefeito do Rio». G1. Consultado em 3 de agosto de 2016 
  36. a b [2]
  37. «Índio da Costa é confirmado como candidato do PSD a prefeito do Rio». G1. 30 de julho de 2016. Consultado em 30 de julho de 2016 
  38. «Índio da Costa é confirmado como candidato do PSD a prefeito do Rio». 30 de julho de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2016 
  39. a b [3]
  40. MARCO GRILLO (20 de junho de 2016). «Com Lula, Jandira Feghali lança pré-candidatura a prefeitura do Rio». OGLOBO. Consultado em 2 de julho de 2016 
  41. «PCdoB oficializa campanha de Jandira Feghali à prefeitura do Rio - Portal Vermelho». Consultado em 27 de julho de 2016 
  42. «Marcelo Crivella acerta filiação com PSB para disputar prefeitura do Rio». Estadão 
  43. «BARBOSA, Leocimar Rodrigues. Procurando o Paraíso – Uma análise dos movimentos fundamentalistas das religiões monoteístas. Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 2005.». Tede.biblioteca.ucg.br. Arquivado do original em 24 de abril de 2016 
  44. «ABGLT faz campanha contra Crivella no Rio». Estadão.com.br 
  45. «Crivella e Molon oficializam candidaturas a prefeito do Rio». PV. Consultado em 31 de julho de 2016 
  46. ValorEconômico (22 de abril de 2016). «PT rompe com PMDB no Rio e fará aliança com PSOL ou PCdoB para eleição». Consultado em 22 de abril de 2016 
  47. «PSOL lança Freixo candidato a prefeito do Rio de Janeiro». UOL. 25 de outubro de 2015. Consultado em 24 de fevereiro de 2016 [ligação inativa]
  48. http://www.cclcp.org/index.php/inicio-pclcp/nacional/717-nota-politica-os-comunistas-votam-brizola-neto-50-000-e-freixo-50-nas-eleicoes-do-rio-de-janeiro-rj
  49. Janeiro, Leslie Leitão e Thiago Prado, do Rio de. «Pedro Paulo assume mais uma agressão contra ex-mulher | VEJA.com». VEJA.com. Consultado em 26 de janeiro de 2016. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2016 
  50. «'Quem não exagera numa discussão?', diz Pedro Paulo sobre briga com ex». Rio de Janeiro. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  51. http://oglobo.globo.com/rio/secretario-pedro-paulo-acusado-de-agredir-ex-mulher-17803950
  52. «Pedro Paulo agrediu a ex mais de uma vez, indica boletim de ocorrência». Rio de Janeiro. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  53. «PDT oficializa apoio a Pedro Paulo e Cidinha Campos será vice da chapa - Rio - O Dia». Consultado em 27 de julho de 2016 
  54. «Cópia arquivada». Consultado em 10 de maio de 2016. Arquivado do original em 1 de agosto de 2015 
  55. G1 Rio de Janeiro. «Rodrigo Amorim, do PRP, lança pré-candidatura a prefeito do Rio». 29 de junho de 2016. Consultado em 30 de junho de 2016. (...) Pré-candidata a vice da chapa será a médica Priscila Souza. Lançamento foi na noite desta terça-feira, na Zona Portuária. 
  56. «Informe: Candidato à prefeitura, Flávio Bolsonaro formalizou aliança com PRP». O Globo. Consultado em 10 de agosto de 2016 
  57. «Romário confirma candidatura à Prefeitura do Rio - Rio - O Dia». Consultado em 18 de setembro de 2015 
  58. «De peito aberto: Romário fala com Placar em entrevista especial». Revista Placar. Consultado em 25 de janeiro de 2015. Arquivado do original em 4 de fevereiro de 2016  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  59. «Romário diz que política só tem ladrão, mas volta atrás e pede desculpas». www.correiodeuberlandia.com.br. Consultado em 26 de janeiro de 2016 
  60. «Romário desiste de apoiar candidatura e cogita apoiar Crivella na eleição do Rio». Folha. Consultado em 29 de julho de 2016 
  61. «Crivella tem 27%, Freixo, 12%, e Bolsonaro, 11%, diz Ibope no Rio». Consultado em 7 de setembro de 2016 
  62. «Em nova pesquisa, Crivella lidera corrida pela Prefeitura do Rio». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  63. «Crivella tem 28%, Freixo, 11%, e Bolsonaro, 9% no Rio, diz Datafolha». Consultado em 7 de setembro de 2016 
  64. «Crivella lidera disputa para prefeitura do Rio com 33%, diz pesquisa». Consultado em 7 de setembro de 2016 
  65. «Datafolha: Crivella tem 29%, Freixo, 11%, e Jandira e Pedro Paulo, 8%». Consultado em 9 de setembro de 2016 
  66. «Crivella tem 31%, e Freixo e Pedro Paulo, 9%, aponta Ibope no Rio». Consultado em 14 de setembro de 2016 
  67. «Datafolha: Crivella tem 31%, Freixo, 10%, e Jandira e Pedro Paulo, 9%». Consultado em 23 de setembro de 2016 
  68. «IBPS: Cinco candidatos disputam o segundo lugar no rio». Consultado em 26 de setembro de 2016 
  69. «Gerp: Crivella lidera pesquisa a uma semana da eleicao». Consultado em 26 de setembro de 2016 
  70. «Crivella tem 35%, Pedro Paulo, 11%, e Freixo, 9%, aponta Ibope no Rio». Consultado em 26 de setembro de 2016 
  71. «Crivella tem 29%, Pedro Paulo, 11% e Freixo, 10%, aponta DataFolha no Rio». Consultado em 26 de setembro de 2016 
  72. «Crivella lidera com 34% em pesquisa do Gerp». Consultado em 28 de setembro de 2016 
  73. «Crivella tem 34%, Pedro Paulo e Freixo, 10%, aponta Ibope no Rio». Consultado em 28 de setembro de 2016 
  74. «Gerp divulga pesquisa em que Crivella é primeiro e Freixo segundo». Consultado em 1 de outubro de 2016 
  75. «Rival de Crivella no 2º turno do Rio ainda está indefinido, mostra Datafolha». Consultado em 2 de outubro de 2016 
  76. «Ibope:Votos Válidos=Crivella tem 38%, Freixo 14% e Pedro Paulo 11%». Consultado em 2 de outubro de 2016 
  77. «Datafolha: Crivella, 44%, Freixo, 27%, brancos/nulos, 18%, não sabem, 10%». Consultado em 6 de outubro de 2016 
  78. «Ibope: Crivella, 51%, Freixo, 25%, brancos/nulos, 21%, não sabem, 3%». Consultado em 10 de outubro de 2016 
  79. «Datafolha: Crivella, 48%, Freixo, 25%, brancos/nulos, 19%, não sabem, 8%». Consultado em 14 de outubro de 2016 
  80. «Ibope: Crivella, 46%, Freixo, 29%, brancos/nulos, 21%, não sabem, 4%». Consultado em 21 de outubro de 2016 
  81. «Datafolha: Crivella, 46%, Freixo, 27%, brancos/nulos, 19%, não sabem, 8%». Consultado em 26 de outubro de 2016 
  82. «Pesquisa Ibope: Crivella tem 46%, Freixo tem 29%, brancos/nulos, 22%, não sabem, 3%». Consultado em 27 de outubro de 2016 
  83. «Datafolha, votos válidos: Crivella tem 58% e Freixo, 42%». Consultado em 29 de outubro de 2016 
  84. «Pesquisa Ibope e Datafolha apontam que Crivella será o novo prefeito do Rio». Consultado em 29 de outubro de 2016 
  85. Redação e Jornal da Band (29 de março de 2016). «Eleições: Band acerta detalhes para os debates». Band. Consultado em 23 de junho de 2016. Arquivado do original em 16 de abril de 2016 
  86. Flavio Ricco (15 de julho de 2016). «TVs definem com partidos datas para debates municipais». BOL. Consultado em 15 de julho de 2016 
  87. Flavio Ricco (18 de julho de 2016). «Debates na Rede TV!». UOL. Consultado em 18 de julho de 2016 
  88. «STF decide que nanicos podem participar em debates na mídia, se convidados». UOL. 25 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira (25) liberar a participação de partidos pequenos em debates políticos em rádio e televisão, desde que convidados pelas emissoras de rádio e televisão. As emissoras ficam obrigadas a chamar os candidatos com, no mínimo, dez deputados na Câmara, e podem optar por chamar nanicos e os outros candidatos não podem excluí-los. 
  89. «Após decisão do STF, Erundina e Freixo são convidados para debates na TV». A Tarde. 29 de agosto de 2016. Consultado em 30 de agosto de 2016. A deputada federal Luiza Erundina, candidata do PSOL à Prefeitura de São Paulo, participará na sexta-feira, 2, do debate promovido pela Rede TV. A decisão da emissora de convidá-la foi tomada após a maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) liberar a participação de partidos pequenos em debates políticos em rádio e televisão, desde que convidados pelas emissoras de rádio e televisão. 
  90. «Crivella cancela participação em debates e esconde agenda». Extra. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  91. «SBT cancela entrevista com Freixo após Crivella recusar debate». Boa Informação. Consultado em 19 de outubro de 2016. Arquivado do original em 19 de outubro de 2016 
  92. «Record cancela debate do Rio e levanta dúvida sobre ajuda a candidato sobrinho de Edir Macedo». TV Foco. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  93. «'Quem não quer debater não deve poder governar a cidade', ataca Freixo». O Globo. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  94. «Freixo lamenta postura de Crivella e volta a chamá-lo de covarde». O Globo. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  95. «Freixo chama Crivella de covarde e rival contra-ataca com ironias». Extra. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  96. «Em parceria com VEJA, RedeTV! faz debate eleitoral hoje no Rio». Veja. 9 de setembro de 2016. Consultado em 23 de setembro de 2016 
  97. «Debate para Prefeitura do Rio será dia 25 de setembro na Record». TV Record Rio de Janeiro. Consultado em 23 de setembro de 2016 
  98. «Crivella e Freixo medem forças e deixam ataques de lado em debate». 7 de outubro de 2016. Consultado em 11 de outubro de 2016 
  99. «"Covarde", "irresponsável": Crivella e Freixo trocam ofensas em debate». 18 de outubro de 2016. Consultado em 19 de outubro de 2016 
  100. «Candidatos a prefeito do Rio participam de debate na TV Globo». Eleições 2016 no Rio de Janeiro. 28 de outubro de 2016 
  101. Crivella e Freixo disputam o segundo turno para a Prefeitura do Rio
  102. «UOL Eleições 2016 Rio De Janeiro/RJ: Apuração de votos, resultado, prefeito e vereadores eleitos». UOL Eleições. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  103. «Divulgação das Candidaturas e Contas Eleitorais - Eleições de 2016 - Rio de Janeiro». TSE. Consultado em 24 de fevereiro de 2018 
  104. «Divulgação das Candidaturas e Contas Eleitorais - Eleições de 2016 - Rio de Janeiro». TSE. Consultado em 24 de fevereiro de 2018