Eleição presidencial no Brasil em 1938

A eleição presidencial brasileira de 1938 seria a décima quarta eleição presidencial e a décima segunda direta se tivesse ocorrido. Estava prevista para o dia 3 de janeiro e não foi realizada devido ao autogolpe de Getúlio Vargas, que instaurou o Estado Novo. Até aquele momento, haviam se apresentado três candidatos oficialmente.[1]

Eleição presidencial no Brasil em 1938
  1934 ← Flag of Brazil.svg → 1945
3 de janeiro de 1938
não realizada
Pintura Oficial de Armando de Sales.jpg Ministro dos Transportes José Américo.jpg Plinio Salgado.png
Candidato Armando de Sales Oliveira José Américo de Almeida Plínio Salgado
Partido UDB pela situação AIB
Natural de São Paulo, São Paulo Areia, Paraíba São Bento do Sapucaí, São Paulo


Coat of arms of Brazil.svg
Presidente do Brasil

Titular
Getúlio Vargas
nenhum

Eleito
nenhum
nenhum

Contexto históricoEditar

Getúlio Vargas estava havia oito anos no poder. A eleição de 1930 havia sido invalidada, pois fora considerada uma fraude, e Vargas consequentemente conseguiu o poder pela Revolução de 1930.[2] Em 1934, a eleição havia sido indireta, pois era a primeira após promulgada a Constituição de 1934, e nela Getúlio havia sido eleito.

A política brasileira como um todo – o próprio Vargas, inclusive – caminhavam para a radicalização. Assim, surgiram grupos que expressavam essa radicalização do nosso país.

Ação Integralista Brasileira (AIB): grupo de extrema-direita que surgiu em São Paulo em 1932. Esse grupo possuía inspiração no fascismo italiano, expressando valores nacionalistas e até mesmo antissemitas. Tinha como líder Plínio Salgado.

Aliança Libertadora Nacional (ANL): grupo de orientação comunista que converteu-se em um movimento que buscava tomar o poder do país pela via revolucionária para implantar uma ditadura do proletariado. O grande líder desse grupo era Luís Carlos Prestes.

A ANL, inclusive, foi a responsável por uma tentativa de tomada do poder no país em 1935. Esse movimento ficou conhecido como Intentona Comunista e foi deflagrado em três cidades (Rio de Janeiro, Natal e Recife), mas foi um fracasso completo. Após a Intentona Comunista, Getúlio Vargas ampliou as medidas centralizadoras e autoritárias.

Vargas não queria deixar o poder e, assim, anulou a eleição de 1938 com o golpe do Estado Novo. O golpe do Estado Novo teve como pretexto a divulgação de um documento falso conhecido como Plano Cohen. Esse documento falava sobre uma suposta conspiração comunista que estava em curso no país. O plano foi elaborado pelo capitão do exército Olímpio Mourão Filho, na época chefe do estado-maior da milícia da Ação Integralista Brasileira e chefe de seu serviço secreto.[3] Embora tenha sido usado politicamente como sendo fruto de uma conspiração comunista, seu conteúdo refere-se mais especificamente a uma conspiração judaico-comunista, incluindo elementos típicos do antissemitismo da época e uma série de traços em comum com outros documentos forjados com intenções semelhantes, como Os Protocolos dos Sábios de Sião.

Vargas instituiu uma nova Constituição para oficializar a ditadura.[4] Esta Constituição foi de caráter outorgada, ou seja, foi imposta a força por Vargas e seus aliados, sem a participação popular, o que fazia seus críticos questionarem a sua legitimidade.

Getúlio foi o mais destacado e fiel seguidor das idéias do positivista Júlio de Castilhos. O Estado Novo nada mais foi do que o transplante para nível nacional do castilhismo.

CandidatosEditar

Foram apresentadas oficialmente três candidaturas:

Referências

  1. Eleição para Presidente em 1938 (duplipensar.net) Visitado em 5/11/2011.
  2. Revolução de 1930 (Brasil Escola) Visitado em 5/11/2011.
  3. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :0
  4. Era Vargas – Estado Novo (Brasil Escola) Visitado em 5/11/2011.


  Este artigo sobre eleições ou plebiscitos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.