Eleição presidencial na Alemanha em 1925

As eleições presidenciais alemãs de 1925 foram as primeiras realizadas pelo voto direto, conforme determinava a Constituição da República de Weimar (1919-1933). O pleito aconteceu após a morte do primeiro presidente da Alemanha, Friedrich Ebert, em 28 de fevereiro de 1925. Ebert havia sido eleito indiretamente pela Assembleia Nacional, mas a Constituição de Weimar determinava que seu sucessor fosse eleito por "todo o povo alemão". Após dois turnos, em 29 de março e 26 de abril, Paul von Hindenburg foi eleito o segundo presidente da Alemanha.

Eleição presidencial na Alemanha em 1925
  1919 ← Alemanha → 1932
29 de março (1° turno)
26 de abril de 1925 (2° turno)
Bundesarchiv Bild 183-C06886, Paul v. Hindenburg.jpg Reichskanzler Wilhelm Marx.jpg Bundesarchiv Bild 102-12940, Ernst Thälmann (scrap).jpg
Candidato Paul von Hindenburg Wilhelm Marx Ernst Thälmann
Partido Independente Zentrum Partido Comunista
Votos 14.655.641 13.751.605 1.931.151
Porcentagem 48,3% 45,3%% 6,4%



Presidente da Alemanha

Hindenburg era candidato de uma ampla coalizão da direita. Muitos da direita esperavam que, uma vez no poder, ele destruiria a democracia liberal da República de Weimar de dentro e restabeleceria o status quo da Alemanha pré-Weimar. Os outros dois candidatos com chances de vencer eram Otto Braun do Partido Social Democrata (SPD) e Wilhelm Marx do Zentrum (também conhecido como Partido Católico de Centro). Os partidos de ambos Braun e Marx eram membros da coalizão de Weimar e, portanto, estavam comprometidos com o regime de Weimar. Apenas Marx procedeu para o segundo turno das eleições.

As eleições foram importantes devido ao turbulento contexto em que ocorreram e porque, de acordo com a Constituição de Weimar, o chefe de estado tinha consideráveis poderes. Hindenburg retonou ao pleito seguinte e teve papel importante na ascensão do Partido Nazista ao poder. Entretanto, muitos que apoiaram Hindenburg em 1925 não o fizeram em 1932. Apesar de nos anos seguintes à sua eleição muitos questionarem a constitucionalidade de algumas de suas ações, Hindenburg nunca tentou derrubar a República de Weimar.

ResultadoEditar

Primeiro turnoEditar

Sete candidatos disputaram o primeiro turno. A candidatura de Hindenburg foi lançada apenas no segundo turno. O candidato mais popular da direta foi Karl Jarres do Partido Popular Alemão (DVP), que havia sido Ministro do Interior, Vice-chanceler e prefeito de Duisburg. A candidatura dele havia sido apoiada pelo Partido Popular Nacional Alemão (DNVP). Otto Braun, candidato do SPD, havia sido Ministro-presidente da Prússia. O candidato do Zentrum, Wilhelm Marx, havia sido chanceler e era o presidente de seu partido.

Outros candidatos foram Ernst Thälmann do Partido Comunistas (KPD) e Willy Hellpach do Partido Democrático Alemão (DDP). O Partido Nazista (NSDAP) lançou a candidatura de Erich Ludendorff. O NSDAP era, à época, um movimento pequeno, tendo conquistado pouco mais de 1% dos votos. O comparecimento às urnas foi de 68,9% e como nenhum candidato obteve mais de 50% dos votos, foi necessária a realização de um segundo turno.

Candidato Votos % Partido Coligação
 
Karl Jarres
10.416.658 38,8 Partido Popular Alemão (DVP) Partido Popular
Nacional Alemão
(DNVP)
 
Otto Braun
7.802.497 29 Partido Social Democrata (SPD) Nenhuma
 
Wilhelm Marx
3.887.734 14,5 Zentrum
 
Ernst Thälmann
1.871.815 7 Partido Comunista
(KPD)
Willy Hellpach 1.568.398 5,8 Partido Democrático
Alemão
(DDP)
 
Heinrich Held
1.007.450 3,7 Partido Popular da Bavária (BVP)
 
Erich Ludendorff
285.793 1,1 Partido Nazista
(NSDAP)

Segundo turnoEditar

Após o primeiro turno da eleição, Jarres abandonou a disputa em prol da candidatura de Hindenburg, um monarquista e ex-general com grande apoio popular. Este, por sua vez, só teria decidido lançar sua candidatura após consultar o Kaiser deposto. Os maiores adeptos da candidatura de Hindenburg foram o DVP, o Partido Popular Nacional Alemão (DNVP), o Partido Popular da Bavária (BVP) e o Partido Nazista. O líder do DVP, Gustav Stresemann, tinha algumas reservas em relação à ideia de apoiar Hindenburg para presidente por causa de sua possível repercussão negativa na política externa alemã, mas acabou embarcando na candidatura.

O SPD e o Zentrum concordaram em coligar-se ao redor de Marx. Após a recusa do Zentrum em apoiar Braun, ele se retirou do pleito. O DDP também concordou em retirar Willy Hellpach do pleito e apoiar Marx. Como os adeptos da candidatura de Marx incluíam tanto membros da esquerda moderada quanto do centro, acreditava-se que ele teria grandes chances de vencer o pleito no segundo turno. Entretanto, a candidatura do comunista Thälmann dividiu o voto da esquerda, e Hindenburg foi eleito com 48,3% dos votos. O segundo turno aconteceu em 26 de abril e contou com a participação de 77,6% do eleitorado.

Candidato Votos % Partido Coligação
 
Paul Ludwig
von Hindenburg
14.655.641 48,3 Independente DVP, DNVP,
BVP e NSDAP
 
Wilhelm Marx
13.751.605 45,3 Zentrum SPD, DDP
 
Ernst Thälmann
1.931.151 6,4 Partido Comunista
(KPD)
Nenhuma