Abrir menu principal

Wikipédia β

Eleição presidencial no Chile em 2017

A eleição presidencial de Chile para um mandato de quatro anos (2018-2021), foi realizada em 19 de novembro de 2017, em conjunto com as eleições de deputados e senadores e as eleições de conselheiros regionais. As primárias presidenciais, ocasionadas para a escolha dos candidatos de cada coalizão foram realizadas em 2 de julho, sendo que dentre as alianças registradas no Serviço Eleitoral do Chile, somente a Frente Ampla e a Chile Vamos optaram por participar.

Eleição presidencial no Chile em 2017
  2013 ← Flag of Chile.svg → 2021
19 de novembro de 2017 (Primeiro Turno)
17 de dezembro de 2017 (Segundo Turno)
Piñera (2010).jpg Alejandro Guillier - Población Manuel Bustos, Valparaíso (2017).jpg
Candidato Sebastián Piñera Alejandro Guillier
Partido Independente
(Apoiado pela Chile Vamos)
Independente
(Apoiado por partidos da Nova Maioria)
Natural de Santiago, RM La Serena, CO
Vencedor em 13 Regiões 2 Regiões
Votos 3.795.896 3.160.225
Porcentagem 54.57% 45.43%
Elección presidencial Chile 2017 (2V) por comunas.svg
Candidato mais votado no segundo turno por comuna.
  Sebastián Piñera
  Alejandro Guillier


Coat of arms of Chile.svg
Presidente do Chile

Como nenhum dos candidatos ultrapassou o patamar necessário de 50% dos escrutínios acrescido de um voto nominal, houve a necessidade de um segundo turno eleitoral, que foi realizado em 17 de dezembro entre o ex-presidente Sebastián Piñera, pertencente ao bloco de oposição Chile Vamos e o senador Alejandro Guillier, da coalizão governista A Força da Maioria.

Sebastián Piñera venceu no segundo turno com 54.57% dos votos válidos.

Índice

LegislaçãoEditar

Segundo a Constituição chilena, podem exercer o direito ao sufrágio aqueles que são considerados cidadãos, isto é, os maiores de 18 anos de idade que não tenham sido condenados a uma pena superior a 3 anos de prisão. A norma legal do país indica que "nas votações populares o sufrágio será pessoal, igualitário, secreto e voluntário". Desde janeiro de 2012, a inscrição no Registro Eleitoral é automática. Porém, o direito a votar é suspenso por interdição em caso de demência, por achar-se acusado de um delito que mereça pena superior a 3 anos de detenção ou de delito por terrorismo, e ainda por sanção do Tribunal Constitucional (em conformidade ao artigo 19 número 15 inciso 7.º da Constituição Chilena).[1]

Definição de candidaturasEditar

Eleições primáriasEditar

 
Fac-símile da cédula destinada a pessoas não inscritas em partidos políticos durante a eleição primária.

Pela segunda vez em sua história eleitoral, o Chile realizou eleições primárias oficiais, organizadas pelo Serviço Eleitoral. Anteriormente, só a Coalizão de Partidos pela Democracia organizava primárias, ainda que só a de 1999 foi realizada de forma direta e a nível nacional.

Até abril de 2017 a Nova Maioria realizaria primárias presidenciais, no entanto algumas decisões dos partidos políticos foram tornando as mesmas inviáveis. Com isso, os candidatos dos partidos da coalizão que disputariam as primárias - Alejandro Guillier e Carolina Goic - irão disputar diretamente o primeiro turno da eleição presidencial.

#? Candidato Partido Apoio político Votos  % Coalizão  % Total
A1   Sebastián Piñera Echenique
Ind.
RN/UDI/PRI 827 434
 
58,36%
 
45,57%
A2   Felipe Kast Sommerhoff
EVOP
Evolução Política 218 489
 
15,40%
 
12,01%
A3   Manuel José Ossandón
Ind.
Independente 372 215
 
26,24%
 
20,62%
Total de votos da Coalizão Chile Vamos 1 418 138 100% 81,22%
B4   Beatriz Sánchez Muñoz
Ind.
RD/PH/POD/PL/PEV 221 416
 
67,56%
 
12,26%
B5   Alberto Mayol Miranda
Ind.
Partido Igualdade 106 300
 
32,44%
 
5,88%
Total de votos da Coalizão Frente Amplo 327 716 100% 18,78%
Total de votos válidos nas primárias 1 745 854 96,35%
Votos nulos 57 945 3,20%
Votos em branco 8 278 0,46%
Total de votos emitidos 1 812 077 100%
Total eleitoral 13 307 439 Participação 13,61%
Resultados: 100% das mesas apuradas (Servel)[2]

Candidaturas descartadasEditar

  • Marcel Claude (ind.): Depois de seu afastamento da coalizão Todos à Moneda — que o apoiou na eleição presidencial de 2013 —, Claude anunciou uma candidatura presidencial independente, sujeita a eleições primárias "cidadãs", que seriam realizadas em 21 de novembro de 2016. Entretanto, o economista não coletou as assinaturas suficientes para poder se candidatar de forma independente.[3]
  • Carola Canelo (ind.): A advogada, conhecida por suas entrevistas em televisão onde era crítica ao governo e aos partidos de esquerda por não garantir, a seu julgamento, o direito à educação, anunciou sua candidatura em 14 de novembro de 2016, iniciando o processo de coleta de assinaturas. Não conseguiu coletar as assinaturas suficientes, ficando assim fora da eleição.[4]
  • Tomás Jocelyn-Holt (ind.): Manifestou sua intenção de postular-se pela segunda vez à Presidência numa entrevista ao jornal La Nación, realizada em 17 de novembro de 2016. No entanto, em 15 de agosto de 2017 informou que não tinha conseguido as assinaturas suficientes para apresentar sua candidatura.[5][6]
  • Nicolás Larraín (ind.): O apresentador de televisão e locutor anunciou sua candidatura presidencial em 12 de dezembro de 2016, a qual seria parte do processo de primárias do partido Todos. No entanto, em 19 de junho anunciou que desistia de sua pré-candidatura para se integrar à pré-candidatura de Felipe Kast, derrotado nas primárias da Chile Vamos.[7][8]
  • Roxana Miranda (Andha): A candidata presidencial pelo Partido Igualdade em 2013 e atual líder do partido ANDHA Chile anunciou em 21 de maio sua candidatura numa marcha pela Alameda Bernardo Ou'Higgins em Santiago. No entanto, não conseguiu coletar as assinaturas suficientes para aparecer na papeleta de novembro.[9]
  • Franco Parisi (ind.): O economista anunciou em março de 2015 sua possível candidatura independente à Presidência do país pela segunda eleição consecutiva, reiterando isto em janeiro de 2017, obtendo o apoio da partido Democracia Regional Patagónica. Em 4 de abril oficializou sua candidatura, somando o apoio dos movimentos Unidos na Fé, Anticorrupción, Poder da Gente e Chile Cuida-te. No entanto, em 4 de agosto anunciou que não continuaria com sua candidatura, procurando um posto no Senado, o qual também não prosperou.[10][11][12][13]
  • Lily Pérez (Amplitude): Seu partido tem manifestado a intenção de levar um candidato próprio a uma eventual primária presidencial da coalizão. Lily Pérez manifestou no final de 2014 a possibilidade de realizar primárias, enfrentando Andrés Velasco. No entanto, em dezembro de 2016 a senadora negou ter intenção de iniciar sua pré-candidatura presidencial, para privilegiar a busca da reeleição em sua circunscrição. Seu partido acabou anunciando apoio ao candidato Sebastián Piñera, da coalizão Chile Vamos.[14][15][16]
  • Luis Riveros (ind.): O ex-reitor da Universidade do Chile anunciou uma candidatura "cidadã" à primeira magistratura em 28 de outubro de 2016. Embora seja próximo ao PRSD, seria candidato de forma independente. Em abril de 2017 descartou sua candidatura, optando por seguir como Grande Maestro da Grande Loja de Chile, porque "se estava a cargo da instituição não podia em paralelo ter uma candidatura".[17][18][19]
  • Nicolás Shea (Todos): O presidente do partido Todos anunciou em abril de 2017 que lançaria sua pré-candidatura por esse partido, num processo ainda não especificado que enfrentaria Nicolás Larraín. Mas, de acordo com o jornal El Mercurio, através de seu sítio na internet Emol, indicou que "O fundador da Start-up Chile procurava chegar à presidência com o partido político Todos, ainda que este finalmente optou por competir somente por candidaturas no Congresso e em alguns Conselhos Regionais".
  • Sebastián Sichel (Cidadãos): Em novembro de 2016 foi proposto por seu partido para representá-lo numa eventual primária com a Amplitude e a Rede Liberal. Sichel aceitou, "sempre e quanto tenha um projecto concreto que liderar". Sua candidatura seria inviável, posto que seu partido está em processo de dissolução legal por não conseguir a quantidade de militantes mínima para sua existência.[20][21]
  • Andrés Velasco Brañes (Cidadãos): Foi mencionado como candidato presidencial em 2016 por parte de Juan José Santa Cruz, membro de seu partido. No entanto, em fins de 2016, Velasco descartou iniciar uma pré-candidatura presidencial, abrindo à possibilidade de procurar uma candidatura no Congresso.[22][23]

CandidatosEditar

A seguir, estão os candidatos participantes na eleição, ordenados segundo a forma em que aparecerão na cédula eleitoral, de acordo com o sorteio realizado pelo Serviço Eleitoral no dia 14 de setembro de 2017.[24]

Foto Candidato(a) Apoio político Notas
Carolina Goic
Senadora
(PDC)
PDC Depois de sua eleição como presidente do Partido Democrata Cristão em janeiro de 2017, diversos militantes se manifestaram a favor de sua pré-candidatura à presidência do Chile, embora tenha descartado tal hipótese em diversas ocasiões.[25][26] No entanto, em fevereiro de 2017, Goic afirmou, em entrevista ao La Tercera que assumia "o desafio de ser candidata presidencial da DC",[27] sendo proclamada pela Junta Nacional de seu partido em 11 de março.[28] Em 29 de abril, a Junta Nacional do partido decidiu que a candidatura de Goic seria apresentada diretamente no primeiro turno eleitoral volta, excluindo o partido das primárias presidenciais da Nova Maioria. Com isso, rompeu-se a coalizão eleitoral do PDC com o bloco PS-PPD-PRSD (até 2012, a Concertación) depois de 28 anos.[29]
  • Inscrição de pré-candidatura: 11 de maio de 2017.[30]
  • Inscrição de candidatura: 19 de agosto de 2017.[31]
  • Slogan de campanha: "Eu me atrevo." ("Yo me atrevo.")
José Antonio Kast
Deputado
(Independente)
Em setembro de 2015 anunciou sua intenção de competir numa eventual primária da Chile Vamos.[32] Em 31 de maio de 2016 se desfiliou da UDI, dentre outras razões, para continuar com suas aspirações presidenciais.[33] Desde então começou a coletar assinaturas para homologar sua candidatura independente.[34] Em 1º de abril de 2017 anunciou que conseguira mais de 30 000 assinaturas para ser candidato à Presidência.[35] Em 14 de setembro recebeu o respaldo do partido político ainda em formação "Unidos na Fé".[36]
  • Inscrição de candidatura: 18 de agosto de 2017.
  • Slogan de campanha: "Para voltar a crer." ("Para volver a creer.")
Sebastián Piñera
Ex-Presidente do Chile
(Independente)
Chile Vamos
Amplitud
Piñera manifestou desde 2014 suas intenções de voltar a competir em 2017,[37] sendo desde então o político melhor posicionado para enfrentar a eleição segundo diferentes pesquisas de opinião.[38] Piñera adiou sua decisão para março de 2017,[39] apesar de receber a pressão dos partidos da coalizão[40] e de seu potencial rival da Chile Vamos, Manuel José Ossandón.[41] Em 17 de dezembro de 2016 foi proclamado pelo Partido Regionalista Independente como seu candidato presidencial.[42] Em 21 de março, num ato realizado no Parque Quinta Normal, Piñera lançou oficialmente seu pré-candidatura presidencial.[43] Em 24 de março recebeu o apoio da União Democrática Independente[44], enquanto que a Renovação Nacional também anunciou apoio no dia seguinte.[45] Como vencedor das primárias realizadas em 2 de julho, Piñera somou o respaldo do partido Evolução Política.[46] Em 8 de julho recebeu o apoio do partido Amplitude, pertencente à coalizão Somemos.[47]
  • Inscrição de candidatura: Inscrição automática pela vitória nas primárias da coalizão Chile Vamos.
  • Slogan de campanha: "Tempos melhores." ("Tiempos mejores.")
Alejandro Guillier
Senador
(Independente)
PRSD
PS
PPD
PCCh
IC
MAS-R
PLIR
Desde meados de 2016 é apontado como um dos candidatos mais competitivos dentro da Nova Maioria para a eleição presidencial de 2017, recebendo apoios de vários políticos da coalizão.[48] Aproveitando esta circunstância, o PRSD utilizou a Guillier como rosto de apoio a seus candidatos nas eleições municipais de outubro de 2016[49], e posteriormente o proclamou oficialmente como pré-candidato presidencial em seu Conselho Geral realizado em 7 de janeiro de 2017.[50][51] Em 9 de abril, e depois de uma votação de seu Comité Central, o Partido Socialista decidiu entregar-lhe seu respaldo.[52] Anteriormente, os partidos Esquerda Cidadã e MAS Região também tinham anunciado seu apoio à candidatura de Guillier.[53] Em 30 de abril, o Partido Comunista anunciou iria proclamar o apoio à sua candidatura[54], situação que ocorreu em 7 de maio.[55] O partido Pela Integração Regional, que não pertence formalmente à Nova Maioria, também lhe entregou sua respaldo.[56] Apesar de contar com o apoio de partidos legalmente constituídos, por ser independente não pode se apresentar como candidato presidencial respaldado por algumas destas (salvo que o faça como vencedor de primárias legais), pois segundo uma resolução que emitiu o Conselho Diretor do SERVEL, deveria se inscrever em algum deles ou juntar assinaturas para se apresentar como candidato no primeiro turno; Guillier optou por esta última opção, o qual comunicou em 30 de abril[57], num vídeo onde lamentou a não realização do processo de primárias, que ficou descartado ao não ter competidores que estejam dispostos a participar. Em 13 de maio, o Partido pela Democracia decidiu proclamá-lo como seu candidato.[58]
  • Inscrição de candidatura: 4 de agosto de 2017.[59]
  • Slogan de campanha: "O Presidente da gente." ("El Presidente de la gente.")
Beatriz Sánchez
Jornalista
(Independente)
Frente Ampla A jornalista foi questionada pelo partido Poder para propor-lhe uma pré-candidatura presidencial[60], cuja qual descartou mediante uma mensagem no Twitter em 13 de janeiro[61]. No entanto, depois de uma reunião com a Revolução Democrática e o Movimento Autonomista, decidiu considerar uma pré-candidatura presidencial, deixando temporariamente seu trabalho na Rádio A Chave, decisão que comunicou publicamente em 21 de março.[62] Em 3 de abril oficializou sua candidatura num ato realizado na praça Baquedano[63]. Em 16 de abril, o Partido Humanista oficializou apoio a sua candidatura[64], enquanto que em 9 de maio — mediante uma votação eletrônica entre seus militantes — o partido Poder também anunciou apoio à Sánchez[65]. Anteriormente, a Esquerda Libertária também lhe tinha entregado seu respaldo[66]. Em 14 de maio foi proclamada como candidata pela Esquerda Autônoma[67]. Em 29 de maio o Partido Liberal entregou-lhe seu apoio[68]. O Movimento Democrático Progressista também lhe entregou seu apoio[69]. Em 6 de junho, o Partido Ecologista Verde decidiu somar-se aos apoios à candidata[70]. Depois das primárias realizadas pelo SERVEL, o Partido Igualdade somou-se à campanha com representantes na equipe política.[71]
  • Inscrição de candidatura: Inscrição automática pela vitória nas primárias da coalizão Frente Ampla.
  • Slogan de campanha: "O poder de muitos." ("El poder de muchos.")
Marco Enríquez-Ominami
Ex-Deputado
(PRO)
PRO Em dezembro de 2013, o fundador do Partido Progressista anunciou que será candidato pela terceira vez à presidência da República.[72] Apesar de estar envolvido no Caso SQM[73], não desistiu de sua candidatura, cuja qual se mostrou encolhida conforme algumas pesquisa de opinião realizadas no final de 2016. A insistência na candidatura foi o ponto de desacordo que impediu que o PRO integrasse a Frente Ampla.[74]
  • Inscrição de pré-candidatura: 19 de maio de 2017.[75]
  • Inscrição de candidatura: 20 de agosto de 2017.[76]
  • Slogan de campanha: "Chile dos livres." ("Chile de los libres.")
Eduardo Artés
Professor
(UPA)
UPA O líder histórico do Partido Comunista (Ação Proletária) e atual presidente da União Patriótica, será candidato presidencial por este último para a eleição de 2017, depois de ter conseguido a quantidade de filiados exigida pelo Serviço Eleitoral.[77] Em 28 de junho de 2017 foi criada a Mesa de Esquerda Popular, conformada pelos seguintes partidos e colectividades que apoiam a candidatura de Artés: União Patriótica (UPA), Partido Comunista (Acção Proletaria) (PC(AP)), Partido Constituinte, Movimento Patriótico Manuel Rodríguez (MPMR), Os Filhos de Mafalda, Construindo Socialismo (CS) e Todos à Moneda (TALM) Santiago.[78]
  • Inscrição de candidatura: 22 de julho de 2017.[79]
  • Slogan de campanha: "Para refundar o Chile." ("A refundar Chile.")
Alejandro Navarro
Senador
(País)
País Em novembro de 2016, aceitou a solicitação de seu partido de ser pré-candidato para uma eventual primária da coalizão Frente Ampla.[80] Em 18 de janeiro, o deputado Gabriel Boric e outros integrantes da coalizão deram um ultimato ao partido País para retirar a pré-candidatura de Navarro, caso contrário o partido seria retirado da Frente[81], o que realmente ocorreu[82]. Em 24 de março de 2017, Navarro anunciou sua candidatura presidencial, respaldada pelo partido País.[83]
  • Inscrição de candidatura: 18 de agosto de 2017.[84]
  • Slogan de campanha: "A força da gente." ("La fuerza de la gente.")

Apoios políticosEditar

A seguinte tabela apresenta os candidatos que têm oficialmente suas candidaturas inscritas, os partidos instituídos ou em formação legal e as coalizões que os apoiam. Os pactos estabelecem-se com as listas inscritas nas eleições parlamentares e de conselheiros regionais que realizar-se-ão de forma simultânea.

Coalizão Partido Candidato (partido)
 
Chile Vamos
  União Democrática Independente
Sebastián Piñera
(Independente)
  Renovação Nacional
  Evolução Política
  Partido Regionalista Independente
 
Somemos
  Amplitude
  Cidadãos
Sem candidato
  Todos
 
Coalizão Regionalista Verde
  Democracia Regional Patagônica
  Federação Regionalista Verde Social
Fora do pacto   Partido dos Trabalhadores Revolucionários
União Patriótica
Eduardo Artés
(UPA)
  Pela Integração Regional
Alejandro Guillier
(Independente)
 
A Força da Maioria
  Partido Radical Social Democrata
  Partido Socialista
  Partido pela Democracia
  Partido Comunista
 
Convergência Democrática
  MAS Região
  Esquerda Cidadã
  Partido Democrata Cristão
Carolina Goic
(PDC)
 
Frente Ampla
  Revolução Democrática
Beatriz Sánchez
(Independente)
  Poder
  Partido Humanista
  Partido Liberal
  Partido Ecologista Verde
  Partido Igualdade
 
Por Todo Chile
  Partido Progressista
Marco Enríquez-Ominami
(PRO)
  País
Alejandro Navarro
(País)
Independentes Independente
José Antonio Kast
(Independente)

Pesquisas de OpiniãoEditar

ResultadosEditar

P. Candidato Part. Apoio político 1º Turno 2º Turno
Votos Votos
  Sebastián Piñera
Ind.
Chile Vamos 2 418 540
 
36,64%
3 795 896
 
54,57%
  Alejandro Guillier
Ind.
A Força da Maioria 1 498 040
 
22,70%
3 160 225
 
45,43%
  Beatriz Sánchez
Ind.
Frente Ampla 1 338 037
 
20,27%
  José Antonio Kast
Ind.
Independente 523 375
 
7,93%
  Carolina Goic
PDC
PDC 387 784
 
5,88%
  Marco Enríquez-Ominami
Progressista
Progressista 376 871
 
5,71%
  Eduardo Artés
União Patriótica
UP 33 665
 
0,51%
  Alejandro Navarro
País
País 23 968
 
0,36%
Total de votos válidos 6 594 022 98,42% 6 951 512 98,91%
Votos nulos 65 814 0,98% 56 374 0,80%
Votos em branco 39 791 0,59% 20 032 0,29%
Total de votos emitidos 6 600 280 100% 7 027 988 100%
Total eleitoral 14 347 288 100% 14 347 288 100%
Participação 46,72% 48,98%
Resultados: 99,94% das mesas apuradas (Servel)[85]

Referências

  1. «Constitución Política de la República de Chile». 17 de setembro de 2005 
  2. «SERVEL» (em inglês) 
  3. «Marcel Claude lanza candidatura presidencial y llama a primarias ciudadanas». El Mostrador 
  4. «Carolina Canelo lanza su candidatura ciudadana a la presidencia de Chile». Portal Terra 
  5. «Jocelyn-Holt y su nueva aspiración presidencial: "Insistiré hasta ya no tener fuerzas"». La Nación 
  6. @tjholt. «A 6días de la inscrip final d'candidaturas debo decir q'no tuvimos las firmas suficientes a tiempo pa'l cierre. Agradezco a quiénes firmaron». twitter.com 
  7. «Nicolás Larraín lanza candidatura presidencial». ADN Radio 
  8. «Nicolás Larraín se resta de carrera presidencial para unirse a campaña de Felipe Kast». T13 
  9. «Roxana Miranda lanzó su candidatura presidencial». T13.cl 
  10. «¿El regreso de Franco Parisi? El ex candidato volvería a la carrera presidencial para 2018». Publimetro 
  11. «Parisi regresa a la política y evalúa candidatura: "La elección presidencial está extremadamente líquida"». Emol 
  12. «Franco Parisi lanza candidatura presidencial y dice que tendrá lista parlamentaria: "Chile tiene que cambiar"». Emol 
  13. «Franco Parisi no postulará la Presidencia». CNN Chile 
  14. Karla Rubilar, Joaquín Godoy y Pedro Browne. «Amplitud» (PDF). EMOL 
  15. «Lily Pérez asegura estar "dispuesta" a ir a primarias presidenciales con Velasco». Teletrece 
  16. «Amplitud ficha a Horvath en plantilla parlamentaria 2017». La Tercera 
  17. «Ex rector Luis Riveros anunció candidatura presidencial "ciudadana"». Radio Cooperativa 
  18. «Cartas "ciudadanas" intentarán conquistar una candidatura por La Moneda». BioBioChile 
  19. «El bicho presidencial». La Tercera 
  20. «Movimiento "Ciudadanos" presenta a Sebastián Sichel como posible candidato presidencial». Biobiochile.cl 
  21. http://www.t13.cl/noticia/politica/semanal/servel-ordena-disolucion-partido-andres-velasco-no-lograr-minimo-afiliados
  22. «Juan José Santa Cruz confirma opción presidencial de Andrés Velasco para 2017». Diario Financiero 
  23. «Andrés Velasco: "Este gobierno se acabó… Queda pendiente arreglar condoros de los últimos tres años"». La Tercera 
  24. «Servel definió en sorteo el orden de candidatos presidenciales en la papeleta de noviembre». BioBioChile 
  25. «Amplio triunfo de Carolina Goic en internas DC fortalece su opción presidencial». La Tercera 
  26. «Senadora Carolina Goic ante eventual candidatura presidencial: "Fui elegida como presidenta de la DC y desde allí voy a colaborar"». La Prensa Austral 
  27. «Carolina Goic: "Asumo el desafío de ser candidata presidencial de la DC"». La Tercera 
  28. «Junta Nacional de la DC proclama a Carolina Goic como su candidata presidencial». EMOL 
  29. «DC opta por carta propia en primera vuelta presidencial por primera vez en 28 años». La Tercera 
  30. «Carolina Goic inscribe su candidatura presidencial: "la DC nunca votará por Piñera"». Tele 13 
  31. «Ya estamos inscritos oficialmente. Ahora a dejar los pies en la calle y golpear todas las puertas. Patria Resiliente pic.twitter.com/wofevTKq42» 
  32. «José Antonio Kast y su candidatura presidencial: "Estoy dispuesto a competir con Sebastián Piñera"». ellibero.cl 
  33. Álvarez, Rosario. «Las razones que gatillaron la renuncia de José Antonio Kast a la UDI» 
  34. «José Antonio Kast: "No vuelvo a la UDI"». ADN 
  35. «José Antonio Kast asegura que ya consiguió todas las firmas para presentarse a las presidenciales» 
  36. «Partido político evangélico proclama a José Antonio Kast como su candidato presidencial». Biobiochile.cl 
  37. «Piñera pide a la Alianza prepararse para elecciones de 2017». La Tercera 
  38. «Encuesta CEP: Piñera se posiciona como el candidato presidencial más fuerte». 24 horas 
  39. «Piñera apuesta por primarias en Chile Vamos y dice que candidato oficialista será Lagos o Guillier». T13 
  40. «Pese a presión de partidos de Chile Vamos, Piñera mantiene definición presidencial para marzo». Emol 
  41. «Ossandón apura a Piñera: Para mí es candidato presidencial hace mucho tiempo». Cooperativa 
  42. «PRI proclama a Sebastián Piñera como su principal carta de cara a las próximas presidenciales». Tele 13 
  43. «Sebastián Piñera lanza precandidatura presidencial en Parque Quinta Normal». 24 Horas 
  44. «UDI proclama a Sebastián Piñera como candidato presidencial». T13 
  45. «Sebastián Piñera es proclamado candidato presidencial de RN». La Tercera 
  46. «Kast promete apoyar "con lealtad" a Sebastián Piñera». El Mostrador 
  47. «Amplitud proclama a Sebastián Piñera como su candidato presidencial». El Dínamo 
  48. «Las simpatías transversales que concita la opción presidencial de Alejandro Guillier en la Nueva Mayoría». EMOL 
  49. «Alejandro Guillier será el rostro del Partido Radical en las municipales». Radio Cooperativa 
  50. «Partido Radical informa que proclamará a Guillier como candidato en Consejo General del 7 de enero». Tele 13 
  51. «Guillier es proclamado por el PR y se convierte en el primer candidato oficial de un partido de la NM». EMOL 
  52. «Partido Socialista ya definió: Guillier es su candidato». Radio Cooperativa 
  53. «PS y PPD abren debate por apoyo de militantes a candidatura presidencial de Alejandro Guillier». EMOL 
  54. «El PC anunció que proclamará a Alejandro Guillier como candidato presidencial». Radio Cooperativa 
  55. «Guillier ya es el candidato presidencial del PC: "Es el único de centro izquierda que puede derrotar a Piñera"». EMOL 
  56. «Jorge Soria y Partido por La Integración Regional cierran filas con Alejandro Guillier en fiesta ciudadana de proclamación de candidatura presidencial». La Mega FM 
  57. «Alejandro Guillier juntará firmas para llegar a primera vuelta como independiente». Radio Cooperativa 
  58. «PPD proclama por unanimidad a Guillier como su candidato presidencial». La Tercera 
  59. Servicio Electoral de Chile. «Servel recibe declaración de candidatura de Alejandro Guillier para la elección presidencial 2017» 
  60. «Tientan a la periodista Beatriz Sánchez para ser candidata presidencial del Frente Amplio». El Dínamo 
  61. @labeasanchez. «Transparencia: no estoy pensando ni me creo capaz de ser candidata presidencial. Soy y me proyecto como periodista». twitter.com 
  62. «Beatriz Sánchez remece el escenario presidencial: con el apoyo de Boric y Jackson periodista competirá en el Frente Amplio». El Mostrador 
  63. «Beatriz Sánchez lanza oficialmente su carrera presidencial y presenta equipo de campaña». EMOL 
  64. CNN Chile. «ESTÁ PASANDO: Partido Humanista proclama a Beatriz Sánchez como su candidata». Twitter 
  65. «Beatriz Sánchez suma el apoyo de Poder Ciudadano y FA minimiza críticas de Guillier». Biobiochile.cl 
  66. «Izquierda Libertaria oficializa a Beatriz Sánchez como su candidata presidencial». 24Horas.cl 
  67. «Izquierda Autónoma proclamó a Beatriz Sánchez como su candidata presidencial». Cooperativa.cl 
  68. «Partido Liberal le entregó su respaldo a la candidatura de Beatriz Sánchez». SoyChile 
  69. Movimiento Democrático Progresista. «Comunicado a la opinión pública» 
  70. Partido Ecologista Verde. «Partido Ecologista Verde apoyará candidatura de Beatriz Sánchez en primarias de Frente Amplio» 
  71. EMOL. «Beatriz Sánchez presentó a su comité político y confirmó que integrará al equipo de Mayol» 
  72. «Las elecciones presidenciales del 2017 ya tienen a su primer candidato». Publimetro 
  73. «Los 5 puntos clave de la audiencia de Marco Enríquez-Ominami». Publimetro 
  74. «ME-O en su hora más solitaria». La Tercera 
  75. Servicio Electoral de Chile. «Servel recibe nueva declaración de precandidatura presidencial» 
  76. «ME-O inscribe candidatura con llamado a centro izquierda: "No cometamos el mismo error que con Frei"». 24HORAS 
  77. «#ArtésPresidente». unionpatriotica.cl 
  78. «Mesa de Izquierda Popular». unionpatriotica.cl 
  79. Servicio Electoral de Chile. «Servel recibe declaración de candidatura presidencial» 
  80. «Partido País le solicitó al senador Navarro ser su precandidato presidencial». SoyConcepción.cl 
  81. «Hora de definiciones en el Frente Amplio». La Tercera 
  82. «Partido País suspende participación en Frente Amplio: no aceptan "veto" de Boric a Navarro». Bio-Bío 
  83. «Alejandro Navarro anunció su candidatura presidencial». CNN Chile 
  84. S.A.P., El Mercurio (18 de agosto de 2017). «Juntando firmas o listos para noviembre: La carrera presidencial caso a caso | Emol.com». Emol (em espanhol). Consultado em 19 de agosto de 2017 
  85. «SERVEL» (em espanhol)