Eleições estaduais em Goiás em 1978

eleição indireta para governador e vice-governador e eleição direta para eleger 14 deputados federais, um senador e 38 estaduais de Goiás

As eleições estaduais em Goiás em 1978 ocorreram em duas etapas conforme determinava o Pacote de Abril: em 1º de setembro a ARENA sagrou, mediante eleição indireta, o governador Ary Valadão, o vice-governador Rui Cavalcanti e o senador Benedito Ferreira. A fase seguinte foi em 15 de novembro, a exemplo dos outros estados brasileiros, e ela trouxe disparidades, pois o MDB elegeu o senador Henrique Santillo enquanto a ARENA fez a maioria das cadeiras dentre os 14 deputados federais e 38 deputados estaduais que foram eleitos.[1][2][3][4][nota 1]

1974 Brasil 1982
Eleições estaduais em  Goiás em 1978
1º de setembro de 1978
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1978
(Eleição direta)


Candidato Ary Valadão


Partido ARENA


Natural de Anicuns, GO


Vice Rui Cavalcanti
Votos 350
Porcentagem 90,44%

Advogado formado na Universidade Federal de Goiás com pós-graduação em Criminologia e Balística, o governador Ary Valadão nasceu em Anicuns e foi agricultor, industrial antes de ingressar na UDN e ser eleito prefeito da cidade em 1947 e 1954 e deputado estadual em 1958 e 1962. Presidente do diretório estadual da UDN e líder da bancada na Assembleia Legislativa de Goiás, assistiu à queda do governador Mauro Borges devido ao Regime Militar de 1964 e com o bipartidarismo migrou para a ARENA e foi eleito deputado federal em 1966, 1970 e 1974, licenciando-se a convite de Irapuan Costa Júnior, de quem foi secretário de Justiça por um ano.[5] Foi a quarta vez que a ARENA fez o governador de Goiás.

A eleição indireta para senador permitiu a recondução do comerciante Benedito Ferreira. Nascido em Ipameri filiou-se à ARENA e foi eleito deputado federal em 1966 e senador em 1970.[6] No voto popular o MDB elegeu o pediatra Henrique Santillo, natural de Ribeirão Preto, formado na Universidade Federal de Minas Gerais e radicado em Anápolis onde foi eleito vereador em 1966 e prefeito em 1970 e em 1974 foi eleito deputado estadual, mesmo ano onde seu partido elegeu o senador Lázaro Barbosa a quem fariam companhia. Entre os demais eleitos estava Anísio de Sousa, autor da emenda constitucional que prorrogou de 1980 para 1982 o mandato dos prefeitos, vice-prefeitos e vereadores eleitos em 1976.

O quadro político estadual sofreu modificações com a volta do pluripartidarismo no Governo João Figueiredo: os arenistas seguiram o governador Ary Valadão rumo ao PDS e a oposição partiu para o PMDB em apoio a Iris Rezende que chegou ao Palácio das Esmeraldas ao vencer as eleições de 1982. Ao partido oposicionista aderiram também o senador Henrique Santillo e o deputado Ademar Santillo após uma passagem relâmpago pelo PT[7] sem mencionar que no último ano do bipartidarismo o vereador Daniel Antônio foi prefeito interino de Goiânia pelo MDB.

Resultado da eleição para governador

editar

O Colégio Eleitoral de Goiás era dominado pela ARENA e composto por 387 membros, dos quais compareceram 350.

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Ary Valadão
ARENA
Rui Cavalcanti
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
350
90,44%
  Eleito

Resultado da eleição para senador

editar

Mandato biônico de oito anos

editar

Um delegado da ARENA votou contra a chapa escolhida.

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Benedito Ferreira
ARENA
José Caixeta
ARENA
Antônio Ferreira da Silva
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
349
90,18%
Fontes:[8][9][10][11][nota 2]
  Eleito

Mandato direto de oito anos

editar

Conforme acervo do Tribunal Superior Eleitoral, cujos registros mencionam 101.738 votos em branco e 84.989 votos nulos.

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Henrique Santillo
MDB
Hélio Roriz
MDB
[nota 3]
-
-
MDB (sublegenda um)
347.298
35,43%
Jarmund Nasser
ARENA
[nota 4]
-
[nota 5]
-
-
ARENA (em sublegenda)
218.119
22,25%
Osires Teixeira
ARENA
[nota 4]
-
[nota 5]
-
-
ARENA (em sublegenda)
205.604
20,97%
Juarez Bernardes
MDB
[nota 6]
-
[nota 3]
-
-
MDB (sublegenda dois)
188.815
19,26%
Jonas Duarte
ARENA
[nota 4]
-
[nota 5]
-
-
ARENA (em sublegenda)
20.447
2,09%
Fontes:[1][9][10][11]
  Eleito

Deputados federais eleitos

editar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.

Representação eleita

  ARENA: 8
  MDB: 6

Fonteː[1]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Ademar Santillo MDB 77.665 Ribeirão Preto   São Paulo
Hélio Levy ARENA 61.522 Catalão   Goiás
José de Assis[nota 7] ARENA 58.270 Mineiros   Goiás
Jamel Cecílio[nota 8] ARENA 58.215 Anápolis   Goiás
Brasílio Caiado[nota 9] ARENA 55.249 Goiás   Goiás
Francisco de Castro ARENA 52.544 Jaraguá   Goiás
Anísio de Sousa[nota 10] ARENA 51.669 Pirenópolis   Goiás
Genésio de Barros ARENA 49.456 Morrinhos   Goiás
Rezende Monteiro ARENA 43.110 Caiapônia   Goiás
José Freire MDB 36.771 Arraias   Tocantins
Iturival Nascimento MDB 35.593 Rio Verde   Goiás
Paulo Borges MDB 35.318 Rio Verde   Goiás
Iram Saraiva MDB 34.186 Goiânia   Goiás
Fernando Cunha MDB 32.552 Itumbiara   Goiás
Fontes:[1][12][13]

Deputados estaduais eleitos

editar

Na disputa pelas 38 vagas da Assembleia Legislativa de Goiás a ARENA conquistou 21 vagas contra 17 do MDB.

Representação eleita

  ARENA: 21
  MDB: 17

Fonteː[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Joaquim Roriz MDB 20.645 Luziânia   Goiás
Wolney Siqueira ARENA 20.099 Pirenópolis   Goiás
Mauro Borges Júnior MDB 19.340 Goiânia   Goiás
Derval de Paiva MDB 19.285 Cumari   Goiás
Ibsen de Castro ARENA 19.257 Morrinhos   Goiás
Hélio Seixo de Brito Júnior ARENA 19.013 Inhumas   Goiás
Juracy Xavier Teixeira ARENA 18.469 Porteiras   Ceará
Domingos Venâncio de Almeida ARENA 18.044 Jaraguá   Goiás
Gilson Machado de Araújo ARENA 17.942 Goiânia   Goiás
Manoel Libânio de Araújo ARENA 17.510 Formosa   Goiás
José Elias Fernandes MDB 16.759 Guapó   Goiás
Sérgio Ramos Caiado ARENA 16.580 Anápolis   Goiás
Ênio Paschoal ARENA 15.726 Catalão   Goiás
Adjair de Lima e Silva ARENA 15.654 Iporá   Goiás
Habid Gabriel Issa ARENA 15.230 Anápolis   Goiás
Wander Arantes de Paiva ARENA 14.743 Santa Helena de Goiás   Goiás
Clarismar Fernandes dos Santos ARENA 14.557 Goiânia   Goiás
Ataíde Rodrigues Borges ARENA 14.512 Itumbiara   Goiás
Wolney Martins de Araújo[nota 11] MDB 14.411 Catalão   Goiás
Manoel da Costa Lima[nota 12] MDB 14.078 Serranópolis   Goiás
Alziro Gomes ARENA 13.252 Imperatriz   Maranhão
Paulo Rezek Andery ARENA 13.121 Gália   São Paulo
César Franklin de Carvalho Aires ARENA 13.005 Carolina   Maranhão
Helenês Cândido ARENA 12.773 Morrinhos   Goiás
Eurico Veloso do Carmo ARENA 12.561 Rio Verde   Goiás
Osório Santa Cruz MDB 12.547 Rio Verde   Goiás
Humberto Xavier ARENA 12.447 Quirinópolis   Goiás
Frederico Jaime Filho MDB 12.252 Pirenópolis   Goiás
Aparecido Antônio de Paula MDB 11.987 Inhumas   Goiás
Waterloo Araújo MDB 11.819 Tupaciguara   Minas Gerais
José Denisson de Souza ARENA 11.657 Silvânia   Goiás
Juarez Magalhães de Almeida MDB 10.498 Formosa   Goiás
Milton Alves Ferreira MDB 10.325 Patos de Minas   Minas Gerais
João Divino MDB 10.001 Goiânia   Goiás
João Felipe MDB 9.982 Catalão   Goiás
Vicente Miguel da Silva e Souza MDB 9.667 Catalão   Goiás
Joceli Machado MDB 9.386 Pirenópolis   Goiás
Línio Ribeiro de Paiva MDB 9.306 Araguari   Minas Gerais
Fontes:[1][13][14]

Notas

  1. No Distrito Federal havia seções especiais para captar o voto de quem estava fora do seu estado de origem e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima, o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições em Fernando de Noronha.
  2. Quando um partido lançasse candidatura única a senador (regra sob medida para os "biônicos") seus suplentes seriam escolhidos em escrutínio separado respeitado o número de votos para definir a posição dos reservas na chapa.
  3. a b Quando um partido lançar dois candidatos a senador, cada sublegenda indicará o respectivo suplente. Neste caso, o mais votado será eleito, tendo como primeiro suplente o candidato que não foi eleito e como segundo suplente aquele registrado na chapa vitoriosa.
  4. a b c Na época, a legislação vigente permitia o lançamento de até três candidatos por sublegenda.
  5. a b c As sublegendas do MDB colheram 536.113 votos (54,69%), contra 444.170 votos (45,31%) da ARENA.
  6. O suplente de Juarez Bernardes foi indicado posteriormente à convenção do MDB, não sendo possível identificá-lo até este momento.
  7. Faleceu em 14 de outubro de 1979 em razão de um acidente aéreo em Iturama (MG) e em seu lugar foi efetivado Siqueira Campos.
  8. Faleceu vítima de câncer em 19 de março de 1980 e em seu lugar foi efetivado Guido Arantes.
  9. Durante sua gestão como secretário de Justiça no governo Ary Valadão sua cadeira foi entregue a Siqueira Campos, mas com a efetivação deste na vaga de José de Assis e a de Guido Arantes na vaga de Jamel Cecílio, assumiu Vilmar Guimarães, falecido em 14 de janeiro de 1981.
  10. Renunciou ao mandato em 7 de janeiro de 1983 para integrar o Tribunal de Contas do Estado de Goiás e assim foi efetivado Manuel Oséas Ferreira.
  11. Nomeado prefeito de Anápolis pelo governador Ary Valadão em março de 1980, permaneceu à frente do cargo até 14 de abril de 1982.
  12. Faleceu vítima de acidente aéreo em 30 de outubro de 1981.

Referências

  1. a b c d e f BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. «Eleições de 1978». Consultado em 2 de maio de 2024 
  2. BRASIL. Presidência da República. «Ato Institucional Número Três». Consultado em 4 de maio de 2024 
  3. BRASIL. Presidência da República. «Emenda Constitucional Número Oito, de 14/04/1977». Consultado em 4 de maio de 2024 
  4. BRASIL. Presidência da República. «Lei n.º 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 2 de agosto de 2013 
  5. BRASIL. Câmara dos Deputados. «Biografia do deputado Ary Valadão». Consultado em 2 de agosto de 2013 
  6. BRASIL. Câmara dos Deputados. «Biografia do deputado Benedito Ferreira». Consultado em 2 de agosto de 2013 
  7. Paulo Freire adere ao PT (online). O Estado de S. Paulo, 26/01/1980. Página visitada em 2 de agosto de 2013.
  8. Redação (1 de setembro de 1978). «Menos de dez mil votos elegem 22 senadores. Política e Governo – p. 04». bndigital.bn.gov.br. Jornal do Brasil. Consultado em 2 de maio de 2024 
  9. a b BRASIL. Presidência da República. «Decreto-lei n.º 1.541 de 14/04/1977». Consultado em 7 de junho de 2018 
  10. a b BRASIL. Presidência da República. «Decreto-lei n.º 1.543 de 14/04/1977». Consultado em 7 de junho de 2018 
  11. a b BRASIL. Presidência da República. «Lei n.º 6.534 de 23/05/1978». Consultado em 7 de junho de 2018 
  12. BRASIL. Câmara dos Deputados. «Página oficial». Consultado em 2 de maio de 2024 
  13. a b BRASIL. Presidência da República. «Lei n.º 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 13 de agosto de 2015 
  14. BRASIL. Assembleia Legislativa de Goiás. «Legislaturas Anteriores». Consultado em 23 de setembro de 2020