Abrir menu principal

Eleições estaduais em São Paulo em 1974

As eleições estaduais em São Paulo em 1974 ocorreram em duas etapas conforme previa o Ato Institucional Número Três[1] e assim a eleição indireta do governador Paulo Egídio Martins e do vice-governador Ferreira Filho foi em 3 de outubro e a escolha do senador Orestes Quércia, 46 deputados federais e 70 estaduais ocorreu em 15 de novembro sob um ritual aplicado aos 22 estados e aos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima. Os eleitores paulistas residentes no Distrito Federal escolheram seus representantes para o Congresso Nacional graças à Lei n.º 6.091 de 15 de agosto de 1974.[2][3][4][nota 1][nota 2]

1970 Brasil 1978
Eleições estaduais em  São Paulo em 1974
3 de outubro de 1974
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1974
(Eleição direta)


Gov23.jpg
Candidato Paulo Egídio Martins


Partido ARENA


Natural de São Paulo, SP


Vice Ferreira Filho
Votos 52
Porcentagem 82,54%


Brasão do estado de São Paulo.svg
Governador de São Paulo

Para governador foi escolhido Paulo Egídio Martins, nascido na cidade de São Paulo e formado em Engenharia Civil em 1951 na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em seus tempos de líder estudantil foi presidente da União Metropolitana dos Estudantes por duas vezes a partir de 1948 e em sua gestão foi inaugurado o Restaurante Calabouço e durante a passagem de Olavo Jardim Campos pela presidência da União Nacional dos Estudantes compôs a diretoria da entidade. Após trabalhar na construção da Estrada de Ferro Central do Paraná foi nomeado superintendente de engenharia da Byington & Companhia em 1953 e passou a integrar o Instituto de Engenharia de São Paulo antes de deixar sua antiga firma para trabalhar na Alcoa do Brasil S/A. Simpático ao Regime Militar de 1964 foi derrotado por José Vicente de Faria Lima ao disputar a prefeitura de São Paulo em 1965 e com o bipartidarismo trocou a UDN pela ARENA e foi ministro da Indústria e Comércio no governo Castelo Branco. De volta à iniciativa privada chegou a trabalhar no Banco Comind até ser indicado para o Palácio dos Bandeirantes pelo presidente Ernesto Geisel.[5][6]

Compondo sua chapa como vice-governador estava o advogado Manoel Gonçalves Ferreira Filho, professor da Universidade de São Paulo e outrora assessor de Alfredo Buzaid no Ministério da Justiça no governo Emílio Garrastazu Médici e na passagem de Laudo Natel pelo executivo paulista foi Secretário de Administração e depois Secretário de Justiça. No dia da eleição a chapa oficial recebeu cinquenta e dois votos enquanto o MDB dividiu-se entre onze abstenções e quatro ausências.[7] No dia da eleição estiveram no Palácio 9 de Julho o vice-governador Rodrigues Filho, o senador Orlando Zancaner e o ex-governador Abreu Sodré enquanto o senador Carvalho Pinto foi representado pelo deputado federal Aldo Lupo.

Na eleição para senador houve um final diverso do esperado pela reversão do favoritismo de Carvalho Pinto que tentava a reeleição e assim a vitória coube a Orestes Quércia. Nascido em Pedregulho e radicado em Campinas ele formou-se advogado pela Pontifícia Universidade Católica e trabalhou como jornalista, administrador de empresas e empresário. Sua vida política começou no PL ao se eleger vereador de Campinas em 1962 e durante o Regime Militar de 1964 entrou no MDB elegendo-se deputado estadual em 1966 e prefeito de Campinas em 1968.[8] Vitorioso, ele comporia a bancada paulista ao lado de Franco Montoro e Orlando Zancaner[nota 3] estabelecendo um recorde na votação para senador que em números absolutos seria batido apenas em 1986 por Mário Covas.

Resultado da eleição para governadorEditar

A eleição ficou a cargo da Assembleia Legislativa de São Paulo presidida por Salvador Julianelli.[9]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Paulo Egídio Martins
ARENA
Ferreira Filho
ARENA
11
ARENA (sem coligação)
52
82,54%
  Eleito

Resultado das eleições para senadorEditar

Com informações oriundas do Tribunal Superior Eleitoral que apurou 6.326.522 votos nominais (88,88%), 470.907 votos em branco (6,62%) e 320.439 votos nulos (4,50%) resultando no comparecimento de 7.117.868 eleitores.[10]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Orestes Quércia
MDB
Samir Achôa
MDB
151
MDB (sem coligação)
4.630.182
73,19%
Carvalho Pinto
ARENA
Aldo Lupo
ARENA
111
ARENA (sem coligação)
1.696.340
26,81%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[11][12][nota 4]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Francisco Amaral MDB 167.808 Campinas   São Paulo
Baldacci Filho ARENA 146.609 Caçapava   São Paulo
Jorge Paulo Nogueira MDB 133.742 São Paulo   São Paulo
Ademar de Barros Filho ARENA 127.697 São Paulo   São Paulo
Pacheco Chaves MDB 124.948 São Paulo   São Paulo
João Arruda MDB 119.177 São Paulo   São Paulo
Ulysses Guimarães MDB 115.996 Itirapina   São Paulo
Otávio Ceccato MDB 114.837 Campinas   São Paulo
Dias Menezes MDB 108.222 São Paulo   São Paulo
Athiê Jorge Coury MDB 103.185 Itu   São Paulo
José Camargo MDB 101.602 São Roque   São Paulo
Marcelo Gato MDB 100.746 Sertãozinho   São Paulo
Santilli Sobrinho MDB 98.090 Mineiros do Tietê   São Paulo
Freitas Nobre MDB 93.820 Fortaleza   Ceará
Adalberto Camargo MDB 89.391 Araraquara   São Paulo
Lincoln Grillo MDB 85.780 Uberlândia   Minas Gerais
Faria Lima ARENA 83.696 Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Guaçu Piteri MDB 83.542 Pindorama   São Paulo
João Cunha MDB 77.223 Ribeirão Preto   São Paulo
Ruy Codo MDB 77.049 Santa Gertrudes   São Paulo
Roberto de Carvalho MDB 72.823 Barretos   São Paulo
Herbert Levy ARENA 71.354 São Paulo   São Paulo
Israel Dias Novaes MDB 67.040 Avaré   São Paulo
João Pedro ARENA 65.058 Lins   São Paulo
Cunha Bueno ARENA 63.952 São Paulo   São Paulo
Pedro Carolo ARENA 63.127 Pontal   São Paulo
Salvador Julianelli ARENA 60.695 São Paulo   São Paulo
Gioia Júnior ARENA 60.070 Campinas   São Paulo
Alcides Franciscato ARENA 58.621 Piracicaba   São Paulo
Aurélio Campos MDB 57.773 Santos   São Paulo
Diogo Nomura ARENA 57.429 Registro   São Paulo
Blota Júnior ARENA 54.998 Ribeirão Bonito   São Paulo
Joaquim Bevilacqua MDB 54.706 São José dos Campos   São Paulo
Airton Soares MDB 44.772 Pirajuí   São Paulo
Theodoro Mendes MDB 44.560 Sorocaba   São Paulo
Antônio Morimoto ARENA 41.545 Promissão   São Paulo
Sílvio Venturolli ARENA 40.556 Corumbataí   São Paulo
Edgar Martins MDB 37.462 São Paulo   São Paulo
Amaral Furlan ARENA 36.946 Sertãozinho   São Paulo
Ferraz Egreja ARENA 35.291 Cristina   Minas Gerais
Cardoso de Almeida ARENA 35.160 São Paulo   São Paulo
Yasunori Kunigo MDB 33.719 Araçatuba   São Paulo
Airton Sandoval MDB 31.846 Itirapuã   São Paulo
Otacílio de Almeida MDB 29.590 Tietê   São Paulo
Odemir Furlan MDB 24.380 Itajobi   São Paulo
Frederico Brandão MDB 20.975 Caxias   Maranhão

Deputados estaduais eleitosEditar

Estavam em jogo 70 vagas na Assembleia Legislativa de São Paulo.[10][nota 4]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Manoel Oliveira Sala MDB 77.987
Alberto Goldman MDB 74.731 São Paulo   São Paulo
Natal Gale MDB 61.535 Orlândia   São Paulo
Evandro Mesquita[nota 5] MDB 52.277
Agenor Lino de Matos MDB 51.919
Horácio Ortiz MDB 50.675 Redenção da Serra   São Paulo
Sólon Borges dos Reis ARENA 48.304 Casa Branca   São Paulo
Robson Marinho MDB 44.620 Belo Horizonte   Minas Gerais
José Silveira Sampaio[nota 6] MDB 44.535 Rio Claro   São Paulo
Maluly Neto ARENA 44.168 Fartura   São Paulo
Augusto Toscano MDB 43.955
João Gilberto Sampaio MDB 43.813
Leonel Júlio MDB 43.792 Duartina   São Paulo
Nelson Fabiano Sobrinho MDB 43.656
Ademar de Barros[nota 7] ARENA 43.342 Olímpia   São Paulo
Del Bosco Amaral MDB 42.689 Santos   São Paulo
Jorge Fernandes da Silva MDB 41.888
Januário Mantelli Neto ARENA 40.648
Doreto Campanari MDB 39.966 Marília   São Paulo
Francisco Antônio Coelho MDB 39.800
Jihei Noda MDB 39.359 Saga   Japão
José Felício Castellano ARENA 39.219 Rio Claro   São Paulo
Oswaldo Carvalho MDB 38.422
Wanderlei Simionato Doenha MDB 37.759
Antônio Salim Curiati ARENA 37.330 Avaré   São Paulo
Wadih Helu ARENA 37.207 Tatuí   São Paulo
Theodosina Rosário Ribeiro MDB 36.630 Barretos   São Paulo
Gustavo Lauro Korte Júnior MDB 35.712
Rafael Américo Ranieri MDB 34.691
Agnaldo de Carvalho Júnior ARENA 34.554 Recife   Pernambuco
Ricardo Izar ARENA 34.443 São Paulo   São Paulo
Renato Cordeiro ARENA 34.115
Vicente Botta MDB 33.611 São Carlos   São Paulo
Emil Adib Razuk ARENA 33.366
Osiro Silveira MDB 33.256
Walter Mendes MDB 31.526
Áureo Ferreira ARENA 31.346
Milton José Baldochi MDB 31.042
Abrahim Dabus ARENA 30.674 Avaré   São Paulo
Hélio Rosas MDB 30.650 Pindamonhangaba   São Paulo
Edson Tomaz de Lima MDB 30.628
Acrisio Pereira Lima MDB 29.331
Nadir Kenan MDB 29.137
Rubens Granja MDB 29.071
Dulce Braga ARENA 28.996 São José do Rio Preto   São Paulo
Fábio Porchat[nota 8] MDB 28.917 São Paulo   São Paulo
Adail Vetorazzo ARENA 28.636 São José do Rio Preto   São Paulo
Nabi Abi Chedid ARENA 28.574 Ramarith   Líbano
Archimedes Lammoglia ARENA 27.899
Ivan Espíndola de Ávila MDB 27.811 Santos   São Paulo
Marco Antônio de Oliveira ARENA 27.612
Néfi Tales MDB 26.928 Guará   São Paulo
Paulo Kobayashi ARENA 25.535 Ribeirão Pires   São Paulo
Reginaldo Valadão MDB 25.670
Fernando Scalamandre MDB 25.601 Araraquara   São Paulo
Rui Silva ARENA 25.489
Antonio Carlos Mesquita MDB 25.312
Osmar Ribeiro Fonseca MDB 25.157
Koyu Iha MDB 24.830 Santos   São Paulo
Sebastião Marcondes MDB 24.467 São Bento do Sapucaí   São Paulo
Vanderlei Macris MDB 24.296 Americana   São Paulo
Eduardo Negrini Coutinho ARENA 24.257
Waldemar Lopes Ferraz ARENA 23.905
André Pescarini MDB 23.840
Jayro Maltoni MDB 23.776 Ribeirão Preto   São Paulo
João Lázaro de Almeida Prado ARENA 23.638
Hélvio Nunes da Silva ARENA 23.091
Emílio Justo MDB 22.913
Benedito Ferreira de Campos MDB 22.401
José Maria Marin ARENA 22.250 São Paulo   São Paulo

Notas

  1. Nos referidos territórios o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições em Fernando de Noronha.
  2. Originalmente a Lei n.º 6.091 não previa a eleição para deputados estaduais, algo que ocorreria anos depois.
  3. Sua renúncia para assumir uma cadeira no Tribunal de Contas de São Paulo em 1976 levou à efetivação de Otto Lehmann.
  4. a b Catapultado pela votação de Orestes Quércia o MDB praticamente triplicou sua representação parlamentar em relação a 1970 quando atingiu o nível mais baixo de toda a sua história. Dona de 32 cadeiras na representação paulista em Brasília e 51 na Assembleia Legislativa de São Paulo, a ARENA caiu para, respectivamente, 17 e 25 assentos enquanto o MDB subiu de 11 para 29 deputados federais e 16 para 45 estaduais,
  5. Homônimo do cantor e ator Evandro Mesquita.
  6. Não confundir com o médico e ator Silveira Sampaio.
  7. Homônimo do político paulista Ademar de Barros.
  8. Pai do ator e humorista Fábio Porchat.

Referências

  1. «Subsecretaria de Informações do Senado Federal: Ato Institucional Número Três». Consultado em 20 de novembro de 2013 
  2. «BRASIL. Presidência da República: Lei n.º 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 21 de novembro de 2013 
  3. A ARENA no dia do MDB. Disponível em Veja, ed. 324 de 20/11/1974. São Paulo: Abril. Página visitada em 20 de novembro de 2013.
  4. «Acervo digital Veja». Consultado em 20 de novembro de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  5. Missão de Petrônio termina e prefere políticos (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 17/06/1974. Primeiro caderno, p. 07. Página visitada em 25 de maio de 2018.
  6. Tomam posse hoje os novos governadores (online). Folha de S. Paulo, 15/03/1975. Nacional, p. 04. Página visitada em 12 de outubro de 2017.
  7. Egídio, já eleito, declara seu respeito pela Oposição (online). Folha de S. Paulo, 04/10/1974. Nacional, p. 04. Página visitada em 11 de outubro de 2017.
  8. «Acervo digital da Folha de S.Paulo». Consultado em 21 de novembro de 2013 
  9. De Norte a Sul, espetáculo igual (online). O Estado de S. Paulo, São Paulo (SP), 04/10/1974. Primeiro caderno, p. 05. Página visitada em 26 de maio de 2018.
  10. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 10 de outubro de 2017 
  11. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 10 de outubro de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  12. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 10 de outubro de 2017