Abrir menu principal

Eleições estaduais na Paraíba em 1978

As eleições estaduais na Paraíba em 1978 ocorreram em duas etapas conforme o Pacote de Abril: em 1º de setembro houve a via indireta e na ocasião a ARENA elegeu o governador Tarcísio Burity, o vice-governador Clóvis Cavalcanti e o senador Milton Cabral. A fase seguinte aconteceu em 15 de novembro a exemplo dos outros estados brasileiros e nela houve disparidades: o MDB elegeu o senador Humberto Lucena enquanto a ARENA conseguiu a maioria das cadeiras dentre os 11 deputados federais e 33 estaduais que foram eleitos e nela os paraibanos residentes no Distrito Federal escolheram seus representantes por força da Lei nº 6.091 de 15 de agosto de 1974.[1][nota 1]

1974 Brasil 1982
Eleições estaduais na  Paraíba em 1978
1º de setembro de 1978
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1978
(Eleição direta)


Replace this image male.png
Candidato Tarcísio Burity


Partido ARENA


Natural de João Pessoa, PB


Vice Clóvis Cavalcanti


Brasão da Paraíba.svg
Governador da Paraíba

Nascido em João Pessoa e formado pela Universidade Federal da Paraíba, o governador Tarcísio Burity foi advogado e promotor de justiça concluiu em 1964 o curso de Sociologia na Universidade de Poitiers e em 1967 tornou-se Doutor em Ciência Política junto ao Instituto Universitário de Altos Estudos Internacionais em Genebra.[2] Ao retornar ao Brasil foi chefe de gabinete da reitoria na Universidade Federal da Paraíba e professor da instituição até ser nomeado secretário de Educação no governo Ivan Bichara quando filiou-se à ARENA. Antes que sua candidatura ao Palácio da Redenção fosse referendada com a vitória, Tarcísio Burity enfrentou uma disputa árdua com o dissidente Antônio Mariz e ao fim do processo tornou-se o primeiro governador paraibano sem histórico de vinculação com os três grandes partidos que dominaram a Quarta República Brasileira.[3]

Para vice-governador foi eleito Clóvis Cavalcanti. Natural de Bananeiras, em 1935 ele recebeu a graduação em Medicina pela Universidade Federal de Pernambuco e foi alçado ao serviço público no governo de Argemiro de Figueiredo como chefe do posto de saúde em sua cidade natal e chefiou interinamente o Serviço de Endemias Rurais da Paraíba. Filiado à UDN nos estertores do Estado Novo, foi nomeado prefeito de Bananeiras ao final de 1945 e exerceu o cargo durante a interventoria de Severino Montenegro.[nota 2] Eleito deputado estadual em 1947, 1950, 1954, 1958 e 1962, foi presidente da Assembleia Legislativa antes de ingressar na ARENA, partido do qual foi presidente estadual sendo reeleito deputado estadual em 1966. Eleito vice-governador da Paraíba por via indireta na chapa de Ernani Sátiro em 1970, foi candidato a suplente de senador na chapa de Aluizio Campos, mas não foi eleito. Secretário de Saúde no governo Ivan Bichara, voltou ao posto de vice-governador e assumiria o poder após a renúncia de Tarcísio Burity para concorrer a deputado federal em 1982.[4]

Reeleito senador por via indireta, Milton Cabral é formado em Engenharia Civil em 1947 na Universidade Mackenzie. Nascido em Umbuzeiro, viveu em Campina Grande onde foi diretor do Rotary Clube e sócio-fundador do Clube de Engenharia. Assumiu a presidência da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba em 1950 e a vice-presidência da Confederação Nacional da Indústria em 1953. Na política foi eleito deputado federal pelo PTB em 1962 e ficou na suplência em 1966, entretanto a renúncia de Ernani Sátiro em 9 de maio de 1969 para assumir uma cadeira no Superior Tribunal Militar a convite do presidente Costa e Silva resultou na sua efetivação. Filho de Severino Cabral, foi eleito senador pela ARENA em 1970, mandato que renovou graças ao Colégio Eleitoral e ao qual renunciaria ao ser eleito governador da Paraíba pela Assembleia Legislativa no primeiro semestre de 1986. Em razão disso a cadeira de senador ora em aberto foi entregue a Maurício Leite.[nota 3][5][6][7][8][9]

No pleito com voto direto o MDB elegeu Humberto Lucena graças às sublegendas que uniram aos seus os votos aos do deputado estadual de Bosco Barreto e aos do vereador de Campina Grande, Ary Ribeiro e assim foi imposta uma derrota ao ex-governador Ivan Bichara.[10] Quanto a Humberto Lucena ele é advogado pela Universidade Federal de Pernambuco em 1951. Filiado ao PSD e ao MDB após o Regime Militar de 1964, elegeu-se deputado estadual em 1950 e 1954 e deputado federal em 1958, 1962, 1966 e 1974. Nascido em João Pessoa, disputou sua primeira eleição para senador em 1970, mas foi derrotado.[11][12]

Com o surgimento do PDS os arenistas ingressaram no partido enquanto o PP e depois o PMDB recebeu a maior parte da oposição, entretanto os governistas venceram o pleito de 1982 com Wilson Braga.[13]

Resultado da eleição para governadorEditar

O Colégio Eleitoral da Paraíba era dominado pela ARENA e composto por 313 membros e assim homologou os candidatos previamente apontados em convenção partidária.[10]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Tarcísio Burity
ARENA
Clóvis Cavalcanti
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
306
97,76%
  Eleito

Resultado da eleição para senadorEditar

Mandato biônico de oito anosEditar

A eleição para senador biônico permitiu a reeleição de Milton Cabral que fora eleito em 1970.[10] O destino dos votos "divergentes" não foi informado.[nota 4]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Milton Cabral
ARENA
Maurício Leite
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
306
97,76%
  Eleito

Mandato direto de oito anosEditar

Seria eleito o candidato mais votado a partir da soma das sublegendas, o que permitiu ao MDB ficar com a vaga não obstante a maior votação individual do arenista Ivan Bichara conforme acervo do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba cujos registros mencionam 48.332 votos em branco e 48.469 votos nulos.[nota 5]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Ivan Bichara
ARENA
-
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
303.154
45,13%
Humberto Lucena
MDB
[nota 4]
MDB
-
MDB (em sublegenda)
269.795
40,16%
Bosco Barreto
MDB
[nota 4]
MDB
-
MDB (em sublegenda)
50.032
7,45%
Ary Ribeiro
MDB
[nota 4]
MDB
-
MDB (em sublegenda)
48.784
7,26%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[14][15][16]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Wilson Braga ARENA 84.168 Conceição   Paraíba
Antônio Mariz ARENA 77.274 João Pessoa   Paraíba
Marcondes Gadelha MDB 59.046 Sousa   Paraíba
Joacil Pereira ARENA 50.164 Caicó   Rio Grande do Norte
Carneiro Arnaud MDB 42.556 Pombal   Paraíba
Álvaro Gaudêncio ARENA 39.923 São João do Cariri   Paraíba
Ademar Pereira ARENA 35.521 Pombal   Paraíba
Otacílio Queiroz MDB 34.891 Patos   Paraíba
Antônio Gomes ARENA 32.885 Umbuzeiro   Paraíba
Arnaldo Lafayette MDB 31.865 Monteiro   Paraíba
Ernani Sátiro ARENA 28.959 Patos   Paraíba

Deputados estaduais eleitosEditar

Na disputa pelas 33 vagas da Assembleia Legislativa da Paraíba a ARENA conquistou vinte e duas vagas e o MDB onze.[10]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Afrânio Bezerra ARENA 28.689 4,52% João Pessoa   Paraíba
Edme Tavares ARENA 22.594 3,56% Cajazeiras   Paraíba
Evaldo Gonçalves ARENA 22.389 3,52% São João do Cariri   Paraíba
Assis Camelo ARENA 17.403 2,74%
Chico Pereira ARENA 14.443 2,27% Pombal   Paraíba
Edivaldo Mota ARENA 14.267 2,25% Patos   Paraíba
Inácio Morais ARENA 13.973 2,20% Santa Luzia   Paraíba
Eilzo Matos ARENA 13.936 2,19% Sousa   Paraíba
José Lacerda Neto ARENA 13.744 2,16% São José de Piranhas   Paraíba
José Soares Madruga ARENA 13.608 2,14% Itaporanga   Paraíba
Manoel Gaudêncio ARENA 13.303 2,09% Campina Grande   Paraíba
Aércio Pereira ARENA 13.031 2,05% Pombal   Paraíba
Sarmento ARENA 12.982 2,04% Cajazeiras   Paraíba
Fernando Milanez ARENA 12.818 2,02% João Pessoa   Paraíba
Egídio Madruga ARENA 12.622 1,99% Pedras de Fogo   Paraíba
Zé Lira MDB 12.449 1,96% Teixeira   Paraíba
Orlando Almeida MDB 12.400 1,95% Campina Grande   Paraíba
Álvaro Magliano MDB 12.203 1,92%
Zé Gayoso MDB 12.115 1,91% Patos   Paraíba
Nilo Feitosa ARENA 12.110 1,91% Monteiro   Paraíba
Luiz Ferreira Barros ARENA 11.520 1,81%
Múcio Sátyro ARENA 11.410 1,80% Patos   Paraíba
Juracy Palhano ARENA 11.141 1,75% Remígio   Paraíba
Américo Maia ARENA 11.135 1,75% Catolé do Rocha   Paraíba
Sócrates Pedro ARENA 10.961 1,73% Campina Grande   Paraíba
Antônio Quirino ARENA 11.817 1,35% Santa Helena   Paraíba
Waldir Bezerra MDB 10.556 1,66% Campina Grande   Paraíba
Lourival Caetano MDB 10.224 1,61% Mamanguape   Paraíba
Atêncio Wanderley MDB 9.836 1,55%
Paulo Gadelha MDB 9.530 1,50%
Inácio Pedrosa MDB 9.375 1,48%
José Fernandes de Lima MDB 9.205 1,45% Mamanguape   Paraíba
Adonis Salles MDB 9.155 1,44%

Notas

  1. No Distrito Federal havia seções especiais para captar o voto de quem estava fora do seu estado de origem e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima serviu apenas para a escolha de deputados federais.
  2. A interventoria de Severino Montenegro durou de 06 de novembro de 1945 à 13 de fevereiro de 1946.
  3. Sua eleição em virtude da renúncia do governador Wilson Braga e do vice-governador José Carlos da Silva Júnior que preferiram disputar as eleições daquele ano.
  4. a b c d Após a promulgação da Emenda Constitucional Número Um o Art. 41 § 2º da Constituição de 1967 dizia que cada senador seria eleito com o seu suplente. Em 1978 o senador biônico seria eleito sob a legislação concebida pelo Pacote de Abril enquanto no pleito direto seria eleito o candidato a senador mais votado de cada sublegenda cabendo aos demais a condição de suplentes, entretanto neste último caso citamos aqui apenas o primeiro de cada chapa sem deixar de referenciar o outro quando necessário.
  5. O triunvirato do MDB conseguiu 368.611 votos válidos ou 54,87%.

Referências

  1. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Tarcísio Burity». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  3. Um reduto em perigo (online). Veja, 14/06/1978. Página visitada em 1º de agosto de 2013.
  4. Burity decide disputar Câmara (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 08/05/1982. Primeiro caderno, p. 02. Página visitada em 11 de julho de 2017.
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Milton Cabral». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  6. «Senado Federal do Brasil: senador Milton Cabral». Consultado em 11 de julho de 2017 
  7. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Ernani Sátiro». Consultado em 11 de julho de 2017 
  8. Longe das urnas, perto do poder (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 17/06/1986. Primeiro caderno, p. 03. Página visitada em 16 de julho de 2017.
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Maurício Leite». Consultado em 16 de julho de 2017 
  10. a b c d «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  11. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Humberto Lucena». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  12. «Senado Federal do Brasil: senador Humberto Lucena». Consultado em 11 de julho de 2017 
  13. PP e PMDB decidem unir-se (online). Folha de S.Paulo, 21/12/1981. Página visitada em 1º de agosto de 2013.
  14. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 11 de julho de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  15. «BRASIL: Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 11 de julho de 2017 
  16. «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 11 de julho de 2017