Abrir menu principal

Eleições estaduais no Ceará em 1970

As eleições estaduais no Ceará em 1970 ocorreram em duas fases conforme previa o Ato Institucional Número Três e assim a eleição indireta do governador César Cals e do vice-governador Humberto Bezerra foi em 3 de outubro e a escolha dos senadores Virgílio Távora e Wilson Gonçalves, 15 deputados federais e 39 estaduais aconteceu em 15 de novembro sob um receituário aplicado aos 22 estados e aos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima.[1][2][3][4][5][nota 1]

1966 Brasil 1974
Eleições estaduais no  Ceará em 1970
3 de outubro de 1970
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1970
(Eleição direta)


César Cals de Oliveira Filho, Governador do Ceará..tif
Candidato César Cals


Partido ARENA


Natural de Fortaleza, CE


Vice Humberto Bezerra
Votos 44
Porcentagem 100%


Brasão do Ceará.svg
Governador do Ceará

César Cals nasceu em Fortaleza e ingressou na Escola Militar do Realengo em 1943 formado-se em Engenharia Militar pela Academia Militar das Agulhas Negras e em Engenharia Civil na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Coronel reformado do Exército e professor, foi lotado no 23º Batalhão de Caçadores e no Serviço de Obras da 10ª Região Militar. Devido às suas atividades, desenvolveu um vínculo com o setor energético brasileiro e em razão disso trabalhou na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste, dirigiu a Companhia Energética do Piauí, foi conselheiro da Eletrobras e presidente da Companhia Energética do Maranhão. Renunciou à presidência da Companhia Hidrelétrica de Boa Esperança para assumir o Palácio da Abolição e estava filiado à ARENA ao ser escolhido governador do Ceará pelo presidente Emílio Garrastazu Médici em 1970.[6][nota 2] tendo como vice-governador o deputado federal Humberto Bezerra.

Para fechar o ciclo de poder dos coronéis da política cearense o senador mais votado foi Virgílio Távora. Aluno da Escola Militar do Realengo entrou na política graças ao seu tio, Juarez Távora, e militava na UDN antes de o Regime Militar de 1964 o encaminhar para a ARENA e ao todo em sua carreira política foi Ministro dos Transportes durante o governo João Goulart no gabinete parlamentarista de Tancredo Neves e em 1962 foi eleito governador do Ceará exercendo atualmente o terceiro mandato de deputado federal. Para a segunda vaga de senador foi reeleito Wilson Gonçalves e estava em curso o mandato de Valdemar Alcântara.

Resultado da eleição para governadorEditar

Em eleição realizada pela Assembleia Legislativa do Ceará o MDB retirou-se do plenário em protesto ao sistema de eleições indiretas e assim apenas a bancada da ARENA participou da eleição. Por ser irmão do vice-governador eleito, o deputado Adauto Bezerra declarou-se impedido de votar.[7]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
César Cals
ARENA
Humberto Bezerra
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
44
100%
  Eleito

Resultado da eleição para senadorEditar

Dados fornecidos pelo Tribunal Regional Eleitoral do Ceará informam a apuração de 1.304.810 votos nominais (73,91%) 399.292 votos em branco (22,62%) e 61.270 votos nulos (3,47%) resultando no comparecimento de 1.765.372 eleitores.[1][3]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Virgílio Távora
ARENA
José Dias de Macedo
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
578.902
44,37%
Wilson Gonçalves
ARENA
Uchôa Lima
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
407.362
31,22%
Figueiredo Correia
MDB
Paulo Sanford
MDB
-
MDB (sem coligação)
318.546
24,41%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[8][9]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Marcelo Linhares ARENA 54.543 Fortaleza   Ceará
Paes de Andrade MDB 44.211 Mombaça   Ceará
Flávio Marcílio ARENA 43.550 Picos   Piauí
Furtado Leite ARENA 43.537 Santana do Cariri   Ceará
Manoel Rodrigues ARENA 38.738 Cariré   Ceará
Hildebrando Guimarães ARENA 37.381 Maceió   Alagoas
Ernesto Valente[nota 3] ARENA 36.347 Aracati   Ceará
Ozires Pontes MDB 33.875 Massapê   Ceará
Álvaro Lins MDB 33.637 Pedra Branca   Ceará
Parsifal Barroso ARENA 32.823 Fortaleza   Ceará
Leão Sampaio ARENA 30.773 Barbalha   Ceará
Edilson Távora ARENA 27.731 Iguatu   Ceará
Jonas Carlos ARENA 26.568 Almino Afonso   Rio Grande do Norte
Ossian Araripe ARENA 26.467 Crato   Ceará
Januário Feitosa ARENA 25.811 Cajazeiras   Paraíba

Deputados estaduais eleitosEditar

A Assembleia Legislativa do Ceará recebeu trinta e um representantes da ARENA e oito do MDB totalizando 39 deputados estaduais.[3]

Notas

  1. Nos referidos territórios o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições no Distrito Federal e no Território Federal de Fernando de Noronha.
  2. Sede do governo estadual a partir de 1970 foi privado dessa condição até recuperá-la em 2011.
  3. Em 12 de março de 1973 assumiu a Secretaria de Indústria e Comércio no governo César Cals permanecendo no cargo até 10 de janeiro de 1974 sendo convocado Josias Gomes.

Referências

  1. a b «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 21 de maio de 2018 
  2. «Subsecretaria de Informações do Senado Federal do Brasil: Ato Institucional Número Três». Consultado em 11 de novembro de 2013 
  3. a b c «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará». Consultado em 11 de novembro de 2013 
  4. ... e fez-se o Arenão. Disponível em Veja, ed. 116 de 25/11/1970. São Paulo: Abril. Página visitada em 11 de novembro de 2013.
  5. «Acervo digital Veja». Consultado em 11 de novembro de 2013. Arquivado do original em 29 de outubro de 2013 
  6. «Governo do estado do Ceará: Palácio da Abolição volta a sediar Poder Executivo Estadual». Consultado em 12 de novembro de 2013 
  7. Assembléias (sic) estaduais elegem os governadores (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 04/10/1970. Primeiro caderno, p. 26. Página visitada em 21 de maio de 2018.
  8. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 11 de novembro de 2013. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  9. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 11 de novembro de 2013