Eleições estaduais no Ceará em 1990

As eleições estaduais no Ceará em 1990 ocorreram no dia 3 de outubro como parte das eleições no Distrito Federal e em 26 estados. Foram vitoriosos o governador Ciro Gomes, o vice-governador Lúcio Alcântara, o senador Beni Veras, vinte e dois deputados federais e quarenta e seis estaduais na primeira eleição para governador que vigoravam os dois turnos, porém como o eleito, Ciro Gomes, obteve mais da metade dos votos válidos o pleito terminou em primeiro turno.[1]

1986 Brasil 1994
Eleições estaduais no  Ceará em 1990
3 de outubro de 1990
(Decisão em primeiro turno)
Cirogomes2006.jpg Paulo lustosa.jpg
Candidato Ciro Gomes Paulo Lustosa
Partido PSDB PFL
Natural de Pindamonhangaba, SP Sobral, CE
Vice Lúcio Alcântara Luiza Távora
Votos 1.279.492 871.047
Porcentagem 54,32% 36,98%


Brasão do Ceará.svg
Governador do Ceará

Eleito pelo PMDB em 1986, o governador Tasso Jereissati entrou em dissenso com seu partido na eleição presidencial de 1989 quando apoiou Mário Covas numa atitude que o fez ingressar no PSDB em 16 de janeiro de 1990,[2] gesto repetido por Ciro Gomes, seu afilhado político com quem firmou uma aliança que venceria as eleições em 1994 e 1998 com o próprio Tasso Jereissati[nota 1] e em 2002 com Lúcio Alcântara. Ao deixar o PMDB, o grupo tassista obrigou seu antigo partido a alinhar-se com os coroneis Adauto Bezerra, César Cals e Carlos Virgílio Távora, filho do falecido Virgílio Távora e mesmo essa coligação não impediu a queda vertiginosa no número de parlamentares eleitos pelo PMDB que embora conservasse os senadores Mauro Benevides e Cid Saboia de Carvalho, caiu de doze para quatro deputados federais e de vinte e quatro para quatro deputados estaduais em comparação a 1986.[1]

Paulista de Pindamonhangaba, o governador Ciro Gomes é advogado formado pela Universidade Federal do Ceará e descende de uma família de políticos onde o bisavô, o avô e o pai foram prefeitos de Sobral, cidade para onde Ciro retornou após a graduação recebendo o apoio do pai para candidatar-se a deputado estadual pelo PDS em 1982 obtendo uma suplência. Filiado ao PMDB foi eleito deputado estadual em 1986 com 17.602 votos[1] e com o apoio de Tasso Jereissati foi eleito prefeito de Fortaleza em 1988, cargo ao qual renunciou para disputar o executivo cearense tornando-se o primeiro governador eleito pelo PSDB em todo o país,[3] deixando a capital do estado nas mãos de Juraci Magalhães.

No rastro da vitória de Ciro Gomes para governador o PSDB elegeu o senador Beni Veras os quais, após a queda do presidente Fernando Collor e o estabelecimento do Governo Itamar Franco, foram chamados a auxiliar o novo presidente em seu último ano de mandato.[nota 2] Na disputa pelos cargos proporcionais os tucanos elegeram 32% dos deputados federais e 43% dos estaduais, números que seriam elevados pela ocorrência de coligações partidárias. Os números obtidos pelos cearenses fizeram de Tasso Jereissati o primeiro nordestino a ocupar a presidência nacional do PSDB em convenção realizada em 1º de setembro de 1991.[4]

Resultado da eleição para governadorEditar

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Ceará houve 298.216 (10,30%) votos em branco e 242.440 (8,37%) votos nulos calculados sobre um total de 2.896.185 eleitores com os 2.355.529 votos nominais assim distribuídos:[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Ciro Gomes
PSDB
Lúcio Alcântara
PDT
45
Geração Ceará Melhor
(PSDB, PDT, PDC, PTB, PCN, PSC)
1.279.492
54,32%
Paulo Lustosa
PFL
Luiza Távora
PDS
25
Ceará Verdade
(PFL, PDS, PMDB, PSD, PTR, PST, PL, PTdoB)
871.047
36,98%
João Alfredo Telles Melo
PT
Vasco Damasceno Weyne
PSB
13
Frente Ceará Popular
(PT, PSB, PCB, PCdoB, PV)
185.482
7,87%
José Ribamar Aguiar Júnior
PRN
Roberto Prado Júnior
PRN
36
PRN (sem coligação)
19.508
0,83%
  Eleito

Resultado da eleição para senadorEditar

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral do Ceará houve 767.628 (26,50%) votos em branco e 186.227 (6,43%) votos nulos calculados sobre um total de 2.896.185 eleitores com os 1.942.330 votos nominais assim distribuídos:[1]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Beni Veras
PSDB
Reginaldo Duarte
PSDB
451
Geração Ceará Melhor
(PSDB, PDT, PDC, PTB, PCN, PSC)
1.026.965
52,87%
Paes de Andrade
PMDB
José Afonso Sancho
PDS
151
Ceará Verdade
(PFL, PDS, PMDB, PSD, PTR, PST, PL, PTdoB)
752.950
38,77%
Antônio Durval Ferraz Soares
PT
Walton de Miranda Leitão
PT
131
Frente Ceará Popular
(PT, PSB, PCB, PCdoB, PV)
162.415
8,36%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[5][6]

Deputados federais eleitos Partido Votação Cidade onde nasceu Unidade federativa
José Linhares PSDB 103.740 Sobral   Ceará
Moroni Torgan[nota 3] PDC 92.770 Porto Alegre   Rio Grande do Sul
Gonzaga Mota PMDB 76.451 Fortaleza   Ceará
Vicente Fialho PFL 69.082 Tauá   Ceará
Edson Silva PDT 61.692 Fortaleza   Ceará
Luiz Girão PDT 61.528 Maranguape   Ceará
Ernani Viana PSDB 59.505 Caucaia   Ceará
Sérgio Machado PSDB 53.296 Fortaleza   Ceará
Mauro Sampaio PSDB 50.852 Fortaleza   Ceará
Antônio dos Santos PFL 50.199 Crateús   Ceará
Luiz Pontes PSDB 49.885 Fortaleza   Ceará
Pinheiro Landim PMDB 47.612 Solonópole   Ceará
Carlos Benevides[nota 4] PMDB 46.339 Fortaleza   Ceará
Maria Luiza Fontenele PSB 45.649 Quixadá   Ceará
Etevaldo Nogueira PFL 44.200 Pedro II   Piauí
Aécio de Borba PDS 39.978 Fortaleza   Ceará
Ubiratan Aguiar PMDB 39.225 Cedro   Ceará
Carlos Virgílio Távora PDS 38.236 Fortaleza   Ceará
Orlando Bezerra PFL 37.371 Juazeiro do Norte   Ceará
Jackson Pereira PSDB 37.331 Fortaleza   Ceará
Marco Penaforte PSDB 35.197 Fortaleza   Ceará
Ariosto Holanda PSB 21.754 Limoeiro do Norte   Ceará

Deputados estaduais eleitosEditar

Deputados Estaduais Eleitos Partido Votação
Manoel Salviano PSDB 36.640
Manoel Duca PSDB 24.513
Roberto Pessoa PFL 24.397
Moésio Loiola PSDB 23.963
Antônio Viana Filho PSDB 23.181
Raimundo Macedo PSDB 22.792
Pedro Timbó PFL 22.154
Cid Gomes PSDB 21.895
Maria Shylene Osterno Aguiar PSDB 21.453
Francisco Aguiar PSDB 21.048
José Ricardo Prado PFL 20.284
Stênio Rios PFL 20.199
Luís Alexandre Figueiredo Pessoa PSDB 20.106
Antônio Leite PSDB 18.194
Antônio de Almeida Jacó PFL 19.506
Arnon Bezerra PFL 18.065
Andrade Girão PDT 17.868
José Maria Melo PMDB 17.513
Julio Rego PSDB 16.960
Raimundo Nonato Prado de Aguiar PDS 16.947
Raimundo Nonato da Silva Neto PDT 16.886
Marcos Cals PSD 16.836
Inácio Arruda PC do B 16.764
Maria Lúcia Correa PSDB 16.720
Mauro Filho PMDB 15.887
Paulo Duarte PDC 15.832
Domingos Pontes PDS 15.739
Carlomano Marques PDS 15.615
Teodorico Menezes PSDB 15.196
Manoel Veras PSDB 15.065
Antônio Câmara PMDB 14.919
José Jácome Carneiro PDS 14.537
Abelardo Gurgel PSDB 14.508
Carlos Roberto Costa PSDB 14.341
Marconi de Matos PDT 14.014
Tomaz Brandão PMDB 13.888
Cirilo Pimenta PSDB 13.713
Artur Silva Filho PSDB 13.611
Eudoro Santana PSB 12.914
Luiz Ximenes Filho PRN 11.869
Francisco das Chagas Alves PTB 10.469
Mario Mamede PT 10.355
Luciano Monteiro PCN 10.259
Marcelo Carlos PTB 10.017
Fernando Hugo PL 7.766
Ted Rocha Pontes PL 6.349

Notas

  1. Graças à Emenda Constitucional nº 16 de 4 de junho de 1997 os detentores de cargos executivos ganharam o direito a disputar a reeleição.
  2. Beni Veras assumiu o Ministério do Planejamento em 03/03/1994 e Ciro Gomes o Ministério da Fazenda em 6 de setembro do mesmo ano.
  3. Renunciou ao mandato no último mês da legislatura para assumir o mandato de vice-governador do Ceará na chapa de Tasso Jereissati sendo efetivado Firmo de Castro.
  4. Foi cassado em 14 de abril de 1994 em decorrência das investigações da CPI do Orçamento sendo efetivado Manoel Viana.

Referências

  1. a b c d e «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará». Consultado em 24 de setembro de 2013 
  2. Tasso Jereissati se filia ao PSDB e diz que sua opção é "definitiva" (online). Folha de S.Paulo, 17/01/1990. Página visitada em 24 de setembro de 2013.
  3. «Site oficial do Partido da Social Democracia Brasileira». Consultado em 24 de setembro de 2013 
  4. PSDB elege Tasso como presidente, mas não define o seu perfil político" (online). Folha de S. Paulo, 02/09/1991. Página visitada em 25 de setembro de 2013.
  5. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 19 de agosto de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  6. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 19 de agosto de 2015