Abrir menu principal

Eleições estaduais no Piauí em 2006

As eleições estaduais no Piauí em 2006 ocorreram em 1º de outubro como parte das eleições gerais no Distrito Federal e em 26 estados brasileiros. Foram eleitos o governador Wellington Dias, o vice-governador Wilson Martins e o senador João Vicente Claudino, além de 10 deputados federais e 30 estaduais numa disputa encerrada em primeiro turno.[1]

2002 Brasil 2010
Eleições estaduais no  Piauí em 2006
1º de outubro de 2006
(Decisão em primeiro turno)
Wellington Dias senador 20dez2011.jpg Mao-Santa.jpg
Candidato Wellington Dias Mão Santa
Partido PT PMDB
Natural de Oeiras, PI Parnaíba, PI
Vice Wilson Martins Ciro Nogueira
Votos 954.857 391.083
Porcentagem 61,68% 25,26%


Brasão do Piauí.svg
Governador do Piauí

Quatro anos após chegar ao Palácio Karnak, o governador Wellington Dias reelegeu-se fixando um novo recorde nominal de votos e ao mesmo tempo derrubou o recorde percentual estabelecido em 1962 por Petrônio Portela[1] a despeito de haver mais sete candidatos ao governo estadual. Bancário natural de Oeiras e funcionário da Rádio Difusora de Teresina,[2] entrou no PT em 1985 sendo eleito presidente da Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal do Piauí em 1986 e assumiu a presidência do Sindicato dos Bancários em 1989. Na política foi eleito vereador de Teresina em 1992 e deputado estadual em 1994, assumiu a presidência do diretório estadual do PT e em 1996 foi candidato a vice-prefeito de Teresina na chapa de Nazareno Fonteles e em 2000 perdeu a eleição para prefeito da cidade, embora tenha sido eleito deputado federal em 1998. Eleito governador do estado em 2002 e reeleito este ano, foi beneficiado por estar no exercício do poder e pela vinculação à candidatura presidencial de Luiz Inácio Lula da Silva, também reeleito. Para esta eleição o nome de Wellington Dias chegou a ser anunciado em aliança com o PMDB, todavia a convenção do partido optou pela candidatura do senador Mão Santa.[3]

O vice-governador eleito é Wilson Martins. Médico graduado na Universidade Federal do Piauí e residente em Neurocirurgia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro com especialização em Neurologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e em Administração Hospitalar e Sanitária pela Universidade Gama Filho e possui Mestrado em Neurocirurgia pela Universidade de São Paulo. Natural de Santa Cruz do Piauí, é professor da Universidade Federal do Piauí, integrante da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia e da Academia Brasileira de Neurocirurgia e cirurgião do Hospital Getúlio Vargas em Teresina. Foi presidente da Associação Piauiense de Medicina entre 1991 e 1993 e da Fundação Municipal de Saúde na terceira administração de Wall Ferraz frente à prefeitura de Teresina. Filiado ao PSDB, foi eleito deputado estadual em 1994, 1998 e 2002, legenda que trocaria pelo PSB do qual é presidente do diretório estadual. Secretário de Desenvolvimento Rural no governo Wellington Dias deixou o cargo para ser candidato a vice-governador na impossibilidade de uma aliança formal do petismo com o PMDB.

Pela primeira vez na história o PFL não apresentou candidato ao governo do estado e na disputa para senador aconteceu a derrota de Hugo Napoleão ante o empresário João Vicente Claudino. Formado em Economia pela Universidade de Fortaleza, ele é paraibano de Cajazeiras, integra o Grupo Claudino e foi secretário de Indústria e Comércio no primeiro governo Mão Santa quando pertencia ao PSDB. Em 1997 assumiu a direção da Associação Industrial do Piauí e em 2002 a direção da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Piauí sendo este o seu primeiro mandato político. Graças à sua vitória tornou-se o primeiro senador eleito pelo PTB do Piauí desde Matias Olímpio em 1954.[1]

Por fim a lei eleitoral permitia que, no tocante às disputas proporcionais, que a coligação fosse "dividida" em seções menores.

Resultado da eleição para governadorEditar

Os percentuais atribuídos a cada candidato são calculados segundo o número de votos válidos. Houve ainda 42.962 votos em branco (2,47%) e 147.565 votos nulos (8,49%), estes dois últimos calculados sobre o comparecimento de 1.738.648 eleitores.[1]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Wellington Dias
PT
Wilson Martins
PSB
13
A Vitória da Força do Povo
(PT, PSB, PTB, PCdoB, PL, PRB)
954.857
61,68%
Mão Santa
PMDB
Ciro Nogueira[nota 1]
PP
15
Resistência Popular
(PMDB, PP, PSC, PCB, PTC, PAN)
391.083
25,26%
Firmino Filho
PSDB
Luiz Menezes
PPS
45
Piauí Daqui pra Frente
(PSDB, PPS, PFL, PV, PTdoB)
189.029
12,22%
Edna Nascimento
PSOL
Landim Neto
PSTU
16
Frente de Esquerda Socialista
(PSOL, PSTU)
6.920
0,45%
Major Avelar
PSL
Ximenes de Aragão
PSL
17
PSL
(sem coligação)
2.792
0,18%
Francisco Macedo
PMN
Manoel de Zé Mariano
PMN
33
PMN
(sem coligação)
1.985
0,13%
Jonas Moura
PSDC
Ubaldo Barbosa
PSDC
27
PSDC
(sem coligação)
740
0,04%
Lourdes Melo
PCO
Jane Negreiros
PCO
29
PCO
(sem coligação)
715
0,04%
  Eleito(a)

Resultado da eleição para senadorEditar

Os percentuais atribuídos a cada candidato são calculados segundo o número de votos válidos. Houve ainda 88.285 votos em branco (5,08%) e 234.397 votos nulos (13,48%), estes dois últimos calculados sobre o comparecimento de 1.738.648 eleitores.[1][nota 2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
João Vicente Claudino
PTB
João Hilton Fernandes
PTB
141
A Vitória da Força do Povo
(PT, PSB, PTB, PCdoB, PL, PRB)
926.631
65,44%
Hugo Napoleão
PFL
José Leão
PFL
258
Por um Piauí Melhor
(PFL, PRONA)
328.666
23,21%
Ari Magalhães
PMDB
Francisco Juriti
PMDB
151
Resistência Popular
(PMDB, PP, PSC, PCB, PTC, PAN)
71.293
5,04%
Freitas Neto
PSDB
Deocleciano Guedes
PSDB
456
Piauí Daqui pra Frente
(PSDB, PPS, PFL, PV, PTdoB)
62.623
4,42%
Toim do Frango
PSL
Domingas Margarida
PSL
177
PSL
(sem coligação)
13.035
0,92%
Geraldo Carvalho
PSTU
Geracina Melo
PSTU
161
Frente de Esquerda Socialista
(PSOL, PSTU)
6.460
0,46%
Marcus Vinícius
PMN
José Felipe
PMN
333
PMN
(sem coligação)
3.499
0,25%
Zilton Duarte
PSOL
Romualdo Brasil
PSOL
501
Frente de Esquerda Socialista
(PSOL, PSTU)
2.465
0,17%
Prof. Idelfran
PSDC
Eva Gomes
PSDC
270
PSDC
(sem coligação)
1.294
0,09%
  Eleito(a)

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[4] Ressalte-se que os votos em branco não eram mais considerados válidos para fins de cálculo do quociente eleitoral nas disputas proporcionais graças a uma mudança na legislação.[5]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Marcelo Castro PMDB 160.310 9,92% São Raimundo Nonato   Piauí
Antônio José Medeiros[nota 3] PT 132.359 8,19% União   Piauí
Ciro Nogueira PP 107.563 6,66% Teresina   Piauí
Átila Lira[nota 3] PSDB 98.442 6,09% Piripiri   Piauí
Osmar Júnior PCdoB 96.935 6,00% São Paulo   São Paulo
Júlio César PFL 84.812 5,25% Guadalupe   Piauí
Paes Landim PTB 79.803 4,94% São João do Piauí   Piauí
Mussa Demes[nota 4] PFL 73.708 4,56% Floriano   Piauí
Nazareno Fonteles PT 64.212 3,97% Acaraú   Ceará
Alberto Silva[nota 5] PMDB 42.151 2,61% Parnaíba   Piauí

Deputados estaduais eleitosEditar

No Piauí foram eleitos trinta (30) deputados estaduais.[1]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Lilian Martins PSB 55.795 3,44% Teresina   Piauí
Kleber Eulálio[nota 6] PMDB 47.949 2,95% Teresina   Piauí
Robert Rios[nota 6] PCdoB 46.522 2,87% Teresina   Piauí
Themístocles Filho PMDB 40.010 2,46% Teresina   Piauí
Wilson Brandão PFL 39.581 2,44% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Assis Carvalho[nota 6] PT 33.877 2,09% Oeiras   Piauí
Moraes Souza Filho[nota 7] PMDB 32.547 2,00% Parnaíba   Piauí
Edson Ferreira PFL 29.962 1,85% São Raimundo Nonato   Piauí
Ana Paula Araújo PMDB 29.922 1,85% Guadalupe   Piauí
Hélio Isaías da Silva[nota 6] PTB 29.463 1,82% Oeiras   Piauí
Warton Santos PMDB 29.361 1,81% Picos   Piauí
Luciano Nunes[nota 8] PSDB 28.905 1,78% Teresina   Piauí
Marden Menezes PSDB 28.648 1,77% Teresina   Piauí
Juraci Leite PFL 27.370 1,69% Pedro II   Piauí
Flora Izabel PT 26.890 1,66% Teresina   Piauí
Fernando Monteiro[nota 6] PFL 26.833 1,66% Teresina   Piauí
Olavo Rebelo[nota 9] PT 26.328 1,62% Esperantina   Piauí
Flávio Nogueira[nota 6] PDT 25.924 1,60% Alto Santo   Ceará
Xavier Neto[nota 9] PL 24.640 1,52% Amarante   Piauí
Mauro Tapety PMDB 24.348 1,50% Oeiras   Piauí
Roncalli Paulo PSDB 23.252 1,44% São João do Piauí   Piauí
Henrique Rebelo PMDB 23.195 1,43% Teresina   Piauí
João Madison Nogueira PMDB 23.164 1,43% Corrente   Piauí
Nerinho PTB 22.032 1,36% Picos   Piauí
Antônio Uchôa PDT 21.938 1,35% Pedro II   Piauí
João de Deus PT 21.560 1,33% José de Freitas   Piauí
Ismar Marques PSB 21.512 1,33% Luzilândia   Piauí
Cícero Magalhães PT 18.744 1,16% São Benedito do Rio Preto   Maranhão
Antônio Félix PPS 17.096 1,05% Campo Maior   Piauí
José Pinto de Mesquita PDT 16.131 0,99% Lagoa de São Francisco   Piauí

Notas

  1. Pai do deputado federal eleito de mesmo nome.
  2. Embora cada senador deva ser eleito com dois suplentes (Art. 46 § 3º– CF), mencionamos apenas o primeiro sem prejuízo de citar o outro quando necessário.
  3. a b Antônio José Medeiros foi secretário de Educação no segundo governo Wellington Dias sendo substituído por Benedito Sá e com a eleição deste para prefeito de Oeiras em 2008, foi convocado Elizeu Aguiar. Sobre Átila Lira este assumiu o cargo de secretário de Educação no governo Wilson Martins e em seu último mês de mandato foi convocado R. Sá Filho.
  4. Faleceu em Fortaleza vítima de câncer de pulmão em 5 de novembro de 2008 e em razão disso foi efetivado José Maia Filho.
  5. Faleceu em Brasília vítima de insuficiência respiratória em 28 de setembro de 2009 e em razão disso foi efetivado Themístocles Sampaio.
  6. a b c d e f Por força de acordos políticos, o governador Wellington Dias nomeou seis deputados estaduais e o suplente Paulo César Vilarinho para compor sua equipe durante o mandato e nisso os suplentes Marcelo Coelho, Paulo Martins, Valério Carvalho, Paulo Henrique, Ubiraci Carvalho e Leal Júnior foram convocados .
  7. Eleito vice-governador em 2010. Para ocupar sua vaga foi efetivado Marcelo Coelho, mas uma batalha jurídica destinou a vaga a José Ribamar Pereira, filiado ao mesmo partido do titular.
  8. Sua passagem como secretário de Administração durante a segunda gestão de Sílvio Mendes na prefeitura de Teresina resultou na convocação de Deusimar Farias, o Tererê.
  9. a b Olavo Rebelo foi eleito para o Tribunal de Contas do Estado em 2007 permitindo a efetivação de Paulo Martins e a convocação de Fábio Novo para a Assembleia Legislativa. Em 2010 a eleição de Xavier Neto para a citada corte resultou na efetivação de Valério Carvalho, mas com a cassação deste último por infidelidade partidária, a cadeira foi entregue a Paulo Henrique Paes Landim.

Referências

  1. a b c d e f «Banco de dados do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí». Consultado em 28 de agosto de 2014 
  2. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Wellington Dias». Consultado em 28 de agosto de 2014 
  3. Atraído pelo poder, PMDB pende para Lula nos estados (online). Folha de S. Paulo, 28/06/2006. Página visitada em 28 de agosto de 2014.
  4. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 28 de agosto de 2014. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  5. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 28 de agosto de 2014 
  Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.