Abrir menu principal

Eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1966

As eleições estaduais no Rio de Janeiro em 1966 aconteceram em duas fases de acordo com o Ato Institucional Número Três[1] e assim a eleição indireta do governador Geremias Fontes e do vice-governador Heli Ribeiro Gomes foi em 3 de setembro e a escolha do senador, Paulo Torres, 21 deputados federais e 62 estaduais aconteceu em 15 de novembro num rito semelhante ao aplicado a todos os 22 estados e aos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima. No Rio de Janeiro, a ARENA teve maioria na eleição para senador, situação inversa à da Guanabara, embora o MDB tenha feito as maiores bancadas proporcionais.[2][nota 1]

1962 Brasil 1970
Eleições estaduais no  Rio de Janeiro em 1966
3 de setembro de 1966
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1966
(Eleição direta)


Geremias de Mattos Fontes, governador do Estado do Rio de Janeiro..tif
Candidato Geremias Fontes


Partido ARENA


Natural de São Gonçalo, RJ


Vice Heli Ribeiro Gomes
Votos 36
Porcentagem 100%


Brasão do estado do Rio de Janeiro.svg
Governador(a) do Estado

Natural de São Gonçalo o governador Geremias Fontes trabalhou como escrevente e solicitador e graduou-se em 1954 pela Universidade Federal Fluminense atuando como advogado e pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil em São Gonçalo e Niterói tornando-se assessor da prefeitura de São Gonçalo antes de eleger-se prefeito da cidade pelo PDC em 1958 e deputado federal pelo PTB em 1962, retornando ao PDC onde ficou até ir para a ARENA, legenda da qual tornou-se presidente estadual devido ao Regime Militar de 1964.[3]

Para vice-governador foi escolhido o agropecuarista e industrial Heli Ribeiro Gomes, eleito deputado federal em 1958 e 1962 e também egresso do PTB antes de optar pela ARENA.[4]

O pleito para senador foi decidido em favor de Paulo Torres. Militar nascido em Cantagalo e formado na Escola Militar do Realengo onde chegou em 1921 a tempo de participar das revoltas tenentistas e da Revolução de 1930 e durante a interventoria de Amaral Peixoto foi prefeito de Teresópolis. Durante a Segunda Guerra Mundial participou da campanha da Itália junto à Força Expedicionária Brasileira sendo chefe da Polícia Federal no governo João Café Filho, que o nomeou governador do Acre.[5] Antes da deposição de João Goulart foi presidente do Clube Militar e Comandante Militar da Amazônia sendo escolhido governador do Rio de Janeiro nos primeiros dias do Regime Militar de 1964 renunciando posto no Palácio do Ingá a fim de candidatar-se e vencer a eleição para senador pela ARENA em 1966.[6]

Resultado da eleição para governadorEditar

A eleição aconteceu não obstante a ausência dos 18 deputados estaduais do MDB.

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Geremias Fontes
ARENA
Heli Ribeiro Gomes
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
36
100%
  Eleito

Resultado das eleições para senadorEditar

Os dados a seguir foram obtidos junto ao arquivo do Tribunal Superior Eleitoral.[2]

Candidatos a senador da República
Primeiro suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Paulo Torres
ARENA
Cordolino Ambrósio
ARENA
-
ARENA (sem sublegenda)
394.685
53,06%
Augusto de Gregório
MDB
Moacyr Gomes de Azevedo
MDB
-
MDB (sem sublegenda)
349.193
46,94%
  Eleito

Deputados federais eleitosEditar

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[7][8][2]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Amaral Peixoto MDB 49.414 5,24% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Júlia Steinbruch[nota 2] MDB 44.050 4,67% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Getúlio de Moura[nota 2] MDB 30.086 3,19% Itaguaí   Rio de Janeiro
Rozendo de Souza ARENA 29.152 3,09% Lavras   Minas Gerais
Luís Braz ARENA 28.736 3,05% Itaocara   Rio de Janeiro
Raimundo Padilha ARENA 26.753 2,84% Fortaleza   Ceará
Paulo Biar[nota 3] ARENA 24.862 2,64% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Afonso Celso MDB 23.944 2,54% Campos dos Goytacazes   Rio de Janeiro
Daso Coimbra ARENA 23.143 2,46% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Adolfo Oliveira MDB 21.701 2,30% Petrópolis   Rio de Janeiro
José Sally ARENA 21.590 2,29% Itaocara   Rio de Janeiro
Mário de Abreu ARENA 19.493 2,07% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Dayl de Almeida ARENA 18.851 2,00% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Altair Lima MDB 18.747 1,99% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Glênio Martins MDB 18.673 1,98% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Mário Tamborindeguy ARENA 18.177 1,93% Pelotas   Rio Grande do Sul
Edésio Nunes[nota 2] MDB 16.652 1,77% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Edgard de Almeida[nota 4] MDB 15.454 1,64% Santo Antônio de Pádua   Rio de Janeiro
Rockfeller de Lima ARENA 15.357 1,63% Campos dos Goytacazes   Rio de Janeiro
Sadi Bogado[nota 2] MDB 15.146 1,61% Nova Friburgo   Rio de Janeiro
José Maria Ribeiro[nota 2] MDB 14.715 1,56% Natividade   Rio de Janeiro

Deputados estaduais eleitosEditar

Foram eleitos sessenta e dois deputados estaduais para a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.[2]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Nilo Campos ARENA 14.055 1,49%
Paulo Mendes ARENA 10.825 1,15%
Waldir Rodrigues da Costa MDB 10.394 1,10%
Antônio Alexandre ARENA 9.497 1,01%
Michel Salim Saad ARENA 9.178 0,97%
Celso Peçanha Filho MDB 8.561 0,91%
Alberto Francisco Torres ARENA 8.556 0,91%
Saramago Pinheiro ARENA 8.065 0,85% Niterói   Rio de Janeiro
Newton Guerra MDB 8.044 0,85%
Ordener Pereira Veloso ARENA 7.848 0,83%
José Montes Paixão MDB 7.691 0,82% Rio de Janeiro   Rio de Janeiro
Álvaro Fernandes da Silva Neto MDB 7.352 0,78%
Paulo Hervê MDB 7.195 0,76%
Benedito Ursino de Oliveira Bastos ARENA 7.181 0,76%
Alberto Dauaire MDB 7.078 0,75%
Helvécio Abdalla Monassa MDB 6.816 0,72%
José Augusto da Câmara Torres ARENA 6.727 0,71%
Geraldo Di Biase MDB 6.674 0,71% Valença   Rio de Janeiro
João Esio Caldara MDB 6.667 0,71%
Raul de Oliveira Rodrigues ARENA 6.637 0,70%
Wilson da Silva Mendes MDB 6.522 0,69%
Álvaro de Almeida MDB 6.464 0,69%
Flávio Palmier da Veiga ARENA 6.395 0,68% Niterói   Rio de Janeiro
João Kiffer Neto ARENA 6.311 0,67%
José Antônio Saad MDB 6.236 0,66%
Leonísio Sócrates Batista ARENA 5.986 0,63%
João Batista de Barros MDB 5.755 0,61%
Iltamir Honório Abreu MDB 5.694 0,60%
João Jorge Smolka MDB 5.669 0,60%
Eurico Guimarães Neves MDB 5.591 0,59%
José Kezen MDB 5.561 0,59%
Nicanor Abreu Campanário MDB 5.554 0,59%
José Augusto Pereira das Neves MDB 5.532 0,59%
João Batista da Silva ARENA 5.508 0,58%
Benjamin Idpo MDB 5.492 0,58%
Darcílio Ayres MDB 5.468 0,58% Nova Iguaçu   Rio de Janeiro
Geraldo Tavares André ARENA 5.445 0,58%
Calixto Nami Kalil MDB 5.419 0,57%
Zoelzer Poubel Vidaurre MDB 5.338 0,57%
Paulo do Couto e Pfeil ARENA 5.327 0,56%
Márcio José de Carneiro Macedo MDB 5.232 0,55%
Otávio Cabral ARENA 5.200 0,55%
Zeyr de Souza Porto ARENA 5.092 0,54%
Jorge Sessin David ARENA 5.081 0,54%
Silvério do Espírito Santo MDB 5.066 0,54%
João Rodrigues de Oliveira MDB 5.057 0,54%
Hélio Azevedo Gomes MDB 5.049 0,54%
Ayrton Rachid ARENA 4.967 0,53%
Artur Dalmasso ARENA 4.822 0,51%
Júlio Ferreira da Silva MDB 4.814 0,51%
José Carlos Vaz de Miranda ARENA 4.753 0,50%
José Bismarck de Souza ARENA 4.743 0,50%
Messias de Moraes Teixeira ARENA 4.712 0,49%
João Alberto Chaves Ribeiro MDB 4.693 0,49%
Jarbas Lopes MDB 4.673 0,49%
Sebastião Celito Gouvêa Melo MDB 4.627 0,49%
Ernani Adalberto de Cunto MDB 4.626 0,49%
Ênio Pereira da Costa MDB 4.575 0,48%
José Miguel Olímpio Simões ARENA 4.568 0,48%
Sebastião Bruno ARENA 4.506 0,48%
Jamil Abido ARENA 4.410 0,47%
João Coelho de Almeida ARENA 4.337 0,46%

Notas

  1. Nos territórios federais o pleito serviu apenas para a escolha de deputados federais, não havendo eleições no Distrito Federal e no Território Federal de Fernando de Noronha.
  2. a b c d e Teve o mandato cassado por força do Ato Institucional Número Cinco cujo Art. 4º § único proibia a convocação do suplente.
  3. A morte de Paulo Biar levou à efetivação de Miguel Couto Filho, entretanto como este também faleceu foi efetivado Alair Ferreira.
  4. Mesmo pertencente à oposição foi Secretário da Casa Civil do governo Geremias Fontes sendo convocado Ário Teodoro.

Referências

  1. «Subsecretaria de Informações do Senado Federal do Brasil: Ato Institucional Número Três». Consultado em 10 de janeiro de 2014 
  2. a b c d «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 26 de março de 2018 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Geremias Fontes». Consultado em 26 de março de 2018 
  4. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Heli Ribeiro Gomes». Consultado em 26 de março de 2018 
  5. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Paulo Torres». Consultado em 26 de março de 2018 
  6. «Senado Federal do Brasil: senador Paulo Torres». Consultado em 26 de março de 2018 
  7. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 13 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  8. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 13 de fevereiro de 2015