Eleições gerais no Reino Unido em 2019

do Los joao truly Embrace Lee

As eleições gerais no Reino Unido em 2019 foi o pleito que elegeu o 58.º Parlamento do Reino Unido, acontecendo em 12 de dezembro de 2019. Cada um dos 650 distritos eleitorais elegeu um parlamentar (MP) à Câmara dos Comuns, a câmara baixa do Parlamento Britânico. A eleição, que só precisava ser realizada em 2022, foi convocada antecipadamente após decisão dos maiores partidos do país.[1][2]

Eleições gerais no Reino Unido em 2019
 

2017 ← Reino Unido → Próxima


12 de dezembro de 2019
Boris Johnson election infobox.jpg Jeremy Corbyn election infobox 2.jpg
Candidato Boris Johnson Jeremy Corbyn
Partido Conservador Trabalhista
Natural de Uxbridge & South Ruislip Islington North
Assentos no parlamento 365
Aumento 48
202
Baixa 59
Votos 13 966 565 10 269 076
Porcentagem 43,6%
Aumento 1,2%
32,1%
Baixa 7,8%
Nicola Sturgeon election infobox 3.jpg Jo Swinson election infobox.jpg
Candidato Nicola Sturgeon Jo Swinson
Partido SNP Liberal Democrata
Natural de East Dunbartonshire
Assentos no parlamento 48
Aumento 13
11
Baixa 1
Votos 1 242 372 3 696 423
Porcentagem 3,9%
Aumento 0,9%
11,5%
Aumento 4,1%
2019UKElectionMap.svg
Mapa dos distritos eleitorais do Reino Unido.
Azul - Conservadores
Vermelho - Trabalhistas
Laranja - Liberal Democratas
Amarelo - Nacionalistas Escoceses

Primeiro-ministro do Reino Unido

Eleito
Boris Johnson
Conservador

Durante toda a campanha, o Partido Conservador, liderado pelo incumbente primeiro-ministro Boris Johnson, apareceu com vantagem em primeiro lugar em praticamente todas as pesquisas de opinião. No dia da eleição, os Conservadores conquistaram 48 novos assentos, garantindo maioria absoluta no Parlamento, enquanto os Trabalhistas tiveram uma das suas piores performances eleitorais em décadas. Nessa eleição, a economia e, principalmente, o Brexit foram temas centrais na campanha de todos os partidos envolvidos.[3][4]

ContextoEditar

O Partido Conservador governa o Reino Unido desde as eleições gerais de 2010, quando David Cameron foi empossado como primeiro-ministro.[5] Nas eleições de 2015, o partido conquistou uma maioria absoluta no parlamento, mantendo Cameron no poder.[6] Em 2016, o país realizou um referendo sobre sua permanência na União Europeia, no qual a opção por retirar-se do bloco venceu por uma curta diferença, levando Cameron a renunciar ao cargo.[7] Sua sucessora, a conservadora Theresa May, convocou eleições antecipadas em 2017 para aumentar sua maioria. No entanto, os conservadores perderam sua maioria absoluta na Câmara dos Comuns.[8]

Incapaz de progredir com as negociações para a retirada dos britânicos da União Europeia (Brexit), May renunciou em maio de 2019.[9] Em julho, Boris Johnson foi eleito líder do Partido Conservador e, consequentemente, primeiro-ministro.[10] Johnson apresentou como maior bandeira de sua campanha tirar o Reino Unido da UE, "a qualquer custo", até 31 de outubro, com ou sem acordo.[11][12] Após não conseguir reunir apoio parlamentar para sua agenda, Johnson passou a defender a convocação de eleições antecipadas.[13]

Processo eleitoralEditar

No Reino Unido, a Câmara dos Comuns é a responsável por designar o primeiro-ministro, que atua como chefe de governo do país, escolhendo seu gabinete de ministros.[14] A Câmara dos Comuns, uma das câmaras legislativas mais antigas do mundo, é formada por 650 membros do Parlamento (MP), que são eleitos através do voto distrital por pluralidade.[15][16] Cada um dos quatro países do Reino Unido possui uma quantidade de distritos que varia conforme sua população: a Inglaterra elege 533 deputados, seguida por Escócia (59), País de Gales (40) e Irlanda do Norte (18).[17]

O impasse em relação ao Brexit levou aos analistas a considerarem muito provável a convocação de eleições antecipadas.[18] O primeiro-ministro Johnson tentou três vezes, todas sem sucesso, convocar novas eleições.[19] A oposição resistiu à ideia até que o parlamento aprovou uma lei que impediu a retirada do país da UE sem um acordo.[20] Em 29 de outubro, a Câmara dos Comuns aprovou por 438 votos a 20 a realização de eleições gerais em 12 de dezembro.[21]

O voto é opcional, devendo os eleitores estarem inscritos no Registro Eleitoral. Entre os critérios para tanto, exige-se que os eleitores possuam 18 anos de idade no dia da votação, tenham se registrado para votar até 12 dias úteis antes da votação e serem cidadãos britânicos (ou norte-irlandeses).[22] Em dezembro de 2018, o país contava com 45,8 milhões de eleitores, mas o número aumentou em 3,1 milhões entre a convocação da eleição, em outubro, até 26 de novembro de 2019, data-limite para poder votar nas eleições gerais.[23]

CampanhaEditar

O Partido Conservador e o Partido Trabalhista são os dois maiores partidos políticos;[24] nas eleições gerais de 2017, ambos obtiveram juntos mais de 80% dos votos populares.[25] Enquanto os conservadores representam o eleitorado mais identificado com a direita,[26] os trabalhistas estão mais alinhados com a esquerda.[27] Outros partidos relevantes para a política nacional são o Liberal Democrata, de centro,[28] e o Nacional Escocês, um partido independentista de centro-esquerda que disputa as eleições apenas na Escócia, onde elegeu a grande maioria dos parlamentares em 2017.[29] Além destes, apenas os partidos Verde e UKIP receberam mais de 1% dos votos nas eleições de 2017, mas nenhum deles elegeu bancada significativa.[30]

No final de novembro, o Instituto de Estudos Fiscais divulgou sua análise dos manifestos apresentados pelos três maiores partidos.[31] A análise do manifesto conservador concluiu que "essencialmente não havia nada de novo no manifesto", que havia "pouco em termos de mudanças nos impostos, gastos, assistência social ou qualquer outra coisa", e que eles já haviam prometido aumentar os gastos com saúde e educação durante seus governos.[32] O manifesto trabalhista foi descrito como introduzindo "enormes mudanças econômicas e sociais" e aumentando o papel do Estado para seu maior nível nos últimos 40 anos.[33] Em relação aos liberais-democratas, o instituto considerou que o manifesto revelado não é tão radical quanto o manifesto trabalhista e "um afastamento decisivo das políticas da década passada."[34]

Pesquisas de opiniãoEditar

O gráfico abaixo mostra os resultados de pesquisas de opinião, em sua maioria apenas de eleitores na Grã-Bretanha, realizadas desde as eleições gerais de 2017 até a data da votação. A média móvel é calculada a partir das últimas 15 pesquisas.

 
Sondagem de opinião do Reino Unido para a eleição de 2019, incluindo as pesquisas que começaram em ou antes de junho de 2017.      Conservadores,      Trabalhistas,      UKIP,      Liberais Democratas,      SNP,      Verdes.

ResultadosEditar

Necessário para maioria: 326
365  203  48  11  8  15 
Partido Líder Votação popular Assentos
Votos % 2019 +/-
Partido Conservador CON Boris Johnson 13.966.565
43,63 / 100
365 / 650
  48
Partido Trabalhista LAB Jeremy Corbyn 10.269.076
32,16 / 100
203 / 650
  59
Partido Nacional Escocês SNP Nicola Sturgeon 1.242.372
3,88 / 100
48 / 650
  13
Liberal Democratas LD Jo Swinson 3.696.423
11,55 / 100
11 / 650
  1
Partido Unionista Democrático DUP Arlene Foster 244.127
0,76 / 100
8 / 650
  2
Sinn Féin SF Mary Lou McDonald 181.853
0,57 / 100
7 / 650
 
Plaid Cymru PC Adam Price 153.265
0,48 / 100
4 / 650
 
Social Democrata e Trabalhista SDLP Colum Eastwood 118.737
0,37 / 100
2 / 650
  2
Partido Verde GRN Siân Berry e Jonathan Bartley 865.697
2,70 / 100
1 / 650
 
Partido da Aliança APNI Naomi Long 134.115
0,42 / 100
1 / 650
  1
Partido Brexit BP Nigel Farage 642.323
2,01 / 100
0 / 650
 
Outros 470.842
1,47 / 100
0 / 650
 
Fonteː BBC.com[35]

Referências

  1. «Parlamento aprova eleições gerais em 12 de dezembro no Reino Unido». G1. 29 de outubro de 2019. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  2. Rob Picheta (12 de dezembro de 2019). «Everything you need to know about the UK's crucial election». CNN. Consultado em 12 de dezembro de 2019 
  3. Rob Picheta (13 de dezembro de 2019). «Boris Johnson é eleito primeiro-ministro britânico com ampla maioria de Conservadores no Parlamento». G1. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  4. Sir John Curtice (13 de dezembro de 2019). «General Election 2019: What's behind the Conservative victory?». BBC. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  5. Andrew Gamble (3 de novembro de 2019). «Adapt or die: how the Conservative party keeps power». The Guardian. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  6. Steve Robson (8 de maio de 2015). «General Election 2015: Conservatives win absolute majority in House of Commons after reaching 326 seats». Daily Miror. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  7. Heather Stewart, Rowena Mason e Rajeev Syal (24 de junho de 2016). «David Cameron resigns after UK votes to leave European Union». The Guardian. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  8. «O erro de cálculo de Theresa May que levou a vitória com gosto de derrota nas eleições». BBC. 9 de junho de 2017. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  9. «Theresa May quits: UK set for new PM by end of July». BBC. 24 de maio de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  10. «Conservador Boris Johnson é eleito primeiro-ministro da Grã-Bretanha». Jornal Nacional. 23 de julho de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  11. James Blitz, Jim Brunsden e Alex Barker (23 de julho de 2019). «Boris Johnson has 100 days to deliver on Brexit promise». Financial Times. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  12. «Boris Johnson pede desculpas por não cumprir promessa do Brexit». France Presse. G1. 3 de novembro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  13. Stephen Castle (3 de setembro de 2019). «Brexit Vote Goes Against Boris Johnson, and He Calls for an Election». The New York Times. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  14. «The Government, Prime Minister and Cabinet». Directgov. 3 de outubro de 2012. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  15. «General election 2019: A really simple guide». BBC. 6 de dezembro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  16. «Birth of the English Parliament». Parlamento do Reino Unido. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  17. «Parliamentary constituencies». Parlamento do Reino Unido. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  18. James Blitz (29 de março de 2019). «Will the Brexit impasse lead to a UK general election?». Financial Times. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  19. Rafael Lara (28 de outubro de 2019). «Boris Johnson perde terceira tentativa de eleição geral no Parlamento». Suno. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  20. «Com apoio de oposição trabalhista, Reino Unido deverá ter eleições gerais antes do Natal». G1. 29 de outubro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  21. «UK set for 12 December general election after MPs' vote». BBC. 29 de outubro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  22. «General election 2019: Who can register to vote in a general election?». BBC. 27 de novembro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  23. «General election 2019: More than 3.1m register to vote ahead of midnight deadline». BBC. 26 de novembro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  24. Silvia Amaro (29 de novembro de 2019). «Britain's two biggest political parties have radically different plans for the economy». CNBC. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  25. «Results». BBC. 2017. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  26. «How the right's radical thinktanks reshaped the Conservative party». The Guardian. 29 de novembro de 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  27. Paul David Webb (27 de novembro de 2019). «Labour Party». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  28. Andy Beckett (25 de novembro de 2019). «The Lib Dems are still the party of centrist 'common sense' – but are there any takers?». The Guardian. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  29. David Broughton (9 de junho de 2017). «Scottish National Party». Encyclopædia Britannica. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  30. «UK election 2017: full results». The Guardian. 9 de junho de 2017. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  31. Phillip Inman e Julia Kollewe (28 de novembro de 2019). «IFS manifesto verdict: neither Tories nor Labour have credible spending plan». The Guardian. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  32. «Party manifestos». Institute of Fiscal Studies. 2019. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  33. Tom Kibasi (28 de novembro de 2019). «Look closer at the IFS manifesto report. Labour's vision is the only way». The Guardian. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  34. Chris Giles (28 de novembro de 2019). «UK parties not being 'honest with the electorate', think-tank says». Financial Times. Consultado em 11 de dezembro de 2019 
  35. «Results - Election 2019». BBC (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2019