Eleições legislativas na República Checa em 2013

7.º pleito parlamentar checo

As eleições legislativas checas de 2013 foram realizadas entre os dias 25 e 21 de outubro para renovar a totalidade de assentos da Câmara dos Deputados da Chéquia. Tais eleições foram antecipadas após o governo minoritário liderado pelo então primeiro-ministro Jiří Paroubek ter sido derrubado diante da aprovação de uma moção de censura.[1]

Eleição parlamentar na República Checa em 2013
Chéquia
← 2010 25 de outubro26 de outubro de 2013 2017 →

Todos os 200 assentos da Câmara dos Deputados da Chéquia
101 assentos necessários para maioria
Comparecimento 59.44% Baixa 3.11%
Partido Líder(es) % Ass. ±
ČSSD Bohuslav Sobotka 20.46 50 -6
ANO Andrej Babiš 18.66 47 +47
KSČM Vojtěch Filip 14.91 33 +7
TOP 09 Karel Schwarzenberg 12.00 26 -15
ODS Miroslava Němcová 7.73 16 -37
SPD Tomio Okamura 6.89 14 +14
KDU-ČSL Pavel Bělobrádek 6.78 14 +14


Lista com partidos que ganharam assentos. Confira o resultado abaixo.
Primeiro-ministro anterior Primeiro-ministro eleito
Jiří Paroubek
ČSSD
Bohuslav Sobotka
ČSSD

Nenhum dos partidos políticos logrou alcançar a maioria absoluta. No entanto, o Partido Social-Democrata Tcheco (ČSSD) foi o partido mais votado no pleito, obtendo 20.46% dos votos válidos e elegendo 50 deputados, 6 a menos em comparação às eleições de 2010. Por sua vez, a Aliança dos Cidadãos Descontentes (ANO), partido recém-fundado por Andrej Babiš, obteve uma surpreendente votação, elegendo 47 deputados e tornando-se a segunda principal força política do país. O Partido Comunista da Boêmia e Morávia (KSČM) reforçou sua posição como terceira força política do parlamento checo e conseguiu expandir sua bancada parlamentar após obter 14.91% dos votos válidos e eleger 33 deputados.[2]

Por outro lado, o TOP 09 e o Partido Democrático Cívico (ODS), partidos que compuseram a coalizão governista que governou a República Checa entre 2010 e 2013, sofreram duras derrotas eleitorais após perderem ao todo 52 assentos, inviabilizando a continuidade do governo. Após as eleições, ČSSD, ANO e o KDU-ČSL chegaram a um acordo para formar uma nova coalizão que fornecesse sustentação política a um novo governo e Bohuslav Sobotka tornou-se o novo primeiro-ministro do país.[3]

Resultados eleitorais editar

Resultados eleitorais consolidados[4]
Partido Votos % Cadeiras +/–
Partido Social-Democrata Tcheco 1 016 829 20.46 50   6
Aliança dos Cidadãos Descontentes 927 240 18.66 47 Novo
Partido Comunista da Boêmia e Morávia 741 044 14.91 33   7
TOP 09 596 357 12.00 26   15
Partido Democrático Cívico 384 174 7.73 16   37
Liberdade e Democracia Direta 342 339 6.89 14 Novo
União Cristã e Democrata - Partido Popular Checoslovaco 336 970 6.78 14   14
Demais partidos políticos 625 031 12.57 0   0
Total de votos válidos 4 969 984 99.26
Votos inválidos (brancos e nulos) 37 228 0.74
Total de votos registrados 5 007 212 100
Eleitorado apto a votar 8 424 227 59.44

Referências

  1. France-Presse', 'Agência (7 de agosto de 2013). «Governo de Rusnok não consegue voto de confiança do Parlamento tcheco». Acervo. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  2. Reuters, Da (26 de outubro de 2013). «Centro-esquerda tem vitória apertada em eleições na República Tcheca». Mundo. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  3. «Vláda je hotová, Zeman se dostal do kouta». www.novinky.cz. Consultado em 17 de novembro de 2015 
  4. «Volby do Poslanecké sněmovny Parlamentu | volby.cz». www.volby.cz. Consultado em 2 de fevereiro de 2023 
  Este artigo sobre eleições ou plebiscitos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.