Eleições presidenciais no Afeganistão em 2014

As eleições presidenciais afegãs de 2014 ocorreram em 5 de abril (primeiro turno)[1] e 14 de junho (segundo turno)[2] de 2014 para escolher um sucessor para o atual presidente, Hamid Karzai, que não era elegível devido à limitação a dois mandatos. Estas foram as terceiras eleições democráticas após a queda do regime talibã.

No primeiro turno, Abdullah Abdullah venceu com 45% dos votos. Por não conseguir a maioria absoluta, foi para o segundo turno com Ashraf Ghani Ahmadzai, que conseguiu 31% dos votos. O segundo turno deu a vitória a Ashraf Ghani Ahmadzai com 56,44% dos votos, com 43,56% de Abdullah Abdullah.[3]

EleiçõesEditar

As eleições presidenciais foram realizadas no Afeganistão em 5 de abril de 2014[4] com um segundo turno realizado em 14 de junho. O presidente incumbente, Hamid Karzai, não era elegível para concorrer devido a limites de mandato, pois a Constituição afegã não permite um terceiro mandato.[4] O período de inscrição para as nomeações presidenciais foi aberto a partir de 16 de setembro de 2013 até 6 de outubro de 2013.[5] Um total de 27 candidatos foram confirmados para concorrerem ao cargo.[6] No entanto, em 22 de outubro, a Comissão Eleitoral Independente do Afeganistão desqualificou 16 dos candidatos, restando apenas 11 na corrida presidencial.[7] Por abril de 2014, três candidatos desistiram de concorrer e decidiram apoiar alguns dos oito candidatos restantes, incluindo Quayum Karzai, irmão mais velho do presidente cessante.[8]

A campanha eleitoral começou oficialmente no dia 2 de fevereiro.[4] Os principais temas da campanha foram as relações militares com os Estados Unidos, a pacificação do país, a aplicação estrita ou não da lei islâmica, o papel das mulheres e a corrupção.[9]

Pesquisas de opinião mostraram Abdullah Abdullah e Ashraf Ghani como os principais candidatos[10] e de fato os resultados do primeiro turno das eleições tinham Abdullah na liderança e Ghani atrás dele. Os resultados do segundo turno das eleições determinariam o novo líder do Afeganistão e o segundo conjunto de resultados viriam após o segundo turno em 14 de junho, dois meses após o primeiro turno. Os resultados preliminares eram esperados em 2 de julho e o resultado final no dia 22 de julho. No entanto, as acusações generalizadas de fraude retardaram estes resultados.[11]

A eleição será a primeira na história do Afeganistão, que o poder será transferido democraticamente.[12][13][14][15] Em setembro de 2014, a Comissão Eleitoral Independente denominou que Ashraf Ghani Ahmadzai foi o vencedor.[16]

CandidatosEditar

Para os analistas há seis candidatos principais: Asharf Ghani Ahmadzai, Abdullah Abdullah, Zalmai Rassoul, Abdul Rassoul Sayyaf, Gul Agha Sherzai e Abdul Rahim Wardak; todos, têm ocupado cargos nos governos de Karzai.[17] Segundo pesquisas com estes cinco, os dois mais bem colocados são Abdullah Abdullah e Asharf Gani.[10]

ResultadosEditar

Candidato Partido político Primeiro turno Segundo turno
Votos % Votos %
Ashraf Ghani Ahmadzai Independente 2 084 547 31,56 4 485 888 56,44
Abdullah Abdullah Coalizão Nacional 2 972 141 45,00 3 461 639 43,56
Zalmai Rassoul Independente 750 997 11,37
Abdul Rasul Sayyaf Dawah Islâmica 465 207 7,04
Qutbuddin Hilal Independente 181 827 2,75
Gul Agha Sherzai Independente 103 636 1,57
Mohammad Daud Sultanzoy Independente 30 685 0,46
Hedayat Amin Arsala Independente 15 506 0,23
votos inválidos/brancos
Total 6 604 546 100 7 947 527 100
Votantes
Fonte: «IEC». results.iec.org.af. Consultado em 27 de setembro de 2014. Arquivado do original em 7 de outubro de 2010  «IEC». results.iec.org.af. Consultado em 27 de setembro de 2014. Arquivado do original em 11 de julho de 2014 

Alegações de fraudeEditar

Em julho, determinadas alegações sobre práticas fraudulentas no processo de votação emergiram. A União Europeia enviou seis observadores em Cabul e nas províncias de Herat e de Balkh. Thijs Berman, chefe da equipe de avaliação eleitoral da UE, pediu uma revisão aprofundada das reivindicações de fraude eleitoral e afirmou que serão tomadas medidas necessárias para limpá-la.[18] Abudullah acusou o presidente Hamid Karzai de conspirar no aparelhamento das eleições.[19]

ConclusãoEditar

Em 24 de agosto, o presidente Karzai se reuniu com os dois candidatos, e disse que eles deveriam concluir rapidamente o processo de auditoria. A cerimônia de posse foi definida para 2 de setembro de 2014, um mês depois da data prevista pela ONU. Também afirmou que a incapacidade dos candidatos para um compromisso sobre os resultados levariam o Afeganistão a deterioração.[20] Embora o presidente Karzai insistisse que estaria deixando o cargo em 2 de setembro, ele não o fez por questões de segurança.[21] Enquanto isso, os resultados da eleição permaneceram em disputa, apesar de uma proposta dos Estados Unidos, que os candidatos concordariam, de um acordo de partilha de poder. A auditoria liderada pela ONU não conseguiu convencer Abdullah, uma vez que este insistia que a equipe de auditoria não conseguiu explicar os um milhão de votos a mais contados no segundo turno. Os partidários Ghani insistiram que queriam fazer um acordo e estavam deixando as portas abertas para as negociações.[22]

Em 19 de setembro, a Comissão Eleitoral Independente anunciou Ghani como o vencedor.[16] Cinco horas depois, Abdullah e Ghani assinaram um acordo de partilha de poder, com Ghani sendo nomeado presidente e Abdullah assumindo um cargo importante no governo; o acordo foi assinado, em frente ao palácio presidencial, com o presidente Hamid Karzai presente.[16] Parte do acordo estipulava que a Comissão Eleitoral Independente não iria liberar os totais de votos exatos do segundo turno.[16]

Referências

  1. «Afghanistan : Karzaï cédera la place en 2014». www.lefigaro.fr , Le Figaro, 30 de outubro de 2012.
  2. «Título ainda não informado (favor adicionar)». www.lemonde.fr « Vers un second tour à la présidentielle en Afghanistan »], LeMonde.fr, 15 de maio de 2014.
  3. «Runoff Presidential Election Preliminary Results» (em inglês). IEC. Arquivado do original em 11 de julho de 2014 
  4. a b c Corral (2014), p. 3
  5. «Dr. Zalmai Rasoul nominated for 2014 presidential elections». 6 de outubro de 2013 
  6. Bailey Cahall (7 de outubro de 2013). «27 candidates enter race for Afghanistan's 2014 presidential election». Foreign Policy 
  7. Ali M Latifi (22 de outubro de 2013). «Sixteen Afghan election hopefuls disqualified». Al Jazeera 
  8. Corral (2014), p. 6
  9. Corral (2014), pp. 8-10
  10. a b Matthew Rosenberg (28 de dezembro de 2013). «Polling Comes to Afghanistan, Suggesting Limit to Sway of President Karzai» (em inglês). The New York Times 
  11. «Afghan official: election results might be delayed - Daily Mail». www.dailymail.co.uk 
  12. «Huge security as Afghan presidential election looms». BBC. 4 de abril de 2014 
  13. «Afghanistan votes in historic presidential election». BBC. 5 de abril de 2014 
  14. Shalizi and Harooni, Hamid and Mirwais (4 de abril de 2014). «Landmark Afghanistan Presidential Election Held Under Shadow of Violence». Huffington Post 
  15. «Afghanistan's Future: Who's Who in Pivotal Presidential Election». NBC News 
  16. a b c d Nordland, Rod (21 de setembro de 2014). «Ashraf Ghani Is Named President of Afghanistan by Elections Panel». New York Times 
  17. Corral (2014), pp. 3-6
  18. «EU observers wants review of votes in 6000 polling stations». www.khaama.com  - Khaama Press
  19. «Afghan election results delayed amid fraud accusations». www.aawsat.net  - Asharq Al Awsat
  20. «President Karzai Talks Inauguration Date with Presidential Candidates». president.gov.af. Consultado em 22 de setembro de 2014. Arquivado do original em 29 de agosto de 2014 
  21. «Karzai warns he will quit despite Afghanistan deadlock». www.telegraph.co.uk  - The Telegraph
  22. «Abdullah insists he has won and refuses to accept vote audit». Afghanistan News.Net. 8 de setembro de 2014 

BibliografiaEditar