Eleições presidenciais no Quirguistão em 2009

← 2005 • Flag of Kyrgyzstan.svg • 2011 →
Eleições presidenciais no Quirguistão em 2009
23 de julho de 2009
Demografia eleitoral
Hab. inscritos:  2,939,413
Votantes : 2,328,069
  
79.20%  
Votos válidos: 2,297,731
Votos nulos: 30,338
No flag.svg
Kurmanbek BakiyevAk Jol
Votos: 1,779,417  
  
77.44%
Almazbek Atambayev (cropped) 2.jpg
Almazbek AtambayevSDPK
Votos: 195,291  
  
8.50%
Sin foto.svg
Temir SariyevAkshumkar
Votos: 149,658  
  
6.51%
Ganhador por distrito
Eleições presidenciais no Quirguistão em 2009

Presidential Seal of Kyrgyzstan.svg

Presidente do Quirguistão

Eleições presidenciais foram realizadas no Quirguistão em 23 de julho de 2009. A data foi definida após o Tribunal Constitucional decidir que a prorrogação do mandato presidencial de quatro para cinco anos não se aplicava até a próxima eleição presidencial, convocando eleições até 25 de outubro de 2009; em resposta, um comitê do Parlamento propôs a data da eleição de julho, que foi então aprovada pelo parlamento dominado pelo presidente Kurmanbek Bakiyev, dominado por Ak Jol.[1] Bakiyev já havia anunciado sua intenção de concorrer à reeleição. Bakiyev foi renomeado em 1 de maio de 2009.[2]

No dia da eleição, o principal candidato da oposição, Almazbek Atambayev, retirou-se da disputa, citando sua crença de que a fraude foi usada extensivamente e, portanto, considera a eleição ilegítima. A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) também alegou que Bakiyev tinha vantagens injustas em termos de cobertura superior da mídia de sua campanha, e manipulação de votos. Eventualmente, Bakiyev foi declarado vencedor da eleição com 77% dos votos.

ResultadosEditar

Mais de 500 observadores internacionais supervisionaram a jornada eleitoral e a apuração, que começou imediatamente após o fechamento das urnas, as 20h locais. As autoridades quirguizes proibiram as manifestações após o fechamento dos postos de votação. Além disso, o Governo mobilizou milhares de soldados na capital, Bisqueque, a fim de dissipar eventuais protestos. A participação ficou na casa dos 79,38% dos cerca de 2,9 milhões de eleitores do país.

O presidente, Kurmanbek Bakiyev, foi reeleito por uma maioria arrasadora, segundo os dados preliminares oferecidos hoje pelas autoridades eleitorais dessa ex-república soviética na Ásia Central, em resultados que a oposição não reconhece e denuncia como fraudulentos.

O presidente, Kurmanbek Bakiyev, foi reeleito com 76,43% dos votos "A favor de Kurmanbek Bakiyev votaram mais de 1.700.000 eleitores". O principal adversário de Bakiyev, o ex-primeiro-ministro e líder do Movimento Popular Unido, Almazbek Atambayev, obteve 8,39% dos votos.[3]

Candidato Partido Votos %
Kurmanbek Bakiyev Ak Jol 1,779,417 77.44
Almazbek Atambayev Partido Social Democrático 195,291 8.50
Temir Sariyev Akshumkar 149,658 6.51
Toktayym Ümötalieva Independente 25,096 1.09
Nurlan Motuev Joomart 21,754 0.95
Jengishbek Nazaraliev Independente 19,198 0.84
Contra todos 107,317 4.67
Total 2,297,731 100.00
Votos válidos 2,297,731 98.70
Votos inválidos/em branco 30,338 1.30
Total de votos 2,328,069 100.00
Eleitores registrados/comparecimento 2,939,413 79.20
Fonte: OCSE, Ministério da Justiça

Acusações de fraudeEditar

"As eleições presidenciais transcorreram em um clima bastante tranquilo e amistoso", disse Lisovski. A oposição quirguiz não reconheceu os resultados do pleito e convocou manifestações de protesto, com a intenção de reivindicar uma nova eleição. Em plena votação, dois dos seis candidatos, Atambayev e o independente Zhenishbek Nazaraliev, anunciaram que se retiravam da disputa por considerar o pleito fraudulento. A única mulher que participava da disputa pela Presidência, Toktaiym Umetalieva, também expressou sua inconformidade com os resultados parciais anunciados pela CEC. A Comissão Eleitoral Central (CEC) tachou de "ilegal" a renúncia dos dois candidatos durante a votação, pois a lei eleitoral permite retirar a candidatura só até três dias antes do pleito. Um relatório preliminar da missão de observadores da Assembleia Parlamentar da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e do Escritório para o Desenvolvimento de Instituições Democráticas (ODIHR) indicou que as eleições não cumpriram os padrões do organismo. Já os observadores da Comunidade dos Estados Independentes (CEI) declararam que as eleições foram "livres e transparentes" e que durante sua realização "foram observados os direitos e liberdades constitucionais dos cidadãos".

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Kyrgyzstan to hold presidential election on July 23 - People's Daily Online». en.people.cn. Consultado em 20 de maio de 2022 
  2. «Kyrgyzstan Nominates President For Reelection». RadioFreeEurope/RadioLiberty (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2022 
  3. «G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Apuração final aponta vitória expressiva de presidente do Quirguistão». g1.globo.com. Consultado em 20 de maio de 2022