Emilio Aguinaldo

revolucionário filipino

Emilio Aguinaldo y Famy (Cavite, 22 de março de 1869Cidade Quezon, 6 de fevereiro de 1964) foi um revolucionário, general e político filipino, um dos líderes do movimento de independência de seu país. Presidiu o governo da República das Filipinas, apesar de seu governo não ter obtido reconhecimento internacional.[1]

Emilio Aguinaldo
1.º Presidente das Filipinas
Período 23 de janeiro de 1899
a 23 de março de 1901
Primeiros-ministros Apolinario Mabini (23 de janeiro-7 de maio de 1899)
Pedro Paterno (7 de maio-13 de novembro de 1899)
Antecessor(a) Cargo estabelecido (Diego de los Ríos como governador-geral)
Sucessor(a) Posto abolido (Miguel Malvar, não-reconhecido em 1901)
(Manuel Quezón, reconhecido em 1935)
Presidente do Governo Revolucionário
Período 23 de junho de 1898
a 22 de janeiro de 1901
Antecessor(a) Posto estabelecido
Sucessor(a) Posto abolido
Comandante-em-Chefe das Forças Armadas das Filipinas
Período 5 de junho de 1899
a 23 de março de 1901
Antecessor(a) Posto estabelecido
Sucessor(a) Antonio Luna
Ditador das Filipinas
Período 24 de maio - 23 de junho de 1898
Antecessor(a) Posto estabelecido
Sucessor(a) Posto abolido (Ele mesmo como presidente)
Presidente da República de Biak-na-Bato
Período 2 de novembro - 14 de novembro de 1897
Vice-presidente Mariano Trías
Antecessor(a) Posto estabelecido
Sucessor(a) Posto abolido
Presidente do Governo Revolucionário de Tejeros
Período 22 de março - 1 de novembro de 1897
Vice-presidente Mariano Trías
Antecessor(a) Posto estabelecido
Sucessor(a) Posto abolido
Dados pessoais
Nascimento 22 de março de 1869
Kawit, Cavite, Capitania-geral das Filipinas
Morte 6 de fevereiro de 1964 (94 anos)
Cidade Quezón, Filipinas
Alma mater Colegio de San Juan de Letran
Cônjuge Hilária del Rosario
(1896-1921)
María Agoncillo
(1930-1963)
Religião Catolicismo
Igreja Independente das Filipinas
Assinatura Assinatura de Emilio Aguinaldo
Serviço militar
Lealdade Filipinas Primeira República das Filipinas
República de Biak-na-Bato
Anos de serviço 1896-1901

Oficialmente reconhecido como o o primeiro e mais jovem presidente das Filipinas (1899–1901) e o primeiro presidente de uma república constitucional na Ásia. Ele liderou as forças Filipinas primeiro contra a Espanha na última parte da Revolução Filipina (1896-1898), depois na Guerra Hispano-Americana (1898) e, finalmente, contra os Estados Unidos durante a Guerra Filipino-Americana (1899–1901).

Em 1935, Aguinaldo concorreu sem sucesso à presidência da Comunidade Filipina contra Manuel Quezon. Ele também foi uma das figuras históricas Filipinas a serem recomendadas como herói nacional das Filipinas.

Era da independênciaEditar

Em 1950, o presidente Elpidio Quirino nomeou Aguinaldo como membro do Conselho de Estado das Filipinas , onde exerceu um mandato completo. Ele voltou a se aposentar logo depois e dedicou seu tempo e atenção aos "interesses e bem-estar" dos soldados veteranos.

Ele foi nomeado Doutor honoris causa em Direito, Honoris Causa, pela Universidade das Filipinas em 1953.

Em 12 de maio de 1962, o presidente Diosdado Macapagal mudou a celebração do Dia da Independência de 4 de julho para 12 de junho para homenagear Aguinaldo e a Revolução de 1898, em vez do estabelecimento do Governo Insular das Ilhas Filipinas pelos Estados Unidos. Embora agora com saúde precária, Aguinaldo compareceu às comemorações do Dia da Independência daquele ano. Em 4 de agosto de 1964, a Lei da República No. 4.166 proclamou oficialmente 12 de junho como o Dia da Independência das Filipinas e renomeou o feriado de quatro de julho para "Dia da República das Filipinas".

Morte e legadoEditar

Aguinaldo foi levado às pressas para o Centro Médico de Veteranos na Cidade de Quezon em 5 de outubro de 1962, sob os cuidados da Dra. Juana Blanco Fernandez, médica, onde permaneceu por 469 dias até morrer de trombose coronária aos 94 anos em 6 de fevereiro de 1964. um mês antes de seu 95º aniversário. Um ano antes de sua morte, ele doou seu terreno e mansão ao governo. A propriedade agora serve como um santuário para "perpetuar o espírito da Revolução de 1896".

Em 1964, ele publicou seu livro, "Mga Gunita ng Himagsikan" (Memórias da Revolução). Uma segunda publicação foi feita em 1998 durante o 100º aniversário da Independência das Filipinas.

Referências

  1. «Gen. Emilio Aguinaldo (1869–1964)». aboutph.com. Consultado em 12 de junho de 2012. Arquivado do original em 10 de maio de 2010 

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Emilio Aguinaldo
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.