En Éxtasis (em português: Em Êxtase) é o quarto álbum de estúdio da cantora mexicana Thalía, lançado em 1 de outubro de 1995, pela gravadora EMI.

En Éxtasis
En éxtasis
Álbum de estúdio de Thalía
Lançamento 1 de outubro de 1995 (1995-10-01) (México)

24 de março de 1997 (Brasil)

Gravação 1994—95
Gênero(s)
Duração 58:58
Formato(s) CD, K7 e LP
Gravadora(s) EMI
Produção
  • Emilio Estefan, Jr.
  • Oscar Lopez
  • Kike Santander
  • Mario Ruiz
Cronologia de Thalía
Los Deseos De Thalía - Grandes Éxitos
(1994)
Nandito Ako
(1997)
Singles de En Éxtasis
  1. "Piel Morena"
    Lançamento: 24 de agosto de 1995 (1995-08-24)
  2. "Amándote"
    Lançamento: 21 de novembro de 1995 (1995-11-21)
  3. "María La Del Barrio"
    Lançamento: 24 de julho de 1995 (Original Release)
    16 de janeiro de 1996 (1996-01-16) (US)
  4. "Quiero Hacerte El Amor"
    Lançamento: 12 de março de 1996 (1996-03-12)
  5. "Gracias a Dios"
    Lançamento: 7 de maio de 1996 (1996-05-07)
Capa da edição especial “Bailando En Éxtasis”

Produzido por Oscar López, Emilio Estefan, Kike Santander e Mario Ruiz, é o primeiro lançado pela cantora com a gravadora EMI, após sua saída da gravadora Melody. Marca a primeira colaboração com o produtor Emilio Estefan, que impulsionaria sua carreira musical com essa e suas colaborações subsequentes.

Cinco das quatorze faixas foram lançadas como single entre 1995 e 1996, a saber: "Piel morena", "Quiero hacerte el amor", "Amándote", "Gracias a Dios" e "Maria la del Barrio".

A imagem e as letras das canções causaram uma forte reação negativa na imprensa latino-americana por serem "provocadoras".[1][2] No entanto, junto com o single "Piel morena" é considerado o primeiro sucesso internacional da artista.

Como estratégia promocional, durante 1995 e 1996, houve apresentações em muitos eventos de mídia e festivais em países do continente americano e asiático.

As resenhas da crítica especializada em música foram em maioria favoráveis. Alguns críticos o consideraram um grande passo em sua carreira e o primeiro de vários álbuns notáveis que o seguiriam.

Comercialmente, tornou-se um sucesso. Recebeu discos de ouro e platina em diversos países. Nos Estados Unidos foi certificado como disco de platina dupla pelaa Recording Industry Association of America (RIAA).[3] No Brasil , vendeu mais de 190 mil cópias e ganhou um disco de ouro pela Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD), dessa forma, tornou-se o álbum mais vendido por uma solista mexicana no país.[4]

Em diversos países foi lançado em CD e K7, já no Equador contou com o lançamento no formato de disco de vinil (LP), tornou-se um item raro e procurado por colecionadores.[5]

Antecedentes e desenvolvimento

editar

Depois de assinar um contrato multimilionário em 1994 com a empresa EMI,[6][7][8] a artista juntou-se a Emilio Estefan e outros produtores como Oscar Lopez e Kike Santander para gravar o material em Miami.[9]

De acordo com Estefan, a primeira vez que viu a cantora, foi em uma edição do Festival de Acapulco no qual "ele previu que ele iria colaborar com ela uma vez". Finalmente, quando Thalía esteve em Miami, em 1994, para promover uma das suas novelas da conhecida "Trilogía de las Marías", Estefan ligou por telefone para dizer, "Hey, a vida nos trouxe juntos novamente [...] Gloria e eu vemos Marimar todas as noites e eu tenho uma música perfeita para você [venha ao nosso estúdio]".[9]

Depois da ocasião mencionada, a intérprete entrou no famoso Crescent Moon Studios para gravar algumas faixas.[9] Ela confessou que "se sentiu como a escolhida" desde que Estefan a chamou e que depois de cantar "Piel morena", a primeira de todas as músicas, ela comentou que "era exatamente o estilo dela".[9]

O material foi lançado em 1 de outubro de 1995 e inclui diversos ritmos latinos, como pop latino, cumbia e salsa. De acordo com Thalía, En éxtasis é "um momento íntimo em que eu quis moldar meus sentimentos em uma folha. [..] São emoções extremas e situações que se vivem em momentos de amor [e] "em êxtase".[10]

Promoção e imagem pública

editar
 
A imagem de Thalia para promover o álbum gerou muitas críticas negativas em diferentes mídias, com alguns a chamando de "ousada", "sexual", "sadomasoquista" e "agressiva". Na fotografia, o trabalho House of Tears Femdom, de Harold Kane; vestido muito semelhante ao de Thalía durante o videoclipe "Gracias a Dios" e algumas apresentações de mídia da intérprete.[11]

Como promoção, houve apresentações em inúmeros eventos e meios de comunicação da Ásia e da América, entre 1995 e 1996. Na América Latina, o país com a melhor recepção foi o Brasil, ao passo que na Ásia foram as Filipinas, Tailândia e Indonésia, graças ao impacto cultural da "Trilogia das Marias".[12]

Nas Filipinas, a cantora foi convidada para conhecer Fidel V. Ramos, presidente do país na época,[13][14] tal fato, causou controvérsia, pois o convite ocorreu no meio de um acordo de paz histórico com os guerrilheiros muçulmanos e também com as comemorações do centenário da revolução das Filipinas, segundo os críticos foi prestado mais atenção a visita da artista do que a esses outros acontecimentos e datas. Uma contagem nacional foi tomada antes de chegada da cantora ao país, a imprensa chamou a ocasião de a visita mais ilustre nas Filipinas, depois da do papa Juan Pablo II.[15]

Nessa época, durante o processo de gravação de sua telenovela María la del Barrio (1995-1996), a último da chamada "Trilogia das Marias", juntamente com a promoção do material, a cantora teve que descansar devido a problemas de saúde como arritmia cardíaca, pressão baixa e tontura devido ao excesso de trabalho.[16]

Os vídeos e as performances ao vivo da artista causaram grande controvérsia em diferentes mídias latino-americanas pela forma provocadora que interpretava as músicas e figurinos demasiado sexy.[17] Para os que já conheciam a artista, no entanto, isso não era novidade, pois ocorria desde o seu início como solista.[17]

Na época de seu disco de estreia, por exemplo, tanto em seus vídeos como nas apresentações, ela usava shorts, flores ou bichos de pelúcia em volta do corpo.[18] No videoclipe do single de "Un pacto entre los dos" (1990), que foi rotulado como satânico por grupos de extrema direita, a cantora aparece sendo perseguida por uma tribo canibal.[19] Na canção "Saliva" (1990), seu segundo single, houve censura nas rádios mexicanas porque era "sexualmente explícita".[18][20] E com o álbum Love (1992), ela ganhou o apelido de "símbolo sexual".[21]

A respeito dessa imagem sexual, Joseph Haniana, do Los Angeles Times, comentou que se tratava apenas de uma estratégia de marketing,[22] e apesar de Emilio Estefan dizer que com essa produção, além de querer "destacar as habilidades de Thalía como intérprete", ele "queria dar uma nova imagem a ela a todo o público",[23] a imagem continuou a ser sexy e provocadora como outrora.[22]

Na gravação dos vídeos "Piel morena" e "Gracias a Dios", Thalía utiliza sutiãs "excêntricos", com torneiras, frutas, chaveiros e castiçais.[19] Ed Grant da revista Time comentou que "Gracias a Dios" era o seu vídeo mais extravagante.[19] Ela também usava esse tipo de roupa em muitas de suas apresentações, devido a isso, vários meios de comunicação duvidavam que ela realmente tivesse um "talento vocal" argumentando que ela deixava "suas apresentações com muitos dançarinos e troca de roupas para cobrir suas deficiências musicais".

Durante 1995, ela lançou sua linha de lingerie. Alguns consideraram "atrevida", "sexual", "sadomasoquista" e "agressiva".[11] A crítica Ana Enriquez, do About.com, comentou que após o lançamento de En éxtasis, a cantora mostrou uma imagem "mais acessível" e prosseguiu dizendo que "embora ele mantivesse elementos próprios dentro de suas roupas, como as leggings mostrando sua barriga, ela já se via com uma imagem muito mais refinada e trabalhada [tanto] em seus vídeos [como em] apresentações".[24]

Contracapa e outros formatos

editar
 
Tanto com sua lingerie (1995)[25] tal como na edição padrão e nas suas outras reedições do disco, tinha como eixo central a cruz Anj.

Na contracapa da edição standard, ela incluiu uma dedicatória ao ex-namorado, o produtor Alfredo Díaz Ordaz, dizendo: "Alfredo, por ficar ao meu lado no meu caminho e por habitar o meu coração partido, Eu te amo como nunca antes e vou te procurar no grande dia.[26] A este respeito, a cantora disse em uma entrevista na Argentina o seguinte:

Quando eu tinha 19 anos, me apaixonei por Alfredo, um produtor de televisão que era vinte anos mais velho que eu. Nós estávamos muito apaixonados e estávamos pensando em nos casar. [...] Infelizmente, Alfredo logo contraiu hepatite e morreu.[26]

A intérprete tinha trabalhado com ele em seus dois primeiros álbuns solo, e confessou na mesma ocasião "que todos os seus amigos disseram que [Alfredo] havia sido deixado e morreu de amor [referindo-se ao momento em que cantora rejeitou sua proposta de casamento] o que fez ela se sentir culpada." Finalmente, ele continuou e explicou que "doeu e chorou muito e, em seguida, ao fundo do poço e se reuniu com Deus. [...] Ele agarrou a mão dela e a levou-a para a luz." Desde então, diz que "só tem sido bem sucedida".[26]

Em 1997, foi vendido no México e em alguns países, um EP sob o título Bailando en éxtasis, que incluía remixes e a faixa "Juana".[27] Já no Brasil, foi feito um single especial e promocional que incluía as faixas "Amándote", "Gracias a Dios" e "Maria la del barrio" e vários remixes.[28] Comemorando uma década depois de sua estreia, a EMI Internacional relançou em 2005 o CD com uma faixas bônus em karaoke e dois remixes de "Piel morena".[29]

Singles

editar

O primeiro single escolhido foi "Piel morena". Nos Estados Unidos, ficou em sétimo lugar no Top Latin Songs, em décimo primeiro lugar no Latin Regional Mexican Airplay, enquanto no Latin Pop Airplay alcançou sua posição máxima no número quatro.[30] Conseguiu entrar nas listas de popularidade de países como o Japão e Filipinas.[31][32]

Segundo o site Univision, com este single, a cantora começou a trilhar caminho para conquistar países como Argentina, Brasil e alguns países da Europa, Ásia e Oceania.[33] A Univision Communications realizou uma pesquisa em 2002 e a canção foi eleita como "a melhor canção em espanhol de todos os tempos nos Estados Unidos,[34] O single fez parte da trilha sonora em um capítulo da primeira temporada da série estadunidense Los Soprano.[35][36]

"Amándote" é o segundo single e foi escrito por AB Quintanilla. A canção não apareceu nas charts da Billboard. No videoclipe da música, a cantora aparece passeando pelas ruas de Miami e interagindo com o artista convidado, o espanhol Julio Iglesias.[carece de fontes?]

O terceiro single foi "María la del barrio", que foi incluído no álbum após o sucesso obtido em diferentes partes do mundo pela telenovela que leva o mesmo nome. A música alcançou a trigésima posição na lista Top Latin Albums, enquanto no Latin Pop Airplay ficou em quatorze.[30] Foi incluída na compilação Nandito Ako, em uma versão cantada em tagalo (a língua oficial das Filipinas) intitulada "Mariang Taga Barrio".[37]

O quarto single, "Quiero hacerte el amor", passou despercebido nas listas da Billboard. No entanto, de acordo com a Univision, com "Quiero hacerte el amor" ela "consolidou seu sucesso e se manteve no topo da popularidade no México, Espanha, Estados Unidos e América Latina".[33]

O quinto single, intitulado "Gracias a Dios", é uma composição do cantor e compositor mexicano Juan Gabriel.[38] Thalía cantou a música na novela Luz y sombra, em 1989.[30] Alcançou a vigésima sexta posição na lista Top Latin Song , enquanto no Latin Pop Airplay apareceu na posição de número oito. Em 1997, uma versão em inglês da faixa, intitulada "I Found Your Love", foi incluída na compilação Nandito Ako.[37]

Crítica profissional

editar
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
'StarPulse      [39]
Allmusic      [40]

O jornal colombiano El Tiempo disse que apenas duas faixas: "Piel morena" e "Me faltas tú", "são boas o suficiente [em produção] graças às suas letras, e, especialmente, seus ritmos cativantes, muito parecido com o estilo do colombiano Kike Santander, o autor dessas canções.[41]

Jason Birchmeier do Allmusic deu uma classificação de 3 de 5 estrelas e disse que com En éxtasis, ela deu um grande passo em sua carreira e é o primeiro de vários álbuns notáveis que o seguiriam. Ele continuou dizendo que "Thalía recebeu canções de primeiro nível, e nunca soou tão boa como o que ela fez aqui [...] Todas as músicas são excelentes, mas "Piel Morena" é talvez o que se destaca. [...] As músicas de En éxtasis não se encaixam em uma única categoria, como uma banda latina ou pop; ele tem música diversas com ritmos de salsa, pop e cumbia ", concluiu.[42]

Em uma crítica mista, Joey Guerra, do site Amazon.com, comentou o seguinte:

O primeiro álbum de Thalía com a gravadora EMI Latin separa a cantora e atriz de telenovelas e pop mexicanos descartáveis ​​de seus álbuns anteriores em favor de sons mais ricos e diversificados. No entanto, há alguns momentos preguiçosos neste disco, embora Thalia esteja claramente começando a definir seu caminho como solista. A mudança se deve em grande parte aos produtores Emilio Estefan Jr. e Kike Santander, que habilmente disfarçaram as deficiências de Thalia como cantora com alto nível de produção. A faixa "Piel morena", o primeiro single é a melhor das faixas do álbum, é uma cumbia inebriante e sensual. Thalía brilha em "Amándote", uma faixa de dance music produzida pela AB Quintanilla, e ela ainda conseguiu fazer uma versão doce da música de Juan Gabriel, "Gracias a Dios". As baladas "Quiero hacerte el amor" e "Lágrimas", este último, co-escrito por Thalía, também chamam a atenção pelas sombras e nuances inesperadas.[43]

De acordo com a Billboard, En éxtasis "definiu Thalía musicalmente e a estabeleceu como uma força a ser considerada na música latina".[44]

Omar Ramos do Milenio Diario disse que ""Piel Morena" tornou-se uma das canções mais importantes da sua carreira, em parte por causa de seu polêmico vídeo que mostrava sutiãs com torneiras, fechaduras e castiçais".[18] Comentário semelhante ao de Fraser Delgado, do Miami Times, que disse que teve grande sucesso na região da América Latina e outras partes do mundo e "a transformou de estrela mexicana a uma estrela pop latina". Ele continuou dizendo que "o sucesso não só marcou um ponto de virada na sua carreira como cantora, mas [fez] uma mudança radical na empresa Estefan Enterprises [e] que depois continuaria com outros expoentes da música latina como é: Alejandro Fernández, Shakira e Carlos Vives".[9]

Ilan Stavans e Harold Augenbraum autores da Encyclopedia Latina: History, Culture, and Society in the United States, Volumen 1, concordaram que En éxtasis "foi mais uma prova da crescente comercialização da cultura latina nos Estados Unidos".[45]

A publicação Filipinas, em 1997, o definiu como "mundano".[46] Em geral, tanto o álbum e a canção "Piel morena" são considerados os primeiros sucessos internacionais da carreira musical de Thalía por diferentes meios de comunicação,[47] que até aquele momento havia sido resumido no México e na Ásia.[36]

Desempenho comercial

editar

Nos Estados Unidos, alcançou sua posição máxima no sétimo e décimo terceiro lugar nas listas Latin Pop Albums e Top Latin Albums, respectivamente.[30] Em novembro de 1995, com sete semanas nas listas, o material ocupou o vigésimo e o décimo lugar, respectivamente.[48] Mais de um ano após seu lançamento, em 7 de dezembro de 1996, após mais de cinquenta e oito semanas nas paradas de música latina da Billboard, ficou em número 32 e número 15 no Top Latin Albums e Latin Pop Albums, respectivamente.[49] Em 1º de fevereiro de 1997, com 66 semanas nos Top Latin Albums, ele ficou em número trinta e cinco,[50] enquanto em 19 de julho de 1997, com Amor a la mexicana em sua semana de estreia, colocando-se na décima primeira posição, "En éxtasis" ele reentrou na contagem no número cinquenta.[51] Então, em agosto de 1997, com Amor a la Mexicana dentro do "top" dez, En éxtasis, voltou a entrar na lista liderando a posição 49.

No final de 1997, quase dois anos nas paradas latinas da Billboard, o material, com setenta e duas semanas, foi colocado na décima quinta e trigésima sexta posição do Latin Pop Albums e Top Latin Albums respectivamente; excedido apenas em termos de número de semanas para, Gipsy Kings (101), Selena (85), Marc Anthony (82) y Gloria Estefan (72) e superando artistas como Enrique Iglesias, Shakira, Luis Miguel, Olga Tañón, Los Tigres del Norte e Alejandro Fernández entre muitos outros.[52] Os álbuns Amor a la mexicana e En éxtasis, fizeram da cantora um dos artistas latinos de maior sucesso daquele período, superada apenas por Julio Iglesias, Alejandro Sanz, e os grupos Son by Four e Grupo Bryndis.[53]

Enquanto isso, no México, havia vendido mais de 220.000 mil unidades até 1997.[4] No Brasil, vendeu 30.000 mil exemplares, após 15 dias de seu lançamento; Em novembro de 1997, mesmo com o declínio comercial da indústria fonográfica nesse território, conseguiu comercializar mais de 130.000 cópias.[54] No final daquele mês, havia vendido mais de 150.000 cópias,[4] em detrimento de tal feito, a Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD) o certificou com um disco de ouro. Por mais de uma década, foi a única solista mexicana com tal reconhecimento no Brasil, até o lançamento de Mi Delirio (2009) de Anahí, que recebeu o mesmo prêmio em 2011.[55][56][57][58] A respeito desse feito, a cantora disse:

O Brasil é um mercado difícil, porque [os brasileiros] consomem primeiro suas próprias novelas e cantores [...] Graças às minhas "Marias" que quebraram todos os recordes de público, elas me deram a oportunidade de apresentar minha música.

Na Argentina, quase um ano após a sua publicação, o material tinha vendido mais de 75 000 mil cópias, tornando-se o quinto mais vendido por muitos meses, superado apenas por Enrique Iglesias, Ricky Martin, Alejandro Sanz e Tropimatch.[59] Meses antes, o diretor de marketing da EMI, Jorge Schulze, disse que "trabalhei com a artista desde o início, e então veio o boom da [TV] novela [Marimar], que ajudou a intensificar a campanha discográfica [referindo-se às vendas recordes na Argentina].[60] Em 1997, a Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas (CAPIF) a premiou com dupla platina, Roberto Ruiz, presidente da EMI Argentina, disse que foi a primeira artista mexicana a obter tal reconhecimento no território.[61]

José Bersiano, gerente geral da EMI Uruguai, a premiou com um disco de ouro pelas altas vendas naquele país, na verdade, foi a primeira certificação que a EMI concedeu a um artista daquela empresa naquele território.[61]

Nas Filipinas, alcançou vendas de mais de 40.000 cópias e foi certificado platina.[4] Na Hungria, conseguiu se posicionar na lista dos dez mais populares por sete semanas,[62] enquanto na Grécia atingiu a sua posição máxima na quinta posição.

Até julho de 1996 foram vendidas mais de 500 mil cópias no mundo.[63] Em 1995, a cantora confessou ter ficado "satisfeita" com a recepção que estava recebendo.[64] Vale ressaltar que a revista People en español, em sua primeira edição oficial (1996)[65] nomeou-a como uma das "10 estrelas latinas do momento".[66]

De acordo com diferentes fontes, as vendas mundiais são de 1 milhão[67] ou até 2 milhões de cópias no mundo.[68]

Lista de faixas

editar
N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Piel Morena"  Kike Santander 4:42
2. "Juana"  Myra Stella Turner 2:49
3. "Quiero hacerte el amor"  Daniel García, Mario Schajris 3:59
4. "Amándote"  A. B. Quintanilla III, Ricky Vela 3:48
5. "Llévame Contigo"  Adrian Posse, Rolando Hernández 3:41
6. "Me Erotizas"  Vline Buggy, Julien Lepers, Thalía 4:59
7. "Gracias a Dios"  Juan Gabriel 4:01
8. "Lágrimas"  Aureo Baqueiro, Thalía 4:29
9. "Te Quiero Tanto"  Eddie Sierra 3:11
10. "Te Dejé la Puerta Abierta"  Adrian Posee, B.B. Muñoz 3:08
11. "Fantasía"  Gabriela Anders 4:17
12. "Me Faltas Tú"  Santander 5:10
13. "Piel Morena" (Pablo Flores Remix)Santander 6:43

Desempenho nas tabelas musicais

editar
Chart (1995) Posição
Billboard Top Latin Albums[70] 13
Billboard Latin Pop Albums[71] 7
Grécia (IFPI Grécia)[72] 5
Hungria (MAHASZ)[73] 7

Certificações e vendas

editar
Região Certificação Vendas/distribuição
Argentina (CAPIF)[74] 2× Platina 130,000[75]
Brasil (ABPD)[76] Ouro 190,000[77]
Chile (IFPI Chile)[78] Ouro 10,000^
EUA (RIAA)[3] 2× Platina 300,000[79]
Filipinas[76] Platina 40,000[76]^
México (AMPROFON)[80] 2× Ouro 220,000[76]^
Uruguai (CUDISCO)[78] Ouro 2,000^
Resumos
Mundialmente 2,000,000[68]

Créditos

editar

Histórico de lançamento

editar
Ano Tipo Gravadora Número do catálogo Ref.
1995 CD   EMI Latin H2 536850 [81]
  EMI 7243 8 35217 2 2
  EMI Brazil 856876 2
EMI Latin H2 7243 8 35217 2 2
  EMI 7243 8 36850 2 8
Cassete EMI Latin [82]
1996 Casete   EMI Latin [83]
1999 CD   EMI Latin [84]
2004 DD Capitol Latin [85]

Turnê

editar
En Éxtasis Tour
Turnê de Thalía
Locais América Latina
Ásia
Álbum associado En éxtasis
Data de início 29 de julho de 1996
Data de fim 28 de julho de 1997
N.º de apresentações 15
Cronologia de turnês de Thalía
 
Love Tour
(1993-94)
Amor a la mexicana Tour
(1998)
 

A En Éxtasis Tour foi a segunda turnê mundial da cantora e atriz mexicana Thalía. Em 1996, o sucesso internacional de Thalía foi consolidado graças ao seu álbum "En éxtasis" e à transmissão da telenovela María la del Barrio, o que a levou a realizar uma extensa turnê nas principais capitais da América Latina e Ásia e como algo inédito, é a primeira cantora mexicana a fazer shows nas Filipinas e na Indonésia, onde gozou de grande popularidade graças ao sucesso da telenovela Marimar. Em 1997, durante a 38ª edição Festival Vinã del Mar, Thalía foi eleita rainha do referido festival, além de ganhar o prêmio Gaviota de Prata.[86][87][88][89][90]


Repertório

O seguinte repertório representa o show realizado no Araneta Coliseum, na Cidade Quezon, no dia 20 de agosto de 1996. Não representa necessariamente o repertório do restante da turnê.[91]

  1. "Intro" (contém elementos de "Un Pacto entre los Dos", "Piel Morena" e "Amándote")
  2. "Medley":
    1. "Fuego cruzado"
    2. "Amarillo azul"
    3. "En la Intimidad"
  3. "Saliva"
  4. "Sudor"
  5. "Gracias a Dios"
  6. "Quiero Hacerte el Amor"
  7. "Sabor a Mi" (cover de Álvaro Carrillo)
  8. "Bésame Mucho" (cover de Consuelo Velázquez)
  9. "Sangre"
  10. "Love"
  11. "Macarena" (cover de Los del Río)
  12. "Marimar" (Boogie Mix)
  13. "Amándote"
  14. "Juana"
  15. "Piel Morena"
  16. "Maria la del Barrio"
  17. "Marimar"

Datas


Observações
  • A1 Parte do "Súper Feria de La Molina 96"
  • A2 Parte do "Palenque Feria Estatal de León 97"
  • A3 Parte do "Festival Internacional da Canção de Viña del Mar"
  • A4 Parte do "Festival Presidente de Música Latina"
  • A5 Parte do "Súper Feria de La Molina 97"

Ver também

editar

Referências

  1. «Thalía cumple 40 años...40 momentos de ella» (Verificar en la posición 20). Univision. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  2. «Latinos que triunfan en Hollywood». Terra.com. Terra Networks. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  3. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Thalia – En extasis» (em inglês). Recording Industry Association of America  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Album, e clique em SEARCH.
  4. a b c d e Aguilera, Teresa (17 de agosto de 2011). «Thalia Latin America´s Reigning Music Queen». Billboard (em inglês). Google Libros. Consultado em 21 de julho de 2015 
  5. «Thalia* - En Extasis». Discogs. Consultado em 29 de outubro de 2020 
  6. «Thalía y su trayectoria como solista». Terra.com.mx. Terra Networks. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  7. «Thalía Biography». iTunes (em inglês). Apple Inc. 
  8. «Thalía. Biografía». Averlo.com (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  9. a b c d e «Los Producers». Miami Times (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  10. Epoca de México S. A. (1997). «Epoca: semanario de México». México. Epoca (309-321). 67 páginas 
  11. a b «LA OTRA IMAGEN DE THALÍA:». Eltiempo.com. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  12. Sam Quiñones, 2002, p. 54
  13. «Mere Soap Opera? It's Mexican Magic (in Tagalog)». The New York Times (em inglês). 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  14. «Filipinos in lather over hot Mexican TV soap opera». Associated Press. Gadsden Times. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  15. «Conferencia sobre el Centenario de la Revolución Filipina». Revista Española del Pacífico. Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  16. «THALÍA EN REPOSO:». Eltiempo.com. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  17. a b «Love: el disco de Thalía diseñado por la señora Yolanda Miranda». Impre.com. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  18. a b c «Thalía, precursora de Lady Gaga». Milenio.com. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  19. a b c «The Mrs. Mottola Nobody Knows». Time.com (em inglês). Time Inc. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  20. «Thalía: "Es un niño! It's a boy!"». Univision. 17 de agosto de 2011. pp. 13 e 22. Consultado em 21 de julho de 2015 
  21. «Thalía, más vigente, con sus grandes éxitos». Caracol.com.co. Grupo PRISA. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  22. a b «Soaps Star Thalia Comes On Strong : Television: Saying she was 'born sexy,' the Mexican actress-singer is looking to build her fan base in the United States.». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  23. Horacio de Dios, 2001
  24. «Thalía Arrasando Con Su Estilo». About.com. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  25. «Bellezas de lencería» (Verificar en la imagen número ocho). Quien.com. Consultado em 8 de agosto de 2012 
  26. a b c «Es la protagonista de "Marimar", la tira mexicana que arrasa con los rátings | Thalia: "Las telenovelas dan esperanza a la gente"». Clarin.com. Grupo Clarín. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  27. a b «Thalía – Bailando En Extasis». Discogs (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  28. a b «Thalía – Thalia, O Fenômeno... En Extasis». Discogs (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  29. a b «En Extasis [Bonus Tracks] by Thalia». Yahoo! Music (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  30. a b c d «En Extasis - Thalía : Awards : AllMusic». Allmusic (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  31. «THALÍA, REINA EL ÉXITO». Eltiempo.com. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  32. «Latin Chart - Japan» (Recuperada desde el originalcon Internet Archive). Livepopbars.com (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  33. a b «Thalía. 40 años, 40 canciones». Univision. pp. 19, 20, 21 e 22 
  34. «Anodis :: "Piel Morena", mejor tema musical». Anodis.com (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012. Arquivado do original em 15 de junho de 2013 
  35. «Thalía Biography» (Para verificar debe dirigirse en la sección Soundtrack). Internet Movie Database (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  36. a b «Tu canción es Piel monrena». Univision. Univision Communications. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  37. a b «Thalía – Nandito Ako (2008 Remastered Edition)». Discogs (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  38. Patricia Vining Lunn, Ernest Jackson Lunsford, 2003, p. 122
  39. Jason Birchmeier, Rovi. «En Extasis Album Review, Songs, Ratings». starpulse.com. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  40. «allmusic ((( En Extasis > Overview )))». www.allmusic.com. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  41. «THALIA:». Eltiempo.com. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  42. Jason Birchmeier. «En Extasis - Thalía : Songs, Reviews, Credits, Awards : AllMusic». Allmusic (em inglês). Consultado em 17 de outubro de 2012 
  43. Joey Guerra. «En Extasis (New Version)». Amazon.com (em inglês) 
  44. «THE BILLBOARD STAR AWARD: Thalía | The Mexican Singer/Actress Has Risen From Kiddie Pop To Soap Operas To International Status». Billboard (em inglês). Google Libros. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  45. Ilan Stavans y Harold Augenbraum, 2005, p. 269
  46. Filipinas Pub. (1997). «Pinoy Rocks Second Coming». Filipinas (57-58). 374 páginas 
  47. «Reitera Thalía que se casa este año». Terra.com.mx. Terra Networks. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  48. «FOR WEEK ENDING NOVEMBER 11, 1995 | THE BILLBOARD LATIN 50». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  49. «December 7, 1996 | THE BILLBOARD LATIN 50». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  50. «February 1, 1997 | THE BILLBOARD LATIN 50». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  51. «July 19, 1997 | THE BILLBOARD LATIN 50». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  52. «March 15, 1997 | THE BILLBOARD LATIN 50». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  53. «DIXIE CHICKS, BILLY JOEL JOIN SELECT FEW IN SALES NUMBERS». Billboard (em inglês). Google Libros. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  54. Lannert, John (17 de agosto de 2011). «Brazil97 | Labels´ Work-Sheet: Majors And Indies Profile Plans For The Rest Of The Year». Billboard (em inglês). Google Libros. Consultado em 21 de julho de 2015 
  55. «Anahí recebe Disco de Ouro por vendas de "Mi Delírio"». Territoriodamusica.com. Terra Networks 
  56. «POPSTAR - Anahí Ganha seu certificado de Disco de Ouro por 'Mi Delírio' no Brasil». Sistema Brasileiro de Televisão. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015. Arquivado do original em 24 de junho de 2012 
  57. «CARAS - Anahí recebe disco de ouro no Brasil». Universo Online (em portugués). 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  58. «Anahí: cantora mexicana conquista disco de ouro com o álbum 'Mi delírio'». Rede Globo. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  59. «Sin pelos en la lengua». Clarin.com (em inglês). Grupo Clarín. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  60. «La magia de la televisión». Clarin.com (em inglês). Grupo Clarín. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  61. a b «Thalía volvío a ser reina en Miami: Oro y Platino para una gran estrella» (Comunicado de prensa por EMI). Ondanet.com (em inglês). 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  62. «Archívum - Slágerlisták - MAHASZ: Thalía» (En la sección Keresés előadó/cím szerint debe introducir «Thalía» para verificar la posición obtenida en Hungría por En éxtasis.). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége (em húngaro) 
  63. «Es la protagonista de "Marimar", la tira mexicana que arrasa con los rátings». Clarín (em inglês). Grupo Clarín. 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015. Arquivado do original em 7 de março de 2013 
  64. Cómo S.N (1995). «Thalía | Corazón de condominio». Cómo (513). 69 páginas 
  65. «Inside People». People (em inglês). 17 de agosto de 2011. Consultado em 21 de julho de 2015 
  66. «Las 10 estrellas latinas del momento». People en Español. 2. 1996. ISSN 1096-5750 
  67. Andrade, Nelson Theodoro (1999). «Biografia não autorizada». Brazil: Escala. p. 46 
  68. a b «Thalía le entra a la crítica política, sólo que su canción "Echa pa'lante" no la atribuye a México». Proceso (em espanhol). 28 de junho de 1997. Consultado em 21 de setembro de 2019. Arquivado do original em 21 de setembro de 2019 
  69. «En Extasis (Bonus Tracks) [Extra tracks, Import]». Amazon.co.uk (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  70. «Thalia Chart History (Top Latin Albums)». www.billboard.com. Consultado em 24 de julho de 2014 
  71. «Thalia Chart History (Latin Pop Albums)». www.billboard.com. Consultado em 24 de julho de 2014 
  72. Peak positions for Greece:
  73. «Top 40 album DVD és válogatáslemez-lista – 2001. 16. hét». MAHASZ. Consultado em 24 de julho de 2014 
  74. Gago, Soledad (3 de março de 2019). «Thalía: Reinventarse y renacer». El País (em espanhol). Consultado em 13 de maio de 2020. Cópia arquivada em 13 de maio de 2020 
  75. «Thalía» (em espanhol). Cópia arquivada em 9 de janeiro de 2021 
  76. a b c d «Thalia Latin America's Reigning Music Queen». Billboard Magazine. 109 (48): 33. Consultado em 14 de junho de 2013 
  77. Collares, Sandro (4 de março de 1998). «Thalia Ariadna arrasou no carnaval caroca». Jornal do Commercio. Consultado em 17 de julho de 2020 
  78. a b «Thalía volvío a ser reina en Miami: Oro y Platino para una gran estrella». Consultado em 14 de junho de 2013 
  79. «Thalía volvío a ser reina en Miami: Oro y Platino para una gran estrella». 8 de setembro de 1997. Consultado em 25 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 23 de maio de 2000 
  80. «Certificações (México) (álbum) – Thalia – En extasis» (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas 
  81. «Thalía - En Extasis (CD, Album) at Discogs». Discogs (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  82. «En Extasis [CASSETTE]». Amazon (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  83. «En Extasis [CASSETTE] [Import]». Amazon (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  84. «En Extasis [Us Import] [Import]». Amazon (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  85. «En Extasis». Amazon (em inglês). Consultado em 24 de julho de 2014 
  86. «¿Cuántas reinas ha tenido el Festival de Viña del Mar?: Conoce el listado completo por año». pudahuel.cl (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 
  87. «Thalía: La cantante mexicana adorada en Filipinas». culturizando.com (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 
  88. «Thalía revive su visita a Filipinas, donde tuvo más éxito que Elvis Presley». quien.com (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 
  89. «Thalía on tour En Extasis» (em inglês). guestpectacular.com. Consultado em 14 de janeiro de 2023 
  90. «Thalia Latin America's Reiging Music Queen». Billboard (em inglês). 29 de novembro de 1997. p. LMQ-4. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 14 de abril de 2024 
  91. «Thalía Setlist at Araneta Coliseum, Quezon City, Philippines». setlist.fm (em inglês). Consultado em 14 de maio de 2023 
  92. «ECUADOR: Otra artista mexicana provoca escándalo». ipsnoticias.net (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 
  93. «Thalía conquista a los ecuatorianos». La Opinion (em espanhol). 13 de agosto de 1996. p. 6. Consultado em 8 de maio de 2020. Arquivado do original em 14 de abril de 2024 
  94. «THALIA CAUSA REVUELO EN FILIPINAS:». eltiempo.com (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 
  95. «THALIA ENLOQUECE A CHILE» (em espanhol). eltiempo.com. Consultado em 14 de janeiro de 2023 
  96. «Thalía recuerda un concierto que brindó en 1997 y evidenció su increíble transformación». nuevamujer.com (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2023 

Bibliografia

editar
  • Stavans, Ilan; AUGENBRAUM, Harold (2005). Encyclopedia Latina: history, culture, and society in the United States (em inglês). I. [S.l.]: Grolier Academic Reference. ISBN 0717258157