Abrir menu principal

Encarnação (bairro de Lisboa)

bairro de Lisboa, Portugal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Encarnação (desambiguação).
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2010). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.

O Bairro da Encarnação é um bairro localizado no extremo nordeste da cidade de Lisboa. Na altura da sua construção, em 1938, ocupava quase na totalidade a área delimitada pela estrada Lisboa-Sacavém (actual 2º Circular), pela Avenida de Berlim e pela estrada de Moscavide. Hoje em dia, está integrado na freguesia dos Olivais. É um dos exemplos da aplicação da teoria urbanística da Cidade-Jardim em Portugal, tal como os bairros da Serafina, Caselas e Madre de Deus, também em Lisboa, o Bairro Marechal Gomes da Costa, no Porto, e o Bairro Norton de Matos, em Coimbra.

Índice

Planificação do bairroEditar

 
Alameda da Encarnação.

Redes de circulaçãoEditar

O bairro da Encarnação tem três artérias de circulação principais: uma alameda principal (Alameda da Encarnação) e duas alamedas secundárias, uma a norte e a outra a este. Estas três vias delimitam, de uma maneira geral, o bairro; duas artérias rasgadas unem as três alamedas de forma a que a deslocação no bairro se faça ordeira e rapidamente. Na medida em que o bairro da Encarnação está integrado no programa dos Novos Bairros, levado a cabo por Duarte Pacheco, onde era suposto construir bairros de casas económicas, era imperativo gastar a menor quantia de dinheiro possível. Dessa forma, no traçado das redes de circulação, as vias tiveram de se adaptar ao relevo e não o contrário; pode observar-se bem esse aspecto na alameda principal, que não é completamente linear desde a parte inferior até ao topo, onde se situa a igreja.

HabitaçãoEditar

 
Casas típicas do bairro da Encarnação.

As zonas do bairro estão muito bem definidas. No que diz respeito à habitação, pode dizer-se que o bairro é constituído por casas geminadas unifamiliares que variavam de tamanho dependendo da sua localização; ao longo das vias de circulação principais estavam as casas maiores (Tipo 3), à medida que se avança para o interior do bairro as casas ficam mais pequenas (Tipo 1 e Tipo 2).

Na Encarnação, optou-se por construir apenas vivendas e não prédios. Isto deve-se à tentativa de incutir na mentalidade dos moradores um aspecto de ruralidade parcial. O facto do bairro ser bastante grande, essa noção fundia-se de certa forma com alguma urbanicidade que advinha do gigantismo da obra, daí a necessidade de existiram casas pequenas.

As casas de Tipo 1 têm três assoalhas e são as mais pequenas do bairro. , sendo as mais baratas das três tipologias de habitação da Encarnação. As casas de Tipo 2 têm quatro assoalhadas e têm um tamanho intermédio. Situam-se em zonas interiores do bairro, mas não tão interiores como as casas do Tipo 1. No que diz respeito à renda, tem também um valor intermédio, superior às do Tipo 1 e infeior às do Tipo 3. As casas de Tipo 3 têm cinco assoalhas e são as maiores do bairro. Situam-se junto das principais vias de circulação, ou seja, ao longo das alamedas e junto das artérias rasgadas. A renda destas a casas é a mais alta.

 
Mercado da Encarnação Norte.

EquipamentosEditar

A zona de equipamento do Bairro da Encarnação ocupa cerca de 10-15% da área total do mesmo. Para não fugir à regra, a distribuição dos vários edificios seguiu uma simetria. Desta forma, ao fundo da alameda principal encontra-se o quartel dos bombeiros. No cimo da mesma alameda, bastante centrada, a Igreja de Encarnação. Ao lado da Igreja fica a escola primária. No cimo das alamedas secundárias encontra-se um mercado, assim cada lado do bairro é abastecido por um mercado. Em redor dos mercados há estabelecimentos de comércio. Pode-se concluir que a distribuição destes equipamentos tem uma lógica por de trás, assim escola , igreja e bombeiros são de rápido acesso para qualquer hatibante do bairro.

Espaços verdesEditar

A zona dedicada aos espaços livres do Bairro da Encarnação ocupa cerca de 20-25% da área total. Situam-se principalmente junto às alamedas e, inicialmente, onde hoje são os Olivais. Estes espaços tinham uma grande importância, pois era a única "ocupação dos tempo livres" das pessoas para além da igreja, e como o bairro estava bastante isolado, era o único local de lazer das pessoas.

BibliografiaEditar

  • MONTEZ, Paulino – Estudo de Urbanismo em Portugal – 5-7 Lisboa, 1938
  • FERNANDES, José Manuel – Português Suave – Arquitectura do Estado Novo, IPPAR, 2003

Ver tambémEditar