Abrir menu principal
Diagrama de um encontro orbital lunar.

Um encontro orbital lunar é um conceito para pousar humanos na Lua e retorná-los para a Terra de maneira mais eficiente. Em uma missão do tipo, uma nave espacial principal e uma nave de alunissagem menor viajam juntas para a órbita lunar. O alunissador se separa e desce sozinho para a superfície, enquanto a nave principal permanece em órbita. O alunissador volta para a órbita ao final da missão, se encontra com a nave orbital e se acopla, sendo descartado depois da transferência de tripulação e outros itens de relevância. Apenas a nave principal retorna para a Terra.[1]

O conceito de um encontro orbital lunar foi proposto pela primeira vez em 1919 pelo engenheiro soviético Iuri Kondratyuk,[2] como uma maneira mais econômica de enviar humanos em uma viagem de idade e volta para a Lua.[3] Este método foi depois empregado nas missões bem sucedidas do Programa Apollo do final da década de 1960 e início da década de 1970.[1]

Referências

  1. a b «Project Apollo: "Lunar Orbit Rendezvous" 1968 NASA JSC-344; Mission Planning and Analysis Division». NASA. YouTube. 1968. Consultado em 15 de março de 2019 
  2. Harvey, Brian (2007). Russian Planetary Exploration: History, Development, Legacy and Prospects. Nova Iorque: Springer. pp. 6–7. ISBN 978-0-387-46343-8 
  3. Wilford, John Noble (1969). We Reach the Moon: The New York Times Story of Man's Greatest Adventure. Nova Iorque: Bantam Paperbacks. pp. 41–48 
  Este artigo sobre exploração espacial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.