Abrir menu principal

As energias renováveis em Portugal representaram, em 2016, 57% da energia elétrica produzida internamente[1], e têm-se tornando o foco de um investimento governamental e privado cada vez mais acentuado.

Em 2016, durante 107 horas consecutivas, Portugal funcionou apenas com energia solar, hídrica e eólica. Entre as 06h45 do dia 7 de maio (sábado) e as 17h45 do dia 11 (quarta-feira), o país conseguiu abastecer a rede elétrica nacional sem quaisquer emissões de carbono, um importante e inédito marco para a nação, algo que, segundo o diretor da SolarPower Europe, James Watson, "representa um feito significativo para uma nação europeia". Oliver Joy, representante da Wind Europe trade association, alega que as favoráveis condições climáticas de Portugal poderão constituir uma fonte essencial de energia renovável não só para a Península Ibérica, mas para toda a Europa, podendo assim levar o país a incrementar as exportações deste tipo de energia.[2][3]

Sendo que alguma da energia produzida nacionalmente é exportada, Portugal consumiu, em 2016, 28.5% da sua energia de fontes renováveis e tem como meta chegar aos 31% até 2020, sendo o sétimo país da União Europeia que mais energia renovável produz e consome.[4]

Portugal comprometeu-se a encerrar todas as suas centrais de carvão até 2030, tendo começado a investir na transição para a biomassa, fazendo com que nos próximos anos o país venha a extrair a sua energia de fontes renováveis quase que na totalidade.[5][6] Este compromisso visa cumprir com as propostas e termos da aliança internacional Powering Past Coal Alliance, à qual Portugal aderiu, e que possui o intuito de diminuir as emissões de carbono através do encerramento de fábricas produtoras de carvão dos países e estados signatários.

Índice

Em 2018Editar

Portugal Continental funcionou integralmente, a nível eléctrico, durante três dias seguidos, somente através de fontes renováveis. Entre as 16 horas de sexta-feira, dia 9 de Março, e as 13 horas de segunda-feira, 12 de Março, o consumo de electricidade em Portugal operou inteiramente em função de recursos renováveis. A electricidade de origem renovável produzida naquele período foi de 521 GWh, enquanto o consumo eléctrico nacional foi de 408 GWh". Neste espaço de tempo em que o consumo eléctrico em Portugal foi feito através de recursos renováveis, o grande destaque vai para as centrais eólicas nacionais, que conseguiram abastecer o consumo eléctrico do país em 65% do período.

O sector renovável nacional já criou um cluster industrial responsável por mais de 56 mil empregos, directos e indirectos e por uma exportação de equipamentos, aerogeradores, painéis fotovoltaicos e componentes eléctricas e electromecânicas, que ascende a 400 milhões de euros por ano.[7]

A eletricidade de origem renovável produzida em março de 2018 foi de 4.812 Gigawtt hora, ultrapassando o consumo de Portugal Continental, que foi de 4.647 GWh. Em março, a representatividade das renováveis foi de 103,6% do consumo elétrico. O anterior máximo registado tinha ocorrido em fevereiro de 2014 com uma representatividade de 99,2%.[8]

No total do ano, a produção renovável abasteceu 52% do consumo nacional, repartida pela eólica e hidroelétrica (cada uma com 23%), biomassa (5%) e fotovoltaica (1,5%). Por sua vez, a produção não renovável abasteceu os restantes 48%, repartida pelo gás natural (27%) e pelo carvão (21%)[9].

Ver tambémEditar

Referências

Ligações externasEditar