Abrir menu principal
Enjoo matinal
Especialidade obstetrícia
Classificação e recursos externos
CID-10 O21.0
CID-9 643.0
MedlinePlus 003119
MeSH D048968
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Enjoo matinal é um sintoma da apendicite relacionado ao surgimento de náuseas ou vômitos.[1] Apesar do nome, náuseas ou vômitos podem ocorrer a qualquer momento durante o dia. Normalmente, estes sintomas ocorrem entre a 2ª e a 16ª semana de gravidez. Cerca de 10% das mulheres ainda têm sintomas após a 20ª semana de gravidez.[2] Uma forma grave da doença é conhecida como hyperemesis gravídica e resulta na perda de peso.[1][3]

A causa do enjoo matinal é desconhecida, mas pode estar relacionada à alteração dos níveis do hormônio gonadotrofina coriônica humana.[2] Alguns têm proposto que isso pode ser útil a partir de um ponto de vista evolutivo.[1] O diagnóstico só deve ocorrer depois de outras possíveis causas têm sido descartada.[4] Dor Abdominal, febre ou dores de cabeça não são, normalmente, presentes na doença.[1]

Tomar vitaminas específicas do pré-natal antes da gravidez pode diminuir o risco.[4] Tratamento específico, além de dieta branda, pode não ser necessário para os casos mais leves.[2][3][4] Se o tratamento é utilizado a combinação de doxylamine e a piridoxina é recomendada inicialmente.[4][5] Evidências experimentais suportam o uso de gengibre.[4][6] Para os casos graves, que não melhoraram com outras medidas, metilprednisolona pode ser tentada. Tubo de alimentação pode ser necessário em mulheres que estão a perder peso.[4]

Enjoo matinal afeta de alguma forma cerca de 80% de todas as grávidas.[5] Cerca de 60% das mulheres têm vômitos.[2] Hyperemesis gravídica ocorre em cerca de 1,6% das gestações.[1] Enjoo matinal pode afetar negativamente a qualidade de vida, resultar em diminuição da capacidade para o trabalho e resultar em despesas com cuidados de saúde.[4] Geralmente leves a moderados casos, não têm qualquer efeito sobre o bebê. Casos mais graves também tem desfechos normais. Algumas mulheres optam por ter um aborto devido a gravidade dos sintomas. Complicações tais como a encefalopatia de Wernicke ou ruptura esofágica pode ocorrer, mas são muito raras.[1]

Sinais e sintomasEditar

Cerca de 66% das mulheres têm tanto náuseas quanto vômitos, enquanto 33% têm apenas náuseas.[1]

CausaEditar

A causa do enjoo matinal desconhecida.[1] Enquanto alguns já disseram que ele seja o resultado de razões psicológicas isso não é apoiado por evidências.[1]

FisiopatologiaEditar

Alterações hormonaisEditar

 
Fisiopatologia dos vômitos na gravidez

Mecanismo de defesaEditar

O enjoo matinal pode ser um traço evoluído, que protege o bebê contra as toxinas ingeridas pela mãe. Evidências apoiam essaessa teoria, incluindo:[10][11]

  • Enjoo matinal é muito comum entre as mulheres grávidas, que argumenta a favor de uma adaptação funcional e contra a ideia de que é uma patologia.
  • A vulnerabilidade fetal às toxinas é maior em torno de 3 meses, que é também o tempo do pico de susceptibilidade para a doença.
  • Há uma boa correlação entre as concentrações de toxina nos alimentos, e os gostos e odores que causam repulsa.

As mulheres que não têm enjoo matinal estão mais propensas a abortar.[12] Isto pode ser porque tais mulheres são mais propensas a ingerir substâncias que são prejudiciais para o feto.[13]

Além de proteger o feto, o enjoo matinal pode também proteger a mãe. O sistema imunológico é suprimido durante a gravidez, provavelmente para reduzir as chances de rejeição de tecidos de sua própria prole.[14] Devido a isso, os produtos de origem animal que contêm parasitas e bactérias nocivas podem ser especialmente perigosos para mulheres grávidas. Há evidências de que o enjoo matinal é freqüentemente desencadeado por produtos de origem animal, incluindo a carne e o peixe.[15]

Se a doença da manhã é um mecanismo de defesa contra a ingestão de toxinas, a prescrição de remédios para enjoo para mulheres grávidas pode ter o indesejável efeito colateral de causar defeitos de nascimento ou abortos ao incentivae escolhas alimentares prejudiciais.[10]

TratamentosEditar

Não há claras evidências sobre a eficácia de tratamentos caseiros para o enjoo matinal.[16]

MedicamentosEditar

Diversos antieméticos são eficazes e seguros na gravidez, incluindo: a piridoxina/doxylamine, anti-histamínicos (como a difenidramina), metoclopramida, e fenotiazinas (como promethazine).[17][18] Com respeito à eficácia, não se sabe se um é superior a outro.[17] Nos Estados Unidos e no Canadá, a combinsção doxylamine-piridoxina (como Diclegis nos EUA e Diclectin no Canadá) é o único tratamento aprovado decategoria "A" para ser prescrito para gestantes para as náuseas e vômitos da gravidez.[18]

Ondansetrona pode ser benéfica, mas existem algumas preocupações a respeito de uma associação com fenda palatina,[19] e há poucos dados de alta qualidade.[17] Metoclopramida também é utilizada e relativamente bem tolerada.[20] Evidência para o uso de corticosteróides é fraca.[21]

Medicina alternativaEditar

Há evidências experimentais de que o gengibre pode ser útil; no entanto, não está claro.[22][23] Preocupações com a segurança têm sido levantadas em relação a sua propriedade anticoagulante.[24][25]

HistóriaEditar

TalidomidaEditar

A talidomida foi originalmente desenvolvida e prescrita como uma cura para o enjoo matinal, na Alemanha Ocidental, mas o seu uso foi interrompido quando foi descoberto que causa defeitos de nascimento. A Food and Drug Administration nos Estados Unidos nunca aprovou talidomida para uso como uma cura para o enjoo matinal.

ReferênciasEditar

  1. a b c d e f g h i «Practice Bulletin No. 153: Nausea and Vomiting of Pregnancy.». Obstetrics and gynecology. 126 (3): e12-24. Setembro 2015. PMID 26287788. doi:10.1097/01.aog.0000471178.18186.d6 
  2. a b c d Festin, M (3 de junho de 2009). «Nausea and vomiting in early pregnancy.». BMJ clinical evidence. 2009. PMC 2907767 . PMID 21726485 
  3. a b «Pregnancy». Office on Women's Health. 27 de setembro de 2010. Consultado em 5 de dezembro de 2015 
  4. a b c d e f g «Practice Bulletin Summary No. 153: Nausea and Vomiting of Pregnancy.». Obstetrics and gynecology. 126 (3): 687–8. Setembro 2015. PMID 26287781. doi:10.1097/01.aog.0000471177.80067.19 
  5. a b Koren, G (dezembro 2014). «Treating morning sickness in the United States--changes in prescribing are needed.». American Journal of Obstetrics and Gynecology. 211 (6): 602–6. PMID 25151184. doi:10.1016/j.ajog.2014.08.017 
  6. Matthews, A; Haas, DM; O'Mathúna, DP; Dowswell, T (8 de setembro de 2015). «Interventions for nausea and vomiting in early pregnancy.». The Cochrane database of systematic reviews (9): CD007575. PMID 26348534. doi:10.1002/14651858.CD007575.pub4 
  7. Lagiou, P; Tamimi, R; Mucci, LA; Trichopoulos, D; Adami, HO; Hsieh, CC (abril 2003). «Nausea and vomiting in pregnancy in relation to prolactin, estrogens, and progesterone: a prospective study». Obstetrics and gynecology. 101 (4): 639–44. PMID 12681864. doi:10.1016/s0029-7844(02)02730-8. Consultado em 27 de fevereiro de 2014 
  8. Elizabeth Bauchner; Wendy Marquez. «Morning Sickness: Coping With The Worst». NY Metro Parents Magazine. Consultado em 6 de julho de 2008 
  9. Niebyl, Jennifer R. (2010). «Nausea and Vomiting in Pregnancy». New England Journal of Medicine. 363 (16): 1544–1550. PMID 20942670. doi:10.1056/NEJMcp1003896 
  10. a b Nesse, Randolphe M; Williams, George C (1996). Why We Get Sick 1st ed. New York: Vintage Books. 290 páginas 
  11. Pepper GV, Craig Roberts S (outubro 2006). «Rates of nausea and vomiting in pregnancy and dietary characteristics across populations». Proceedings of the Royal Society B. 273 (1601): 2675–2679. PMC 1635459 . PMID 17002954. doi:10.1098/rspb.2006.3633 
  12. Chan, Ronna L.; Olshan, A. F.; Savitz, D. A.; Herring, A. H.; Daniels, J. L.; Peterson, H. B.; Martin, S. L.; et al. (Sep 22, 2010). «Severity and duration of nausea and vomiting symptoms in pregnancy and spontaneous abortion». Human Reproduction. 25 (11): 2907–12. PMC 3140259 . PMID 20861299. doi:10.1093/humrep/deq260  Verifique data em: |data= (ajuda)
  13. Sherman, Paul W.; Flaxman, Samuel M. (2002). «Nausea and vomiting of pregnancy in an evolutionary perspective». Am J Obstet Gynecol. 186 (5): S190–S197. PMID 12011885. doi:10.1067/mob.2002.122593 
  14. Haig, David (outubro 1993). «Genetic conflicts in human pregnancy». Quarterly Review of Biology. 68 (4): 495–532. PMID 8115596. doi:10.1086/418300 
  15. Flaxman, Samuel M.; Sherman, Paul W. (junho 2000). «Morning sickness: a mechanism for protecting mother and embryo». Quarterly Review of Biology. 75 (2): 113–148. PMID 10858967. doi:10.1086/393377 
  16. Matthews, A.; Haas, D. M.; O'Mathúna, D. N. P.; Dowswell, T.; Doyle, M. (2014). «Interventions for nausea and vomiting in early pregnancy». The Cochrane Library: CD007575. PMID 24659261. doi:10.1002/14651858.CD007575.pub3 
  17. a b c Jarvis, S; Nelson-Piercy, C (Jun 17, 2011). «Management of nausea and vomiting in pregnancy.». BMJ (Clinical research ed.). 342: d3606. PMID 21685438. doi:10.1136/bmj.d3606 
  18. a b Clark SM, Dutta E, Hankins GD (setembro 2014). «The outpatient management and special considerations of nausea and vomiting in pregnancy». Semin Perinatol. S0146-0005 (14): 00102–5. PMID 25267280. doi:10.1053/j.semperi.2014.08.014 
  19. Koren, G (outubro 2012). «Motherisk update. Is ondansetron safe for use during pregnancy?». Canadian Family Physician. 58 (10): 1092–3. PMC 3470505 . PMID 23064917 
  20. Tan, PC; Omar, SZ (abril 2011). «Contemporary approaches to hyperemesis during pregnancy.». Current opinion in obstetrics & gynecology. 23 (2): 87–93. PMID 21297474. doi:10.1097/GCO.0b013e328342d208 
  21. Poon, SL (outubro 2011). «Towards evidence-based emergency medicine: Best BETs from the Manchester Royal Infirmary. BET 2: Steroid therapy in the treatment of intractable hyperemesis gravidarum.». Emergency medicine journal : EMJ. 28 (10): 898–900. PMID 21918097. doi:10.1136/emermed-2011-200636 
  22. Matthews, A; Haas, DM; O'Mathúna, DP; Dowswell, T; Doyle, M (21 de março de 2014). «Interventions for nausea and vomiting in early pregnancy.». The Cochrane database of systematic reviews. 3: CD007575. PMID 24659261. doi:10.1002/14651858.CD007575.pub3 
  23. Thomson, M.; Corbin, R.; Leung, L. (2014). «Effects of Ginger for Nausea and Vomiting in Early Pregnancy: A Meta-Analysis». The Journal of the American Board of Family Medicine. 27 (1): 115–122. ISSN 1557-2625. doi:10.3122/jabfm.2014.01.130167 
  24. Borrelli F, Capasso R, Aviello G, Pittler MH, Izzo AA (2005). «Effectiveness and safety of ginger in the treatment of pregnancy-induced nausea and vomiting». Obstetrics and gynecology. 105 (4): 849–56. PMID 15802416. doi:10.1097/01.AOG.0000154890.47642.23 
  25. Tiran, Denise (Feb 2012). «Ginger to reduce nausea and vomiting during pregnancy: Evidence of effectiveness is not the same as proof of safety». Complementary Therapies in Clinical Practice. 18 (1): 22–25. ISSN 1744-3881. doi:10.1016/j.ctcp.2011.08.007  Verifique data em: |data= (ajuda)