Abrir menu principal
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde outubro de 2016). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Disambig grey.svg Nota: Para o álbum da banda alemã Haggard, veja Eppur Si Muove.
Galileo diante do Santo Oficio, pintura do século XIX, por Joseph-Nicolas Robert-Fleury.

Eppur si muove ou E pur si muove (mas se movimenta ou no entanto ela se move, em português) é uma frase polêmica que, segundo a tradição, Galileu Galilei pronunciou depois de renegar a visão heliocêntrica do mundo perante o tribunal da Inquisição.

Simbolismo da fraseEditar

Diz a lenda que o matemático, físico e filósofo italiano Galileu Galilei murmurou esta frase depois de ter sido obrigado a renegar em 1633, diante da Inquisição, sua tese de que a Terra se move em torno do Sol.

No momento do julgamento de Galileu, a visão dominante entre os teólogos, filósofos e cientistas era de que a Terra seria estacionária, e de fato o centro do universo. Adversários de Galileu acusaram-no de heresia, crime punível com a morte pelo tribunal da Inquisição. Tendo Galileu se retratado, foi colocado sob prisão domiciliar até sua morte, nove anos após o julgamento.

No entanto, a mais antiga biografia de Galileu, escrita por seu discípulo Vincenzo Viviani, não menciona esta frase, e descreve Galileu como tendo-se retratado sinceramente.

Do ponto de vista simbólico, a frase sintetiza a estabilidade dos fatos descobertos pela ciência mesmo diante da censura pela ; a quintessência do conflito entre descobertas científicas e as convenções de autoridade. A expressão Eppur si muove é usada com frequência como um apontamento de que os fatos físicos continuam sendo os mesmos, independente de opiniões ou religiões.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  Este artigo sobre História da ciência é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.