Equinoxe
Álbum de estúdio de Jean Michel Jarre
Lançamento 1978
Gravação Janeiro de 1978 – Agosto de 1978.
Gênero(s) New Age, Música Eletrônica
Duração 39:09
Gravadora(s) Disques Dreyfus
Produção Jean Michel Jarre
Opiniões da crítica

O parâmetro das opiniões da crítica não é mais utilizado. Por favor, mova todas as avaliações para uma secção própria no artigo. Veja como corrigir opiniões da crítica na caixa de informação.

Cronologia de Jean Michel Jarre
Oxygene
(1976)
Les Chants Magnétiques
(1981)

Équinoxe (português: equinócio) é um álbum de música eletrônica e ambiente lançado em 1978 pelo famoso instrumentista e compositor francês Jean Michel Jarre. Foi o segundo álbum lançado pela Disques Dreyfus e o quarto de sua carreira.

O álbum vendeu mais de 10 milhões de cópias, porém mesmo assim não atingiu a marca semelhante ao seu antecessor Oxygene, de 1976. O álbum reflete a um dia na vida do ser humano, desde a manhã (partes 1 a 4) até à noite (partes 5 a 8). O lançamento foi seguido de um concerto na Praça da Concórdia, em Paris, França, no dia 14 de julho de 1979. O concerto atraiu 1 milhão de pessoas, tornando a primeira entrada de Jarre no Guinness Book para a maior platéia em um concerto ao ar livre.

FaixasEditar

Todas as faixas compostas por Jean Michel Jarre.

  1. "Equinoxe Part 1" – 2:25
  2. "Equinoxe Part 2" – 5:00
  3. "Equinoxe Part 3" – 5:09
  4. "Equinoxe Part 4" – 6:54
  5. "Equinoxe Part 5" – 3:47
  6. "Equinoxe Part 6" – 3:28
  7. "Equinoxe Part 7" – 7:06
  8. "Equinoxe Part 8" – 4:57

CuriosidadesEditar

  • O desenho da capa do disco foi criado por Granger Michel e consistia em uma fileira de seres azuis segurando um binóculos como se estivessem de olho naquele que estivesse vendo a imagem.
  • Em The Concerts In China de 1982, Jarre apresentou uma versão curta de "Equinoxe VIII" intitulada como "Band In The Rain" (entendida como a introdução da faixa original). Nos concertos mais recentes, apresenta versões acústicas desse tema tocadas em um realejo.
  • Temas como Equinoxe I, II, V e VI nunca mais foram interpretadas por Jarre em seus concertos.