Abrir menu principal

Ermida do Milagre (Santarém)

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde novembro de 2011). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.

A Ermida do Santíssimo Milagre situa-se em Santarém, no centro histórico da cidade, na proximidade da Igreja de Santo Estêvão. Este pequeno templo, fundado no século XVII, foi erigido no local onde, segundo a tradição, se erguia a casa da mulher que cometera o sacrilégio que esteve na origem do Santíssimo Milagre, ocorrido em 1266. Actualmente, a relíquia do milagre encontra-se exposta na Igreja de Santo Estêvão (conhecida hoje como Santuário do Santíssimo Milagre).

A ermida foi mandada construir em 1663, por D. Manuel dos Reis Tavares e por sua mulher, D. Margarida César de Almeida. A fachada principal do templo é enquadrada por pilastras com pináculos cónicos e é rematada por um frontão curvo, sobre o qual assenta uma sineira. O portal é de vão rectangular e o lintel arquitravado, encimado por uma pedra de armas com a representação do Santíssimo Sacramento.

A nave é coberta por abóbada de canhão, com ornatos de estuque policromo, imitando caixotão em madeira. As paredes laterais exibem arcos cegos redondos, apoiados em pilares de cantaria, enquadrando cartelas maneiristas em pedra. À direita da porta, encontra-se colocada uma pia de água benta assente numa coluna manuelina invertida. A nave encontra-se separada da capela-mor através de um arco triunfal redondo, em cantaria, erguido sobre pilastras toscanas.

A capela-mor é rematada por uma cúpula piramidal, com lanternim e ornatos em estuque imitando mármore. O altar-mor é revestido por mármores de várias cores, abrindo-se na parede do fundo um nicho, que alberga o trono, enquadrado por ornatos em talha rococó. Na parede do lado da epístola, ergue-se a pedra tumular dos fundadores da ermida, em mármore e assente em dois leões em cantaria, indicando que aqueles jazem debaixo do altar.

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.