Ernesto Veiga de Oliveira

etnólogo português

Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira (Porto, 24 de junho de 1910Lisboa, 14 de janeiro de 1990) foi um etnólogo português que contribuiu para a evolução dos estudos etnográficos e da museologia em Portugal. Fez parte da equipa que liderada por Jorge Dias, esteve génese do Museu Nacional de Etnologia da qual também faziam parte Margot Dias, Fernando Galhano e Benjamim Pereira.

Ernesto Veiga de Oliveira
Nascimento 24 de junho de 1910
Foz do Douro
Morte 14 de janeiro de 1990 (79 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Alma mater
Ocupação etnologista
Prêmios
Empregador Museu Nacional de Etnologia

BiografiaEditar

Ernesto Veiga de Oliveira, nasceu no dia 24 de Julho de 1910, na Foz do Douro (Porto), numa família cosmopolita portuense. [1][2][3]

Após ter concluído o secundário no Porto, foi para Coimbra estudar Direito, tendo terminado o curso em 1932. Exerceu advocacia durante apenas dois anos, experimenta outros trabalhos e acaba por ir trabalhar na função pública. [3] Em 1947, volta a inscrever-se novamente na Universidade de Coimbra onde faz o curso de Ciências Histórico-Filosóficas. [1][4]

Em 1953 junta-se à equipa que liderada por Jorge Dias no Centro de Estudos de Etnologia, está na génese do Museu Nacional de Etnologia da qual também faziam parte Margot Dias, Fernando Galhano e Benjamim Pereira.  [3][5][6][7]

 
Galerias da Vida Rural do Museu Nacional de Etnologia (Lisboa)

A partir daqui dedica-se exclusivamente à investigação. Acompanhado por Benjamim Pereira e Fernando Galhano percorre o país fazendo recolhas do património material e imaterial português, das quais se destacam a dos instrumentos musicais populares e outros objectos característicos do mundo rural português, entre eles: alfaias agrícolas, abrigos de pastor, equipamento doméstico e sistemas de atrelagem. A maioria destes podem ser vistos nas Galerias da Vida Rural do Museu Nacional de Etnologia, cuja organização ficou a cargo de Benjamim Pereira. [8][1] Por sua vez as gravações sonoras de instrumentos musicais e canções tradicionais (algumas delas cantadas por Catarina Chitas) podem ser ouvidos através do arquivo sonoro do projecto MemoriaMedia. [9]

Em 1973, após a morte de Jorge Dias, assume a direcção do Centro de Estudos de Antropologia Cultural e do Museu Nacional de Etnologia do qual era sub-director desde a sua criação em 1965, ficando no cargo até à reforma em 1980. [1][7]

Faleceu em Lisboa em 14 de Janeiro de 1990. No dia 23 desse mês iria ser homenageado pelos seus pares com a edição de um livro que retrataria a obra.[2][10][11]

ReconhecimentoEditar

Foi condecorado duas vezes pelo Estado Português. Primeiro foi agraciado com o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, no dia 30 de Julho de 1984. [12]

E a segunda vez, foi no dia 25 de Setembro de 1990, em que a título póstumo, distinguido com o grau de Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada. [12]

A Universidade de Évora distingue-o com o título de Doutor Honoris Causa em 1984. [4]

É homenageado na revista Trabalhos de Antropologia e Etnologia em 1990 por Vítor Oliveira Jorge. [13]

A poetisa portuguesa Sophia de Mello Breyner Andersen, dedica-lhe um poema aquando da sua morte, intitulado Para o Ernesto Veiga de Oliveira. [14]

Os Sétima Legião utilizaram samplers das suas gravações em alguns dos temas do seu último álbum de originais álbum Sexto Sentido, entre eles Em Pedra Dura. [15][16]

Foi também homenageado por várias câmaras municipais portuguesas que inseriram o seu nome na toponímia portuguesa, nomeadamente: Almada, Leça da Palmeira, Seixal, Oeiras, Funchal, Beja, entre outros. [17]

Publicações (Seleccionadas)Editar

Deixou uma vasta obra publicada, que inclui estudos dedicados à arquitectura, mobiliário, tecnologias tradicionais, festividades, romarias e música popular. Entre elas encontram-se:[18][19][20][21][22]

  • 1956 - Subsídios para o estudo do Entrudo em Portugal: O "Enterro do João" [23]

Referências

  1. a b c d «ERNESTO VEIGA DE OLIVEIRA». natura.di.uminho.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  2. a b gestor (19 de julho de 2018). «Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira». Folclore.PT. Consultado em 24 de julho de 2021 
  3. a b c «Dados biográficos e autobiográficos de Ernesto Veiga de Oliveira». Universidade do Porto. Trabalhos de Antropologia e Etnologia. 1990 
  4. a b «Universidade de Évora / Viver a UÉvora / Mérito / Doutoramentos Honoris Causa / Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira (1910-1990)». www.uevora.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  5. «Paulo Costa. "O Museu nunca teve a ideia que havia povos inferiores"». Luxemburger Wort - Edição em Português. 11 de agosto de 2019. Consultado em 24 de julho de 2021 
  6. «DGPC | Museu Nacional de Etnologia». www.patrimoniocultural.gov.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  7. a b «MatrizNet - Museu Nacional de Etnologia». www.matriznet.dgpc.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  8. «Reservas Visitáveis». 25 de janeiro de 2012. Consultado em 24 de julho de 2021 
  9. CRL, Memoria Imaterial. «MEMORIAMEDIA e-museo do Património Cultural Imaterial». www.memoriamedia.net. Consultado em 24 de julho de 2021 
  10. BAPTISTA, Fernando Oliveira (ed. lit.). Estudos em homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira. Lisboa : INIC. Centro de Estudos de Etnologia, 1989, pp. 7-16.
  11. Estudos em homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira. [S.l.]: Instituto Nacional de Investigação Científica, Centro de Estudos de Etnologia. 1989 
  12. a b «Entidades Nacionais Agraciadas com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Ernesto Luís Alves da Veiga de Oliveira". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 7 de março de 2021 
  13. «FLUP - Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira (coord.)». sigarra.up.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  14. «Para o Ernesto Veiga de Oliveira - Poema de Sophia de Mello Breyner Andresen». Escritas.org. Consultado em 24 de julho de 2021 
  15. Portugal, Rádio e Televisão de. «Sétima Legião reúne-se para assinalar 30 anos». Sétima Legião reúne-se para assinalar 30 anos. Consultado em 24 de julho de 2021 
  16. luisj. «Sétima Legião – Sexto Sentido | fmstereo». Consultado em 24 de julho de 2021 
  17. «Código Postal». Código Postal. Consultado em 24 de julho de 2021 
  18. «Obras de Ernesto Veiga de Oliveira existentes na Biblioteca Nacional de Portugal». catalogo.bnportugal.pt. Consultado em 20 de julho de 2021 
  19. MORIÉS, Branca; SARAIVA, Clara. «Trabalhos e registos» in Etnográfica, fevereiro de 2010 14 (1), pp. 177-184.
  20. «Ernesto Veiga de Oliveira | Wook». www.wook.pt. Consultado em 24 de julho de 2021 
  21. «Books by Ernesto Veiga de Oliveira (Author of Contos Populares Portugueses)». www.goodreads.com. Consultado em 24 de julho de 2021 
  22. «Ernesto Veiga de oliveira - Pesquisa Google». www.google.com. Consultado em 24 de julho de 2021 
  23. Oliveira, Ernesto Veiga de (1956). Subsídios para o estudo do Entrudo em Portugal: O "Enterro do João. [S.l.: s.n.] 
  24. Oliveira, Ernesto Veiga de (1958). Casas do Porto. [S.l.: s.n.] 
  25. Oliveira, Ernesto Veiga de (1972). Jogo do pau em Portugal. [S.l.]: Sociedade de geografia de Lisboa 
  26. «Tecnologia Tradicional Portuguesa». www.goodreads.com. Consultado em 24 de julho de 2021 

Ligações externasEditar