Erupção do Kilauea de 2018

A erupção do Kilauea de 2018 é considerada uma das maiores já registradas erupções do vulcão Kilauea, situado no Parque Nacional de Vulcões do Havaí, e teve início a 3 de maio de 2018 com a ocorrência de forte terremoto registrado com magnitude de 6,9 pontos — o maior a atingir a ilha desde 1975.[2]

Erupção do Kilauea em 2018

Lava avança pela Hoʻokupu Street em Leilani Estates
(5 de maio de 2018)
Vulcão Kilauea
Data 3 de maio de 2018 (2018-05-03)—presente
Tipo efusiva
Localização Ilha do Havaí (Havaí)
19.463° N 154.899° O
Impacto Fontes de lava, fluxo de lava, gás vulcânico e terremotos que forçaram a evacuação, com destruição de rodovias e um ferido.[1] Mais de 600 casas destruídas.

Em 25 de maio de 2018 mais de vinte fissuras já haviam sido verificadas, atingindo as subdivisões de Leilani Estates e Lanipuna Gardens.[3][4] Até essa data 82 estruturas (moradias, chalés, etc.) havia sido destruídas na região da baixa Puna.[5] A erupção forçou a evacuação de aproximadamente duas centenas de moradores; as fissuras emitiram rios de lava que a 19 de maio destruíram parte da estrada Hawaii Route 137 e finalmente atingira o oceano.[6] A 29 de maio a lava atingiu a estrada Hawaii Route 132, interrompendo da ligação entre Kapoho e Pahoa.[7]

Precedentes editar

A principal caldeira do Kilauea, chamada Pahoho (Puʻu ʻŌʻō) pelos nativos, encontra-se em erupção desde 3 janeiro de 1983 quando fissuras se abriram no solo por uma extensão de 7 km numa área remota de mata, assim permanecendo por três anos e meio; desde então grandes erupções foram verificadas, como a de julho de 1986, quando o fluxo sofreu um deslocamento — e a de 2014, quando a lava se deslocou 20 km a nordeste, chegando perto da cidade de Pahoa.[8]

Terremotos e rachaduras iniciais editar

 
Pahoho, a caldeira principal do Kilauea, expele cinzas após tremor de 5º, em 3 de maio de 2018.

Em erupção constante há vários anos, o Kilauea é um dos cinco vulcões do Havaí; no começo de maio a ilha foi afetada por vários tremores de terra, dentre os quais um em magnitude de 5 graus, após o qual várias fissuras na terra foram verificadas e que acarretaram a evacuação imediata de mil e setecentos moradores e a decretação de estado de emergência pelas autoridades.[2]

Na ocasião foram registradas emissões de gases e lava (estas numa altura de até 10 m e temperatura de 1.150 °C) a partir da cratera situada em Leilani Estates, na região de Mohala Street.[2] Após o maior tremor mais de 14 mil pessoas ficaram sem energia elétrica, o governador David Ige ativou a Guarda Nacional para auxiliar os moradores, e dois abrigos de emergência foram estabelecidos.[2]

Já no dia seguinte, 4 de maio, as primeiras duas casas destruídas a partir de três focos de erupção foram reportadas em Leilani Estates;[9] a defesa civil do Condado do Havaí reportou altos níveis tóxicos do gás dióxido de enxofre na área e o chefe da defesa civil, Talmadge Magno, declarou que as linhas de energia haviam derretido em razão do calor.[10][11] Nesse dia um terremoto de magnitude 6,9 sacudiu a ilha,[12] e de acordo com o Serviço Geológico, estava relacionado aos eventos eruptivos.[13] Algumas horas antes um tremor com 5,3 de magnitude havia sido registrado.[9]

No dia 6 de maio a defesa civil informou que um total de 26 casas tinham sido destruídas pela lava ou por incêndios em Leilani Estates desde o início das atividades.[14] Fontes jorravam lava naquela subdivisão do condado até uma altura de 90 metros,[15] formando uma linha que seguia no sentido nordeste/sudoeste.[16] As autoridades passaram a se preocupar com o potencial dano de uma importante fonte de água localizada nas proximidades.[17]

No dia 7 de maio 1.700 pessoas foram ordenadas a evacuar suas casas; duzentos moradores e seus animais de estimação foram alojados em dois abrigos da Cruz Vermelha e centenas de outros se hospedaram com parentes e amigos; vários socorristas foram afetados pela exposição ao gás dióxido de enxofre.[18] Nesse mesmo dia foi acionada a Carta Internacional sobe o Espaço e Grandes Desastres, que prevê o uso caritativo e humanitário de dados de satélite.[19]

Em 9 de maio, o número total de casas destruídas pela erupção aumentou para 27, com um número adicional de outras estruturas também destruídas.[20] A fissura de número 15 surgiu próximo de Lanipuna Gardens e ampliou a área coberta por lava a cerca de 47 ha desde se início no dia 3.[21]

A usina geotérmica Puna Geothermal Venture interrompeu as atividades, fechando sua última unidade no dia 22 de maio.[22] Mesmo produzindo 25% da energia da "Grande Ilha" as autoridades declararam que seu desligamento não iria representar escassez de fornecimento. Uma área de restrição de voo também foi praticada pelo órgão regulador aeronáutico para voos abaixo de três mil pés sobre a região da erupção.[9]

Imagens editar

Evolução eruptiva; fluxo atinge o mar editar

 
Rio de lava encontra o mar, após cruzar a Route 137.

No dia 12 de maio a fissura de número 16 surgiu na área leste de Puna, se aproximando da Usina Geotérmica Venture.[23] No mesmo dia à tarde surgiu, mais a leste, a fissura 17; em 14 de maio os fluxos da fissura 17 haviam percorrido a distância de um quilômetro e meio a partir do respiradouro,[4] que destruiu uma estrutura e levou as autoridades a aconselharem os moradores da área conhecida como "Four Corners" a evacuarem face à possibilidade de que a lava de uma futura fenda vir a cortar as rodovias 132 e 137; um porta-voz do prefeito informou que a química da lava estava mudando nessas fendas mais recentes, trazendo uma mistura de lava antiga e mais viscosa com o magma mais fluido, que se movia rapidamente.[24]

No dia 16 de maio já eram 20 as fendas abertas.[25] Nesse dia a pluma de cinzas do cume atingiu 12 mil pés. No dia seguinte uma erupção ali elevou as cinzas a 30 mil pés; a fenda 21 surgiu e vários terremotos de magnitude 3 danificaram a estrada de acesso ao Parque Nacional de Vulcões e algumas construções deste.[26][27] A 19 de maio algumas das fendas se fundiram num rio de lava, com o fluxo dividido em correntes paralelas; ao menos dois desses fluxos se dirigiram para a Reserva Florestal Malama Ki, cruzaram a rodovia 137 e chegaram ao Oceano Pacífico próximo ao MacKenzie State Recreation Area, produzindo ali nuvens tóxicas de laze (neologismo que incorpora as palavras em inglês para lava e neblinahaze — que ocorre quando a lava encontra a água), compostas por ácido clorídrico e partículas de vidro.[28] Avisos relativos ao perigo desses gases foram emitidos para as comunidades situadas a favor do vento a partir do encontro da lava com o mar.[3][6][29]

Em 22 de maio a fenda 22 tinham invadido o antigo lugar do Projeto Geotérmico do Havaí, adjacente à Usina Geotérmica, cujo solo mais a sul foi então informado que estava sob ameaça, a menos que a atividade da fissura 22 fosse reduzida.[30] Respingos e fluxo de lava na fissura 20 na zona inferior do Rift leste do vulcão Klauea

Imagens editar

Reabertura das fendas de Leilani Estates editar

A partir de 23 de maio as erupções nas fissuras orientais começaram a enfraquecer consideravelmente à medida em que a atividade da lava se movia para o oeste; fendas mais antigas foram reabertas para liberar o fluido do Pahoho, que rapidamente substituiu a saída de outra caldeira e levou ao acúmulo de lava ao extremo leste de Leilani Estates. No mesmo dia as fendas 5, 13 e 15 começaram a formar fontes de lava ao redor do cruzamento da rua Leilani com a avenida Kahukai. As fendas 3, 7, 8, 9, 21 e 23 mais acima da zona de fendas experimentaram uma atividade intermitente mais intensa entre os dias 24 e 27 de maio, quando então o centro de atividades migrou para as fendas 7 e 8. A 24ª fenda surgiu no complexo de fendas a 27 de maio, entre as fissuras 8 e 9. A piscina de lava formada fluiu para o leste em dois caminhos: um paralelo aos canais de lava que se dirigem ao oceano, e outro cruzando a Pohoiki Road, rumo aos limites ocidentais do empreendimento geotérmico de Puna.[31]

Com a continuada invasão da lava o número de estruturas destruídas foi revisado para cima, passando para 82 em 25 de maio.[5] A área de superfície coberta pela lava atingiu nesta data os 2,223 acre (unidade)s (0,00 900 km2; 0,003 473 sq mi).[32]

No dia 27 de maio um dos 11 poços da Usina Geotérmica de Puna (PGV) foi coberto pela lava do fluxo oriundo da fissura 7.[33][34] Foi a primeira vez que a lava atingira um poço geotérmico.[35] Algumas horas depois, um segundo poço da PGV foi atingido pela lava, juntamente com mais dez estruturas de Leilani Estates nas vizinhanças.[36]

No dia 29 a lava que escorria pela subdivisão Leilani Estates forçou o fechamento da Hawaii Route 132, estrada que ligava Pahoa a Kapoho. A via estadual foi fechada entre Four Corners e o Lava Tree State Park em razão da aproximação de um fluxo que também ameaçava a estrada de acesso à Usina Geotérmica Venture.[37] Naquele mesmo dia um fluxo de lava cobriu uma seção da rodovia.[7] O mesmo fluxo interrompeu o fornecimento de eletricidade para Kapoho e empreendimentos vizinhos, incluindo o Vacationland Hawaii, partes de Leilani Estates e de Lanipuna Gardens, sem qualquer previsão de quando a energia seria retomada nestas localidades.[38]

Na manhã de 3 de junho o fluxo de lava da fenda 8 atingiu Kapoho e Vacationland, destruindo centenas de casas, enterrando a maior parte da cidade em apenas um dia; a lava também atingiu a "Cratera Kapoho", fazendo evaporar todo o Green Lake, que era o maior lago natural de água doce do Havaí.[39] O largo fluxo atingiu o oceano na baía de Kapoho naquela noite, formando plumas de "laze", formando um delta de lava que ao fim da tarde do dia seguinte atingira 700 jardas (640 m2); a 5 de junho toda a baía havia sido preenchida e a lava continuava a irromper de modo vigoroso da fenda em Leilane Estates.[40][41] No dia 11 um terremoto de magnitude 5,4 foi registrado no Kilauea.[42]

A 17 de junho a Defesa Civil reportou que ao todo 5 914 acre (unidade)s (24 km2) haviam sido coberto por lava, com a destruição de 533 casas.[43] No dia seguinte o número de casas atingidas foi revisado para 614.[44]

Referências

  1. Amy Wang (20 de maio de 2018). «Lava spatter hits Hawaii man and shatters his leg in first known injury from Kilauea volcano». Washington Post. Consultado em 22 de maio de 2018 
  2. a b c d «Terremoto de magnitude 6,9 é registrado no Havaí». G1. 4 de maio de 2018. Consultado em 31 de maio de 2018. Cópia arquivada em 31 de maio de 2018 
  3. a b «4 rescued by helicopter as lava cuts off access to about 40 houses». Star Advertiser. 19 de maio de 2018 
  4. a b «HAWAIIAN VOLCANO OBSERVATORY DAILY UPDATE (KILAUEA VOLCANO), Monday, May 14, 2018, 8:36 AM HST». 14 de maio de 2018. Consultado em 14 de maio de 2018 
  5. a b «Explosions produce ash cloud that rose to 11,000 feet». Star Advertiser. 25 de maio de 2018 
  6. a b «Lava crosses Highway 137 and enters the ocean in lower Puna - Hawaii Tribune-Herald». Hawaii Tribune herald. 19 de maio de 2018. Consultado em 22 de maio de 2018 
  7. a b John Burnett (29 de maio de 2018). «Fast-moving lava crosses Highway 132 in lower Puna - Hawaii Tribune-Herald». Hawaii Tribune-Herald. Consultado em 31 de maio de 2018 
  8. Ken Rubin. «A Brief History of the Pu'u O'o Eruption». Hawaii Center for Volcanology. Consultado em 11 de maio de 2018. Cópia arquivada em 5 de agosto de 2012 
  9. a b c «Overnight, earthquakes and lava become the new norm on Hawaii island». Honolulu Star-Advertiser. 3 de maio de 2018. Consultado em 5 de maio de 2018 
  10. Kristen Consillio (4 de maio de 2018). «Volcanic gas a 'risk for everyone' in the area near lava outbreak». Honolulu Star-Advertiser 
  11. «Kilauea: Hawaii emergency declared over volcano eruption» (em inglês). BBC News. 4 de maio de 2018. Consultado em 4 de maio de 2018 
  12. «M 6.9 – 16km SW of Leilani Estates, Hawaii». earthquake.usgs.gov. Consultado em 4 de maio de 2018 
  13. The "lurch" of the M6.9 earthquake was prompted by pressure in the east rift zone due to the magma intrusion., «Kīlauea Eruption FAQs: General Questions». 22 de maio de 2018. Tectonic Summary: [...] This earthquake is directly associated with volcanic activity at Kilauea volcano, and the evolution of its rift system and volcanic edifice. [...]  «M 6.9 – 16km SW of Leilani Estates, Hawaii (2018-05-04 22:32:54 UTC)». earthquake.usgs.gov. Consultado em 25 de maio de 2018 
  14. «Gov. David Ige to meet with officials on Hawaii island over volcano relief». Honolulu Star-Advertiser. 6 de maio de 2018. Consultado em 9 de maio de 2018 
  15. Amy Graff (7 de maio de 2018). «Lava fountains spew 300 feet into the air on Hawaii in volcano eruption». SFGate. Consultado em 8 de maio de 2018 
  16. Amy Wang; Breena Kerr (7 de maio de 2018). «'Pele's the boss': Hawaii residents ride out uncertainty as lava devours more Big Island homes». The Washington Post. Consultado em 8 de maio de 2018 
  17. Carter Evans (6 de maio de 2018). «Hawaii Kilauea volcano eruption: Lava flows, toxic gas show no signs of slowing down». CBS News. Consultado em 7 de maio de 2018 
  18. Camila Domonoske (7 de maio de 2018). «Photos: Fissures, Lava Flow and Evacuations Continue on Hawaii's Big Island». KQED. Consultado em 8 de maio de 2018 
  19. «Earthquake and eruption of Kīlauea Volcano in the United States». International Charter on Space and Major Disasters. 7 de maio de 2018. Consultado em 22 de maio de 2018 
  20. «Lava claims 36 structures, mostly homes, in Leilani Estates». Honolulu Star-Advertiser. 8 de maio de 2018. Consultado em 11 de maio de 2018 
  21. Tom Callis (9 de maio de 2018). «Fissure opens near Lanipuna Gardens, bringing total to 15». Hawaii Tribune-Herald. Consultado em 9 de maio de 2018 
  22. «Kraftwerk wegen Lava stillgelegt : Spalt nur 200 Meter entfernt». ORF. 22 de maio de 2018. Consultado em 22 de maio de 2018 
  23. «New eruption reported in Lower Puna» (em inglês). Honolulu Star-Advertiser. 12 de maio de 2018. Consultado em 12 de maio de 2018 
  24. Star-Advertiser staff (13 de maio de 2018). «Latest fissure claims structure in Puna». Star Advertiser. Consultado em 14 de maio de 2018 
  25. [1]
  26. HAWAIIAN VOLCANO OBSERVATORY STATUS REPORT, U.S. Geological Survey, May 16, 2018
  27. «Explosive eruption at Kilauea summit sends ash 30,000 feet into air» (em inglês). Hawaii News Now. 18 de maio de 2018 
  28. «Hawaiians warned of toxic fumes threat». BBC News. 21 de maio de 2018. Consultado em 21 de maio de 2018 
  29. «'Laze' plume could carry toxic substances miles away from lava's ocean entry». Star Advertiser. 20 de maio de 2018 
  30. George Dvorsky (22 de maio de 2018). «Creeping Lava Now Threatens Major Hawaiian Power Plant». Gizmodo. Consultado em 22 de maio de 2018 
  31. «Lava speeds up, takes aim at Puna geothermal wells». Star Advertiser. 27 de maio de 2018 
  32. «Lava has destroyed 82 homes or structures and isolated an additional 37». Star Advertiser. 26 de maio de 2018 
  33. «Lava covers 2 wells at Puna geothermal plant before stalling». Hawaii News Now. 28 de maio de 2018. Consultado em 29 de maio de 2018 
  34. «Some Leilani Estates residents ordered to evacuate immediately». Hawaii Tribune-Herald. 27 de maio de 2018 
  35. Jolyn Rosa. «Lava covers potentially explosive well at Hawaii geothermal plant». Reuters. Consultado em 28 de maio de 2018 
  36. John Burnett (28 de maio de 2018). «Lava takes 10 homes, covers another geothermal well». Hawaii Tribune-Herald. Consultado em 29 de maio de 2018 
  37. Andrew Gomes (28 de maio de 2018). «Fast-moving lava shuts down highway near Leilani Estates». Star Advertiser 
  38. «Extended Power Outages in Lower Puna». Big Island Now. 29 de maio de 2018. Consultado em 1 de junho de 2018 
  39. «Slow moving flood of lava claims hundreds of homes». Hawaii News Now. 4 de junho de 2018 
  40. «River of lava claims hundreds more homes». Hawaii News Now. 5 de junho de 2018. Consultado em 5 de junho de 2018 
  41. «Lava Enters Kapoho Bay, Fissure 8 Pumping». Big Island Video News. 4 de junho de 2018 
  42. Kat Tenbarge (12 de junho de 2018). «Why Hawaii's Kilauea Volcano Can't Stop Triggering Earthquakes» 
  43. «East Rift Zone Eruption - 6/17/18 4:30 PM». Consultado em 25 de junho de 2018. Arquivado do original em 18 de junho de 2018 
  44. «Number of homes destroyed by lava reaches 614». 22 de junho de 2018 

Ligações externas editar