Abrir menu principal

Escolas de Aprendizes-Marinheiros do Brasil

No Brasil as Escolas de Aprendizes-Marinheiros são instituições de ensino da Marinha do Brasil, encarregadas da formação e incorporação de pessoal. O ingresso é realizado através de concurso público nacional cujos requisitos são ser brasileiro nato e ter concluído o ensino médio; ter mais de 18 anos e menos de 22 anos na data prevista para início do curso; ser solteiro, nunca haver vivido em concubinato ou união estável e não ter filhos.[1]

Índice

HistóricoEditar

Companhia de Aprendizes MarinheirosEditar

As Companhia de Aprendizes Marinheiros foram criadas em 27 de agosto de 1840.[2] A formação do aprendiz de marinheiro compreendia o curso primário e os elementos profissionais, estritamente necessários ao desempenho do serviço de bordo. Por ocasião da Guerra do Paraguai, houve uma ampliação das instalações, com a finalidade de formar trezentos aprendizes por ano para atender a demanda da Esquadra.[3]

Escola de Aprendizes MarinheirosEditar

Atualmente as Escolas de Aprendizes-Marinheiros (EAM) estão subordinadas à Diretoria de Ensino da Marinha do Brasil, existindo quatro estabelecimentos de ensino:

MissãoEditar

As Escolas de Aprendizes-Marinheiros têm o propósito de formar Marinheiros para o Corpo de Praças da Armada(CPA). Para a consecução de seu propósito, cabem às EAM as seguintes tarefas:

  • Assegurar ao aluno preparo intelectual, físico, psicológico, moral e militar-naval;
  • Proporcionar a habilitação básica ao exercício de atribuições destinadas aos Marinheiros dos Quadros de Praças da Armada (QPA).

Ligações externasEditar

Notas e referências

  1. Marinha abre 1.240 vagas para escola de aprendizes — de 30/01/2017, acessada em 21/08/2017
  2. Lei Imperial n° 148 de 27 de agosto de 1840.
  3. História da Escola de Aprendizes-Marinheiro de Pernambuco. Página acessada em 03/01/2012.
  Este artigo sobre a Marinha do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.